fbpx

Arte

O mestre do coador

O coador é um utensílio de cozinha que emprega o conceito de crivo ou filtro de alimentos, usado para separar elementos de consistência sólida da parte líquida. Normalmente...

Escrito por Philipe Kling David · 53 segundos de leitura >

coador é um utensílio de cozinha que emprega o conceito de crivo ou filtro de alimentos, usado para separar elementos de consistência sólida da parte líquida. Normalmente é metálico (alumínio), com uma trama de finos fios de aço, ou plástico, e tem forma semi-esférica. A borda dos coadores costuma ter uma espécie de gancho para que se possa prendê-lo sobre uma panela ou outro utensílio, onde se deposita o conteúdo separado.

O coador do tipo peneira é um dos mais antigos utensílios que o homem fabricou. Enquanto a maioria de nós olha para isso como mais uma daquelas coisas que se escondem nas gavetas do armário da cozinha, o espanhol Issaac Cordal vê uma tela em braco aguardando sua intervenção artística.

O cara é um mestre em usar apenas um simples alicate de bijuteria para ajustar as tramas do coador, de modo a criar incríveis esculturas.

Embora dê uma trabalheira danada, o resultado é interessante. Agora, mais impressionante que o trabalho feito no coador, é a sombra projetada por eles. A tridimensionalidade quase palpável da sombra espanta a todos que vêem os coadores.

O trabalho desse cara mostra o incrível potencial criativo do artista que ão apenas intervém num objeto corriqueiro, trazendo arte para ele, como produz diferentes possibilidades de suporte da sua obra, que é um misto de escultura e pintura. Eu achei isso simplesmente sensacional.

 

Fonte via Neatorama

Escrito por Philipe Kling David
Designer, blogueiro, escritor e escultor. Seu passatempo preferido é procurar coisas interessantes e curiosas para colocar neste espaço aqui. Tem uma grande atração por assuntos que envolvam mistérios, desconhecido e tecnologia. Gosta de conversar sobre qualquer coisa e sempre tem um caso bizarro e engraçado para contar. Saiba mais... Profile

Curso de História da arte online

em Arte, dicas
  ·   1 Minutos de leitura

Foto Gump do dia: Os sete anões

em Arte
  ·   12 segundos de leitura

33 respostas para “O mestre do coador”

  1. a arte no coador, apesar de complicada, não me pareceu bonita, mas a sombra que ela provoca é a melhor parte.

  2. no princípio achei meio tosco… me pareceu somente um coador amassado…nada demais!
     mas as sombras realmente impressionam, o efeito é muito legal… me intriga como o sujeito chegou a ideia.

  3. show.
    philipe ce não tem mais histórias do tipo quando tentou roubar um cadaver ou quando rolou um festa em sua casa, histórias da sua infancia? essas são sem duvida as melhores

  4. Interessantíssimo!!! Fico boba como existem pessoas que conseguem transformar as coisas mais improváveis em arte…
    Ah, e que bom que as postagens voltaram… Já tava ficando preocupada!!! Abração pra você e pra família!!!

    1. É que eu estou com muito serviço. Não estou conseguindo tempo para postar. E para postar qualquer merda eu prefiro não postar nada. Sempre foi assim.

  5. Philipe3d, Sou de Tres Rios e sempre visito seu blog, temos alguns amigos em comum como o Estacio e por sinal, estudamos no mesmo Colegio.

    Gostaria que voce postasse coisas a respeito da Pedra da Gavea e seus primeiros visitantes.
    Um abraco

  6. Philipe, algumas vezes vi você falando sobre os níveis de segurança dos EUA, e que como o próprio presidente esta bem abaixo do ultimo nível e tal. Bem que vc podia fazer algum post sobre isso, nunca consegui achar nenhum tipo de informação boa sobre esse assunto.

    1. Obrigado pela dica. Posso fazer sim. Incluindo os sistemas de rastreamento de informação, como o Echelon e o Carnivore.

  7. A sombra parece aquelas ultrassonografias em 3d. Imagina o trabalho que dá pra entortar o coador

  8. Saudades dos seus contos Philipe, último bacana que me lembro foi do Cartão Negro.. Tem nenhum pronto aí não??

    1. Só na cabeça. Mas estou com um problema FODA de tempo. Cara, este ano estou com muito trampo, impressionante. Até agora desde o incio do ano estou tentando achar uma brecha para começar a segunda temporada do Zumbi. Não acho. Foda isso, meu…

  9. Philipe, sou um grande fã do teu blog. Sinto falta da época em que tínhamos mais posts…  encare como um comentário e não uma reclamação. ok!

    1. Eu também, mas veja, este é um blog autoral. Assim, quando fico sobrecarregado de trabalho, é natural que haja menos posts. A solução para isso seria ter mais publicidade, que me daria mais grana e eu precisaria me dedicar menos a projetos fora do Mundo Gump. No entanto, devido a crise, muitas empresas cortam suas verbas de marketing, e isso reflete em menos grana do blog, e consequentemente, menos posts.

    1. Então você é leitor recente, pois anteriormente eu já passei mais de 15 dias sem fazer um único post.

      O fato é: Eu preciso trabalhar. E como estou trabalhando muito, não tenho tempo de postar muito. É culpa da crise!

      1.  sossegado…mas a primeira vez que entrei ,ainda era um blog….e voce estava esculpindo aquele super heroi nacional…meio homem meio arvore…rs…mas que ta sem graça o site ta….abraço

        1. Alguns caras comentaram comigo sobre o blog. Eles estão vendo este post aqui como o último. E na verdade ja tem um monte de posts depois deste. Está acontecendo isso com você?

          1.  Agora apareceu mais posts mas ate a hora que eu tinha escrito antes, so tinha o post do coador.

  10. Cara, quando você voltar a postar a gente é que não vai ter tempo de se atualizar das postagens… Você viu o caso do zumbi de Miami?
    aposto que teria um post sobre isso se você não estivesse entulhado de trablho.

    Boa sorte ai com as coisas e não demore a voltar ao blog.

  11. Se prepara, porque daqui há alguns eses a coisa toda só vi piorar! Só que vai ser um pior bem melhor, acredite!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.