14 Comentários

  1. Anthony Lessa

    Caro Philipe Kling David, fiquei incomodado com esse seu texto, acho que sua tentativa em questão e escrever uma ficção sobre o estupro foi uma péssima ideia… Talvez essa seja a ideia conseguir links na onda de protesto femininos e ser conhecido, Não acho que seja o caso. Temos um problema ao você escrever sobre esse assunto. Você é homem, eu sou homem… Demorei muito tempo, para aprender a ter empatia pela dor das mulheres, então acho que talvez ainda exista jeito pra vc. Não se faz piada sobre estupro, não se faz um conto sobre estupro tratando como louca uma mulher, enquanto milhares, milhares de mulheres sofrem dessa violência todos os dias, todas as horas , até nesse exato minuto…

    Acredito que vc vai tentar defender seu texto, que deve ter uma meta analise, um outro contexto, que talvez era um desejo proibido dela (de boa, eu quero saber quem são acha que uma mulher quer ser estuprada? ) Deixa eu te contar, uma coisa , quando fazemos um obra, quando pintamos um quadro, quando escrevemos um texto, ele não é mais nosso, passa a ser do publico. E pra mim seu texto é misógino, machista e pejorativo. Por Favor melhore! Sei que vc pode!

    Responder
    1. Ariel Felipe

      Eu acho que você deveria aprender a separar as realidades, amigo.
      Sobre o conto, mais uma vez Philipe mostrando o dom que tem e a criatividade que transborda dos miolos, hehehe

      Continue assim Philipe, mais um ótimo trabalho.

      Responder
    2. Fernando Oliveira

      Olá, Anthony, não achei pejorativo. Pode até parecer que é o ponto de vista machista do Philipe, se você se coloca na visão dele. Mas se você se coloca na visão da mulher, violentada verbalmente e fisicamente, várias vezes durante a semana, com piadinhas, gestos, toques e até estupros de fato, desenvolver esse pânico é perfeitamente possível. Seria a estória de uma mulher que já foi violentada e desenvolveu um trauma psicológico. Não é um conto contra as feministas, é um conto sobre uma mulher traumatizada conversando com um delegado insensível; a coisa mais comum que existe hoje em dia.

      E se você for contra a simplicidade da lógica binária machismo x feminismo, vai perceber que os dois lados estão corretos e ao mesmo tempo errados. O homem (delegado) tratando a mulher pejorativamente, a mulher vítimade um estupro e, por outro lado, o homem do trem como vítima e a mulher como imoral por tratar o homem do trem pejorativamente.

      Gostei do texto.

      Responder
    3. Renata Tancredi

      Amigo, depois de ler seu texto, tive a certeza que vc não acompanha o mundo gump… Em uma postagem anterior ele falou sobre o assunto e da a opinião dele.. Seria bacana dar uma lida.
      Acredite, sou mulher e adorei o texto!! Esse texto é apenas um conto, não acho que seja misógino, machista ou pejorativo.. Menos né..

      Responder
    4. Marcelo Franco

      Cara, o texto é uma história, a mulher é psicótica, em nenhum momento
      ele generalizou querendo dizer que todas as mulheres são loucas! Ta doido? Foi
      mais uma história de terror do que esse seu mimimi, e outra, quem viu a
      maldade foi você
      !

      Responder

    5. Tu só não é melhor na ficção por que teu tema tá mais do que batido. Tenta ser original, chan.

      Responder
  2. cloverfield

    Otimo conto.
    Da medo de encontrar com uma pessoa com esse grau de esquizofrenia paranoia na vida real.

    Responder
  3. Renata Tancredi

    Muito bom!!!!! Adorei!
    Estamos vivendo essa realidade atualmente.. infelizmente né.

    Responder
  4. Ingo Siegfried

    Philipe, ignore o SJW q veio “justiçar” aqui.
    Otimo conto. Continue sempre assim ^~

    Responder
  5. Emanuel Silva

    Muito bom, parabéns e não liga para as críticas desses falsos moralistas.

    Responder
  6. Bruno Cordeiro

    Retratou bem aquele caso que vc contou aqui certa vez da moça que por coincidência lhe acompanhou assustada em determinado percursso kkk coitada da moça cara, mas tambem me passou a idéia de que vivemos todos com medo de roubo, estupro, violências em geral e que nao podemos nem ver um garoto com uma bermuda, chinelo e dedo e camisa de time na rua que agnt logo esconde o cel, anda rápido e fica com medo… vejo isso nas pessoas em diversas situações, mas assim como o rapaz do conto, ou o próprio Philipe, ou o garoto com esteriotipo de assaltante, somos vitimas também dessa histeria coletiva e que por acaso sem ao menos percebermos podemos preencher os requesitos de panico e fobia social daquela moça que foi acompanhada pelo philipe ou a mulher do conto, assim como também o rapaz que morreu a facadas sem desconfiar de nada; acaba que todos se tornam vitimas umas realmente coagidas e apavoradas com tudo, algumas ate realmente traumatizadas e tantos outros sofrendo discriminação e algum tipo de rejeição. É um otimo texto e tem o estilo gump que é a proposta do blog, nao decepciona e ta bem polêmico, isso ai! rsrsr Parabens !

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.