O caçador – parte 1

Metrô de São Paulo, 9:45 da noite. Um homem velho, aparentando mais do que realmente tem, maltrapilho e com a barba por fazer está segurando um saco plastico. Ele parece pobre, largado. Tem um olhar maníaco. E algumas tremedeiras. Está encostado na parede. Saca um antigo relógio de algibeira, todo enferrujado do bolso e olha. …

Leia maisO caçador – parte 1