A casa esfera

Desde que vi pela primeira vez esta casa, naquela novela da Globo “A Favorita” nunca mais parei de pensar dela. A casa em questão era do “abilolado ufólogo” interpretado pelo José Mayer.
Sei que muita gente curtia o visual bizarro daquela casa, enfiada no meio de uma mata. Acidentalmente, eu encontrei boas fotos da casa quando fazia uma pesquisa e resolvi postar aqui.
Ao que parece, esta casa é de verdade. Não se trata de um cenário. Ela pertence a um executivo da própria Rede Globo.
Destaque para as luminarias baseadas no sistema solar.

%name A casa esfera

%name A casa esfera

Grandes áreas envidraçadas permitem a franca entrada da luz, que poupa energia. As árvores ao redor provêem boas áreas de sombra, mantendo a casa fresca no verão.

%name A casa esfera

%name A casa esfera

%name A casa esfera

Esta casa é praticamente toda construída com madeira de demolição, que dá um aspecto rístico na residência.

%name A casa esfera

%name A casa esfera

Subindo as escadas existe um mezanino com vista para a sala de estar e o acesso ao quarto.

%name A casa esfera

%name A casa esfera

%name A casa esfera

%name A casa esfera

%name A casa esfera

%name A casa esfera

%name A casa esfera

%name A casa esfera

%name A casa esfera

Embora a original seja feita quase totalmente de vidro, madeira de demolição e alvenaria, uma coisa interessante sobre esta casa é que ela é factível de ser construída usando material compósito, com vigas pultrudadas, que não enferrujam, além de serem mais leves. Estes materiais são usados também em plataformas de petróleo, dadas as suas características físicas e mecânicas.

Eu atualmente faço parte de um grupo que está estudando a aplicação de materiais compósitos, como os usados na construção do Maglev para fazer casas modernas e leves. Os novos materiais permitem inclsuive mimetizar a aparência da madeira, dando resultados surpreendentes sem preocupação com ataques de cupins ou fogo.

É possível por exemplo construir uma casa de estruturas de materiais compósitos que são 10X mais leves e 5X mais fortes que o aço.

O vidro pode ser substituído por lâminas de policarbonato e/ou outros materiais, como o Macrolon. Nossa meta é desenvolver um sistema de kit, que permita a construção de uma casa inteira num prazo entre 15 a 30 dias corridos. Não é uma coisa barata, mas a julgar pelas vantagens como praticamente anular a manutenção periódica, a utilização de material reciclado e o não uso da madeira em elementos estruturais, além da velocidade de construção da casa, que impacta diretamente na redução do custo de mão-de-obra, um dos mais altos na construçao civil, acho que a idéia pode ter algum potencial.

Em breve iremos começar a construção de uma casa de teste, para provar a tecnologia. Ela deverá ser ecológica principalmente na questão da energia, captando água da chuva e gerando quase a totalidade da energia que consumirá com o uso de painéis solares e um gerador eólico próprio.

Artigos relacionados

Comments

comments

42 comentários em “A casa esfera”

  1. Olá, Philipe! Sou visitante novata no seu site e dei de cara com essa casa maravilhosa. Enfim, li que vc está trabalhando num projeto de compósitos para casa. Vc tem algum artigo sobre ou a bibliografia em q vc está se baseando? Começo a estudar arquitetura este ano e gosto desses assuntos. Por favor, entre em contato, sim? Tenha uma ótima tarde.

    • OI Karla. Então, eu não estou me basaeando em nenhuma bibliografia específica. Nosso projeto é uma pesquisa de cunho comercial e não acadêmica. Certamente que depois de pronto, um dos arquitetos do grupo deve tornar isso um case, mas por enquanto, nós estamos apenas seguindo nossos instintos.

  2. po parabens eh sempre interessante buscar novas opcoes, e com certeza os compositos tem um futuro promissor… so gostaria de fazer um comentario, uma “casa ecologica” nao eh feita so de materiais reciclados, reaproveitamento da agua e paineis solares, mas principalmente de um processo de pensamento e execucao holistico e que avalia cada questao em relacao ao tripé da sustentabilidade. A questao que fica sobre esses materiais eh se eles sao viaveis em todos os sentidos, por exemplo, com o correto tratamento (e natural) a madeira resiste a cupins e se bem dimensionada tem resistencia maior ao fogo se comparado com o aço, sem contar que utilizr madeira na construcao é um dos melhores metodos para o sequestro de carbono. deve se levar em conta todo o ciclo de vida do material para analisar sua viabilidade, e é quando se absorve esse tipo de pensamento que pode-se tomar decisoes mais “sustentaveis” em relacao aos edificios…
    mas vamo la!! buscar novas alternativas e cada vez mais melhorarmos nosso (unico) planeta… abraco!

    • Thiago, vc tem toda razão. Nosso foco não é criar uma alternativa para a madeira, mas sim criar soluções de velocidade e leveza. A madeira pode e deve ser usada, mas imagino que existam muitas aplicações mais ideais para ela, como em móveis, esculturas, acabamento fino, etc.

  3. parabens pela iniciativa,belo trabalho,quanto a casa texte,caso aceite sugestoões ,ponho-me a disposição para consulta,trabalho cm aquecimento solar,piscina deck de madeira ofuro,hidraulica e eletrica residencial geral posso ser util,valeu.

  4. Boa dica Filipe. Gostei bastante do post e como sempre Gump!
    Quando tiver com resultados mais adiantados da pesquisa dos tais materiais gostaria de também postar no meu blog que é sobre arquitetura.

    • Sete dias foi a previsão que um amigo me deu, baseando-se em um kit já projetado, entregue e com uma equipe treinada especializada na montagem. Logico que na primeira casa de testes, isso deve pular pra mais de um mês. Mas imagina, fazer do zero uma casa em um mês. Pra mim isso já é algo foda, né?

    • Edneusa, nós vamos tentar fazer algo nessa linha. Talvez não exatamente esta casa. Isso ainda será debatido. Possivelmente os arquitetos da equipe darão contribuições fundamentais para o projeto. Mas com sinceridade, eu tô com um enorme tesão nesta casa aí. Se eu tivesse grana comprava um terreno num lugar de praia e metia uma casa igual a essa lá.

  5. Maravilhosa a casa, principalmente com esse mato em volta. Me lembra um pouco os Yurts, casas do deserto. Podes ver aqui:
    http://www.ehow.com/how_4524048_build-model-yurt.html

    • Com certeza. Uma vantagem que eu vejo nesta casa é que ela demanda pouco vigamento. E com essa estrutura semi-geodésica é possível usar vigas muito, muito leves na construção. A falta de grandes áreas de parede também facilita para usar materiais compósitos.

  6. Saindo um pouco do assunto, queria saber porque a quantidade de posts diminuiu drásticamente aqui no Mundo Gump. Espero que volte logo a postar como antigamente. Queria ver mais um post de suas esculturas, qual será a proxima???? :B

    • Então, Freak. Existem varios motivos para a quantidade de posts ter dado uma reduzida desde o fim de 2009 até agora. Eu tenho trabalhado mais. Com os prazos se apertando, nós temos que entregar o Maglev ainda este ano, sendo que boa parte do trabalho tem que ser finalizada até março de 2010.
      http://www.dee.ufrj.br/lasup/maglev
      Com isso, eu tenho ficado bastante ocupado, e isso me tira muito tempo que eu tinha reservado para o blog. Felizmente, isso é uma coisa que é só uma fase. Ela não acabou ainda, mas vai passar.
      Fora isso, eu comprei um Ps3 e ganhei um Xbox. Seria um pecado ter tanto jogo em casa e não jogar. Assim, nos poucos tempos que sobram, para não pirar, eu dou uma jogada. Se eu não tivesse videogame, eu teria ficado escrevendo coisas no blog. Então, querendo ou não, os videogames afetaram também o ritmo de postagem no blog. Se bem que neste caso, eu acho que não dá só pra trabalhar feito um escravo. Tenho que me divertir em algum momento da vida, né?
      E o pior de todos os problemas, é que eu fiquei doente. Fiquei ferrado, de cama por ins dias, o que me impediu de escrever no blog. Além disso, o dono da minha casa resolveu vender ela, e eu vou me mudar novamente. Como o apartamento que eu comprei com o dinheiro dos MIBS que me paragarm para não falar mais do Juca (isso é uma piada interna) ainda não está pronto, estou colocando ele a venda e comprando um novo, e isso toma muito tempo, pois tenho que ir ver cada um dos apês potenciais, olhar mil imóveis, etc.
      Como vê, eu sou igual a todo mundo, passo por uns perrengues de vez em quando e como tudo na vida, o blog sofre em momentos conturbados. Mas eu ainda estou trabalhando nele. Só não consiugo manter o mesmo ritmo de três posts ao dia como antes. O problema maior mesmo é o maglev, pois tem dias que eu chego tão cansado que não consigo nem mesmo falar. Mas é por uma boa causa.

      • Gostei muito do projeto dessa casa bola, me fez lembrar um livro sobre arquitetura usando cúpulas geodésicas que meu irmão comprou… E também tem uma casa esférica assim em São Paulo, quase na Av. Faria Lima, que em parte foi feita utilizando-se argamassa armada, inclusive o arquiteto que a projetou (infelizmente esqueci o nome dele) pensava em produção seriada… As áreas molhadas eram as mais interessantes, as peças sanitárias já eram feitas fazendo parte da casa, tudo com estudo ergonométrico e tudo o mais… Quanto ao Maglev, fiquei feliz de ver a atualização das fotos no site, e o adiantamento dos trabalhos, com o mocap quase pronto… Só fiquei encucado com uma foto do início dos trabalhos no maglev operacional, com aquela primeira parede sem janela… Mas ela deve ser cortada depois… Já estou sonhando com uma linha de Maglev no campos da UFMG e outra, com um trem maior, no Anel Rodoviário, aqui em BH, que na verdade é um arco, que liga as regiões Oeste, Norte e Leste de BH, inclusive passando próximo da UFMG… A via é praticamente perfeita para uma linha de Maglev; tem demanda (a CBTU chegou a pensar numa linha de metrô por lá), tem espaço, tem poucas árvores no canteiro central (árvores e linhas elevadas não se dão muito bem)… É mamão com açúcar! Já estou pensando na localização das estações, matutando no desenho delas (pensando no máximo em aproveitamento do teto para energia solar)… Quem sabe isso vira realidade!

  7. Deixa eu ser um pouco chato. Como anda o maglev? Tem alguma previsão para o lançamento do blog do maglev?
    abraços
    PS: (Eu vi as fotos da construção, esta ficando bem legal)

  8. Philipe adorei a idéia sobre o seu projeto, sou tecnica em gestão ambiental e entendo um pouco sobre isso, fiz um projeto para quilombola (apenas como trabalho pq ja existe um projeto em andamento)… espero q de certo, o problema da ecosustentabilidade é q as vezes sai um pouquinho caro, mais em compensação da mais qualidade e menos desvantagem para o meio ambiente!!!…bom fico por aqui e torcendo pra q de certo, pois eu adorei a idéia….

    bjãoo

    PS: eu adoro esse blog, fiko aki mais do q no meu proprio rsrsrs…talvez pq eu num tenho essa genialidade de escrever q nem vc rsrsrs…

    xauzinhhooo

  9. Olá Philipe, como vai?
    Estou cursando Engenharia na Escola Politécnica de São Paulo (USP) e estou desenvolvendo um trabalho sobre transporte urbano. As referências técnicas encontradas nos relatórios oficiais me ajudaram muito na elaboração do trabalho, mas sinto que falta uma certa atualização dos dados nos sites da UFRJ e no blog do Maglev Cobra. Há algum tempo não consigo encontrar atualizações sobre o estagio de implantação do sistema (pelo que imagino esta em fase de testes) e acerca de prazos e custos.
    Gostaria de pedir alguma referência seja qual for que possa apresentar alguma novidade sobre implantação, custo ou fotos qualquer coisa pode me ajudar. Desde já agradeço!
    ps1: a última informação que tive foi no portal R7.com e mostrava uma visita do ministro Aloísio Mercadante.
    Obrigado e curta a viagem!
    ps2: Não consegui enviar a mensagem na seção de contato.

    • Eu não sei te dizer em que pé estão as coisas, porque quando terminou o período do cotrato da minha empresa para fazer no INT o design do veículo, eu me desliguei do projeto.
      O que eu posso te dizer é que deu um rolo enorme naquele projeto. Os caras do Eike se interessaram, querfiam comprar o projeto, mas ficaram muito tempo estudando, a previsão de ter o veículo para a copa estava correndo risco de não acontecer. Os caras da UFRJ estavam relax (pois como funcionarios publicos, o deles estava garantido) e meu pai começou a se estressar. A falta de recursos foi se agravando, ao mesmo tempo em que o Lula conseguiu a MEGA CAGADA de flertar com o Almadinejad, que chamou de amigo e defendeu muitas vezes. COm isso, o supercondutor de alta temperatura crítica que era vital para o maglevcobra começou a se complicar, porque a ATZ da alemanha que estava fazendo pra nós ficou sob vigilância da agência de controle nuclear (ja que o supercondutor usado é usado tb para enriquecimento de urânio). Mas a coisa embolou de vez quando surgiu um empresario do sul que quis comprar uma parte no projeto. Ofereceu grana, mundos e fundos. Meu pai assinou um contrato com ele, mas os caras da UFRJ (que estavam crentes que se dariam bem com o Eike) ficaram putos com isso e criou-se uma guerrinha babaca. O proprio professor do laboratorio de supercondutores mandou emails agressivos para meu pai e para os caras do BNDES dizendo que não era para liberar o dinheiro, isso e aquilo. Ante o risco de perder grana, o empresario do sul não pagou meu pai. Deu o maior fusuê. Meu pai perdeu o saco de lidar com a vaidade acadêmica nacional e foi para a casa dele, na Espanha. Atualmente, ele esta fazendo consultorias para empresas de lá e daqui. Algumas ligadas a questões de ampliação aeroportuárias. Me parece que enquanto os caras não conseguirem grana, o projeto vai ser levar politicos “de gogó” para entrar no mocap e ouvir as mentiras de sempre de que “vai haver grana”.
      Ifelizmente, para escola de samba não falta dinheiro, mas para C&T sempre falta.
      Atualmente meu pai esta estudando com empresários a utilização de outras patentes dele em levitação para transporte publico na Europa.

      • Não sei o que dizer, eu estou sem palavras mesmo. Só posso desejar sorte e que o projeto saia realmente do papel. Fico mais triste pelo seu pai que se empenhou tanto e vê que a politicagem acaba com as coisas. Aliás nunca tive a oportunidade mas gostaria de parabenizá-lo pelo belo design do projeto…sempre achei algo surreal mas quando vi a construção da “cabine” fiquei estupefato.

        • Cara meu pai é o sujeito que menos esquenta a cabeça com essas merdas. Ele simplesmente segue em frente com outros inventos. (ele tem mais de 50 pedidos de patentes em áreas que vão da engenharia civil à inteligência artificial) Atualmente ele está aproveitando o rolo que deu para fazer um mestrado em vinhos lá na Espanha, onde ele mora.

        • Ah, e obrigado pelas palavras gentis sobre o design do veículo. Eu tb gostei do visual dele, que é apenas um de mais de trinta visuais que criamos para o maglev (já que no conceito original, cada cidade tem um trem com seu próprio visual). Credito o sucesso do visual do veículo aos meus parceiros Rubem Floriani, Expedito Kneipp e Tiago Pinto.

  10. Olá,
    Comprei uma casa semi demolidada e a idéia é fazer uma construção verde. Com a reciclagem dos materiais já do local e novas técnicas construtivas que visem o aproveitamento máximo, tanto energético como hidráulico.
    Já existe alguma coisa que possa ser divulgada?

    Abraço.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.