15 Comentários

  1. Verônica

    Repararam em quantas capas aparece o Nicolas Cage? Ele é o maior clichê de Hollywood!

    Responder
    1. Louis

      “…E se nada disso der certo, coloque o Nicolas Cage no filme e pronto !”
      Ator mil e uma utilidades , cabe em qualquer tipo de filme e é garantia de bilheteria no mínimo mediana . Só a cara de paisagem dele que é sempre a mesma . . . tem ator que só de mudar o corte de cabelo fica irreconhecível mas esse cara tem um rosto que é figurinha carimbada heheheh

      Voltando ao post , muito bem sacado você ter mostrado como são feitos os esquemas feitos nos posters (posteres?) Philipe ! Agora na hora de comprar um filme já dá pra ter uma idéia +ou- sobre o que é o filme sem ter que lêr a sinopse xD

      Responder
      1. Furanus Alheius

        ahhhhh … e nada de “partículas, detritos e fagulhas voando na frente…” ???

        hehehe XD

        Responder
  2. Élvis

    Então o Stallone Cobra se enquadra na última categoria. Mas tem uma outra – os posters dos filmes de “fantasia pós-apocalíptica” ou “estilo Conan” do final dos anos 70 / início dos 80. Sempre um cara musculoso erguendo uma arma (normalmente uma espada), um fundo sombrio/nebuloso mesclado com algo q lembre fogo ou lava, uma gostosa seminua aos pés dele e algum monstro reptiliano/gosmento/repulsivo tentando pegá-los. E tem a dos “cheesy ninja movies” dessa época, dos quais se pode ter uma idéia em sites especializados no gênero.

    Responder
  3. Élvis

    A propósito, desculpe fazer isso aqui off-topic, mas o conto da Caixa é sensacional, estou esperando ansiosamente pela continuação!

    PS: “Muuuuungoooo”… Caraio, só de ler me deu um cagaço!

    Responder
  4. Carlos Azevedo

    Artista de poster é esse aqui: Wieslaw Walkuski. Vale um post aqui no Mundo Gump.

    Responder
  5. Roldd

    Muito loko mesmo esse post. Sensacional! nunca havia prestado atençao nesses macetes.

    Responder
  6. Mineiro

    Sensacional essa postagem. e curti demais as ilustrações do Wieslaw Walkuski citado pelo Carlos Azevedo.
    O modo como explora as variações dos rostos das pessoas é incrível.
    Merece de verdade um post só dele no MG

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *