O misterioso desaparecimento de Granger Taylor

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

A tempestade chegou forte naquela noite de 29 de novembro de 1980. Os ventos fortes rasgaram a parte central da Ilha de Vancouver, cortando a eletricidade e fazendo com que os moradores corressem em busca de abrigo. Parecia o fim do mundo.

No meio dessa violenta tempestade, um jovem tímido e estranhamente brilhante escrevia um estranho bilhete e colava na porta do quarto de seus pais. Ele saiu da casa e deixou todos os seus bens materiais para trás, incluindo US $ 10.000.

O rapaz subiu em sua picape marca Datsun e ano 1972 azul claro, passou pela réplica do disco voador que ele mesmo havia construído em seu quintal e… Evaporou!  Ninguém nunca mais teve notícias dele Granger Taylor.

Essa série de eventos, embora desconcertante, não é em si mesma particularmente notável. O que torna este caso digno de nota mais de 30 anos após o fato, é o conteúdo da carta que Granger Taylor, deixou para seus pais lerem:

“Queridos mamãe e papai, parti para andar a bordo de uma nave alienígena, pois sonhos recorrentes garantiam uma viagem interestelar de 42 meses para explorar o vasto universo e, em seguida, retornarei. Estou deixando para trás todos os meus bens para você, pois não vou mais precisar de nada. Use as instruções em meu testamento como um guia para ajudar. Com amor, Granger. ”

No lado oposto da letra rabiscada à mão estava um mapa de contorno da Montanha Waterloo, que estava localizada a cerca de 20 milhas a oeste da propriedade do Taylor. A relação que o mapa ou a montanha podem ou não ter a ver com o desaparecimento de Taylor, e esse é apenas um dos muitos enigmas associados a esse caso bizarro.

Mas vamos começar a entender este caso bizarro do início:

 

UM JOVEM DE TALENTO ANORMAL

Existem poucas informações sobre a infância de Granger Taylor. Sabe-se que ele nasceu em 7 de outubro de 1948, em Duncan, na Ilha de Vancouver – uma cidade madeireira e pesqueira situada na província canadense da Columbia Britânica- e tinha uma fama de possuir aptidão surpreendente para construir e consertar de todas as formas de dispositivos mecânicos. Um dos amigos mais antigos de Taylor, Bob Nielson, chegou a dizer:

“Acho que você poderia chamá-lo de gênio excêntrico ”.

Taylor – que vivia com sua mãe e do padrasto em Somenos Lake até o dia em que desapareceu, abandonou a escola na oitava série, mas apesar desta falta de educação formal, ele foi considerado por todos que o conheciam como um tipo de “gênio” e logo conseguiu emprego para ser um assistente mecânico.

Depois de deixar a escola, ele conseguiu seu primeiro emprego com um vizinho como assistente de mecânico, mas depois de apenas um ano de aprendizado, Taylor começou a trabalhar por conta própria e assim ficou,  trabalhando como soldador, mecânico e consertando máquinas pesadas.

A lista de realizações de Taylor também é extraordinariamente impressionante: Na tenra idade de 14 anos, ele construiu um automóvel monocilíndrico, que foi imediatamente exposto no Museu da Floresta de Duncan; e aos 17 ele conseguiu reconstruir uma escavadeira que mecânicos mais experientes há muito haviam tentado e desistido.

Quantos carinhas de 14 anos você conhece que FAZEM um carro? Pois é.

 

 

Essas conquistas já notáveis ​​seriam, no longo prazo, apenas “a ponta do iceberg”.

Em 1969, quando ainda tinha vinte e poucos anos, Taylor arou meticulosamente uma trilha por mais de meia milha de floresta densa para chegar aos destroços de uma locomotiva que havia sido abandonada durante a Grande Depressão e deixada para apodrecer. O que restou do trem estava em péssimo estado; seus caminhões e eixos de transmissão foram retirados na Segunda Guerra Mundial e um emaranhado de árvores cresceu através de sua estrutura enferrujada.

Taylor conseguiu tirar a locomotiva do meio da floresta, levou a mesma toda cacarecada para o quintal de casa e recuperou a maquina integralmente!

Em menos de 2 anos – com nada mais do que seu intelecto, ferramentas, caminhões de vagão de carga e componentes de transmissão de força à sua disposição – Taylor conseguiu restaurar a tal locomotiva à sua antiga glória original e em 1973, a Província de British Columbia comprou a máquina a vapor e a enviou para uma excursão no museu ferroviário antes de colocá-la em exibição no BC Forest Discovery Centre.

Em resumo, o cara era o catiço na recuperação de equipamentos mecânicos.

 

O GENTLE BEN:

Não demorou muito para que o introspectivo e discreto Taylor se transformasse de um garoto desajeitado em um cara de 1,80 m e mais de 100 kg. Era um urso de um homem que seus amigos começaram a chamar: “Gentle Ben .”

Gentle Ben com a mãe e o padrasto

Embora seu corpo tenha mudado, a mente de Taylor permaneceu focada em compreender a natureza da tecnologia de movimento e sua próxima paixão seria por máquinas que fossem capazes de voar.

Taylor obteve sua licença de piloto e comprou um antigo avião de guerra Kitty Hawk, que restaurou. Por dois anos, o avião foi exibido do lado de fora de uma loja na Island Highway, até que foi vendido para um restaurador de aviões antigos de Manitoba em 1981 por US $ 20.000. Os pais de Taylor, Jim e Grace, colocaram o dinheiro na conta bancária de Granger com os outros $ 10.000 que ele deixou intocados antes de sua inexplicável partida.

 

Embora aviões, trens e automóveis claramente intrigassem Taylor quando ele era jovem, não demorou muito para que ele fosse capaz de compreender suas funções e se tornar um mestre em sua montagem … foi então que ele evidentemente ficou entediado.

Sempre buscando algo novo para testar seu vasto intelecto e destreza mecânica, o agora respeitado artesão voltou sua atenção para um novo – e para muitos incompreensível – desafio; a questão aparentemente insolúvel de como os OVNIs poderiam realizar os feitos aéreos que tantas testemunhas oculares alegaram ter visto.

Para esse fim, Taylor construiu para si mesmo um santuário quase futurista sob os altos pinheiros, não muito longe da casa que dividia com seus pais nos pântanos do Lago Somenos; um lugar que viria a ser conhecido como …

O DISCO VOADOR DE GRANGER:

 

Durante a última parte da década de 1970, de acordo com seu padrasto, Taylor – usando sua perspicácia industrial – passou mais de meio ano construindo e soldando uma réplica em “tamanho real” de um disco voador com peças sobressalentes que havia encontrado.

Em seu livro de 1985 ” In Advance of the Landing: Folk Concepts of Outer Space”, Douglas Curran descreveu o domicílio fantástico: ” Ele [Taylor] construiu sua nave espacial a partir de duas antenas parabólicas e equipou-a com uma televisão, um sofá um fogão a lenha. Ele ficou obcecado em descobrir como os discos voadores eram movidos, passando horas sentado na nave pensando e muitas vezes dormindo lá . ”

Em um artigo publicado em 18 de março de 1985, edição do Times-Colonist, intitulado: “ Is Vanished Son Adrift in Space? ”O jornalista Derek Sedenius descreveu o estado então decrépito do outrora acalentado refúgio:

“A nave prateada fica em pilares de metal sob as árvores na fazenda de Jim e Grace Taylor perto de Duncan. A porta da rampa de placa de alumínio está entreaberta e quebrada – os Taylor suspeitam de crianças brincando – mas por dentro, o grande sofá velho, o fogão e a saliência de madeira compensada são muito parecidos com o estado em que seu filho, Granger, deixou. ”

O UFO mobiliado rapidamente se tornou a “cabana” de Taylor e, uma vez que ele se estabeleceu em seu novo refúgio, ele embarcou no que seriam seus primeiros estágios meticulosos de …

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

Como ele não tinha acesso à “ coisa real ” , Taylor começou sua pesquisa sobre o fenômeno OVNI coletando todos os livros que ele pudesse encontrar, o que era uma tarefa fácil nos anos 1970.

Ele então se entrincheirou dentro de seu abrigo de aço soldado e começou a árdua tarefa de tentar entender o maquinário dos OVNIs com base unicamente em relatos de testemunhas oculares e hipóteses pseudo-científicas que os autores desses livros apresentaram sobre as aeronaves incomuns.

Na verdade, anos após o desaparecimento de seu filho, os Taylor ainda mantinham aquela caixa cheia de livros sobre OVNIs e fontes de energia desconhecidas; como Frank Edward, ” Flying Saucers – Here and Now ” , ” From Outer Space “, ” Black Holes ” e ” What We Really Know about Flying Saucers “.

Não demorou muito para que o novo hobby de Taylor se transformasse em uma obsessão completa. Quando isso começou a afetar suas relações sociais, os amigos perceberam. Conversar com ele durava pouco pois logo ele trazia o assunto da mecânica dos ufos ao assunto e… Todo mundo ficava  com cara de tacho olhando para o Gentle Ben discorrer um longo monologo de suas ultimas hipóteses de energias do espaço e campos magnéticos.

Como acontece com muitas pessoas altamente talentosas, o fascínio de Taylor por esse assunto poderia ter eventualmente diminuído conforme outros assuntos de interesse surgissem, mas parece que o destino – ou talvez algo um pouco mais tangível, embora não menos etéreo – tivesse algo guardado na manga.

 

Taylor confidenciou a seu amigo Nielsen que durante um de seus períodos de isolamento auto-imposto à bordo de seu disco tinha feito “contato”. Era um papo estranho, que Nielsen estranhou mas tentou não dar bandeira ara não chatear o amigo. Taylor disse que ele recebeu o que só pode ser referido como …

UMA MENSAGEM DO ESPAÇO

Enquanto estava deitado na cama improvisada em seu refúgio metálico, Taylor afirmou ter entrado em contato telepático com uma entidade extraterrestre que veio de além da Via Láctea.

Isso, para qualquer um que estudou a tradição ufológica (particularmente contatados), é considerada uma ocorrência comum, embora extremamente difícil de provar, entre seres humanos e exploradores alienígenas. Nielsen mais tarde descreveria aos repórteres o que seu velho amigo havia revelado a ele apenas um mês antes de ele desaparecer:

“Ele disse que aconteceu quando ele estava na cama. Ele ficou lá e teve comunicação mental com alguém ou alguma coisa de outra galáxia … Ele não podia vê-los. Eu disse que eles não podem ser apenas mentais, mas ele disse que era como se estivessem falando apenas com ele e com sua mente. Ele estava fazendo perguntas sobre os meios para movimentar as naves. A única coisa que disseram a ele, era que funcionavam magnéticamente. ”

Poucos dias após essa primeira – reconhecidamente bizarra – revelação, um Taylor exultante informou a Nielsen que a voz telepática havia voltado. E com novidades:  D desta vez, o ser alienígena o convidou para uma ” viagem pelo sistema solar “.

Taylor estava animado mas informou que ainda não sabia onde se daria a abdução. Mas quando o local do encontro foi revelado a Taylor, ele evidentemente escolheu (ou foi instruído) a não divulgar isso a seus pais de amigos.

Apesar do fato de seus amigos não terem ideia de quando ou onde seu suposto encontro com o destino aconteceria, Taylor não fingiu esconder sua alegria sobre a jornada que se aproximava e tudo o que ele iria aprender sobre a tecnologia do alienígena durante seus “ 42 meses viagem interestelar . ”

De acordo com Nielsen, Taylor estava “emocionado” com a perspectiva de sua odisseia interplanetária se aproximando.

Os amigos de Taylor – a maioria dos quais suspeitava que essa reação exagerada a vagar pelo espaço com um ET era apenas outra manifestação da excentricidade de Taylor – e se divertiam. De acordo com Nielsen:

“Todos pensaram que a viagem era apenas um sonho, mas ninguém desconsiderou totalmente as histórias de Granger … Ele era um tipo de cara tão incomum.”
No entanto, Sedenius relatou que apenas uma semana antes do sumiço enigmático de Taylor, ele levou um grupo de seus amigos para uma noite de balada na cidade para o que pretendia ser uma ” espécie de festa de despedida “.

PREPARAÇÕES FINAIS

Na sexta-feira, 28 de novembro, véspera do que muitos consideram a última noite de Taylor na Terra (de uma forma ou de outra), o jovem entrou no quarto de seu padrasto Jim e teve uma longa conversa com ele. Taylor expressou seu afeto e gratidão por tudo o que o homem havia feito por ele ao longo dos anos. Jim não tinha ideia de que esta seria a última conversa que teria com o enteado.

A mãe de Taylor, Grace, não estava por perto para falar com ele, porque estava no Havaí, tirando as primeiras férias em anos. Ela se arrependeria para sempre de não estar em casa naquela noite turbulenta de novembro.

Sem o conhecimento de seus pais ou amigos, Taylor preparou dois testamentos com instruções detalhadas sobre como seus pais deveriam distribuir seus pertences. Curiosamente, a palavra ” falecido ” foi riscada nos testamentos apenas para ser substituída pela palavra “viajante”.

O ÚLTIMO CONTATO

Por volta das 18 horas, naquela fatídica véspera de sábado que mudaria a vida de tantas pessoas na cidade de Duncan, Taylor entrou no Bob’s Grill para jantar. A aparência de Taylor não chamou a atenção, já que ele tinha sido um cliente regular do restaurante ao lado da calçada por anos.

A última pessoa a se apresentar e admitir ter visto Taylor foi uma mulher que trabalhava na cozinha do Grill chamada Linda Baron. Mais tarde, Baron diria às autoridades que ela o vira entrar e jantar sozinho, mas não conseguia se lembrar se alguém havia tentado puxar conversa com Taylor no restaurante.

De acordo com Sedenius, Baron lembrava o que o gênio solitário estava vestindo, especialmente considerando que por mais brilhante que todos sabiam que ele era, ele claramente não estava preparado para a tempestade que se aproximava:

“Ela lembrou que ele usava um suéter de tricô marrom com zíper na frente, uma camiseta preta (ele nunca ficava sem), jeans e botas de lenhador. Ele não estava com seu casaco de inverno. Estranhamente, seu casado seria encontrado alguns dias depois dentro da casinha de cachorro que Granger construiu para seu enorme cachorro, a Lady. ”

Baron então testemunhou que Taylor pagou sua conta e deixou o restaurante por volta das 18h30, quando a tempestade estava começando a atingir Duncan e as cidades vizinhas. Seria a última vez que o piloto, mecânico e maquinista de 32 anos seria visto.

Naquela mesma noite, ventos com força de furacão foram relatados em Port Alberni e linhas de energia foram derrubadas em Duncan e arredores, envolvendo toda a região em escuridão impenetrável. Ao amanhecer do dia seguinte, os cidadãos de Duncan estavam recolhendo os destroços deixados pela tempestade e também estavam ouvindo um boato que  se espalhava rapidamente pela cidade – que Granger Taylor havia desaparecido da face da Terra.

A INVESTIGAÇÃO

Compreensivelmente preocupado com a situação de seu filho – e, mais do que provavelmente, seu estado de metal – Jim Taylor contatou a Polícia Montada Canadense (RCMP) para ajudar a encontrar seu filho.

A RCMP respondeu imediatamente, mas depois do que o cabo Mike Demchuk descreveu como “ verificações exaustivas ” de registros de hospitais, passaportes, empregos e veículos, nenhuma pista sobre o paradeiro de Taylor pôde ser descoberta. De acordo com Cpl. Demchuk: “ O nome de Granger foi colocado no sistema de computador da polícia nacional. E a filial de veículos motorizados em Victoria foi alertada caso a carteira de motorista de Granger, que expirava naquele mês, fosse renovada . ”

Depois que Taylor se ausentou por mais de 4 anos, Demchuk admitiu que o que mais o deixou perplexo com relação a este caso misterioso foi o fato de que a picape Datsun de 1972 que Taylor havia ostensivamente usado para viajar para o outro mundo ainda estava desaparecida.

Demchuk afirmou:

“Seria de se esperar que o carro fosse encontrado pelo menos. Você simplesmente não se livra de algo tão grande sem que alguém saiba. ”

Sabendo que o carro pode muito bem ser a chave para seu desaparecimento, os Taylors, ao longo da década de 1980, ocasionalmente colocavam anúncios em jornais oferecendo uma recompensas para quem encontrasse o veículo desaparecido de seu filho. Eles nunca receberam nenhuma resposta, mas o registro do carro expirou em 1981, convencendo muitos investigadores da RCMP de que provavelmente não estava mais rodando.

De acordo com o livro da Time-Life de 1992, “Mysteries if the Unknown, Alien Encounters”, os restos do caminhão de Taylor (descrito incorretamente como sendo “rosa”) foram encontrados em uma montanha sem nome em algum momento de 1986:

“Seis anos depois, o caminhão foi encontrado em uma montanha perto de Duncan, aparentemente feito em pedaços no que deve ter sido uma grande explosão. Mas o corpo de Taylor nunca foi encontrado.

O verbete da Wikipedia sobre o Monte Sicker, uma montanha relativamente pequena não muito longe de Duncan, inclui uma breve menção ao caso Taylor que parece, pelo menos em parte, corroborar algumas das afirmações dos livros da Time-Life:

“O Monte Sicker pode conter a resposta a um mistério local de OVNIs. No final de novembro de 1980, Granger Taylor, um gênio não convencional e fanático por OVNIs, deixou um bilhete para sua família dizendo que iria viajar em uma ‘nave alienígena’ para ‘uma viagem interestelar de 42 meses’ e ele e sua caminhonete nunca mais foram vistos . Muitos anos depois, jornais locais noticiaram que um lenhador no Monte Sicker avistou uma cratera no solo e fragmentos de metal incrustados em uma árvore. Acredita-se que Granger estava carregando explosivos em seu caminhão no momento de seu desaparecimento. ”

Não parece claro, pelo menos sem a confirmação do RCMP, se os destroços do veículo supostamente encontrados no Monte Slicker (na verdade eram de um automóvel) têm alguma coisa a ver com o desaparecimento de Taylor. Mas mesmo supondo que sim, a falta de qualquer corpo na cena apenas aumenta a inescrutabilidade deste caso.

A CONEXÃO COWICHAN

É importante notar brevemente que a região de onde Taylor veio não era estranha ao mistério dos OVNIs. Na verdade, uma das aberturas mais intrigantes e mais bem documentadas da história dos OVNIs ocorreu na área apenas 10 anos antes.

Os eventos começaram às 23h59. na véspera de Ano Novo de 1969, a poucos quilômetros da casa de Taylor no Hospital Distrital de Cowichan.

Uma enfermeira chamada Doreen Kendall estava cuidando de seus pacientes quando ela e outras três enfermeiras viram um OVNI “em forma de Saturno ” com dois ocupantes humanoides pairando do lado de fora da janela. Assim começou uma espantosa enxurrada de avistamentos.

Seria difícil acreditar que um encontro presumivelmente extraterrestre dessa magnitude acontecendo tão perto de casa não teria um efeito duradouro na curiosidade do jovem em relação aos OVNIs e seus ocupantes.

É até mesmo uma possibilidade remota de que os mesmos pilotos de disco sem rosto vistos por Kendall em 1969, possam ter gostado da região e ficaram intrigados com o humano estudioso que estava tão ansioso para aprender sobre sua tecnologia. Mas supondo que ele não foi pego por uma nave extraterrestre, então a grande questão que resta é …

ONDE ESTÁ GRANGER TAYLOR?

O bilhete misterioso

 

É claro que não há como chegar a uma conclusão definitiva sobre o destino de Granger Taylor com as escassas evidências em mãos.

Agora precisamos dar uma olhada em algumas das explicações mais prosaicas possíveis para seu desaparecimento, e a primeira que vem à mente é que Taylor, por razões que podemos apenas supor, decidiu tirar a própria vida, e em seus últimos dias perpetuou uma farsa bizarra e (para seus pais, pelo menos) desnecessariamente cruel com a intenção de deixar aqueles que ele deixou perplexos e talvez apenas um pouco confortados pelo fato de que ele estava voando pelo cosmos com extraterrestres de verdade.

Para dar credibilidade a essa suposição, está o fato de que alguém que planeja ficar fora por apenas três anos e meio – embora seja provável que se desfaça de algumas bugigangas – quase certamente não abrirá mão de todos os seus bens. Mas se for esse o caso, então onde está o corpo dele? Por que não foi encontrado nos destroços do Monte Slicker – se, de fato, eram realmente os restos do carro de Taylor?

Taylor decidiu que queria fugir de tudo e começar de novo em um novo lugar? Se fosse assim, por que não se mudar? Em 1980, $ 10.000 no banco não seria uma maneira ruim de começar um novo capítulo na vida e ele certamente poderia ter encontrado um emprego em qualquer lugar que decidisse ir como mecânico ou maquinista ou mesmo piloto.

O que o teria impedido de pegar suas coisas e ir para outro lugar?

Mesmo se ele honestamente sentisse que sua única saída seria fingir sua própria morte, então por que ele deixaria todo o seu dinheiro para trás e inventaria uma história tão peculiar sobre o alienígena telepático e uma jornada de 42 meses? É quase certo que esta estranha história (se não passasse de uma história inventada) serviria apenas para humilhar seus amados pais em sua pequena comunidade. Simplesmente não faz sentido.

Nem seus amigos, familiares ou oficiais da lei jamais fizeram qualquer menção a qualquer abuso de drogas ou álcool, de modo que parece estar fora de questão, mas é possível que Taylor – como acontece com alguns gênios – tenha perdido o controle da realidade enquanto abrigado em seu ufo feito à mão? Talvez ele estivesse sofrendo de uma doença mental não diagnosticada que finalmente se manifestou na forma de um ET telepático…

Talvez ele destruiu seu caminhão e entrou na floresta naquela noite tempestuosa, esperando que seu guia turístico alienígena chegasse, apenas para sucumbir aos elementos brutais enquanto esperava em vão que as luzes de uma nave brilhassem sobre ele. Existem muitas áreas remotas na Ilha de Vancouver e os ossos de Taylor podem estar a apenas um passo de serem encontrados por algum andarilho da floresta.

Claro, a outra possibilidade é que ele simplesmente …

FOI RECOLHIDO POR UM OVNI

Embora seja fácil presumir que Granger Taylor estava sofrendo de algum tipo de colapso mental ou apenas tentando escapar de sua vida, há a chance de que ele estava com a mente sã e teve uma experiência muito peculiar; tão peculiar que ele decidiu abraçar o insólito ao invés de fugir.

É apenas remotamente possível que Taylor realmente tenha tido um encontro com um alienígena benevolente que despertou sua curiosidade natural e convidou o humano a se juntar a ele em uma viagem às estrelas do tipo que, talvez, só tenha sido apreciado por Ron Neary, o técnico de energia obcecado pelos ufos  em “Contatos Imediatos do 3 grau”?

O simples fato de Taylor ter deixado o casaco em uma noite tão inclemente indicava que ele realmente acreditava que, para onde quer que fosse, não precisaria se agasalhar.
O Dr. Max Edwards, linguista e ex-professor da Universidade de Victoria, acreditava que era esse o caso. Assim como o residente e editor de Duncan, John Magor, que disse:

“Houve casos relatados de alienígenas levando humanos para passear em discos voadores em outras partes do mundo; por que não aqui, então ? “

De Fato, John Magor tem razão. Há casos de gente que relatou ter dado “passeio de disco voador”. Um dos casos mais celebres disso, foi aqui no Brasil, o Caso João de Freitas. 

O que quer que tenha acontecido com Granger Taylor durante aquela terrível tempestade no outono de 1980, permanece um mistério até hoje, mas não pode haver dúvida de que este evento foi uma tragédia para aqueles que amavam Granger Taylor, especialmente sua mãe, que nunca chegou a dizer adeus. Durante anos, os Taylor deixaram o quarto do filho intocado e as placas e troféus que ele acumulou ao longo dos anos nunca foram removidos da porta do armário.

 

CONCLUSÃO:

A única coisa que sabemos com certeza é que na noite de 29 de novembro de 1980, Granger Taylor desapareceu, aparentemente sem deixar vestígios após dizer que ia viajar numa nave alienígena. Em 29 de maio de 1984, a expedição de 42 meses de Granger Taylor deveria ter chegado ao fim e seus pais – que mantiveram a porta dos fundos destrancada por quase 4 anos – estavam aguardando ansiosamente o retorno prometido de seu filho …  Mas até agora ele nunca voltou para casa.

Em última análise, o caso de Granger Taylor é um mistério intrigante dos remansos da ufologia, mas talvez toda a história confusa possa ser melhor resumida nas palavras de Jim Taylor:

“Eu mal posso acreditar que Granger está em uma nave espacial, mas se houver um objeto voador lá fora, ele é a pessoa certa para encontrá-lo.”

Vamos torcer para que ele tenha feito exatamente isso … E que em algum lugar na escuridão escura um terráqueo chamado Taylor Granger esteja tendo a experiência de uma vida inteira voando entre as estrelas … Mesmo que esteja um pouco atrasado para chegar em casa.

fonte  fonte

O misterioso desaparecimento de Granger Taylor

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

LUMINÁRIA UFO 

compre a sua em www.obscura.art.br

error: Alerta: Conteúdo protegido !!