13 Comentários

  1. Nilton Frias

    Ou seja, depois desse tempo todo pra imprimir 3 cabeças, você vai pintá-las e depois reimprimir em outra impressora de maior fidelidade pra criar o molde? Já que o cliente pré aprovou, era realmente necessário uma impressão prévia em “baixa resolução”?

    Responder
    1. Philipe3d

      OI NIlton, no caso, essas três matrizes funcionam assim: As duas primeiras são peças de clientes que também servirão de referência de pintura para as replicas industriais depois. Elas não estão em baixa resolução, estão em resolução altíssima e por isso demora tanto para nascer. A última, que será a peça que dará origem ao molde, também terá uma resolução altíssima, mas essa peça não será produzida no sistema FDM por derretimento de plastico, e sim por um processo de endurecimento de resina usando uma frequencia luminosa. Isso por natureza consegue gerar uma resolução ainda maior para a peça final. Todas as peças são em alta resolução, mas a última delas a definitiva usa outro sistema de impressão 3d, feito numa impressora que custa mais de um milhão.

      Responder
  2. Ramón Rodrigues

    Philipe, sempre fico impressionado com a qualidade de seus trabalhos, seu patamar é realmente Gump! kkkkk
    Te mandei um email lá pela na seção de contatos, answer me please….

    Responder
  3. Diego

    Philipe, qual é a diferença de imprimir inteiro, como nesse caso, e em partes (tipo frente e verso)? Se não me engano a Santa Rita de Cassia foi diferente o método né?

    Responder
    1. Philipe3d

      Foi sim. Eu poderia ter feito ela inteira, mas naquele caso, eu tinha pouco tempo no cronograma, e a parte de trás da cabeça estaria debaixo do manto. Não havia razão logica para usar alta resolução na parte que nunca apareceria. Por isso dividimos, foi para acelerar. Já esse cara aqui vai ser olhada de perto de todos os ângulos imagináveis por isso precisava ser todo na mesma resolução.

      Responder
  4. Alarico Caiser Soze

    As impressoras 3d (a sua, em particular) são de excelente qualidade, pelo visto. Ficar trabalhando tanto tempo num projeto tão “pesado” desses e não dar pau é realmente de tirar o chapéu. Para quem está acostumado com impressoras comuns, e que tem arraigada aquela ideia de uma coisa frágil e que dá problema toda hora… é um novo conceito de “impressora”.

    Responder
    1. Philipe3d

      Na verdade, as impressoras 3d não são realmente impressoras, mas o apelido pegou. Me parece que o nome correto dessas maquinas é “prototipadora” Elas são criadas para muuuitas horas de trabalho contínuo.

      Responder
  5. Carlos Eduardo Lessa de Farias

    Que foda, Philipe! Sempre me surpreende com seu trabalho!

    Responder
  6. David

    Fala Philipe!

    Quando sai a segunda parte do Orc Gigante?

    OBS: Bem que o Jô poderia te entrevistar novamente antes de encerrar o programa

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *