Como trabalhar com arte, games, 3d e etc no exterior?

Ontem eu fiz um post sobre arte conceitual, e uma das perguntas que recebi foi do NBritto, que estava querendo saber se “dá pé” fazer faculdade aqui para trabalhar com games de primeira linha no exterior (que é onde está o mercado).

Durante muito tempo, eu fui professor em alguns cursos ligados a essas áreas, como desenho conceitual, storytelling e criação de personagens  e esse tipo de pergunta era algo bastante comum nas conversas com meus alunos.  Então além de responder, eu resolvi fazer um post com ela, já que esta dúvida pode estar na cabeça de muitos outros leitores aqui desse blog. Eu uso em parte minha experiência profissional e também a história de vida do meu irmão André. Nós dois trabalhamos com as mesmas coisas e chegamos a trabalhar juntos na Ignis Games. Hoje o André trabalha com games na Espanha, e passou por esta fase de largar a faculdade aqui para tentar a vida nos EUA, fez curso de games la fora e passou por diversos processos seletivos em empresas como a Capcom e etc.

Naquela época em que eu comecei a trabalhar com multimídia, 3d, animação e etc,  a questão de sair do Brasil era muito mais comum do que hoje, porque o mercado era bem mais restrito. A coisa no Brasil vem mudando para melhor nessa área devido as leis de incentivo ao audiovisual, o advento da Tv digital, animamundi e a profusão de novos mercados, como games de celular, tablets e a popularização crescente dos consoles de videogame, barateamento das placas de video, enfim.

Ainda assim, com a expansão gradual do mercado de trabalho no Brasil, ainda tem muita gente que vislumbra carreira internacional, sobretudo a galera que curte efeitos especiais e o tradicional povo do videogame.

Voltando à pergunta do leitor, NBritto:

philipe,tem alguma chance de entrar pro mercado de jogos AAA saindo de uma facul dake do brasil??o vestibular ta chegando e mesmo sabendo a faculdade q quero,tenho MUITAS duvidas sobre minha carreira..[…]

Cara, a resposta é sim. Mas uma coisa que eu preciso te dizer é que a faculdade vai te dar apenas uma parcela do que você precisará para encarar essa carreira.

Não espere tudo de bandeja, ou ficará no vácuo dos seus colegas não não estarão esperando.

Talvez o canudo contribua com mais ou menos uns 10%, os outros 90% se dividirão em: Seu portfolio, sua experiência profissional, sua rede de contatos.

Se você ambiciona sair do Brasil, precisa montar um plano. E seu plano precisa obrigatóriamente levar em conta que você tem que falar inglês PERFEITO. Nada de inglês macarrônico.

Faça um bom CURSO DE INGLÊS. O inglês é a língua do videogame, e isso vai te ajudar muito, mesmo que você vá trabalhar na Croácia. Língua: Isso é um dos pilares.

O segundo pilar é preparar um portfolio FODA.

Esqueça inciativas meia-boca. Foque seus esforços no que você é forte. Faz uma parada embasbacante, mas nunca perca de vista que você precisa compreender bem o circuito processual que envolve o trabalho de 3d. Se você almeja a área de arte, você tem que sair do Brasil sabendo bem fazer textura, modelar, render, tem que ter noção de volume, modelagem textura, animação.  Tem que saber tudo, mas só precisa ser cabulosamente fera numa coisa só: Aquela que você vai tentar trabalhar.

Como trabalhar com arte, games, 3d e etc no exterior?Pense no seu trabalho como sendo um cozinheiro. Mesmo indo trabalhar num restaurante francês, é importante que você tenha noção de como se faz uma feijoada, pois num belo dia, isso poderá fazer diferença no futuro.

Uma dica que eu te dou é: Olhe bem o trabalho dos caras que trampam nas empresas e nas áreas que você almeja trampar. Tipo, se é concept, estude os feras, veja que programas eles usam, quais suas habilidades, e rale feito um condenado para ficar afiado nisso. Não cai do céu. Por isso você tem que garimpar as informações. Entre nos fóruns. Há muita (gigantescamente muita) informação importante em foruns, sobretudo os gringos. E nunca despreze foruns como os indianos de 3d, pois os caras falam inglês, e eles sempre trocam dicas bacanas.

Faça um portfolio direcionado. Ex: Mesmo que você queira “mexer com 3d”, não vai adiantar lhufas mostrar suas incríveis habilidades de modelagem em box modelling ou poly by poly, se você vai entrar na área de sincronia labial ou animação.

Se você quer ser animador, faça um portfolio de animação. Se for modelagem, só de modelagem, e por aí vai… Os gringos ficarão confusos pra caralho se vc fizer um que mostre tudo de uma só vez, porque la fora as coisas tendem a ser mais compartimentadas, muito mais que aqui, onde por questão de economia, a galera ainda joga nas 11.
Experiência é uma das coisas que mais contam. De longe! Depois do seu portfolio, isso é uma coisa que deve ser um pilar do seu projeto de vida. Vá trabalhar numa empresa de games, nem que seja servindo cafezinho. Viva o ambiente, meu camarada! Você TEM que botar o pé la dentro, véi! Isso eu te garanto, porque lá fora, ao tentar se candidatar para um job, os caras vão te perguntar qual sua experiência…  E vc tem que ter uma resposta pra dar. Pense que: Experiência limitada é melhor que zero experiência.
Se o mercado estiver impossível, (e sazonalmente isso pode ocorrer) entre nos foruns de 3d, tipo o 3dcafe, cgtalk e similares e dê uma olhada em oportunidades de emprego, que você pode achar projetos que muitas vezes contratam profissionais para projetos descentralizados. Isso é, o game designar tá no Mexico, o programador tá na Índia, o diretor de arte na croácia e você no Brasil. Na internet há muitos projetos assim. Quase sempre são demos e iniciativas individuais em busca de financiamento.  É melhor ter um desses no curriculo que nada.
O pilar que falta, é talvez um dos mais importantes de todos: Network.
O Network é quem você conhece.

Já ouviu falar da teoria dos seis graus de separação?

Ela diz que toda pessoa está separada de qualquer outra NO MUNDO por apenas seis apertos de mão. Ou seja, entre você e o George Lucas só tem seis pessoas.

Com base nisso, você pode imaginar o poder fenomenal que você pode ter de conseguir o que sempre quis? Basta conhecer as pessoas certas, seu marketing pessoal  pode te abrir as portas do mesmo jeito que pode destruir seu sonho.

No exato minuto que você quer vender seu trabalho, tem um cara em algum lugar do mundo com o problema de ter que contratar alguém como você. A questão é: Como você e ele vão se conectar?

O seu problema será a solução dele e a solução dele é também sua solução. Não adianta tentar sair igual político, batendo de porta em porta pedindo ajudinha, “parceria” ou qualquer outra mendicância virtual. Você precisa de uma rede de pessoas NA ÁREA.

Pode ser frustrante descobrir que conseguir isso não é fácil, o network é algo que se constrói com a carreira. Seu network começa na base, seus pais, seus tios, seus avós são o primeiro elo da sua corrente. São o alicerce que te ancora no mundo, afinal, você não surgiu de uma chocadeira.

” Ah, mas meu pai é dono de botequim, minha mãe é costureira e eu moro onde o Judas perdeu as meias!”

Sem problema, meu amigo! Você precisa dessas pessoas sempre repetindo um mantra: “Nbritto é foda! Nbritto é fora do comum!”

Como você consegue isso? Superando as expectativas dela. Se ofereça para fazer um poster para sua igreja, e faça o poster mais escalafobeticamente maneiro que todo mundo da sua cidade já viu.  Seu vizinho tem uma banda? Ofereça para fazer um clipe para a banda dele e faça um troço bizarramente legal! Surpreenda, coloque no youtube. Invente! Não faça o que todo mundo faz. Mas se fizer, faça melhor!

Outra coisa: Você vai fazer amizades importantes na faculdade.

Se escolher o curso certo, isso já será um enorme avanço, pois um dia seus amigos de sala de aula e mesas de bar estarão no mercado, e poderão te indicar, ou o que é melhor, você poderá estar em posição de ajudar seus amigos.

Ninguém deve tentar meter as caras sozinho, pois é muito mais difícil.

Uma dica que eu te dou é: Faça cursos.

Em paralelo com a faculdade, faça curso de escultura, de história da arte, faça curso de fotografia, de animação, de 3d…  Claro, cursos que tenhamj a ver com sua pretensão, né? Se você quer programar videogame,  fazer curso de Open GL pode impactar mais do que um de escultura.

Os professores são caras bons para expansão do seu network. Sacar isso no início é um PUTA adianto na sua carreira, pois a maioria dos caras novos estarão com uma cabeça meio letárgica, não saíram das fraldas, não conseguiram entender nem abrir a cabeça para o lugar deles no mercado.

Uma vez eu tive um aluno de 3d que quando perguntei a ele porque estava querendo aprender criação de personagens ele me respondeu que “estava fazendo aquilo porque a madrasta dele queria”. Muita gente faz por fazer, vai tentar descobrir o que querem fazer da vida experimentando. Sabe como é? Tem gente que é assim até em sorveteria. O cara entra e não sabe que sorvete ele quer. Pede provinha de TODOS os sabores para resolver qual escolherá. Não é errado ter uma indefinição fodida. Isso é parte do lance. Mas se você já sabe o que quer fazer, mete a cara que fica mais fácil ficar na pole position.

Fique amigo dos seus professores. Geralmente, os professores de 3d e correlatos estão em parte envolvidos em diversos projetos de video, jogo e etc além das aulas.

Esses caras podem te indicar. Nunca veja seu professor como um cara que entra-fala-e vai embora.

Se ele for bom e não um Zé ruela, ele precisa ser mais que isso, ele tem que te ajudar.

Acredite ou não, muitos professores, ( aqui e muito mais ainda nos EUA) são como “olheiros” dos grandes times de futebol. Eles estão ali para ensinar, mas também são antenas que detectam os caras que são “pontos ora da curva”. Logo, tenha como meta sagrada: IMPRESSIONE SEU PROFESSOR!

Não estou dizendo que você tem que ser o melhor da sua classe. Estou dizendo que vc tem que ser o melhor entre TODOS os caras da ESCOLA!

Por este caminho, via indicação de um professor, você vai para a entrevista com uma carta de recomendação, e aí é outro lance!

Claro, você ainda será sabatinado, passará por processo seletivo e tudo mais, só que já não está mais na boleira da galera que cai de pára-quedas, bate na porta com a pastinha debaixo do sovaco. Bater na porta também é uma opção válida, lógico. Mas uma carta de recomendação é algo que pesa favoravelmente.  (é por isso que muita gente vende carro, pega empréstimo, faz vaquinha, rifa na família, e se manda para os EUA, pra estudar numa Gnomon ou similar. Não é só para aprender qual botão apertar (aliás isso é justamente o que você não irá aprender) mas porque seu professor ali será o cara que fez o game que você jogava em casa. Imagina o colossal network desses professores?
A última dica que eu te dou, e esta é muito  importante: Cuidado com os desvios da vida.
A vida da gente, é cheia de desvios para todo lado. Se você tem um sonho e está disposto a ir atrás dele, tenha uma META.

Traces suas estratégias para atingir sua meta. Muitas vezes, você vai ter que optar entre ir pra gandaia com os amigos ou ficar a madrugada adentro tomando café com coca-cola e lamber um 3d…

Há muitos perigos no caminho. Sabe qual é um dos maiores deles? A tendência natural do ser humano de constituir família.

Não, não sou contra a família. Muito pelo contrário.

Mas pense na sua vida como uma série de janelas que vão passando. à medida em que o tempo passa, umas janelas se abrem e outras vão fechando. O tempo, é a única coisa que você realmente não controla. Ele vai passar. Você vai ficar velho! Se você não se formar no tempo certo, poderá até tentar fazer um esforço hercúleo e conseguir mais tarde, mas como eu disse, será um esforço hercúleo. Ao longo da vida, eu me mudei muito de cidade e tive oportunidade de fazer muitos amigos. Assim, eu testemunhei de camarote a vida de muitos amigos serem dramaticamente mudadas porque eles “perderam a janela”.

Quer ver um dos grandes erros que eu vi amigos (e parentes) cometerem? ” Vou parar de estudar ara trabalhar”. – Uma das maiores cagadas que alguém pode cometer na vida começa com esta frase. Um dia vai bater um puta dum arrependimento do tamanho de um bonde, e será tarde. As janelas terão se fechado. Ainda será possível correr atrás do prejuízo, lógico. Mas é MUITO mais difícil.

Engraçado que quando a gente está na adolescência, é um período perversamente repleto de distrações. É show, é namorada, é barzinho, é a night… A escola aquela bosta chata pra caramba, que parece só gastar seu valioso tempo…  Meu, vai por mim. É um saco mas você tem que encarar! Sua mãe te pentelha dizendo a mesma coisa? Já pensou na hipótese dela estar certa?

Claro, há a hipótese – muito provável – que eu tenha ficado velho e virado um tiozinho chato, hehehe.

Mas pensa comigo: Se você engravidar uma namorada, ou se tornar noivo de uma menina, marcar casamento, essas coisas são ótimas, mas invariavelmente vão te tirar da direção da sua meta.

Por isso, o conselho da sua mãe de “Use camisinha” não é inútil. É útil pra caralho!!!

Dá pra encarar mesmo estando casado e com filho? Dá. Com certeza. Mas é MUITO, vinte mil vezes, mais difícil, porque isso vai te exigir o dobro do esforço. Essa situação vai te obrigar a se estruturar, você vai ter família para sustentar, se precisar tirar um ano para estudar, terá o dobro da complicação de pensar como vai equacionar os custos inerentes a esta decisão e sustentar uma casa… Isso tudo vai te distrair como nada no universo é capaz de fazer.

Então, tenha cuidado, cara.

Por fim, para terminar o post, preciso dizer que não existem fórmulas, macetes e passes mágicos. Não sou dono da verdade e nem tenho pretensão de sê-lo. Meu post é baseado unicamente em opinião pessoal e ela é tão válida quanto você julgar que ela vale. No fundo, somos todos sobreviventes.

E nada cai do céu. Aliás, vou te dizer que a verdade é que tem coisa que cai! Mas se você não estiver preparado, não vai conseguir agarrar na oportunidade quando ela aparecer. E se você se preparar, mais que agarrar nela quando ela surgir, você vai abrir os caminhos para que essas coisas aconteçam na sua vida.

Certa vez eu vi o Laerte dizer a um cartunista que perguntou a ele o que ele devia fazer para decolar na carreira. A resposta do Laerte foi emblemática:

Não se veja como um avião que vai decolar. Você já está voando. Quanto antes você se tocar disso, melhor.

Comece a trabalhar em projetos que agreguem ao seu portfolio HOJE e boa sorte.

Related Post

56 comentários em “Como trabalhar com arte, games, 3d e etc no exterior?”

  1. Post maravilhoso e inspirativo Philipe! Só me atreveria a colocar uma dica a mais: SEJA CORRETO.

    Para não enrolar muito, vou ser simples e direto: TUDO o que você faz é visto por N pessoas nesse mundo. Se você faz alguma merda, isso irá para o seu currículo de vida.

    Se você é um cara que copia trabalho dos outros e assume a autoria, é um troll de marca maior e não sabe se portar como uma gente normal, as chances do o seu networking agir contra você são enormes, ainda mais em tempos de web como nós vivemos.

    Pode parecer besteira, mas recentemente vi alguns casos de novatos que se queimaram FEIO no meio dos profissionais por não serem honestos com eles mesmos, principalmente.

    Um super abraço,

    .faso

  2. caramba philipe..eu esperava so uma resposta,uma dica,e vc me vem com um post desse tamanho?OBRIGADO,acima de tudo.Eh dificil escolher uma profissão “estranha” para o Brasil,e acima de tudo ficar com cada vez menos direção e ideias para como chegar no mercado la fora.Foi um post esclarecedor.Bacana sua consideraçao de escrever nao apenas sobre os meios de atingir meu objetivo,mas tambem sobre os muitos que tem para q eu saia dele.Me ajudou muito mesmo.
    obrigado mais uma vez

  3. Post genial: troque algumas palavras-chave e o texto se aplica a TODAS as carreiras.

    Não há fórmula mágica (nem nas fórmulas mágicas, que exigem uma série de ingredientes, rituais e acontecimentos complexos… He he he he!).

    • Excelente publicação e ainda muito válida. Tenho 26 anos e sou formado em Design de Games, estou estudando 3D para me especializar, acredito que ainda estou na “Janela”.

  4. O meu problema não está nem sendo almejar um lugar ao sol no exterior, mas conseguir construir minha carreira aqui mesmo.

    Na pré-adolescência fiz um curso no SENAI de 2 anos, só que não me encontrei e hoje faço um curso básico demasiadamente longo de CG(start) na Saga. O que pega é que não tenho projetos prontos pra colocar no portfólio e o tempo vai passando enquanto minha meta nesse momento é conseguir um emprego pra pagar uma faculdade. Se bem que se aprende muito “nas uébi”, como em fóruns como você mencionou. E quem faz a escola é o interesse do aluno.

    Mas porque não estou conseguindo fazer meu portfólio ? As vezes me faço essa pergunta e sei que mesmo tendo muitas idéias, aquele que faz a diferença é quem consegue executá-las. Pode ter muitos que passaram pela mesma situação (Desde usar uma onboard pra renderizar durante várias horas uma cena simples no Maya, até situações familiares delicadas e desesmetimulantes ) e conseguiram colocar seus projetos no papel.

    O que percebi é que sou muito bem informado das situações do mercado, dicas dos profissinais, possíveis escolas pra estudar e etc ( passo horas, meses e até anos fazendo isso ) até mais do que aplicar meu conhecimento em algum projeto fora dos exercicos básicos da Saga. Ai vou vendo o trampo das pessoas, a mágica que constroem, sendo ou não renomados e ai vou me cobrando, me sentindo entimidado ao invés de estimulado. Até onde posso chegar ? Talvez se fosse mais ignorante, micreiro, porém encorajado, poderia não estar escrevendo esse texto cheio de lamentações aqui.

    Por fim, apesar do negativismo ( que é o tempo passando e daqui a pouco eu fazendo os meus 20 anos estando nessa situação ) o importante é você enxergar as coisas, acreditar como todos, e fazer acontecer apartir de agora. Mesmo que for desabafando um pouquinho para pessoas que você não conhece, mas que compartilham os mesmo interesses e enchendo o saco num comentário, pra esse texto inspirador. Valeu pelas dicas Philipe e foi mal se deixei muito “o buraco é mais em baixo” saindo da tangente de seu texto.

    • Cara eu não sei qual a razão que te leva a não conseguir montar um portfolio… Qual a dificuldade que vc encontra? Vc pretende fazer o que no 3d?
      Nem sempre um portfolio tradicional é a melhor ideia, sobretudo no começo, cara. às vezes um simples curta metragem em 3d te promove bem mais que um portfolio.
      Uma dica que eu posso te dar é dar uma olhada la no CG Talk, porque la rolam uns contests (de tudo que é área dentro do 3d, aliás). Você vai participando deles e ao mesmo tempo que aprende sozinho e com as dicas da galera, vai construindo um material próprio que la na frente poderá costurar num portfolio.

      Uma coisa que eu vejo muito (era bem comum entre alguns alunos de um curso de 3d onde eu lecionei) era o que eu apelidei de “a desmotivação pelo tamanho do degrau”.
      Se você passa a só ver os sites dos mestres, os tops, os melhores do mundo, só compra as revistas onde os melhores expõe, pode olhar para sua produção e se sentir desmotivado. “porra, os caras são milhões de vezes mais foda que eu. Nunca chegarei no nivel deles”.
      Isso é um erro muito comum, cara. Você tem que olhar o degrau seguinte. Não o fim da escada. Claro que você tem que ter consciência do fim da escada, e isso é fundamental, até pra você não começar a “se sentir o fodão e relaxar”. Mas se tentar subir só olhando la quem está no fim da escada, vai acabar caindo de cara! Sua meta é o fim da escada. Seu objetivo, é o próximo degrau. Tem gente que mistura meta e objetivo. Tenta de cara sair esculpindo peito o Philippe Faraut.
      E a verdade é que tudo da trabalho pra caralho. Não rola milagre. É facil a gente se iludir e pensar que os caras la começaram e sempre foram fodões, mas não é assim que funciona. Todo mundo foi pereba um dia. As pessoas começam de algum lugar. Uns avançam rapido, outros tem que ralar mais, porém, não é impossível pra ninguém.
      Vc tem que avaliar duas coisas: Sua persistência. Vc desiste de cara de alguma coisa quando não consegue ou é do tipo que bate cabeça até sair?
      Nenhuma das duas posturas no extremo é boa. Tem que avaliar se você não está tentando “botar o chapéu onde a mão não alcança”. Outro problema é esta cobrança excessiva. E dai que você tem (só!) vinte anos, véi? Eu tenho isso aí quase só de carreira e não me desespero porque não fiz nem um décimo do que era minha meta no início. Não é uma corrida, meu! Vc tem que curtir a parada, já viu aquele filme 3d do surfista pinguim (ta dando onda)? Que tem um ótimo 3d por sinal…
      O filme tem uma mensagem importante, cara. O pinguim fodão um dia sacou que o barato não era vencer ser o melhor, ser o top… Era curtir a onda. Curta a onda, brother! Siga o que o pinguim Z ensinou! Cada projeto esta ali para teu deleite. Portfolio em que ser consequência do seu tesão de fazer uma parada legal. Então, o que eu te sugiro é tentar sempre buscar projetos que te dêem prazer, que o desafiem a inovar e buscar soluções. O resultado do quadro pronto para um artista pode não ser tão gratificante quanto o conjunto de processos que levou até ele. Saca? Acho que é tipo por aí.

      • Orra cara, estava precisando disso. O que rola é uma coisinha séria e desgastante na familia, que acabei ficando meio desanimado(muito pessoal).

        E sobre a preocupação dos 20 anos é mais por ter aquela “pressão” dos outros de trampar, mesmo que for em alguma coisa nada haver com o que estou estudando. Já que trabalhei uma vez, mas nada do que queria. Só que ai o tempo pra fazer o portfólio vai ser menor(depende), e eu também não quero parar de estudar pra algumas janelas se fecharem. Então enquanto posso e está dando pra segurar a barra financeiramente, vou correr atrás de um estágio pra poder ganhar experiência estudando no que eu quero(fazer minha independência).

        Valeu mesmo pelos conselhos. Do mesmo jeito que curto as “pequenas” coisa da vida, tenho que encarar esse processo como um desafio prazeroso, apesar de todos serem quando se quer vencer.

    • Valeu por contar a história. Fico feliz em saber que você optou por trabalhar com aquilo que realmente gosta de fazer. E a sua justificativa sobre o fato de não trabalhar com 3D o tempo todo é completamente aceitável. Inclusive, se dependesse de mim o seu tempo dedicado ao 3D seria cada vez menor hahahahahahah.
      Se possível, mantenha os leitores do Blog informados caso a sua participação no game realmente venha a ser concretizada, pois eu tenho muito interesse em saber detalhes sobre o desenvolvimento do jogo.
      Após ler a sua resposta, me lembrei de outras duas perguntas que eu estava querendo fazer, mas tinha esquecido. Onde eu posso comprar a versão impressa de ZUMBI – O LIVRO? Tinha lido em algum lugar que ela seria republicada ainda em 2012. A outra pergunta é sobre o livro mundo gump. Recentemente comprei o seu livro e gostei muito de reler algumas histórias do blog. Quero saber se há previsão de um segundo livro do mundo gump? Sei que isso exige tempo, mas já emprestei o meu livro para alguns amigos e parentes e eles sempre me perguntam se existe um volume II do seu livro, pois alguns deles não gostam muito de navegar na internet e, portanto, não podem acompanhar o blog. Por falar no livro, não encontrei nenhum link com o site livro.gumpworld na página inicial do mundo gump, tampouco o encontrei sendo vendido em outros sites. Acredito que se você colocar um link do livro na parte superior do blog as vendas podem aumentar um pouco e, possivelmente, o blog conseguirá novos leitores. Bom, é só uma sugestão de um leitor que deseja o melhor para o futuro do blog.
      Abraço!

      • OI Winicius, eu não sei se poderei contar detalhes do game que farei, porque assim como 90% dos meus serviços, deverá rolar um contrato de confidencialidade. Tem tanto tempo que estou longe de mexer o 3d que ja estou com saudades,hehehe.
        Sobre a questão do livro, vamos por partes:
        1- O livro do zumbi eu publiquei. Mas depois eu despubliquei, porque eu estava dando uma olhada no livro de teste que eu fiz, e vi que no processo de editoração rolou algum bug, deu alguma merda no arquivo que sumiu com uma pagina e duplicou duas. Pra não vender o bagulho ferrado, resolvi despublicar ele até conseguir consertar. A merda é que o arquivo estava no meu Hd que deu pau e estou esperando a empresa de recuperação resgatar todos os dados.

        2-O livro do mundo gump esgotou. Dá pra comprar ele direto pelo site da editora Multifoco, mas 99,9% dos caras que compram por aqui são leitores do blog, que conversam comigo, são meus amigos, e eles querem dedicatória. Com isso, eu preciso fazer encomendas periódicas para a editora para ter aqui e eu mesmo cuido do envio. Só que com o lance do nascimento do Davi, mais o monte de trabalhos que eu estou fazendo não tem dado tempo. Se eu colocar a propagnda, vende, mas se vender eu me lasco, porque vou ter que devolver o dinheiro ao comprador, já que não conseguirei mandar o livro a tempo. Eu penso sim em fazer uma versão 2 do livro, até porque a esta altura jua tem muita coisa nova que poderia entrar e tal… Mas não sei quando teria tempo de fazer esta compilação, mandar revisar, negociar com a editora e etc e tal…

        • Entendo o seu lado e sua resposta é totalmente compreensível, pois realmente é muito difícil conseguir tempo para fazer tantas coisas ao mesmo tempo e agora com o nascimento do herdeiro é que deve estar complicado para conseguir conciliar o trabalho com o blog e a sua vida pessoal.
          Quanto ao livro, eu só lhe peço um favor: faça o possível para republicar o livro zumbi e não se esqueça fazer um novo post quando a nova edição for publicada com as páginas na ordem correta porque somente dessa forma saberei quando o livro voltará a ser vendido.

  5. Se não me falha a memória já tenho a uns 2 anos ou mais este seu site Mundo Gump salvo nos favoritos, visito ele pelo menos umas 3 ou 4 vezes por semana, mas nunca fui de deixar recado aqui. Mas neste post me sentir obrigado a comentar algo, pois justamente no momento estou numa espécie de crise profissional. E de alguns dias pra cá, estou tendo uma vontade avassaladora de investir no ramo de design gráfico e animação 3D, uma porque a 10 anos atrás eu fiz um curso básico de design gráfico e eu adorava muito tudo aquilo… Mas deixei pra lá, acabei me infiltrando em outros assuntos profissionais e abandonando o ramo do design.
    Daí com o descontentamento profissional ultimamente, a vontade recente de voltar a trabalhar com gráficos, o mercado cada vez mais se expadindo nesta área (porque sinceramente a 10 anos atrás este mesmo mercado era muito fraco, assim estava vendo) e por último, ser inspirado por este seu texto é maravilhoso. Me enche de alegria e vontade de ir cada vez mais conquistar sonhos que a muito tempo foram esquecidos.

    Só tenho a dizer que seu trabalho aqui é no mínimo, fantástico.
    Bom, agora mãos a obra!! ;D

  6. Muito interessante o seu post. Eu, por exemplo, sempre tive muita vontade em trabalhar com o desenvolvimento de softwares e, na minha juventude, época em que eu era jogador de videogame profissional, já me imaginei algumas vezes como seria legal trabalhar diretamente no desenvolvimento de games. Hoje, após chegar a fase adulta, estou trabalhando com outra área totalmente diferente da que eu pretendia inicialmente e, apesar de gostar do que faço, algumas vezes fico imaginando o que poderia ter acontecido caso eu tivesse optado por me formar e trabalhar diretamente com informática e/ou games.
    Apesar disso, acho que tomei a decisão mais racional, pois como moro “Judas perdeu as meias’ e não tenho a menor vontade de me mudar para uma cidade grande ou para o exterior, tenho certeza que meu futuro não teria sido promissor, pois não existe mercado de trabalho na minha região.
    Aproveito a oportunidade para fazer algumas perguntas, pois fiquei curioso sobre a sua experiência com games. Philipe, você se arrepende de não ter se dedicado à trabalhar exclusivamente com games assim como seu irmão? Por que você parou de trabalhar com isso? Abraço e sucesso com o blog.

    • EU nunca ambicionei trabalhar com games, meus interesses desde sempre foram efeitos especiais. No meu caso, quando a Ignis veio para a minha cidade, contrataram meu irmão, que tinha voltado dos EUA, porque tinha acontecido o 11/09 e os caras estavam meio loucos como todo mundo que era estudante internacional lá, já que era como os terroristas tinham entrado nos EUA.
      Meu irmão já tinha conseguido o visto de estudante, emitido lá mesmo nos EUA (e talvez este tenha sido o problema). Mas aí ele veio no Brasil e quado foi voltar, deram um alerta laranja maluco la e o impediram de voltar para os EUA. Um absurdo. Pra piorar ele tinha uma vida toda la, namorada, casa, carro, computador, o caramba a 4. Ele teria que processar os EUA, entrar com processo junto ao Itamaraty… Uma merda. Mas aí nesse meio tempo, a Ignis veio de Curitiba para Niterói, e contrataram ele. Um dia lá eu fui visitar ele e acabaram me contratando também. Assim que saí da Ignis, fui trabalhar com visualização científica, interface e modelagem 3d no Instituto Nacional de Tecnologia. Eu fiquei lá o máximo de tempo permitido para se ficar sem prestar um concurso publico, recebendo bolsa de pesquisador do CNPq na divisão de design. Quando meu prazo estourou, eu ainda fiquei um bom tempo la trabalhando no projeto de design do Maglev Cobra, mas aí não como bolsista e sim como empresário, pelo fato da minha empresa ser associada aos órgãos de desenvolvimento do veículo, que é uma patente do meu pai. Quando a verba do projeto acabou, finalizamos nossa participação no projeto e passei a diversos outros, sempre com a minha empresa. Uma coisa que contribuiu muito para eu não mexer com 3d o tempo todo, foi este blog aqui, que desde 2006 me dá um trabalho do caramba, hehehe. Como meu trabalho muda muito, eu não posso dizer que parei de mexer com games. Aliás é muito (quase garantido) que eu vou voltar a trabalhar num game muito em breve.

  7. Acompanho o Mundo Gump há muito tempo, porém pouco comento, exceto em casos em que há uma real necessidade. Este post resume em tudo a minha vida académica, profissional (que ainda não decolou) e os meus objetivos e receios. Reconheço que sou uma pessoa com capacidades acima da média e que procuro sempre soluções para os problemas que jamais me tragam mais problemas no futuro. Sou uma máquina de criar e desenvolver ideias – e sobretudo há uma em especial que me deixa com a pulga atrás da orelha por não conseguir levá-la adiante. Trata-se de um conceito inovador e não existe na internet, que se posta em prática, destronaria grandes sites tais como facebook, amazon, twitter, entre outros. O meu problema reside em dois pontos: Programação extremamente complicada e falta de pessoas de confiança, pois tenho plena certeza que eu, mentor da ideia, seria posto de parte e muito provavelmente amanheceria com a boca cheia de formigas num aterro sanitário qualquer. Eu muito provavelmente irei para a cova com esta ideia e jamais irei concretizá-la.

    Desculpem-me o baixão calão: Fode-me completamente ser ironizado e saber que a sociedade não tem cultura e visão no futuro para esta minha ideia em particular, quando a retrato em pequenos pormenores (claro, jamais irei explicar na totalidade ou o ponto central). Invés de puxarem pela massa cinzenta, o que fazem é encherem o cu de esperanças em facilitismos que vão surgindo dia após dia, sem sequer tentar compreender o que pode mudar.

    Se há algo que me deixa frustrado é dizerem que eu deito tudo a perder por ser um “sonhador”. Eu reforço: “O louco que insiste na sua louca, acabará sábio”.

    Pode ser que com este comentário, surjam novos horizontes.
    Isto foi um desabafo!

