Meu Relato – O Velho da Mangueira

Estamos recebendo os primeiros relatos dos leitores, o que é muito legal! Aqui está o nosso primeiro reato dessa série, que é um relato do Leandro Rezende.

 

O Velho da Mangueira

Minha mãe sempre teve, desde jovem, uma espiritualidade muito aflorada.

É um assunto que é meio tabu na nossa família e talvez por isso que ela nunca comentou diretamente comigo.

Esse primeiro relato eu ouvi ela falando para outras pessoas e sempre gostei demais de ouvir, desde pequeno, a conversa dos adultos. Bom, meu avô pai da minha mãe era um “cuidador” de fazenda/rancho. Ele era vaqueiro e naquele tempo era normal o dono da fazenda empregar pessoas para morarem em algum lote e ali cuidar dos animais, do plantio etc.

Meu avô, que era um jogador viciado, brigou com o dono do lugar onde estavam e eles precisaram arrumar um lugar novo com urgência. Havia na região um rancho onde não parava ninguém, as pessoas diziam que era mal assombrado. Sem muita escolha, meu avô foi ao local com a minha mãe, que era primogênita da família, ver como era a roça.

Chegando lá, o dono ficou todo empolgado mostrando o lugar, e enquanto ele mostrava a fazenda minha mãe avistou umas mangueiras (pés de manga) carregadas.

Como ela adora essa fruta, ela se sentou embaixo de uma e começou a comer as mangas. Nisso chegou um senhor, um velho, muito simples, cumprimentou minha mãe e começou a falar com ela. Ele falava que morou ali a vida toda, que gostava muito dali. Ele contou como era a fazenda e que morava ali desde que era uma criança. Minha mãe estranhou que o senhor não comia manga e sempre olhava com um olhar triste, pesaroso, para o pasto e onde ficavam as vacas. Nisso, minha mãe ouviu o pai dela a chamando. Ela se despediu do senhor e saiu de perto.

Quando ela chegou onde estava meu avô, ela se lembrou que não perguntou o nome do velho. Aí ela perguntou para o dono da fazenda quem era o “senhor que estava ali”.

Nisso, o dono da fazenda ficou pálido porque a descrição era exatamente de um senhor que morava ali e ficou vivendo por lá até morrer.

Sem ter como esconder, ele contou ao meu avô que ninguém parava ali porque “o velho” assombrava o local. A noite, ele ficava tocando as vacas, ele ficava mexendo no quintal. Meu avô ia recusar ficar no local, porque minha avó era muito medrosa. Mas ele não tinha escolha, precisava de um lugar para ficar.

Como sempre tomava a frente, minha mãe disse que eles iam ficar ali sim e que eles iam dar um jeito.

Assim, fizeram a mudança, e já na primeira noite o velho apareceu. Realmente ele ficava tocando vacas, batia nas portas, mexia com as galinhas o tempo todo. E minha mãe às vezes via ele acenando do pasto. Nisso, minha avó e meus tios todos apavorados, eram pequeno demais, levou minha mãe a procurar lá em casa.
Ela achou um baú com objetos pessoais do velho. Então ela queimou os objetos e pediu que fosse rezado, durante as missas, preces para o senhor que havia falecido.
E aos poucos, aquela presença foi sumindo até que nunca mais o velho voltou a assombrar o local!
Se você conhece ou sabe de algum relato interessante e quer compartilhar conosco algo estranho/bizarro ou misterioso que aconteceu com você ou com alguém que você conhece, mande sua mensagem para nós aqui. 
https://www.mundogump.com.br/meu-relato-mande-seu-relato/

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertisment

Últimos artigos