F.A.Q. – Perguntas frequentes

 

1- Como posso colaborar com o Mundo Gump?

R: Você pode colaborar com o Mundo Gump de muitas formas possíveis. A mais comum é enviando ideias e sugestões de posts direto pelo nosso formulario de contato. Você também pode dar suporte ao Mundo Gump ajudando financeiramente. Sua doação será usada para pagamento dos servidores, domínio, compra de materiais para posts de esculturas e etc.

2- Como faço uma doação ao Mundo Gump?

R: Para doar qualquer quantia ao Mundo Gump, aqui esta o link 

3- Eu fiz uma sugestão de post, mas ela foi ignorada. Por que?

R: É muito pouco provável que sua sugestão tenha sido ignorada. O que acontece é que temos um volume enorme de sugestões de posts. Muitas vezes, é difícil lidar com todo este volume de ideias que os leitores dão. As sugestões são analisadas e enviadas a uma pasta específica, que forma um tipo de “fila” de sugestões. A fila no momento em que fazemos este FAQ, já ultrapassa as 1500 sugestões de posts.
Outra possível razão para sua sugestão não aparecer aqui é que ela pode ser de alguma coisa que já foi postado aqui anteriormente. O Mundo Gump existe desde 2006 e o número total de posts ultrapassa os 3000. Muitas sugestões que nos enviam, são de coisas ao qual já falamos anteriormente. Tem gente que manda inlcusive, posts daqui que foram copiados na íntegra por outros blogs. O visitante desconhece isso, acha legal o post no outro site  e sugere pra nós o nosso próprio post.  Isso já aconteceu várias vezes.
Uma outra razão para uma sugestão não aparecer aqui é ela estar em desacordo com os termos de uso do blog. Nossa política de relação com os anunciantes impede artigos de natureza sexual. Logo, se um leitor sugere ou pede um conto erótico, não poderemos fazer isso, mesmo que a ideia seja sensacional. Do mesmo modo posts ensinando a fazer bombas, invadir computadores alheios e coisa do tipo nós não publicamos.
Outro tipo de assunto que não publicamos são hypes excessivamente trabalhados por outros blogs. A razão disso é nossa política interna de diferenciação da massa. Pra onde a massa vai, nós fugimos. Se todo mundo está falando de um certo assunto, tem uma boa chance do Mundo Gump nem tocar nele.
E finalmente, há o caso mais comum, que é de uma excelente sugestão, pertinente e em acordo com o estilo do Mundo Gump, porém, é uma ideia que demanda pesquisa, e bastante trabalho investigativo. Estas ideias são enviadas para uma pasta especial e vão entrando com o tempo. Muitas vezes, o conhecimento necessário para falar sobre alguma coisa muito específica é tamanho que isso pode demorar um pouco. Como nós tentamos fazer o nosso trabalho com qualidade, não vamos postar por postar. Nossa meta é oferecer conteúdo que acrescente informações interessantes ao leitor. Isso dá trabalho, consome tempo. Isso é o que explica o atraso.

4- Eu quero trabalhar no Mundo Gump. Como eu faço?

O Mundo Gump, é por natureza, um blog autoral. Por ser autoral, ele não conta com uma equipe de redatores. Ele tem um dono, e é o dono que “se vira nos trinta” diariamente para entreter milhares de leitores. Atualmente, nós estamos modelando um sistema que permitirá ao leitor contribuir de forma mais direta com os conteúdos do blog. Gradualmente, o Mundo Gump está caminhando para se tornar uma empresa, mas por enquanto, nós não estamos contratando ninguém. Isso não significa que nós não iremos fazê-lo num futuro próximo.  Quando isso acontecer, será amplamente anunciado.

5- Eu tenho uma história que gostaria de ver publicada no Mundo Gump. É possível?

Não.

