Pintando com a gordura do hamburguer

Olha só que coisa mais estranha, um cara chamado Phil Hansen resolveu fazer uma demonstração do tanto de gordura que existe no hambúrguer vendido nas lanchonetes fast food estilo Mc Donald´s, Burguer King, Wendy´s, etc.
Phil comprou o hambúrguer, pegou uma tela e começou a pintar. Olha que obra de arte incrível que saiu:

Eu não imaginava que em um inocente hambúrguer poderia sair tanta gordura. Obviamente que a quantidade de gordura do hambúrguer parece muito maior na medida em que ele esfrega o hambúrguer na tela, impregnando-a e espalhando-a por grandes áreas. Além disso, como podemos ver no vídeo, Phil usou mais de um hambúrguer, pra alegria do cachorrinho. Seja como for uma coisa é certa. A gordura fica muito melhor na tela do que dentro das nossas veias.
Só faltou usar as batatas fritas.
Curiosamente, esta não é a primeira vez que alguém recria a Mona Lisa com comida. Este tipo de coisa já foi feito outras vezes. Confira só neste post as mais inacreditáveis criações pós modernas com a Mona Lisa.

Related Post

9 comentários em “Pintando com a gordura do hamburguer”

    • Eram varios. E o cara estava espremendo contra a tela. Uma parte enorme do hamburguer é feito de gordura animal, como na linguiça. Ao esquentar, esta gordura derrete e impregna o hamburguer. Ao apertar, ele vai liberar essa gordura como uma caneta prismacolor libera a tinta.

    • HAhaha pode crer. Agora, eu acho que se o cara estiver morrendo de fome, ele nunca vai ter as veias entupidas, por mais gorduroso que seja o hamburguer. As veias entopem porque o organismo adquire mais energia do que precisa e estoca a energia na forma de gordura esperando alguma adversidade. Não é isso?
      Se o cara está morrendo de fome, é sinal que ele já torrou quase todo o estoque de energia acumulada dele, e o hambúrguer provavelmente não vai matar este cara.
      Agora por outro lado, eu penso que os hambúrgueres levam a culpa de muitas outras coisas. O hambúrguer virou o vilão da modernidade, como se só comer hambúrguer causasse a “fat misery”. Quem alega isso esquece que o café da manhã do americano é basicamente: Ovos+bacon frito+salsichas.
      Este dejejum é excelente em certas condições: Muito frio+muito trabalho. Os caras hoje, em plena era da comodidade onde se usa carro para andar cem metros, quando se usa controle remoto para nem levantar do sofá e o notebook tem wireless pro cara trabalhar na cama, toma o café da manhã que o colono puritano tomava no desbravamento da América. O colono tinha que tomar um café desses porque cortava lenha o dia todo no machado, num clima de menos vinte.
      Hoje o cara come isso a vida toda todo santo dia e vira uma esfera. Aí a mídia culpa o hambúrguer. Claro que não estou tirando a responsabilidade do fast food da dieta tosca do cidadão norte americano, longe disso, mas eu penso que é fácil culpar o hambúrguer/refrigerante e por tabela as companhias, quando na verdade o culpado é o cara que consome esta porra.

      • Muito bem observado.
        Eu baseei meu comentário de certa forma sarcástica em relação ao desperdício de alimento. Enquanto milhões passam fome na África os americanos (e não somente eles) desperdiçam feito loucos, como o exemplo que vimos. Ahh… Mas e a arte que foi feita? Não seve para nada?
        Os africanos não estão nem aí para ela.
        Mas enfim, isso já é outros quinhentos.

        Mas eu concordo com seu raciocínio sobre a dieta diária dos americanos. Não sei o que comem durante o dia e nem no almoço e a noite, mas sei que a principal refeição deles é o café da manhã, que por sinal é muito bem reforçado.

      • Eu discordo de algumas colocações suas. Por exemplo, “as veias entopem porque o organismo adquire mais energia do que precisa e estoca a energia na forma de gordura esperando alguma adversidade. Não é isso?” – Não, não é isso. Comer mais energia do que precisa, ou contar calorias, é algo que não funciona, porque as calorias de cada tipo de alimento são processadas de maneira muito diferente. Por exemplo, as calorias de carboidrato são as que mais facilmente ficam ‘estocadas’, tanto como glicogênio no fígado quanto como gordura mesmo no organismo. Carboidratos são açúcares, massas, pães, arroz, batata, frutas. Em seguida vêm as gorduras que são demonizadas mas desempenham papel essencial no nosso organismo e são mais que necessárias. O problema é que existem vários tipos de gordura, saturadas, insaturadas e trans, e especialmente as trans estão associadas a uma substância chamada colesterol, que na sua forma “má” (LDL) é a que forma obstruções nas artérias e leva a problemas de circulação e coração. No caso, todos os alimentos citados – hambúrguer do MacDonald’s, ovos (especificamente a gema), bacon e salsichas têm níveis muito altos de colesterol e deviam ser evitados sim. Veja que associar gordura a obesidade nem sempre dá certo, existem dietas muito gordurosas como a Atkins que emagrecem assustadoramente mesmo ao comer grandes quantidades (pois evita carboidratos, que são o que habilita as cadeias bioquímicas de armazenamento de alimento).

        A crise de obesidade existente no mundo todo se dá em parte pela cultura de privilegiarmos o sabor em detrimento do valor nutricional da comida (e gordura é de todos os grupos o mais saboroso, especialmente na sua pior forma, queimada) e à criação da pirâmida alimentar feita nos anos 70 que privilegia os carboidratos – somos orientados a comer mais carboidratos do que devíamos, e os produtos industrializados, especialmente os mais baratos, são recheados de carboidratos “maus” como a frutose.

        Uma magnífica palestra que esclarece muito desses aspectos da nutrição e em como somos enganados hoje em dia quanto ao valor nutricional dos alimentos se encontra aqui: http://www.youtube.com/watch?v=dBnniua6-oM&feature=player_embedded – veja que o que o cara diz no início, que vai ‘refutar tudo o que vocês conhecem sobre nutrição’, não é bem verdade. É apenas uma declaração pra conseguir audiência. Todo o conhecimento que ele fala é acadêmico, “cânon” (comprovado e aceito pelos especialistas da área) e está em qualquer obra respeitável de nutrição decente. Esse não é um vídeo de “conspiração” de leigos achando que sabem comer, é um vídeo informativo e científico de um endocrinologista respeitado.

        A principal dica que dá pra tirar desse vídeo, pra quem não quiser ver até o final, é: pare de comer açúcar. Pare mesmo, completamente. O açúcar é 50% glicose e 50% frutose e a frutose age como um veneno no nosso organismo, e é a principal responsável pela obesidade. Deixe de tomar refrigerantes não-diet e sucos como suco de laranja. Esqueça o brigadeiro e os bolos. Balas e outras guloseimas, mantenha distância.

        Aliás, dou o testemunho pessoal de quem fez a dieta Atkins e mesmo já não sendo gordo, emagreceu mais de 10 kg e perdeu 11-12 cm de cintura em 3 meses. E agora na dieta de manutenção não como mais do que alguns poucos carboidratos por dia (uma maçã, cenoura, 3 tomates, uma barra de cereal) e mesmo comendo 3900 calorias por dia (1590 delas de um quilo de filé de peito de frango), ainda tenho emagrecido levemente, sem perder massa magra nenhuma. Vale muito a pena você se reencontrar com seu organismo e estar plenamento satisfeit com a forma física. Não sinto nenhuma saudade dos docinhos e massas que comia e perdi a “fissura” de ingerir essas coisas.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares