fbpx

Curiosidades

ROBOCOP AFRICANO

Escrito por Philipe Kling David · 16 segundos de leitura >

Incrível este video. Sensacional. Eu sei como dá um trabalho descomunal ( aliás, bem mais que descomunal, praticamente inadjetível) de fazer isso com este resultado.
Provavelmente algum trabalho para o contest de efeitos do CG talk ou algo do gênero.
Já imagino esse troço numa favela. Em vez do caveirão, imagino só uns trinta robôs desse pulando de um helicóptero pra invadir uma favela.
Clica porque é realmente impressionante.

Escrito por Philipe Kling David
Designer, blogueiro, escritor e escultor. Seu passatempo preferido é procurar coisas interessantes e curiosas para colocar neste espaço aqui. Tem uma grande atração por assuntos que envolvam mistérios, desconhecido e tecnologia. Gosta de conversar sobre qualquer coisa e sempre tem um caso bizarro e engraçado para contar. Saiba mais... Profile

Foto Gump do dia: A Cauda da baleia

em Curiosidades, foto gump do dia, incrível
  ·   16 segundos de leitura

Novas reações nucleares estão ocorrendo em Chernobyl

em Curiosidades
  ·   2 Minutos de leitura

3 respostas para “ROBOCOP AFRICANO”

  1. Cara, pra fazer isso é foda.
    Resumindo bastante o cara tem que:

    1- fazer o concept do robô.
    2- Fazer o model sheet do robô
    3- Obter feedback e aprovação ( se for só pra ele mesmo essa etapa não existe)
    4- Modelar e texturizar o robô.
    5- Criar a estrutura dos ossos virtuais do robô
    6- Criar um atributo para os ossos virtuais afetarem a malha modelada do robô
    7- aplicar correções para deformações indesejadas nos ângulos mais agudos
    8- Criar o roteiro
    9- Decupar o roteiros em planos
    9- Fazer um storyboard
    10- Sair em campo para obter as tomadas de backplate
    11- Com as tomadas feitas, converter para formato digital e importar para o programa de 3d
    12- Ajustar a luz ambiente do 3d para bater precisamente com a do ambiente filmado ( cor, ângulo, temperatura)
    13- Colocar o boneco na cena e animar
    14- Usar um software externo ou nativo de motion tracking para que a câmera virtual saiba exatamente o que a cãmera real fez. ( cada tremidinha)
    15- Importar o resultado do tracking para o 3d e aplicar na camera nativa
    16 – se o movimento não for animado na mão: Importar uma estrutura de captura de movimento e aplicar ao modelo, fazer correções
    17- Renderizar em sequencia de arquivos
    18- importar a sequencia gerada no 3d para um software de efeitos como after Fx ou Combustion
    18,5- Nessa etapa os sons de base estão pré gravados junto com o backplate da câmera de video. Os sons do robô e tiros são efeitos de som que tem que ser gravados, editados, filtrados e preparados para inserir nesta etapa.
    19- Projetar e animar manualmente as eventuais mascaras
    20 – Aplicar efeitos necessários como desfoque de profundidade focal, aberrações cromáticas, desfoque de movimento, fumaça, névoa, etc.
    21- Fazer correção de cor para dar unidade a toda a sequência
    22- Aplicar os textos e grafismos sobre o material gerado
    23- Gerar o master final
    24 – A partir do master final, preparar a saída do matterial para a web
    25- Fazer o upload do material pra net.

    Só isso. Fácil, né?
    E depois a gente tem que ouvir de cliente que “não sabe porque que a computação gráfica é tão cara se o computador que faz tudo”.
    (putaquipariu!)

  2. Me parece uma producao muito seria pra ser caseira, isso me cheira a BBC e um programa pro discovery de como sera o futuro, ate mesmo pela narracao do cara falando de como seira “awesome” ter um robo desses.
    Andre

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.