O micro-pensador

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Categorias
Night mode

Image Hosting

Todo mundo conhece aquela escultura chamada “O pensador” de Auguste Rodin. Ela deve ser, ao lado do David de Michalangelo, uma das mais famosas esculturas do mundo. O Pensador era parte de uma obra maior, chamada os portões do inferno, mas havia tanta força naquela estrutura que ela se tornou rapidamente a mais famosa obra de Rodin.

Talvez por isso ela seja a escultura homenageada pelos pesquisadores coreanos que no início do ano criaram com o uso de um minúsculo raio laser a escultura do pensador, 93.000 vezes menor que a original. Para se ter uma idéia, esta escultura tem só o dobro da medida de uma hemácia, a célula vermelha do sangue.
A microscópica escultura é tão detalhada que podem ser vistos os músculos e até os dedos do boneco.
Parece brincadeira, mas a pesquisa é super séria. Os microlasers irão ajudar a construir biosensores mais precisos e menores além de outros componentes que revolucionarão a indústria da medicina e tecnologia nos próximos anos.
O processo de criação de peças microscópicas via laser é parecido com a construção de modelos prototipados por laser azul.
Tudo começa com o uso de uma resina fotopolimerizável, isto é, uma resina que endurece com a luz. Usando um cruzamento de laseres os cientistas conseguem gerar um filamento de luz tão pornográficamente fino que eles endurecem uma fatiazinha da resina com tamanho bem menor do que o necessário para que ele possa ser visto. O boneco vai sendo esculpido camada a camada, milhonésimos de milímetro de cada vez, até que isso forme uma casca dura na forma do modelo.
O problema que havia até então com as esculturas nanométricas é que devido ao processo, o laser era absurdamente fino e isso gerava um modelo com a casca dura, mas com o interior do boneco permanece mole. Isso deixava a peça altamente suscetível a deformações, como as causadas pela tensão superficial, a mesma força que provoca as gotas de água.
O problema do amolecimento era parcialmente solucionado, engrossando o raio de luz, o que afetava mais profundamente a superfície do boneco, deixando-o mais durinho. Porém, o engrossamento do feixe de luz tem seu preço, que é o sacrifício da resolução. Com o invento de Dong-Yol Yang, do Instituto de Ciência e tecnologia avançada da Coréia do Sul, é possível através de um feixe de luz ultra-mega-fino capaz de deixar a pele do modelo mais grossa.

É o futuro minha gente!

Fonte:http://www.livescience.com/technology/070108_mini_thinker.html

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

© MUNDO GUMP – Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização.