Como estudar no exterior de graça

Aí pessoal, recebi uma dica legal hoje e vou repassar pra vocês. A dica é como estudar no exterior de graça!

O segredo da parada é que já estão abertas as inscrições para as bolsas de estudo do ciclo acadêmico de 2009-2010 da OEA (Organização dos Estados Americanos). A iniciativa, desenvolvida pela AICD (Agência Interamericana de Cooperação e Desenvolvimento), oferece auxílios para estudantes interessados em fazer cursos de graduação e pós-graduação no exterior. Há oportunidades de estudos em países de língua inglesa, espanhola e holandesa. Brasileiros podem se candidatar até o próximo dia 30 de maio.

O benefício pode ser utilizado em programas presenciais e a distância, além da combinação entre ambos. A escolha pelo curso esta limitada às instituições de ensino dos países que pertencem a OEA.

Sendo assim você poderá:

Estudar em Antígua e Barbuda

Estudar na Argentina

Estudar nas Bahamas

Estudar em Barbados

Estudar em Belize

Estudar na Bolívia

Estudar no Canadá

Estudar no Chile

Estudar na Colômbia

Estudar na Costa Rica

Estudar na Dominica

Estudar no Equador

Estudar em El Salvador

Estudar em Grenada

Estudar na Guatemala

Estudar na Guiana

Estudar no Haiti

Estudar em Honduras

Estudar na Jamaica

Estudar no México

Estudar na Nicarágua

Estudar no Panamá

Estudar no Paraguai

Estudar no Peru

Estudar na República Dominicana

Estudar em São Cristóvão e Nevis

Estudar em Santa Lúcia

Estudar em São Vicente

Estudar nas Granadinas

Estudar no Suriname

Estudar em Trinidad e Tobago

Estudar nos Estados Unidos

Estudar no Uruguai

Estudar na Venezuela.

Para participar, é preciso ser residente de um dos países membros da Organização dos Estados Americanos. Ou seja, se você mora aqui em “terris Brasilis”, tá garantido.

O candidato deve ainda ter o nível de ensino necessário para ser admitido no programa acadêmico desejado e fluência no idioma do país de destino. A solicitação da bolsa deve estar vinculada às áreas prioritárias da entidade:

– Cultura
– Diversificação e Integração Econômica, Liberalização Comercial e Acesso a Mercados
– Educação
– Desenvolvimento Científico e Intercâmbio e Transferência de Tecnologia
– Desenvolvimento Social e Criação de Emprego Produtivo
– Fortalecimento de Instituições Democráticas
– Desenvolvimento Sustentável do Turismo
– Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente

O programa de bolsas de estudos acadêmicos da OEA divide-se em duas modalidades: as com pré-requisito de admissão e as bolsas ofertadas por meio de agência. Na primeira delas, o candidato assume a responsabilidade para sua admissão na instituição de Ensino Superior na qual deseja estudar. Na outra, o interessado indica três universidades nas quais gostaria de cursar a habilitação desejada e a agência executora da organização ficará responsável em conseguir a admissão e também o auxílio financeiro necessário.

Em ambas as modalidades, a duração do programa é de um ano. É possível estender esse prazo por mais 12 meses. Para os programas de pós-graduação, os estudos estão marcados para o período que vai de janeiro de 2009 a março de 2010.

Os benefícios incluem recursos para o transporte aéreo, fundos para a matrícula e as mensalidades, seguro-saúde e aquisição de material. O auxílio oferecido pela OEA cobre aproximadamente 60% dos gastos dos estudos. Portanto, é recomendável que o bolsista busque outras fontes de financiamento para cobrir as demais despesas.

Além dos programas acadêmicos, a OEA também oferece bolsas de estudo para cursos de curta duração nas áreas de treinamento especializado. (essa é pra quem quer estudar animação, efeitos, computação gráfica e etc)

Há oportunidade nas diversas áreas do conhecimento, exceto nas áreas médicas. Os benefícios deste programa são iguais as demais modalidades de bolsas da organização.

Inscrições

Para se candidatar às bolsas da Organização dos Estados Americanos os estudantes devem preencher os formulários de inscrição disponíveis no Portal Educacional das Américas, no endereço www.educoas.org. Os interessados devem encaminhar as propostas de candidatura para os ONE´s (Órgãos Nacionais de Enlace) de seus respectivos países.

No Brasil, os formulários, bem como os documentos comprobatórios, devem ser enviados para a Divisão de Temas Educacionais do Ministério das Relações Exteriores, no seguinte endereço:

Ministério das Relações Exteriores – MRE
Divisão de Temas Educacionais – DCE
Esplanada dos Ministérios, Bloco H, Anexo I, Sala 432
70170-900, Brasília-DF

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 61-3411-8561, pelo fax 61-3411-8560, pelo e-mail dce@mre.gov.br ou pelo site www.dce.mre.gov.br.

É a sua chance de se mandar do Brasil e ir estudar fora, para voltar com um canudo mais respeitável e conseguir um bom emprego digno de orgulhar a sua vó. Manda bala. E quando chegar lá no exterior, manda um presentinho pra mim pela dica.

O que? Hã?

Ah, então você queria estudar é na Europa, né? Não tá afim de perder seu tempo no novo mundo. Então, amiguinho, eu tenho uma bela dica pra você:

Para estudar na ALEMANHA (clique aqui para saber mais)

Para estudar no reino Unido (clique aqui para saber mais)

Para estudar na França (doutorado) 

Não quer na Europa? Que tal um lugar mais longe?

Para estudar na Austrália (clique aqui para saber mais)

Dicas de ouro para estudar no exterior na faixa:

– Informe-se sobre a área de estudos que quer cursar: a melhor universidade, o país mais especializado.
– Antene-se com o contexto mundial e regional.
– Mostre-se alguém esforçado, persistente e ambicioso.
– Não demonstre que seu intuito principal é sair do país e morar fora por uns tempos.
– Demonstre paixão pelo tema que pretende estudar.
– Comece a pesquisar sobre bolsas pelo menos um ano antes de se candidatar a uma.
– Entre em contato com as entidades de classe da sua área para ter conhecimento de todas as bolsas existentes.
– Entre em contato com ex-bolsistas e observe suas principais virtudes.
– Peça para o autor da carta de recomendação ser bastante enfático sobre você e suas qualidades específicas e experiência profissional.
– Peça ajuda a um profissional para fazer sua cover letter (carta descritiva), tal como um professor de inglês.
– Escolhe a instituição de fomento que privilegia a sua área de estudo.
– Não deixe o nervosismo tomar conta na hora da entrevista.
– Mostre a contribuição que o seu estudo pode trazer para o Brasil e para a relação deste com o país para onde vai.

Fonte

Artigos relacionados

53 Comentários

Compartilhe suas ideias