    • Victor, se você acha que tem nas mãos uma ideia revolucionaria, não creio que você deva perder tempo. É possível que outra pessoa acabe tendo a mesma ideia e você terá perdido a chance. Minha sugestão é você traçar sua ideia em um papel e com a ajuda de um agente de propriedade industrial tentar patenteá-la. De posse do pedido de patente, você sabe que ninguém poderá copiar sua ideia e te dar uma banana como voc~e teme que aconteça. A parte seguinte esta em encontrar os amigos certos para te ajudarem a fazer um bom plano de negócios. Há empresas hoje somente fazendo o papel de financiadores de grandes ideias. São empresas que avaliam as melhores ideias os melhores projetos e dão dinheiro para que sejam levados para a frente. Esses caras são comumente chamados de “anjos”. Claro que o que eles fazem é investir uma grana alta em diversas ideias, e a maioria dá prejuízo. Só que as que dão lucro, costumam dar um puta lucrão monstro, que cobrem o risco da grana com as ideias deficitárias.
      Talvez seja uma boa, já que isso pode te dar grana real, enquanto uma ideia guardada na cabeça, além de atrapalhar que outra aterrisse, nunca te dará grana real, a menos que você tire a ideia de la e a transforme em realidade.
      Boa sorte.

  8. Muito obrigado Filipe! Você foi a única pessoa com um comentário coerente e incentivador, mesmo sem eu ter contado a ideia em concreto.

    No meio em que vivo, basta uma pessoa dizer que tem uma ideia, para chegar um nego e jogar todas as esperanças pelo ralo. É foda. É que são tão pessimistas e derrotistas, que a opinião que se limitam dar, parte de uma analise à elas mesmas.

    Não sei onde e a quem recorrer para fazer patentes.

    O meu receio de levar as minhas ideias avante, é da mesma proporção que a minha ira por tê-las guardadas na minha cabeça e não as estar usando.

    O meu receio parte do segundo ano da universidade. Fiz um projeto, criei um produto novo a partir de uma simples observação do quotidiano e do mercado potencial, e resolvi mete-lo na proposta do projeto para ver o que ia colher dali.

    e o que deu? Plantei chuva e colhi tempestade!

    O meu professor acabou por não me dar uma nota justa, roubou a minha ideia e certo dia abro a página da universidade onde dizia em primeira mão: Professor “Fulano” da Universidade “Ciclano” ganha prémio Nacional pelo empenho e pelo Projeto “X” quer pela inovação, quer pelo design.

    Eu tomei no cu de verde e amarelo. Fui reivindicar a minha autoria e numa conversa informal, o professor disse em um tom calmo e de ameaça como quem estivesse oferencendo um café: “Meu aluno, não sabes com quem te estás a meter. És o Krill da cadeia alimentar! Um conselho de amigo? Abafa o caso.”

    Não vou citar o país, nem nomes, nem a universidade a qual pertenci. Mas pela escrita, dá para perceber qual país se trata.

    Enfim, toquei no assunto com colegas e pedi conselho aos meus pais e o que todos aconselharam foi ficar quieto, pois seria uma batalha que me poderia fechar todas as portas no mercado de trabalho.

    Eu recolhi o rabo entre as pernas e fiquei calado.
    Hoje tenho ideias superiores e não conheço ninguém a quem confiar. As pessoas já não sabem manter um segredo, contam logo ao primeiro que aparecer a frente, por isso é que eu fico calado e engulo seco.

    Só para terminar. Há uns anos, nos primordios do youtube, surgiu-me uma ideia de criar um site em que as pessoas tivessem a possibilidade de criar o seu próprio canal de video-transmissão em direto ou não, de forma mais interativa e momentanea, ao contrario do formato do youtube, onde se grava e depois publica.

    Até ai tudo bem. Contei a minha ideia a umas quantas pessoas da minha área e pouco tempo depois surgia o JustinTv. Bem, coincidencias ou não, só sei que tive um sorriso torto e infeliz do tipo: “Eu criei aquilo, é a minha ideia”.

    Mas muito, mas muito provavelmente mesmo, fui apenas mais um que teve uma ideia em comum, tal como milhares de pessoas as têm. A diferença entre eu e o criador do JustinTv, é que ele deu o passo em primeiro.

    Espero que com esta minha ideia nao aconteça o mesmo.

    • Cara eu sei como vc se sente. O mundo esta repleto de canalhas. A academia então, é um antro!
      Eu tb já entrei bem com algumas ideias. Acho que meu maior furo foi certa vez mandar um livro meu para um autor de novelas da globo. Não consegui o emprego, mas um pedação do meu livro apareceu na novela e eu não recebi nem um obrigado…
      Cara se vc estiver em Portugal, aí eu não sei como faz. Meu pai sabe, pq ele ja patenteou coisas em Lisboa e parece que é mais fácil que no Brasil, onde as coisas são bem burocráticas. mas para patentear uma ideia no Brasil não é muito complicado. A parte boa é que nessa área tecnológica, o pedido de patente é analisado rapidamente e com ele em mãos, você pode contar pra quem quiser. Se alguém te roubar, pense nisso como um investimento no mercado futuro, pois ele vai ter que te indenizar judicialmente proporcional ao que ele faturar.
      Se você quer registrar uma patente no Brasil, vá ao INPI (tem na net). La você vai pegar o formulário padrão, e um agente de propriedade industrial vai te mostrar como que preenche. (é um saco)
      Feito isso, você paga uma taxa no Banco do Brasil, acho que deve estar uns 80 paus, e dá entrada. Eles vão protocolar e o seu pedido de patente vai tramitar la dentro até que ele seja analisado, julgado e a patente concedida ou não. Lá também é possível fazer uma busca prévia, ara ver se o que você quer inventar outro já não inventou. O meu pai é inventor, então eu posso te falar pela experiência de ter visto e ajudado em mais de 50 patentes dele: Ter a ideia é a parte mais facil. Viabilizá-la é a parte mais hard.
      Então só posso desejar boa sorte, pois você vai precisar.

  9. Eu moro no EUA e trabalho com design grafico, um pouco focado em motion graphics. Em relacao a estudo, embora tenha excelentes escolas, sinceramente nao sao muitas. Tem diversas escolas com cursos de design grafico e games, nem sempre sao boas e tem coisa melhor no Brasil. As escolas boas sao as que voce escuta ae no Brasil, como a full sail na florida, a school of visual arts em nova york (onde o Saldanha do era do gelo estudou), a gnomon 3d , algumas opcoes na california e pelo pais (esqueci os nomes), todas essas sao consideradas faculdades privadas. As faculdades estaduais tambem oferecem esses cursos, mas nao eh la grande coisa. O maior desafio eh o preco ridiculo e o sistema educacional daqui. As faculdades privadass que eu mencionei custam em media uns R$80 mil reais for ano ($40 mil dolares anuais), voce tem que pagar no pau em cada semestre (3 semestres por ano aqui), esse preco eh baseado no numero de creditos, como estudante internacional voce tem que ser full-time (integral) para manter o visto, isso eh 12 creditos (3 a 4 classes em media). As faculdades estaduais sao um pouco mais “barata” e sai por $27 mil dolares anuais (media de $7 mil dolares semestrais com 12 creditos). O sistema de bolsa eh meio esquisito, eh completamente diferente. Ou a faculdade te oferece de graca (extremamente raro) ou voce ganha uma bolada de alguem (competicao ou site especializado em schoolarship) de tipo $5mil dolares para pagar por UM semestre.

