3D em pleno ar!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Categorias
Night mode

Até agora, criar elementos tridimensionais em pleno ar só era possível com o auxílio de técnicas que apenas simulavam um resultado tridimensional. Mas isso virou História quando a AIST em parceria com a universidade de Keio e uma empresa privada japonesa desenvolveram um dispositivo capaz de gerar em pleno ar elementos realmente tridimensionais, abrindo uma porta para todo um novo segmento de tecnologia gráfica.
Por enquanto, o aparelho só consegue mostrar objetos simples usando pontos de luz branca no espaço. Mas a criação de um ponto de luz branca, um voxel real, era o maior desafio da ciência até o momento. Usando vapores e gás ionizados centros de tecnologia mundial disputavam uma patente de tecnologia capaz de criar um voxel real e estável, sem intereferências de elementos externos e isso foi definitivamente conseguido no projeto da AIST.

O novo dispositivo utiliza um laser que, através de uma lente, indica pontos no espaço e cria emissões de plasma a partir do nitrogênio e oxigênio no ar no ponto de foco. O canhão é capaz de emitir mais de cem vezes por segundo, formando imagens no ar a até 50 cm do aparelho. O calor da luz faz com que o ar se expanda, produzindo estalos que parecem pequenas explosões. Os pesquisadores esperam conseguir ampliar o alcance da emissão para mais de três metros do projetor e ainda gerar voxels coloridos em milhares de vezes maior quantidade, que permitiriam simular elementos com muito mais qualidade e realismo.

Na minha opinião, este é apenas o primeiro passo, a pedra angular de uma linha tecnológica que atingirá seu ápice daqui a uns vinte anos, com o uso disseminado em boates, festas, eventos e publicidade.

Para mais fotos e artigos sobre a fantástica tecnologia, (e para os que não acreditam em mim) o link da notíicia está aqui.

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

3 respostas

  1. Olá Philipe, tudo bem?
    Fiquei muito interessado nesta matéria que acabei de ler e, para a minha felicidade, ela só vem confirmar uma teoria que cultivo há bastante tempo.
    Neste caso, seguindo a linha teórica dos Frankfurtianos, não acredito que exista cultura (no sentido mais amplo do termo), que seja espontânea.
    Quero dizer com isso que, o cinema, na atualidade é constituidor de culturas diversas, principalmente, no âmbito da ficção científica.
    Por exemplo, quem diria, há mais de 30 anos atrás, que teriamos portas automáticas? Talvez os Jacksons? É interessante também prestar atenção em certas coincidências. “2001: uma odisséia no espaço” foi lançado em 1968, para os mais atentos, ano precedente a 69, que ficou conhecido como o ano da “ida do homem à lua”. Outro argumento recorrente, em filmes de Hollywood, é a problemática do implante de chips em seres humanos. Hoje, cada vez mais, as empresas de segurança têm usado desse artifício para o bem estar de seus clientes. Isso sem dizer em transplantes de órgãos, que, antigamente, eram entendidos apenas como ficção e hoje são parte do cotidiano de cada cidadão.
    A motivação é o carvão da sociedade e, para mim, cada vez mais, esse combustível tem sido o cinema de ficção científica. São as telas de cinema a serviço dos cientistas da pós-modernidade!

  2. Diogo, eu compartilho totalmente dessa teoria. Acredito numa estrutura cíclica onde o cinema lança idéias potenciais que se desenvolverão no futuro e é alimentado por inovações tecnológicas da ciência atual. Um casamento e tanto.
    Excelente comentário. Valeu mesmo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

© MUNDO GUMP – Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização.