A incrível escada de São José

Sharing is caring!

Uma escada tão incrível que foi creditada a ninguém menos que São José, o carpinteiro que foi também o pai terreno de Jesus Cristo.

A história dessa escada é bem interessante. Diz a lenda que uma freira realmente precisava de uma escada, mas ela não sabia fazer uma, e não podia pedir a ninguém. A mulher começou a rezar fervorosamente para o santo padroeiro dos carpinteiros, São José.

Ela assustou-se quando surgiu à sua porta um homem, que ofereceu seus serviços. Ele trabalhou sozinho, em silêncio por 60 dias e construiu esta bela e forte escada em espiral. Quando o trabalho estava terminado, o homem simplesmente desapareceu, sem receber qualquer pagamento ou agradecimento. Todas as tentativas para encontrá-lo foram infrutíferas.


0_f2589_24f933b9_XXXL

É curioso que a escada seja feita sem adereços, e sem um único prego. Ela gira em exatos 360 graus.

A escada, chamada “escada maravilhosa” fica em Santa Fé, uma cidade no sul dos Estados Unidos, o centro administrativo do Estado do Novo México. Ela está na capela original Loretto, que hoje é usada como um museu e como uma sala para cerimônias de casamento. A escada é a parte mais famosa do lugar.

A capela foi projetada pelo arquiteto francês Antoine Mouly em estilo neogótico e tem semelhanças óbvias para a capela de Sainte-Chapelle, de Paris.

O arquiteto morreu subitamente e a capela só foi finalizada alguns anos depois. Assim que a obra foi concluída, os construtores perceberam que as escadas não eram suficientes para chegar ao balcão do coro. Devido ao tamanho pequeno das escadas da capela, tamanhos padrão não se encaixavam na estrutura.

Muitos construtores que viram a escada disseram que ela só poderia ser um milagre, já que era inconcebível fazer uma escada em caracol sem o apoio central.

Ela sobe a uma altura exata de 6 metros, e para isso faz duas rotações completas, sem apoio central e sem um único prego. Em vez de pregos de metal, foram usadas cravilhas de madeira.

0_f258b_d0192668_XXXL

Outro aspecto curioso dessa escada, é que a madeira que foi usada na construção dela simplesmente não pode ser encontrada nas proximidades. Além disso, a escada tem 33 degraus, a idade de Jesus quando foi crucificado.

Durante décadas o mistério da escada milagrosa foi insondável, mas em 1990 a descoberta do verdadeiro autor dessa incrível peça de carpintaria veio à tona.

Seu nome era François-Jean “Frenchy” Roche, um carpinteiro que emigrou da França e chegou em Santa Fé mais ou menos na época em que a escadaria foi construída. Além de provar que era Roche, pesquisadores encontraram em 1895, a notificação de uma morte no Novo México de um homem chamado Roche – construtor da “bela escadaria da Capela Loretto.”

Roche tinha apenas 43 anos de idade, quando ele morreu em dezembro de 1894. Assaltantes desconhecidos atiraram nele, e o deixaram morrer sozinho em sua pequena casa de campo, onde ele foi encontrado 1895.

Atualmente a escada é considerado muito perigosa para uso permanente.

fonte

Comments

comments

Luminária Ufo

20 comentários em “A incrível escada de São José”

  1. Ih, rapaz… tem muita história gnóstica sobre São José, basicamente todas de simbologia hermética. Dêem uma pesquisada. 33 degraus também são os graus da Maçonaria.

    Responder
  2. Hahaha! Essa foi boa “André”. “A escada é tão boa que não pode ser usada…”. Mesmo assim é impressionante ela não usar pregos e não ter apoio central. Que pena que o carpinteiro morreu. Poderia ter feito mais coisas. O cara era fera.

    Responder
    • Eu creio que ela nao é mais usada pq o proprio predio da capela nao é mais da igreja. Hije ali é um museu e por isso nao tem sentido subir ao balcão do coro. Outra razão é que a escada foi considerada uma obra de arte. Esta mais pra escultura que pra uma escada mesmo.

      Responder
  3. Em 60 dias construir uma obra de arte dessas, com este nível de detalhamento e com esta proporcionalidade tremenda na curvatura de seu desenho é uma obra, no mínimo, de alguém com genialidade para marcenaria.
    E realmente, deve ser interditada. A madeira é um material que deteriora e perde resistência com o tempo. Seria uma besteira deixar que continue sendo usada com o risco de quebrar algum dos cravos de sustentação e condenar uma escada de tamanho perfeccionismo técnico e estético em sua construção.

    Responder
    • Não sejamos injusto com o material madeira, todo material sofre com relaxação, fluência e deterioração através do tempo tudo depende do tratamento adequado, na escolha do tipo de madeira adequada para determinada situação e na cultura de manutenção (preventiva), temos casos na Europa de pontes em madeiras muito mais antigas que várias pontes em concreto armado aqui no Brasil, casos de mosteiros milenares ainda constantemente utilizados atualmente, tudo depende desta cultura de manutenção e isso vale tanto para o concreto quanto para o aço e com certeza para a madeira também, nós brasileiros não temos essa cultura tão bem desenvolvida por isso temos certo preconceito na utilização da madeira tanto estruturalmente quanto arquitetonicamente. A título de curiosidade uma espécie simples Eucaliptus citriodora apresenta resistência de compressão média de 60 MPa (MPa = medida de tensão) e há espécies com maior capacidade ainda, enquanto o concreto que utilizamos em edifícios de 10 a 30 andares possuem resistência de compressão enter 25 a 50 MPa

      Responder
        • Olha vou concordar com teu pecado numa condição, extração natural, o reflorestamento é um caminho muito interessante quando pensamos em sustentabilidade (sócio, econômico e ambiental), o footprint das estruturas em madeira é minusculo perto das estruturas metálicas e de concreto justamente por ser um material renovável ambientalmente.

          Responder
      • Não é ser injusto com o material. Lembro bem de vídeos comparativos entre a resistência de uma viga de madeira e uma viga de metal de construção civil em que a madeira, de longe, fora mais resistente.
        A questão está justamente em preservar a peça. Algo desta antiguidade, mesmo com a correta manutenção, apresenta cada vez maiores desgastes e incremento no risco de quebra, motivo pelo qual não se justificaria o uso, até pela carência de necessidade para tanto.

        Responder
  4. Ja li em algum lugar sobre essa escada e sua suposta origem sobrenatural. As fotos não mostram mas nesse outro site existiam fotos que mostravam que existem braços de ferro fixados na lateral da escada e na parede que ajudam a sustentá-la. Apesar de nao ter apoio central ela possui esses apoios laterais.

    Responder
    • Caro Daniel, de fato a primeira foto ilustra esse “braço” de ferro, no entanto ate ondei estudei sobre essa maravilha arquitetônica esse apoios são apenas para uma estabilidade lateral, e não para substituir a coluna central.

      Responder
    • carissimo Alzemir, tanto neste link quanto no site ceticimoaberto, as explicações contrarias a arquitetura da escada não são na minha opinião tão plausíveis. A origem da escada por exemplo não foi ainda tão bem esclarecido.

      Responder
  5. Philipe,
    Você poderia fazer um post sobre o porquê você acredita que já fomos a lua? Séria uma ótima matéria, e eu particularmente gostaria muito de ler sobre o seu ponto de vista que é sempre tão bem expressado.

    Um feliz ano novo para você e toda a sua linda familia!

    Responder
  6. Eu acho que a escada não foi mais usada quando descobriram que não foi feita por São José e sim por um carpinteiro mesmo… Quando era sagrada, todo mundo podia, e depois não mais ?! Até porque, é uma escada incomum, que qualquer um poderia desconfiar, por nao ser feita da forma “certa”.

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Apoie este projeto

Criar este website não é uma tarefa fácil. Mais de 5000 artigos, mais de 100.000 comentários e conteúdo próprio, demandam muito trabalho. Saiba como você pode ajudar a manter o Mundo Gump cada vez melhor e evitar que ESTE SITE ACABE
Ajuda aí?
MUNDO GUMP – © 2006 – 2020 – Todos os direitos reservados.