    Outra coisa em levar em consideracao eh que o atual mercado de games aqui esta em crise, cacetada de empresas fechando, nego nao consiguindo emprego. Entao ta uma competicao ferrenha. Eu conheco gente que foi para o Brasil em busca de emprego.

  10. Estava lendo o texto que escreveu para o Lucas J e me identifiquei muito. Ainda mais com o que chamou de “a desmotivação pelo tamanho do degrau”. Grande Apoio, me animou bastante! Muito grato!

  11. Ótimo texto acho que vai me ajudar bastante , é muito bom ouvir a opinião de um mestre como vc estou querendo entrar no mercado de trabalho mais sem saber como. também fiquei motivado a tentar projetos mais ousados !!! vlw Philipe

  12. Sou arquiteto, mas antes de me formar eu era curioso em desenho artístico e modelagem plastica (não sou escultor, sou um louco que faz protótipos de armas e armaduras de sci-fi ou fantástico. Tenho emprego na área de arquitetura, mas estou começando a me mobilizar par criar um portfólio descente em 3d. Atualmente começo a trilhar o desenho orgânico em zbrush (o mecânico, estrutural, arquitetônico e “landscap” tanto em 2d como em 3d sou profissional em plataformas CAD e Sktchup). Então vem a pergunta:

    Qual é o cargo que um artista conceitual (grafite e nanquim) que modela profissionalmente oque jã citei e pretende evoluir no orgânico (zbrush) deveria buscar ou se aprofundar ?

    Grato pela atenção.

    • Tem duas pernas possíveis, uma é o design conceitual, onde vc vai criar mais no papel mesmo, o que não impede de usar o 3d e até escultura se achar que deve. O outro é no departamento de arte mesmo, modelando e criando assets. Em sua maior parte do tempo, vc vai criar coisas com base no trabalho que os caras do concept vão te mandar.

  13. Gracias por compartir con todos nosotros toda esta amena información. Con estos granitos de arena hacemos màs grande la montaña Internet. Enhorabuena por este blog.

    Saludos

  14. Eu realmente nao tinha uma referencia do que gostaria de ser..mas seu post me fez querer vencer,estou motivado a conseguir meu espaço e quero fazer isso com a ajuda de quem for possivel.
    tenho 23 anos e espero que as minhas janelas nao estejam fechadas..obrigado.

  15. Sou uma garota e quero começar na área. Morro de medo de sofrer preconceitos, mas pra ser sincera vou fundo nessa!
    Acha que é errado eu querer seguir esta área?

  16. concordo com tudo que foi dito, mas tudo é complicado nesse vida ainda mais no Brasil. Eu tive que ralar muito para pagar meus estudos, e ainda to ralando muito. Não tenho muito tempo para praticar e ficar o melhor da escola, pq tenho q trabalhar e ganhar dinheiro para pagar os cursos. Estou juntando dinheiro para pelo menos conhecer alguns paises no exterior, fazer uns contatos e ver o que dá. Estou jogando com a sorte no pior caso volto com muita experiencia de vida!

  17. Excelente post e eu como profissional do meio, concordo com tudo o que você disse.

    Trabalho a mais de 7 anos com Concept Art, já morei 2 anos na Australia trabalhando dentro de um studio de video game fazendo concept art para o Jogo Edge of Twilight.

    E uma das coisas que mais me arrependo foi não ter terminado a Faculdade.

    Tive que aprender tudo sozinho na marra e fio muito mais difícil.

    Hoje estou de volta ao Brasil e partindo para uma outra carreira, Fine Art, mas me sinto na obrigação de passar meus conhecimentos a nova geração.

    E por isso, tenho dado aulas de Concept Art Online, para maiores informações : http://rodgallery.deviantart.com/

    Não conhecia seu Blog, mas já virei fan.

    Abs,

    Rod.

  18. Um amigo meu postou hoje esse artigo no facebook, fui ler e fiquei impressionado com a qualidade e com a atenção que você tem com as pessoas que posta os comentários, parabéns rapaz, vou começar a ler mais coisas. Obrigado!

  19. Cara eu tenho uma noção de desenho,mas meus traços são trêmulos como de um velho com Parkson (eu acho q escreve assim).Tenho o sonho de trampar com cg e art em jogos,só pra começar depois quero ser GD, eu gosto de tudo dessa área e não sei no que focar,concept art,cenários,personagens,animação…..não sei no que me dedicar,como vc citou tem que ser super fera em alguma dessas opções mas saber de tudo um pouco.Fora que é complicado achar bons cursos de verdade e o preço é surreal.E parabéns pelo post,perfeito !

  20. MANO! Foi tudo o que precisava…
    Tenho 16 anos, comecei o ensino médio esse ano e estou fazendo o curso técnico de “Técnico em Multimídias”, um dos 3 cursos voltados para a área de games lá no meu colégio, porém, esse é especialmente para a parte gráfica de de artes, não só de games, porém, mais focada neles.
    De uns dias para cá tenho visto muitos portfólios de uns caras q admiro por ai, oque me fez repensar se os trabalhos que eu tava fazendo lá no colégio ( como a arte de um jogo em 16-bits) estavam sendo feitos com 100% de mim, meu melhor, e vi que não estavam, nem perto disso!
    Não sei por que mas não estava levando a sério meu colégio esse ano pelo fato de ser o 1° ( talvez ), mas após refazer uns trabalhos esse final de semana, e PRINCIPALMENTE ter lido esse texto, vi que estava fazendo mal uso da benção que me foi dada: Poder estudar num colégio como aquele.
    Vélho, no texto você fala que se é preciso de um Portfólio PHODA!, até ai blz, em meu pensamento eu ainda sou jovem de mais para me preocupar realmente com isso, PORÉM!, essa ultima frase ( “Não se veja como um avião que vai decolar. Você já está voando. Quanto antes você se tocar disso, melhor.”), me fez ficar uns 10 minutos olhando pra tela do pc repensando em tudo, inclusive, me fez ler o texto de novo com outra visão sobre o mesmo. Então percebi que essa minha visão de “Muito novo pra me preocupar com o Portfólio” estava completamente errada, e mais!, que eu deveria me preocupar mais em “agradar” meus professores.
    Lá no colégio oque não falta é trabalho para “Aumentar seu portfólio”, e tbm tem bastante olheiros ( inclusive professores olheiros, como você mesmo disse xD ).

    Cara, muito obrigado por ter me dado esse “TAPA NA CARA”, e, não consegui não-escrever esse texto, vlw!

  21. Parabéns pelo texto Philipe, é bom não se sentir sozinho em nossos dilemas.

    Também tenho um sonho de me tornar um profissional da computação gráfica e tenho estudado até aqui por conta própria. Há muitas dificuldades pelo nosso caminho, eu, por exemplo, já ingressei na faculdade de informática achando que ela me levaria para a área mais artística/criativa do desenvolvimento de jogos e acabei me deparando com uma realidade totalmente diferente….acabei abandonando meu curso e hoje levo apenas um emprego (numa área não correlata) e umas das dificuldades que enfrento agora é a idade (já tenho 28) e o medo de arriscar vôos mais altos, tipo largar meu emprego estável com um salário não tão ruim, para me aventurar por uma área incerta e de salários iniciais bem menores…..

    Tenho procurado cursos presenciais, mas as mensalidades são absurdas e a qualidade, às vezes, meio duvidosa…. enquanto isso tenho estudado através de livros e arriscado algumas coisas por conta própria. Com certeza, ainda tenha MUITO a aprender, mas como diz seu texto, já estou voando…..

    Queria deixar um link com minhas imagens/vídeos:

    https://www.facebook.com/profile.php?id=100001593614548&sk=photos&collection_token=100001593614548%3A2305272732%3A69&set=a.104958406233946.7364.100001593614548&type=3

    http://www.youtube.com/jccdoc

  22. Sou ilustrador… tenho pouco tempo de experiência em game 2D e agora estou fazendo personagens em 3D.
    Meu Trabalho tem sido bem avaliado ( http://marleymaia.cgsociety.org), mas a falta de inglês e minha idade (39) tem me limitado bastante.
    Queria trabalhar no exterior, mas nem grana para fazer aula de inglês tenho pra investir. Faço por conta.
    Seu post foi esclarecedor… estou lutando contra as probabilidades.
    Tomara que eu vença.

    • Bacana, Marley. Cara foca mais em personagens 3d, e mostre também as malhas low poly. Mostre a peça in game, com lod e os mapas de texturas abertos. O que os caras vão querer ver é: Modelos bem construídos com topologia correta e enxuta, lod inteligente e o bom uso do espaço UVW. Isso vai ajudar muito a escolherem você.

  23. Ah, o famoso seis graus de separação. Pior que por causa desse conceito eu meio que consegui contato de algumas pessoas fodas desse ramo ai. Agora só me falta mesmo o resto, técnica, portfólio, inglês avançado (o meu é intermediário) e japonês avançado e um ótimo plano. Na verdade me falta tudo! Hahaha! Post muito elucidativo. Obrigado por compartilhar. 🙂

  24. Sei que esse post é antigo e me desculpe por ressuscitá-lo, mas estou prestes a começar um curso de Design Gráfico e estou tendo dúvidas se esse é realmente o caminho pra mim que quero trabalhar com modelagem. Eu sei que com certeza não é o único curso que devo fazer, mas fiquei me perguntando se é um curso realmente necessário para essa área ou se deveria investir em cursos mais específicos.

    • Felipe se teu lance é modelagem, eu recomendaria um curso específico. Existem alguns. Eu recomendo fortemente um de Zbrush, que é muito usado no segmento de modelagem para games e produtos. Aqui esta uma boa dica: https://www.facebook.com/zaulasponcell/?pnref=story

  25. Desculpa, sei que você já postou isso a algum tempo, mas ficaria muito feliz se pudesse tirar uma dúvida minha!
    Quando estava no ensino médio, não tinha muita certeza do que queria fazer. Acabei me decidindo pela área da arte mas sem muita noção do que faria depois. Estou no último período de artes e design e só agora descobri que tenho grande interesse em concept art. Como você disse em seu post, eu sei que é necessário um ótimo portfólio, portanto já estou investindo nisso, praticando todos os dias, e pretendo retornar pra minha cidade ano que vem e fazer cursos de 3D e desenho digital.
    O que eu gostaria de saber é se, além disso, seria necessário um curso de desenvolvimento de games, mesmo que eu só tenha interesse na parte artística, ou se só uma pós em ilustração, talvez, bastaria..

    • Eu penso que todo curso que vc fizer agregará bastante no seu trabalho. Se vc curte é concept art, eu sugiro que vc foque em cursos mais ligados ao tipo específico de trabalho que vc fará. Por exemplo, no caso de concpt art, render é algo que pesa bastante na qualidade final da arte apresentada. Rolam mitos cursos online de qualidade, como os do Feng Zhu. Esses cursos são muito bons. Há também ótimos livros. A ideia de fazer um curso de gamedev, não é ruim, é boa e vai te dar uma boa visão da parada como um todo, o que poderia ajudar vc a entrar ate num cargo de chefia lá na frente. No entanto, o desenho coneitual esta mais perto por afinidade da parte de game art, de modo que acho que vc teria mais chances fazendo por exemplo, cursos como o zbrush, e algum programa de 3d, porque na falta de trampo na área de design vc pdoe conseguir entrar nesse ônibus e sentar numa cadeira na seção de arte, e depois, já internamente, migrar para o setor de concept que é seu sonho.

  26. Sei que é antigo, mas vi alguns comentários recente e decidi comentar também, afim de receber uma ajuda!
    Eu sempre trabalhei na empresa da minha família, na área de transporte rodoviário de cargas, hoje sou o gerente financeiro, porém ultimamente tenho notado que não é nada do que gosto, sinto como sendo somente um trabalho. Há pouco tempo decidi que vou me dedicar para trabalhar na área de games, e dentro disso a área que mais me agrada é animação, 3D e tal. Gostaria de saber por onde começar, se faço um curso específico nessa área ou se começo fazendo um curso de jogos digitais, por ser mais abrangente. E, hoje, quais cursos você poderia indicar?
    Ótimo post, encontrei boas coisas que procurava! Obrigado por compartilhar tudo isso!

    • Gustavo, sugiro que se voc~e curte é a arte 3d e animação, faça um curso de 3d, e depois cursos tecnicos de animação. Animação é uma área esecífica com muita demanda, que é crescente no mundo. De animação para comerciais, filmes, games, o mercado para animador é muito amplo. Assim, eu recomendaria essa ordem: Aprender um programa de 3d, (sugiro Maya, embora o 3dsmax seja muito usado também, vejo uma predominância do maya para animação) e em paralelo começar a montar uma biblioteca de material sobre animação. É um mundo de informação nesse segmento se prepara, porque é conteudo pra caralho. Só a parte 3d ja é muita coisa, (isso considerando que você só vai animar, se entrar em rigging e scripts então, bota pelo menos uns 5 a dez anos pra dominar) mais as tecnicas de animação, vale muito à pena, e é justamente essa massa de conhecimentos que faz os animadores muito procurados não só no Brasil como no exterior. Um abraço

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares