Bichinhos do deserto

Caras, achei esta foto na net.
Aparentemente é um tipo de aracnídeo gigante do deserto do Iraque.
Pra mim tá mais pra bicho de filme de terror.

Um colega meu me contou que leu em algum lugar sobre uma mosca comum pelas bandas do Iraque que te pica e coloca um ovo em você. Do ovo sai um berne que começa a te comer e vai crescendo, sem você saber. Ao contrario do berne do boi, que come até virar uma mosca, este bicho horrível vai crescendo toda vida comendo você por dentro. Dizem que para tirar eles tem que cortar um tampão de pele em volta do buraco dele e com uma máquina, vão puxando a minhoca horrenda igual a um macarrão vivo que pode chegar a mais de um metro!
Não sei se isso é verdade, mas que é nauseabundo é. Pior é que depois disso eu nunca mais consegui comer miojo sem pensar nessa parada.

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

  1. se eu vejo um bicho desse eu ficar mt bolado mais falando na mosca um professor meu tinha me falado dela parece que você não pode puxar ela de uma vez tem que ser aos poucos se não arrebenta imagina ficar varios dias com uma coisa na perna e tendo que tirar ela aos poucos torturante isso neh

  2. Esse lance dos Camel Spiders se nao me engano são fakes
    vi num site uma vez
    lançaram essa pra aproveitar o Ibope dos americanos que estavam começando a invadir o Iraque

  3. A que aparece no vídeo comendo um escorpião não tem 1 décimo do tamanho da que está na mão do soldado da foto

    Continuo chando que é falso

  4. É falso mesmo. Já vi fotos desta aranha e ela certamente não tem 1/20 desse tamanho. A maior aranha domundo vc já mostrou em outro post. Aquela caranguejeira sim, é real.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimos artigos

Gripado

O dia da minha quase-morte

Palavras têm poder?