O experimento Carlson – Parte 8

O experimento Carlson - Parte 8

Quando o dia amanheceu, Carlson estava com os braços dormentes. A posição ingrata em que dormira estava cobrando um preço alto. Seus dedos formigavam. As juntas pareciam ranger.
O desejo de um banho havia crescido de tal maneira que Morten passava mais tempo relembrando de como era feliz e não sabia no tempo em que podia tomar um banho quente, do que pensando em para onde estava indo no pedregoso caminho.

O experimento Carlson – Parte 6

O experimento Carlson - Parte 6

Morten Carlson acordou com um estrondo. Arregalou os olhos e saltou do melhor jeito que deu, para fora da fenda. A montanha estava desabando. Areia e pedras caíam em profusão sobre ele. Não se via nada, pois ainda estava escuro e havia uma nuvem densa de poeira no ar que mesmo que fosse o meio dia não permitiria ver nada.

O experimento Carlson – Parte 4

O experimento Carlson - Parte 4

Levou mais tempo do que Morten esperava para chegar no ponto de pegar uma nova carona com os baratões. Quando chegou mais ou menos na reta de onde as enormes criaturas passariam, ele estava exausto, não aguentava dar mais um passo. A fome tinha chegado com força.

O experimento Carlson – Parte 2

O experimento Carlson - Parte 2

Quando o rochedo começou a se movimentar, Morten Carlson tentou olhar pra baixo da beirada para definir se era o momento de arriscar a vida e pular da carapaça daquele monstruoso bicho.

Monga

Estava de noite, já havíamos jantado e saímos para dar uma flanada sem horas pra voltar, uma das poucas vantagens de estar de Ferias em Cabo Frio. Metade da noite seria, claro desperdiçada tentando jogar de graça nos fliperamas, mas havia também um tempo legal gasto vendo gente fazer tatuagem.

A palavra

A palavra

Sergio tinha sido demitido naquele dia. Reestruturação do setor, disseram. Andou a esmo pela cidade. Não sabia para onde ir. 28 anos dedicados À companhia e era pago assim, com uma cuspida na cara travestida de um educado aperto de mãos e um relógio barato como gratificação. 

Jogou o relógio na primeira lixeira que viu.