Casas de concreto e realocação social

Faz alguns dias que uma ideia não me sai da cabeça. De vez em quando estou distraído e me pego com a ideia fixa a me martelar os miolos.

Isso é estranho, porque a ideia que eu tenho demanda um conhecimento químico que me falta completamente. Daí que eu resolvi expor isso aqui, para caso alguém tenha uma ideia complementar, quem sabe sai um produto que possa ajudar as pessoas pobres e aos desabrigados pela chuva.
Basicamente, é uma ideia que envolve a mistura de componentes químicos que fazem o poliuretano de expansão.
O poliuretano de expansão é formado quando dois líquidos são misturados. Quando isso acontece, uma violenta reação química tem lugar, gerando uma espuma que cresce absurdamente (igual “A coisa” dos filmes B dos anos 50) e quando ela para de crescer, endurece, formando uma espuma que pode ser rígida, muito rígida ou flexível (tipo a espuma da cadeira em que você certamente está sentado agora), dependendo dos componentes da fórmula, ele tem durezas e propriedades específicas. MAs o mais legal é que misturou, ele cresce! Veja o video pra entender:

Depois que mistura, o bagulho cresce feito um ser vivo, e se a forma não for aberta, ela pode explodir devido a pressão. Depois que ele endurece pode ficar duro feito madeira. O funcionamento da expansão se dá porque o material forma bolhas de gás que após a cura do material (poucos segundos) se torna rígido, oferecendo uma superfície dura e ao mesmo tempo de ótimo isolamento. Não é por outra razão que o interior da sua geladeira, atrás da parte plástica que você consegue ver, está cheio disso.

Tijolos de concreto celular

Bom, agora vamos ver outro material, o concreto celular. Se pararmos para olhar de perto, o concreto celular é parecido com o poliuretano, com a diferença que no poliuretano ele endurece em segundos, e o concreto celular leva algumas horas. O concreto celular é leve porque está cheio de ar. Este material é feito com uma mistura de cimento com materiais silicosos, em especial o silicato de cálcio.

Por não ser sólido ele não serve para estruturação, mas substitui bem o tijolo de barro. E é muito barato. Basicamente ele seria uma espécie de “Sulflair” (o chocolate)  de concreto. Ao olharmos de perto, ele é assim:

Bom, dito isso, a ideia que me ocorre e que eu nem sei se é factível é descobrir uma maneira de fazer o concreto celular se comportar como o poliuretano de expansão.

Qual seria a vantagem disso?

Velocidade! Imagine a seguinte situação, você perdeu tudo, sua casa ruiu com as chuvas e agora você não tem mais onde morar. è uma merda, milhares de pessoas passam por isso devido a tragédias naturais todos os anos no Brasil e no resto do mundo. O que as autoridades fazem (mal e porcamente) é remover esses desabrigados para escolas (que não deveriam se prestar a isso) e pagar aluguel social para que elas morem em outros lugares, muitas vezes em casebres ainda mais precários que os que elas perderam.
Há um problema aqui que talvez pudesse se resolvido com um material que fosse ao mesmo tempo barato de produzir e rápido de usar.

Agora vou puxar uma outra ideia, que não é minha, mas sim do inventor da lâmpada aí no seu teto. O cara é Thomas Alva Edison, um dos maiores inventores de todos os tempos. Em 1908, Thomas Edison teve uma ideia que foi uma das poucas ideias dele que não deram certo: Uma casa de concreto.

Edson e a maquete da casa de concreto

Na verdade, quando um invento não dá certo, não significa que a ideia esteja errada. Muitas vezes, ela está apenas fora do tempo. E é isso que eu acho que ocorreu com a ideia de Edison da casa de concreto.
Basicamente ele pensou no seguinte, o concreto, um material relativamente novo na época, podia ser misturado e moldado e endurecia até mesmo debaixo dágua! Ele é um material versátil resistente pra dedéu e relativamente fácil de controlar. Edison recebeu autorização de patente da casa de concreto em 1917, o que significa que ela caiu em domínio publico faz tempo.
A ideia era até simples, imagina que o cara mandou fazer uma serie de moldes de aço, a partir de uma casa vitoriana real, como podemos ver na maquete.

Um dos problemas ao meu ver é que naquele tempo, a casa bonita tinha que ser em estilo clássico, com um monte de detalhes e rococós que hoje simplesmente não existem. Aliás, hoje estamos justamente no oposto desta estética, e uma casa moderna é assim:

Uma casa moderna. Compare com a casa do Thomas Edson

O Thomas Edson conseguiu fabricar os moldes em aço, e eles eram modulares, de forma que as casas poderiam ser customizadas em diferentes formatos, quebrando a mesmice visual, um luxo que absolutamente ninguém que mora em conjuntos habitacionais costuma ter.
O segundo problema da ideia do Edson é que ele sofisticou muito a parada. Uma única casa dele podia ter até 500 pedaços diferentes que tinham que ser conectados manualmente antes de derramar o concreto. Ele usava a força da gravidade para alimentar a forma com o concreto liquefeito, e isso era feito do teto, manualmente, pois naquele tempo, não havia ainda as bombas de encher laje, hoje capazes de encher as lajes de prédios como este numa taxa de um anadar por dia:

Edson fez muitos experimentos, aperfeiçoando a mistura de concreto, mas naquele tempo, sem a tecnologia que temos hoje, era tudo na base do ensaio, tentativa e erro. Ainda assim, ele conseguiu formular o concreto de modo que após desmontar a forma, a casa não precisava nem de massa corrida! Era pintar, entrar e morar.
O maior problema de todos é que os moldes, feitos em aço para aguentar o rojão, custavam caro, e por serem detalhados, quase obras de arte, precisavam ser de níquel e bronze em algumas partes. Isso encareceu dramaticamente o conceito dele. Até porque como eu disse, uma única casa precisava ter 500 peças. Isso fazia demorar muito tempo para montar a fôrma.

"Enchendo" a casa
O conjunto de fôrmas costava U$ 25.000, e naquele tempo isso era uma fábula.
Ocorre que naquele tempo não havia nem sonho de uma forma de borracha de poliuretano, como as que temos hoje e que atualmente são usadas justamente para moldar concreto. Saca só:

Também não havia fibra de vidro, para estruturar as peças. Ainda assim, graças ao uso contínuo que as formas permitiam, Edson calculou o valor final de cada casa em míseros U$ 1.200,00! Olha a puta casa que era!
O que ferrou mais a ideia do Edson é que ele não conseguiu fazer marketing suficiente para que as pessoas entendessem que o concreto poderia realmente ser usado para fazer casas. Naquele tempo, a maioria das casas era de madeira e havia um preconceito quanto ao uso do concreto, que parecia às pessoas um material excessivamente monolítico.

As casas de Thomas Edson estão intactas até hoje

Como podemos ver pelas fotos acima, as casas de teste que Edson construiu em Nova Jersey, Pensilvânia, Virgínia, e Ohio estão perfeitamente intactas e não dá pra saber que são verdadeiras esculturas maciças de concreto.

Hoje, o papo é outro. Temos concreto avontê, é um material barato, que pode ser bombeado com facilidade, as casas tem perfis retos, as fôrmas podem ser de borracha de PU, e o concreto pode ser aerado para baixar o custo, acelerar a secagem e diminuir o peso, requerendo praticamente nenhuma fundação. Se for possível adicionar a propriedade expansível do poliuretano de expansão ao concreto celular, eu creio que teríamos uma possibilidade factível de gerar casas populares industrialmente, na base da fôrma, levando do zero à casa pronta uma semana. Isso atenderia a uma demanda popular reprimida gigantesca e principalmente, ajudaria as pessoas que precisam ser realojadas rapidamente, e retiradas de áreas de risco.
Talvez Edson estivesse apenas muito à frente de seu tempo.

(espero que escrevendo isso a ideia de um concreto espuma expansível saia da minha cabeça)

29 Comentários

  1. Mussa 28 de abril de 2011
    • Philipe3d 28 de abril de 2011
    • Philipe3d 28 de abril de 2011
  2. rodolfo ricieri 28 de abril de 2011
  3. Rodrigo 28 de abril de 2011
    • Philipe3d 28 de abril de 2011
  4. Jaqueline 28 de abril de 2011
  5. Cleovane Selbach 28 de abril de 2011
  6. Cleovane Selbach 28 de abril de 2011
    • Philipe3d 28 de abril de 2011
  7. JordanJr 29 de abril de 2011
    • Philipe3d 29 de abril de 2011
  8. Oporco 29 de abril de 2011
  9. Renato Bosco 29 de abril de 2011
    • Philipe3d 29 de abril de 2011
  10. Elvis 29 de abril de 2011
  11. Aecinho_rc 30 de abril de 2011
  12. Windersonsoares 30 de abril de 2011
  13. Douglas leonardi 30 de abril de 2011
  14. Leandro263 30 de abril de 2011
  15. Luiz 3 de maio de 2011
    • Philipe3d 4 de maio de 2011
    • Rodrigo 4 de maio de 2011
  16. Bolação 10 de outubro de 2011
    • Philipe3d 10 de outubro de 2011
  17. Dante 11 de outubro de 2011
    • Philipe3d 11 de outubro de 2011
  18. Tarsiops truncatus 6 de agosto de 2012
  19. sidney rogerio pereira 21 de outubro de 2012


Deixe seu comnetário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *