A mulher misteriosa que morou 40 anos num hotel

Já é incomum viver décadas em um único quarto de hotel. Mas é ainda mais incomum que nem uma única pessoa no planeta saiba nada sobre você.

O mundo está repleto de histórias fascinantes e misteriosas, e uma delas nos leva a uma mulher misteriosa que conseguiu viver quatro décadas em completo anonimato, hospedada em um hotel sem que ninguém soubesse sua verdadeira história. Este intrigante mistério nos leva a questionar como alguém pode passar tanto tempo sem ser notado.

No entanto, essa é a história de Hisako Hasegawa.

A mulher misteriosa de Nova York

Hasegawa, uma japonesa, mudou-se para o Belvedere Hotel, em Nova York, nos anos 70.
Durante os 40 anos seguintes, ela chamaria aquele pequeno quarto de sua casa.

O lugar onde morava a mulher misteriosa: Belvedere Hotel - NY
O lugar onde morava a mulher misteriosa: Belvedere Hotel – NY

Em 2016, Hasegawa morreu. Quando os policiais apareceram para registrar um relatório sobre sua morte, os funcionários do hotel e os vizinhos de Hasegawa perceberam que não sabiam nada sobre ela.

Não é que a senhora idosa não fosse apreciada no hotel – muito pelo contrário. Ela era uma mulher educada e alegre, que parecia alegrar o dia de todos ao seu redor.

Ninguém jamais pensou em perguntar a ela sobre sua vida, e ela não estava falando por iniciativa própria.

Quem foi a mulher misteriosa Hasegawa e por que ela veio para a América? Como ela ganhou dinheiro para ficar no hotel? Ela tinha família?

Ninguém sabe. Vamos dar uma olhada na misteriosa senhora que era Hisako Hasegawa.

Nova York já foi barata

Você deve estar se perguntando como alguém poderia se dar ao luxo de ficar em um hotel na cidade de Nova York.

Acredite ou não, mas houve um tempo em que os hotéis em Nova York eram uma opção de hospedagem incrivelmente acessível. As unidades de ocupação de quarto individual (SRO), como eram chamadas oficialmente, davam a você um quarto, uma cama e possivelmente até uma pequena área para cozinhar, como no caso de Hasegawa.

Na década de 1970, porém, as moradias SRO adquiriram má reputação, com as unidades associadas a todos os tipos de atividades criminosas. Como resultado, Nova York começou a reprimi-los e muitos fecharam.

Belvedere continuou a honrar esses contratos ao longo dos anos e de múltiplas mudanças de propriedade. Isso resultou em algumas dezenas de pessoas morando permanentemente no hotel.

A simpática e solitária mulher misteriosa

É assim que chegamos a Hasegawa. Primeiro, os fatos: ela nasceu no Japão, acredita-se que tenha chegado a Nova York nos anos 70 e se estabelecido no Belvedere, no quarto 208.

A mulher misteriosa
A mulher misteriosa segue como uma incógnita

E isso é tudo que se sabe.

Sempre com um sorriso no rosto, Hasegawa foi positiva e educada. Ela respondia até mesmo aos menores favores com atos de bondade completamente exagerados.

“Se você escrevesse para ela um recibo de aluguel, por exemplo, encontraria magicamente um cartão desenhado à mão no dia seguinte em sua mesa”, disse Ali Mahmood, funcionário da Belvedere, à NPR .

“Alguém levou 45 minutos para fazer aquele cartão.”

A pessoa que Hasegawa parecia ter mais próxima de um amigo era Renee Querijero. Ela morava no apartamento em frente ao de Hasegawa, mas ainda assim nunca soube muito sobre ela.

“Quanto à vizinha mais próxima, sou a única com quem ela conversa e ela sabe meu nome”, lembrou Querijero.

“Ela não diz muito, você sabe, exceto as saudações habituais: ‘Como vai você? Clima está bom. Vou pegar minha correspondência.’”

Hasegawa gostava de tocar piano de Querijero, entretanto, e muitas vezes agradecia a ela pela música – mesmo que Querijero estivesse tocando para sua própria diversão.

‘Eu deveria ter perguntado a ela’

E assim os anos se passaram. Com o tempo, os funcionários do hotel aprenderam tão bem a rotina de Hasegawa que provavelmente poderiam ter acertado seus relógios com base no fato de vê-la no saguão.

É por isso que ficaram surpresos ao descobrir que, numa manhã de 2016, Hasegawa não desceu. Preocupados com a senhora agora idosa, os funcionários foram verificá-la.

Infelizmente, Hasegawa havia falecido aos 82 anos. Como é rotina em casos como este, o hotel chamou a polícia.

Os policiais começaram a fazer perguntas aos funcionários e aos “amigos” de Hasegawa para registrar sua denúncia e encontrar familiares para contatar. Foi então que as pessoas perceberam – talvez pela primeira vez – que, por mais legal que ela fosse, Hasegawa era um mistério total.

Querijero percebeu que, apesar de morar em frente à sua porta há anos, ela nunca tinha visto ou ouvido Hasegawa ter companhia. A revelação a fez se sentir mal por nunca ter tentado conhecer melhor aquela vizinha.

“Eu deveria ter perguntado a ela. Eles acham que você está se intrometendo ou algo assim, mas não, isso é um equívoco, acho que você deveria perguntar”, ela refletiu.

De sua parte, Mahmood se perguntou se Hasegawa veio perseguindo um sonho que ela nunca realizou.

No entanto, talvez fosse assim que a mulher misteriosa queria. Talvez ela tenha deixado o Japão porque queria ficar sozinha.

Nunca saberemos, no entanto. E Hasegawa, atualmente residente no lote 379 do cemitério público de Hart Island, certamente não nos contará.

O mistério da mulher que viveu 40 anos em um hotel sem que ninguém soubesse de sua existência destaca a complexidade das histórias humanas. É um lembrete de que, em meio à agitação do cotidiano, existem narrativas ocultas esperando para serem reveladas.

Nossa curiosidade muitas vezes nos leva a explorar o desconhecido, e o desconhecido pode estar na porta ao lado. É nessas histórias que encontramos a verdadeira tragédia da individualidade humana levada ao extremo.

A mulher misteriosa, deixa-nos com perguntas e reflexões sobre os segredos que podem estar escondidos nas entrelinhas de nossas vidas cotidianas.

Esse enigma não apenas ilustra a singularidade de uma vida vivida nas sombras, mas também ressalta como, por vezes, o extraordinário pode estar camuflado no ordinário. Enquanto seguimos sem desvendar esse mistério, somos convidados a contemplar as histórias que estão à nossa volta, esperando para serem contadas.

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertismentspot_img

Últimos artigos