A explicação para isso é simples: Imagina a confusão que vai ser na vida do autor do Mundo Gump se todos os leitores que tem histórias legais resolverem mandar pra ele ler e avaliar se é possível publicar a história dos leitores no Mundo Gump? Com cinco maracanãs lotados TODO MÊS, seria muita coisa pra ler. Isso atrapalharia tudo, tumultuaria o blog de uma forma impressionante. Afetaria o tempo – já escasso- dedicado ao levantamento de assuntos, pesquisas, produção de posts, e trabalho de bastidor (ler as sugestões, responder comentários, configurar o sistema, atualizar, fazer backups, etc.). Outra coisa, se nós publicássemos textos dos leitores, seria injusto com algumas pessoas, que tiveram trabalho de criar e teriam sua obra exposta num espaço monetizado. Nós não teríamos a cara de pau de publicar um texto seu, ganhar dinheiro com a propaganda em cima, e não te pagar nada por isso. Dessa forma, nós teríamos que pagar por todas as contribuições, o que afetaria gravemente o nosso caixa dedicado à manutenção do site.
Outra coisa que seria injusta, é receber o trabalho de pessoas que estão começando a escrever e publicar alguns e não publicar outros. Qual seria o critério? E em que grau teríamos um critério realmente isento não-subjetivo?

Isso para quem não tivesse seu trabalho exposto aqui seria altamente frustrante, e poderíamos matar sem querer um futuro talento da literatura – com a melhor das intenções.

Fora esses motivos, os leitores que entram aqui desde 2006, entram sabendo que é um blog autoral e que os textos e contos do Mundo Gump são obras de Philipe Kling David. Publicar textos de outras pessoas poderia frustrar os leitores fiéis, e na pior das hipóteses, poderia causar uma desagradável confusão com relação a autoria de determinado texto.

Isso vale para histórias em quadrinhos, tirinhas, roteiros, poesias e etc.

6- Eu quero anunciar no Mundo Gump. Vale a pena?

Sim e não. Vamos ser honestos com você: O MG, recebe cerca de 500.000 leitores únicos todo mês. Essa galera provém em massa do Brasil, mas tem uma boa quantidade do exterior também. O tipo de público que mais acessa é o jovem adulto, de classe média, estudantes, de sexo masculino. A massa está dispersa pelo país, sendo a região sudeste a recordista em visitas. Se o seu produto for um produto de massa, voltado para o publico jovem, há muito mais chance de funcionar do que uma padaria de alcance regional. Não que sua padaria ou açougue não possa anunciar aqui, claro que pode. Mas nós não podemos garantir que seu açougue venderá mais carne, ou que sua padaria venderá mais pão. O que poderemos garantir é que alguém lá na Líbia, vai tomar conhecimento que sua padaria existe. Agora, se o seu produto é de alcance de massa, tipo celular, tipo roupas, tênis, um site, ou coisa assim, aí tem GRANDES chances de dar um retorno muito bom.  Claro que existem varias questões que influenciarão o sucesso da empreitada: O tipo de anuncio, o posicionamento do anuncio, a arte do anuncio, a taxa de direcionamento do target da campanha, etc. Para saber como faz, quanto custa e que tipo de anuncio pode rolar aqui, recomendamos ler esta pagina.

7- Eu li em algum lugar que o Mundo Gump coloca vírus no meu computador. É verdade?

Não. O Mundo Gump não coloca virus no seu computador. O máximo que o Mundo Gump faz é usar propagandas do google. As propagandas do Google gravam e leem cookies na sua maquina. O cookie é um código que o seu navegador entende.

Isso geralmente é feito por quase todo site da internet. Sempre foi assim. Por que eles fazem isso? Por diversos motivos. Os mais comuns é para o sistema deles saber de onde você veio, que tipo de computador você tem, qual a resolução, qual o navegador que você usa, etc. Eles fazem isso porque sabendo que tipo de internauta vai a tal site, dá pra customizar o site pra ele, deixando mais rápido, mais lógico e mais bonito. O Google usa o cookie para saber que tipo de pesquisa você fez. Dessa forma, se você pesquisou por raquete de tênis no google e veio parar aqui, ele vai mostrar pra você propagandas que tenham ligação com raquetes de tênis, pois ao fazer isso, há uma chance maior de você se interessar pela propaganda, o que é bom pra você e pro anunciante. Isso é ótimo, porque é muito mais útil ver uma propaganda relacionado a algo que você se interessa do que dar de cara com uma de “aumente seu pênis” quando na verdade você só queria ver modelos de raquetes.
Algumas pessoas não muito privilegiadas intelectualmente, pensam que isso é “roubo de informações”. Na verdade, para ser um roubo de informações, o Google teria que entrar no seu computador e extrair algo de lá sem sua permissão. Como quem configura o acesso aos cookies do navegador é VOCÊ, toda esta lenga-lenga é inútil.  O cookie não causa nada, não danifica seu computador.

(pelo menos o do Adsense. Como garantir isso? Simples. Imagine as fábulas de processo nos EUA que o Google, uma das empresas mais ricas do planeta levaria se alguém descobrisse o menor sinal de irregularidade? Acredite, meu amigo, tem gente vasculhando os códigos deles a cada minuto tentando achar uma brecha e tomar uma grana deles)

Quando você navega na internet, está sujeito a encontrar inúmeros sites fraudulentos. Com links para sites que realmente podem enviar códigos malignos para seu PC. Nós tomamos cuidado para evitar estes sites. Porém, vamos imaginar a seguinte situação: Em 2007, nós fizemos um post sobre musica, com o link para o site de uma banda. Aí, passados três anos,  a banda acaba, o produtor não paga o domínio. O domínio da banda vai ao leilão. Um cara mal intencionado, compra o domínio e coloca um site que imita o site da banda, com um link: “Baixe o disco aqui”.

Só que ao invés de oferecer a mp3 da tal banda, ele coloca um virus. Quando nós linkamos o site, ele era honesto. Anos depois, ele passou a ser fonte de ataques. A culpa é de quem? Nossa? Claro que não! A culpa é do usuário que tem a obrigação de ter um antivirus e um firewall instalados.  Então, antes de clicar em qualquer link, sempre tenha em mente que a inetrnet não é um lugar 100% seguro.  E essas informações que estamos dando aqui, servem para o Mundo Gump e para todos os outros blogs do planeta!

8- Algumas imagens do blog não estão abrindo. Por que?

Quando nós começamos o Mundo Gump, ele hospedava texto e imagens. Só que quando você faz um contrato com uma empresa de hospedagem, você paga três coisas: Espaço de armazenamento, processamento do servidor e transferência de dados.Quando você coloca uma imagem no seu site e outra pessoa pega aquela imagem e coloca esta imagem no site dela, fazendo hotlink, isso é, colocando o link da imagem no SEU servidor, toda vez que o site dela exibir sua imagem, um pouquinho da sua banda de transferência de dados contratada junto à empresa de hospedagem será consumida. Logo, se o site do cara abrir muitas vezes sua imagem, o que vai acontecer? Isso mesmo, a empresa que hospeda seu site vai acabar tirando ele do ar ou te cobrando um dinheiro extra pelo excesso de consumo além do limite contratado. Quando seu site tem poucas imagens e acontece isso, não dá nem pra notar. Mas imagina só como é ter um milhão e meio de imagens! O bicho pega.

Para evitar o hotlink, uma das soluções factíveis é hospedar as imagens num lugar só de imagem, e o texto no seu servidor. Servidores de imagens servem justamente para fazer isso. Ao longo dos anos, nós usamos cerca de 4 servidores de imagens diferentes. Um deles faliu e apagou todas as imagens. Como as imagens de alguns posts mais antigos estavam nele, elas simplesmente sumiram para todo sempre. Nós estamos tentando solucionar estes problemas, mas como são milhares de posts afetados, vai levar muito tempo até tudo estar no lugar novamente. Não há muito o que possamos fazer além de pedir sua paciência.

Em alguns casos, as imagens do photobucket.com não abrem em certos computadores. Por algum motivo que desconhecemos, alguns provedores bloqueiam no firewall os dois servidores de imagens que usamos, o Photobucket e o Imageshack. Como é um boloqueio feito na rede local do usuário, não podemos fazer nada com relação a isso. Cabe ao cliente reclamar que a empresa que ele paga não está liberando acesso a algo que ele quer ver. Em outras palavras, caso você não consiga acessar o www.imageshack.us e www.photobucket.com, sugerimos reclamar com seu provedor.

9- Eu comentei alguma coisa aqui no Mundo Gump, mas o meu comentário foi apagado ou removido.

Isso ocorre porque o sistema automático usa uma inteligência artificial rudimentar para avaliar se o seu comentário é um possível spam. Spam é uma praga para o blogueiro. Por isso, quando o sistema suspeita que seu comentário é um spam em potencial ele trava e retira seu comentário, que vai para uma pasta específica e espera que o administrador avalie e libere ou não o comentário. Como muitos acessos é igual a muitos comentários, nem sempre dá pra fazer isso rápido. Logo, eventualmente um comentário seu (ainda mais se ele tiver mais de um link) pode ficar preso no filtro antispam por alguns dias. Outra razão para um comentário não entrar é estar em desacordo com os termos de uso. (veja a seção correspondente lá em cima da página)

Uma boa razão para ser bloqueado ou ter seu comentário apagado neste espaço é o uso do “Argumentum ad hominen”. Este termo designa o uso de uma estratégia medíocre para defender seu ponto de vista, que é atacar o interlocutor.

Exemplo de argumentum ad hominen:

Sujeito A diz: -Deus não existe.

Sujeito B diz: -Claro que existe!

Sjeito A diz: Prove sua alegação.

Sujeito B: Você é uma ameba gorda sem nenhum neurônio incapaz de entender qualquer coisa.

No exemplo acima, o cara se vê sem argumentos validos e busca como alternativa atacar qualquer coisa que possa ser usada para distrair o interlocutor do assunto, evitando entrar num espaço de discussão ao qual não se sente seguro. Este tipo de saída revela a incapacidade do Sujeito B de manter o foco e o nível da discussão é é bastante usado por xiítas religiosos quando se vêem sem argumentos diante de céticos. Também é um recurso usado na política. Em Geral, o “argumentum ad hominen” serve para desviar o foco da conversa.  Aqui isso se torna um flame, uma discussão infantil e infinita, que se repete em loop constate, prejudicando o andamento das discussões. Não tarda ocorre uma polarização de ideias, e o espaço de comentários perde sua razão de ser. Por conta disso, o uso de argumentum ad hominen é premiado com edição do comentário, deleção e até mesmo bloqueio do usuário.

Pessoas que violam reincidentemente os termos de uso são BANIDAS do blog e não podem mais entrar. Comentários de troll ou intencionalmente pensados para gerar confusão, são limados sem dó nem piedade. Propaganda nos comentários é heresia grave aqui, e são limados e eventualmente geram um Banimento de brinde.

É importante frisar que a área de comentários deste blog é um espaço aberto ao público, num produto privado. Logo, isto não é uma democracia. O uso do espaço de comentários está sujeito às regras e arbitrariedades da direção deste blog. As pessoas que não concordam com isso são encorajadas a deixar o site, e criar seus próprios “espaços democráticos”.

10- Por que este blog contém palavras chulas e termos grosseiros?

Este blog foi criado tendo como objetivo a comunicação total com o leitor, nos mais diversos níveis. Como nosso publico alvo é jovem, não é incomum que utilizemos neste espaço uma linguagem próxima a que ele utiliza na escola e com os amigos na mesa do bar. Muitas vezes, recorrer ao expediente da linguagem popular é uma forma de tornar um assunto mais palatável, mais popular, mais próximo da informalidade, mais engraçado ou mais realista – o que costuma acontecer no caso dos contos.

Evidentemente este tipo de linguagem não agrada a todos, e é nossa obrigação pedir desculpas às pessoas que se sentem ofendidas com isso.

Mas é interessante notar que as palavras ditas “chulas” ou de baixo calão, são apenas uma manifestação cultural. O que é um palavrão para uma pessoa pode não ser para outra. Ou num grupo social pode significar coisas diferentes. Em alguns casos, é possível chocar e causar constrangimentos usando apenas a linguagem culta, porque o chamado “palavrão” em si, é apenas um apelido linguístico para um estado mental específico. Sabemos que no decorrer do tempo, as palavras vão tendo seu sentido alterado, porque a língua, apesar de todas as regras que visam domá-la, é viva; e portanto, mutante. A exemplo disso, podemos dizer que “puto” e “bicha” são palavras que tem uma conotação no português do Brasil e outra completamente diferente no português falado em Portugal. A palavra “caralho” nada mais é que  uma pequena cesta que ficava no maior mastro de uma caravela. “Boceta” é uma palavra que designa uma pequena caixa usada para transportar rapé. “Porra” é um pedaço de pau com uma saliência arredondada numa das extremidades.

Segundo o respeitável etnólogo pernambucano Mário Boaventura Souto Maior, “Um palavrão cresce de acordo com a densidade demográfica do local onde surgiu”.

“Assim, um palavrão surgido no Rio de Janeiro tem muito mais condições de se tornar nacional que um nascido no Ceará, por exemplo”.

É no Rio, ainda, que Mário, o autor do “Dicionário do Palavrão e Termos Afins” localiza a maior fartura de variantes de palavrões – como “pó”, “cacilda”, “putzgrila” e tantos outros que o Pasquim consagrou. Estas amostras, precisamente, viriam comprovar a tese de Souto Maior, de que o palavrão tende a percorrer trajetória semelhante à do samba, que desce do morro, ganha o asfalto e ali se sofistica em quilométricos sambas-enredo:

“0 palavrão também, ele sai do meio do povo, sobe à classe média e atinge a elite intelectual, que, como no caso do Pasquim, o recria à sua maneira”.

A anatomia humana, muito explicavelmente, constitui abundante fonte de inspiração, em especial os órgãos genitais masculinos e femininos. Só para pênis, por exemplo, Souto Maior coletou mais de 200 designações, do Oiapoque ao Chuí. Nem sempre esses epítetos têm uma clara relação com seu objeto – como os desconcertantes “migué” e “mané souza”, nomes quase próprios que em certos pontos do nordeste remetem à genitália da mulher e à do homem, respectivamente. Na maioria dos casos, segundo o etnólogo, “o palavrão é um desabafo nascido de um momento de revolta, adversidade, sofrimento, admiração ou espanto”. E, embora se tenha tornado “um modismo exagerado”, não se pode negar sua contribuição à cultura. “Sim”, defende Souto Maior, “palavrão é cultura, porquanto é literatura”.

Evidentemente, que do ponto de vista estilístico, vemos o palavrão como uma ferramenta traiçoeira. Ele é como a pitada de veneno que dá brilho a um prato, mas que se usado de modo indiscriminado, mata o comensal. Permanentemente estamos buscando melhorar por aqui e a escolha das melhores e mais apropriadas palavras para cada contexto, é uma das nossas maiores preocupações. Nem sempre acertamos, uma vez que é da natureza humana a tendência ao exagero, ao erro e  também à distração.

11- Estou decepcionado com o blog e não quero mais acessar. E agora?

Agora nada. Basta não entrar mais aqui.
Algumas pessoas tem o péssimo hábito – narcisista – de só ler o que está de acordo com suas convicções prévias. Essas pessoas entram aqui e podem eventualmente dar de cara com algum texto ou conteúdo com o qual não concordam. Ao invés de expor com argumentos seus pontos de vista como faz 99,9% dos leitores do Mundo Gump, essas pessoas simplesmente resolvem abandonar o blog. Este é um direito incontestável delas.
Não é necessário comunicar para todo mundo que está indo embora para nunca mais voltar lá nos comentários. Ninguém liga para isso.
Este blog tem uma grande taxa de acessos e por conta disso, existem pessoas entrando e saindo todos os dias, sendo que uma massa gigantesca delas, está realmente indo para nunca mais voltar, partindo como chegam, em silêncio. Não sabemos porque alguns mais afoitos gostam de anunciar sua saída com pompa e circunstância. O acesso ao site é gratuito, não exige contrato nem nada do tipo. Se aconteceu com você, até logo. Não se dê ao trabalho de anunciar sua saída, até porque, a maioria das pessoas que dizem estar indo embora para nunca mais voltar, acabam voltando. Aí pega mal.

12 – Sobre parcerias de trocas de links

Algumas pessoas escrevem querendo saber se fazemos ou não parcerias de links. NO PASSADO fizemos isso, mas não fazemos mais essa prática.

Vou explicar em detalhes por que não fazemos mais isso e uma vez que é uma bela furada, você também deveria parar de fazer imediatamente.

Colocar redes de links “parceiros”, constitui o que é chamado de Link Farming, ou “cultivo de links”. Basicamente, esse sistema funciona enganando os sistemas de busca para achar que se muitos sites linkam o seu, o seu site é importante. Se você linka os mesmos sites que te linkam, o sistema acha que ambos são importantes. Durante muito tempo, isso funcionou lindamente e muito site cresceu nessa base de toma-lá-dá-cá que é o link farming. Tudo estava bem até que alguém sacou que isso era Black Hat.

E veja que azar: Quem sacou isso trabalhava no Google!

Obviamente que o black hat do link farming era de baixo nível e isso gerava uma “inflação” da moral (ranking) dos sites sem que isso realmente estivesse amparado num quesito de qualidade do conteúdo. Se o Google deixasse rolar, ele estaria abonando a prática da adulteração e aceitando que sites de má qualidade rankeassem bem, o que comprometeria a qualidade da internet como um todo. Logo, como sabemos (se você não sabe deveria saber) o black hat  SEMPRE resulta em punição para os sites envolvidos. (Quando apanhados, lógico!)

O Google interpreta o Link Farm como sendo a criação natural ou artificial de um grande grupo de páginas, todas com links para o mesmo site e, provavelmente, com o mesmo texto âncora, com o intuito, obviamente, de manipular o posicionamento de um site para o termo usado no texto âncora nos resultados de busca.

Assim, o selinho, que era super maneiro em 2006 hoje é uma foda quase garantida no seu site!

Quem utiliza Link Farm visa, também, um aumento de PageRank devido ao grande número de links externos que são criados com esta técnica. Como tanto o PageRank, quanto o posicionamento de um site nas buscas, está ligado à quantidade de links externos que ele recebe, quem utiliza esta técnica pode conseguir, por algum tempo, manipular tanto o PageRank, quanto o posicionamento no buscador.

Naturalmente, nem é só o google que não aprova situações assim, todos os mecanismos hoje já tem algoritmos de detecção de link farming,  e o efeito acaba sendo justamente o contrário: o site é punido e perde PageRank e posicionamento nos resultados de busca.

Mas então quer dizer que não dá pra linkar mais ninguém?

Não, não é assim que funciona. O Google, você sabe, é uma empresa cheia de nerd cabeçudo pra caralho que sabem fazer uns algorítimos  fodas ara aqueles robôs de varredura de paginas, e assim, o Spider do google SABE reconhecer quando você tá fazendo a famosa “parceria” de troca de links e quando está linkando um assunto interessante no seu site. Uma das características de um link “saudável” é poder dar ao usuário uma opção de visitar outra página sobre o mesmo assunto. Essa troca de links entre várias páginas de mesmo conteúdo não é “ilegal”. Esse grupo de páginas que se relacionam é denominado “vizinhança”.

Por exemplo, um site de gastronomia, pela lógica pode e deve ter links para sites relacionados, os famosos parceiros de verdade, com os quais trocam relações.

Claro que hoje em dia, na terra dos malandros que se tornou a internet, um script pode gerar automaticamente uma vizinhança fajuta e atribuir a um site o maior número links, assim um motor de busca irá apontá-lo como o principal site dessa vizinhança falsa. Porém, os motores de busca evoluíram daquele tempo para cá, e essa “má vizinhança” pode ser detectada. E as que ainda não podem, poderão no futuro. Imagina que desgraça acordar e ver que seu site que você dedicou anos de sua vida sumiu dos buscadores todos como punição? Vale à pena arriscar?

No fim, acaba que Link Farms não trazem benefício algum e devem ser evitados. Um site importante dentro de uma vizinhança é construído com tempo de trabalho e com bom conteúdo.

Link Farms manipulam a interpretação de relevância de search engines, prejudicam os usuários e são feitos se obter bons posicionamentos, podendo não agregar nada ao usuário.

Outro problema do link farming é o seguinte: Ele torna seu site feio pra caralho. Vira uma verdadeira PENTEADEIRA DE PUTA com milhares de quadradinhos coloridos cheios de animações piscantes e merdinhas se mexendo na sidebar, que atrapalha a leitura do texto pelo usuário.

Se isso não fosse suficiente, os links parceiros de banner ainda geram problemas adicionais. Muitas vezes, uma imagem de “parceiro” está hospedada em servidores de imagem de baixa qualidade, que resultam em lentidão para enviar os dados, comprometendo o desempenho da pagina. Numa pagina com muitos acessos, isso se revela quase que um suicídio profissional, já que cada segundo a mais que o site deixa de carregar representam menos acessos ao conteúdo.

Além de tudo isso, há estatísticas de usabilidade que mostram que links eternos na sidebar são incorporados mentalmente pelos usuários, tornando-se INVISÍVEIS. O que resulta numa porra que além de atrapalhar o carregamento do site, ainda não resultam como poderíamos esperar que resultassem.

Não obstante, há outro problema e este é MUITO  – PRA CARALHO MESMO – pior. Quando você faz a pratica do link farming, começa a trocar links com todo mundo. Logo você está com sua linda penteadeira de puta na sidebar. Eis que há um dado interessante que nos mostra que de 100% dos blogs e sites criados um expressivo percentual não passa dos primeiros anos. A taxa de fracasso dos blogs bate na casa dos 80%

Isso significa que em pouco tempo, sua penteadeira de puta estará repleta de links para paginas 404 (não encontrado). O que fode sua usabilidade que é um indicativo importante no SEO do seu site. (SEO é algo que se você não sabe ainda o que é, está no ramo errado!)

Se isso não fosse ruim o suficiente, eis que surge mais uma merdinha extra: O site daquele seu “pareciro de troca de links” não existe e não linka pra você, mas sua penteadeira de puta linka ainda para o URL dele, que logo poderá ser toada por um sujeito que pode fazer outro site qualquer, que seja de neonazismo, pedofilia, trafico de armas, drogas, fotos de assassinatos, ou seja la que merda for que o Google odeia. Aí um belo dia, o robô do google volta no seu site e começa a indexar um a um os links da sua penteadeira de puta e vai descobrir : Veja que lindo! Que você ENDOSSA UM SITE DESSES. O google é bem esperto, mas é burro o suficiente para não saber que o link que antes era para aquele site de piadinhas super legal, hoje aponta para crianças de três anos sendo estupradas. E ele vai achar que SEU CONTEÚDO é conexo! Assim, quem linka para putaria, se fode. Você não linkava, mas como não visita cada um dos “parceiros” de links todo dia, nunca vai saber dessa merda. Só quando tomar o ferro no seu pagerank.

Links de parceiros são legais. Mas minhas dicas pra você são: Tire AGORA essa merda da sua sidebar. Limpe o seu layout e dê foco no que é importante: O CONTEÚDO. Se você faz posts de QUALIDADE, outros sites terão prazer em fazer posts que apontam o SEU SITE, e assim, você terá os links entrando que são importantes.

Faça seu blogroll normalmente, mas faça links para sites que você gosta de verdade, que confia. Sites que você visita regularmente e que você saberá se saírem do ar ou se virarem sites de venda de armas ou drogas.