Você sabia que sapo come cobra?

Pelo que me consta, a ordem natural das coisas é que cobras comem sapos, mas me deparei com esta estranha foto:

Você sabia que sapo come cobra?

Segundo a notícia publicada no jornal Northern Territory News, da Austrália, Graeme Sawyer não acreditou em seus próprios olhos quando ele viu a cena insólita de um sapão enorme comendo com vontade uma cobra. Sawyer está acostumado a ver sapos porque faz parte de um grupo de controle e observação desses animais, chamado FrogWatch. A cena sinistra ocorreu a 100km ao sul de Darwin, no domingo a noite.

Segundo Sawyer, quando ele viu a cena, o sapo já havia engolido 10cm dos 60cm totais da cobra.

“Eu fiquei completamente bolado” -Disse Sawyer aos jornalistas.

Sawyer removeu a cobra da boca do sapo e ela estava viva. Então ele se espantou ainda mais por perceber que havia testemunhado os momentos finais de uma luta de vida ou morte onde a obra havia saido perdendo. O sapo não estava comendo um cadáver de cobra, e sim jantando seu predador natural.

O sapão foi então marcado para controle biológico e solto de volta na natureza. A cobra foi jogada sobre uns arbustos.

Chris Peberdy, um estudioso de cobras da região, disse que a cena foi um incomum ato da natureza. Segundo Chris, a cobra era uma keelback, uma cobra que vive em águas limpas e charcos e é a única espécie conhecida na Austrália capaz de comer o famoso sapo cururu brasileiro.

Sim, por incrível que pareça, a cena que ocorreu na Austrália envolve uma serpente local mas um sapo nativo das Américas conhecido como sapo cururu (aquele da beira do rio) cujo nome correto é bufo marinus.

O sapo cururu foi introduzido na Austrália como uma solução natural para conter uma praga de besouro da cana. Apenas 102 sapos enviados do Havaí foram soltos na Austrália na década de 30 e em pouco tempo eles ultrapassavam os 3000 filhotes. Desde então, os sapos se multiplicaram e se espalharam rapidamente, existindo agora uma população com mais de 200 milhões de animais, que afeta a biodiversidade local. Estima-se que os sapos-cururus migram a uma velocidade de 50 km ao ano. E os sapos cururu da fronteira ocidental desenvolveram patas maiores. Os cientistas acreditam que isso é uma evolução para permitir maior capacidade de viagem em busca de alimento. Segundo a Wikipedia, Há vários registros sobre a diminuição de populações de varanos nativos e cobras depois da chegada dos sapos. Até então acreditava-se que as cobras australianas que não eram imunes ao veneno do sapo, morriam ao tentar comê-los. Mas pelo que parece, como diz o ditado, “a necessidade faz o sapo pular” e talvez até comer seus predadores naturais.

Os sapos-cururus adultos possuem grandes glândulas de veneno atrás dos olhos e outras glândulas espalhadas pelas costas. Quando se sentem ameaçados, segregam por essas glândulas um líquido branco e leitoso com várias substâncias conhecidas como bufotoxinas, tóxicas para muitos animais. Há registro de vários relatos de morte de animais, incluindo humanos (principalmente crianças), depois do seu consumo.
Parece estranho, mas jovens e adultos costumam LAMBER o sapo para dar uma viajada. Isso porque o veneno do sapo é classificado como uma droga de classe 1 pelas leis australianas. Esta é a mesma classificação dada à heroína e cocaína. Acredita-se que os efeitos da bufotenina, o veneno do cururu,  são similares aos de um envenenamento suave, o efeito estimulante, que inclui leves alucinações, que duram menos de uma hora. O problema é que não existem medidas seguras para o consumo da bufotenina e junkies australianos morrem como moscas lambendo sapinhos.

Outro estudo realizado na Austrália, apontou que o sapo-cururu está se adaptando para um maior alcance ambiental e pode, no futuro se espalhar por habitats atualmente não disponíveis.

Este grafico mostra a evolução do cururu na Austrália. Medições de 5 em 5 anos.

Você sabia que sapo come cobra?

Na América do Sul, foi registrada uma densidade de 20 adultos para cada 100 metros de litoral, mas na Austrália alcançam de 1.000 a 2.000 adultos na mesma área! Outro problema é que eles vivem muito: O sapo-cururu vive em média de 10 a 15 anos na natureza, podendo chegar a 20 anos em cativeiro

A partir de 2005, começou a ser usada luz ultravioleta para atrair, capturar e exterminar sapos-cururus. Em junho de 2006, a Universidade de Queensland anunciou uma pesquisa em um gene para inverter o sexo dos sapos-cururus fêmeas, levando ao aumento do número da população de machos, impedindo a sua reprodução e eliminando-os por falta de fêmeas.

Na Austrália têm sido feitas tentativas de uso dos sapos-cururus mortos, que podem chegar aos milhares, causando problemas sanitários. Isso inclui tratamento dos cadáveres para a produção de fertilizantes líquidos.  Sua pele também pode ser usada como couro para roupas e acessórios.

Eu mesmo coloquei aqui há um tempo atrás uma notícia sobre uma empresa que fazia roupas e bolsas com sapos mortos.

Nos estados australianos onde o cururu é comum, são populares alguns esportes cruéis como críquete ou golfe com sapo-cururu. Usando equipamentos esportivos como tacos de golfe ou pás de críquete, há pessoas que ferem gravemente ou matam esses animais, tentando, em vão, causar algum impacto sobre as populações de sapo-cururu. Contudo, este tipo de ataque não é eficaz, pois a força exercida com a pá ou taco não é suficiente para matar os animais imediatamente, além de seu veneno continuar tóxico após a morte.

O interessante disso tudo é que -estou chutando- se a situação alimentar na Austrália começar a ficar sériamente comprometida, com a taxa de reprodução do sapo (36 mil ovos por ninhada! e se reproduzem em qualquer época do ano) estamos testemunhando uma virada ecológica na estrutura da cadeia alimentar por lá. É possível que o cururu continue a evoluir, crescendo cada vez mais (hoje ele é o maior sapo do mundo passando dos 38cm) e tornando-se um animal mais e mais agressivo. Quem sabe,  se continuar assim, ele até venha a atacar o homem?

Você sabia que sapo come cobra?

FOnte

Fonte

Related Post

35 comentários em “Você sabia que sapo come cobra?”

  1. Deviam fazer pesquisas como estas para inverter o sexo dos aborígenes australianos, Eles até hoje comem rabo dos coitados Cangurus, ou seja nem sequer evoluíram. Deviam extermina-los, o mesmo digo dos turistas europeus e americanos.

  2. Aí, Philipe, parabéns pelo post!

    Assunto interessante, claro e bem escrito!
    Agora poderíamos especular o seguinte:
    A evolução diz que, dentre outras coisas, com comida farta, o animal tende a diminuir de tamanho, tipo “ficando preguiçoso”, pois diminui a luta por ela. Como Austrália tem cobra e outros bichos para dar com pau, e o Bufus não tem predador natural por lá, creio que comida não seja problema. Assim, as 3 situações que estimulariam o crescimento e a agressividade seriam: para se defenderem dos Junkies Lambe-Lambe, praga urbana que também assola o pais; Para repelirem o homo sapiens que querem seu couro a qualquer custo para se emperequetar, e que também estão por todo lado; e, principalmente, a luta por pererecas Cururu, por motivos óbvios!

    Abraços!

  3. :love: eu já vi sapo comer cobra sim , uma coral de mais ou menos 30cm e muito legal eu achei xiq d+ o sapo era piqeno… x_x :argh: 😐 :$ :B 😎 :*( :curious: :gasp: =D :happy: :/ 😀 :injured: 😆 :lol2: :love: :X :meh: O_o :ohhyeahh: D: :omg: 😛 🙁 0_0 :shocked: :sly: 🙂 :] ;] :worry: :wow: :wow:

  4. :love: 😛 :omg: D: :ohhyeahh: :shocked: :ohhyeahh: esse povo e metiroso na verdade e sso abraco entre amigos x_x :wow: :worry: :worry: ;] :] :argh: 😐 :$ 😎

  5. cv que ciacha ta dopos cv vai quere  tira e não vai consiquir                                                  beijos alice!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  6. Meus amigos,nem um de vocês acertou:o único predador do sapo cururu é o guaxinim.O guaxinim é uma espécie de cachorro,que chupa cana e tem medo de fogo.Ele vira o sapo de cabeça pra baixo,e come suas viceras.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares