Eu tinha ido comprar umas frutas para o Davi quando me deparei com uma coisa estranha numa pilastra. Eu vi de longe, já que era bem difícil de não notar aquilo. A princípio, eu achei que uma criança tivesse (veja só minha ideia) colado uma banana na pilastra.

-“Mas o que diabos esta banana está fazendo ali?” – Pensei.

Mas quando cheguei mais perto, me impressionei. Não era uma banana, mas duas mariposas, e copulando!

copula

Corri pra buscar a câmera. Eu nunca tinha visto mariposas copulando, ainda mais amarelas. Um dos meus passatempos preferidos é fotografar insetos, de modo que eu passo muito tempo no meio do mato em busca de um clique legal. Em todo este tempo nos jardins do meu condomínio, Jardim Botânico e outros lugares “bichentos”, eu nunca tinha visto este tipo de mariposa.

Então, após um tempo de pesquisa, descobri quem eram as ilustres visitantes. Bota ilustre nisso!

mariposas

 

A Mariposa Imperial (eacles imperialis) é um membro Nearctic da família Saturniidae e subfamília Ceratocampinae.
As Mariposas Imperiais (e suas respectivas variações regionais e subespécies) variam do México ao Canadá e das Montanhas Rochosas à costa atlântica.

Note a bela decoração na ponta das patas.

detalhe da perna

 

Subspecie E.

Encontrei um registro da mariposa imperial  no Brasil,  onde um ambientalista registrou desde o acasalamento como a reprodução em uma pequena cidade de Rio Claro-  SP.  O registro do cara foi feito em novembro de 2009 com temperaturas acima de 40 graus, o que intrigou o ambientalista. Curiosamente eu também encontrei elas no meio do “canguru perneta”.  E sem saber, já tinha me deparado com elas muito antes. Certo dia, me deparei no jardim com o que eu pensei ser uma taturana preta monstrenga, que mais parecia um ser do pesadelo. Saca só:

935442_529470910432054_2096801728_n

969278_529470930432052_814102464_n

Mas era só uma lagarta. A lagarta da mariposa imperial come ininterruptamente 24 horas durante 1 mês e 11 dias onde depois se enterra e transforma-se em pupa.

A vida deste bicho é bem curiosa.

A Mariposa Imperial (Eacles imperialis) quando acasala, nos permite notar que o  macho é bem menor que a fêmea e até cabe embaixo de suas asas. A femêa após apenas 24 horas do seu amadurecimento atrai o macho para cópula. O acasalamento dura cerca de 6 horas. Após este período, o macho dá no pé, largando a femêa,  que permanecerá no local por cerca de 24 horas. Ela vai então depoistar seus cerca de 50 ovos ou um pouco mais. A fêmea já nasce pronta para cruzar, apenas dependendo do esperma do macho para fertilização dos ovos.

mariposa

Este incrível animal vem se reduzindo rapidamente no mundo, e talvez venha a ser extinta algum dia.  Razões para o declínio são claros, o aquecimento global, poluição e desmatamento somado ao uso indiscriminado do agrotóxico.

Aqui está um detalhe da asa:

detalhe da asa
O ciclo de vida da Mariposa Imperial do desenvolvimento de ovo a pupa, produz  apenas uma ninhada por ano. Os adultos emergem antes do sol nascer e vão catar um companheiro depois da meia-noite do dia seguinte. Nesta ocasião elas fazem a festa dos morcegos. 

As fêmeas põem ovos no crepúsculo isoladamente ou em grupos de 2-5 em ambas as faces das folhas das plantas hospedeiras. Os ovos eclodem em cerca de 2 semanas, e as lagartas se alimentam solitárias.

sexo

Ovo

Os ovos são colocados na face inferior das folhas em grupos de 2 a 5. Eles levam cerca de duas semanas para eclodir. Um dia antes de eclodir, o ovo se transforma de amarelo a um branco leitoso translúcido.

A Larva

Após a eclosão, as lagartas tendem a vagar antes de começar comer vorazmente. O primeiro ínstar geralmente dura apenas alguns dias. No final de cada estágio, uma pequena quantidade de fios de seda é gerada na veia principal de uma folha. A lagarta, em seguida, agarra a seda com o seus claspers anais e patas falsas e começa a muda. Ela primeiro se torna dormente e sofre apolysis, depois de um dia a mais ou menos, sofre ecdise .
A lagarta emerge do seu exoesqueleto velho, incha, e endurece a sua entrada no estádio seguinte. Esta espécie, por vezes, come o exoesqueleto velho, já que é uma fonte de proteínas.

Semelhante a muitas outras lagartas Saturniidae, a mariposa imperial tem cinco ínstares. Até o terceiro ínstar, a variação entre as lagartas podem ser observados. No final do estágio 5, a lagarta vai deixar a árvore e começar as viagens pelo chão,  em busca de uma área de solo macio  em que ela poderá se enterrar em fase de pupa.

 

A fase adulta

Os adultos emergem do buraco, uma vez por ano para acasalar. Na parte norte do continente elas  tendem a emergir em meados do verão (junho-agosto), enquanto na metade sul tendem a surgir em momentos mais variados (abril-outubro).

Sua fase mais crítica é quando está acasalando, porque elas ficam nesse estado de dormência , bem vulneráveis aos predadores, em particular a pássaros e até  guaxinins. Como todos os Saturniidae, os adultos não se alimentam nunca! Suas peças bucais foram involuindo com o tempo.

Dimorfismo sexual

O dimorfismo sexual está presente nesta espécie, bem como em todas as Saturniidae. Os machos geralmente são menores e mostram maiores manchas de púrpura (quando tem). As fêmeas são geralmente maiores, e são mais amarelas. A antena do macho é fibrosa. As fêmeas tem um abdômen bem maior. As lagartas comem diversas plantas, mas apreciam muito o pinho e as goiabeiras no Brasil.

No fim das contas voltei para casa feliz com mais dois belos exemplares para a minha coleção de fotos de insetos. Não conhece? Aqui está.

fonte fonte fonte

0

Comments

comments