A pessoa mais inteligentemente burra da face da Terra

O mais legal dessa parada de Internet é a possibilidade de qualquer um escrever sobre qualquer coisa. Entre ideias novas, coisas criativas e pensamentos tortos, volta e meia surge alguém que atinge níveis exemplares de idiotice.

10494812_715581245169550_272731755661652171_n

Fiquei tão intrigado com esta pérola do Facebook que fui atrás de mais info e descobri, consternado, que essa louca nem sequer pensou nisso. Ela só repetiu. A origem desses descalabros está aqui. As palavras originais, isso é, a mente torta original é de uma louca chamada Valerie Jean Solanas (nascida em 9 de Abril de 1936 – morta em 25 de Abril de 1988) que foi uma feminista radical lésbica misandrista e escritora americana. Mais conhecida pela tentativa de assassinar Andy Warhol em 1968. Ela escreveu o livro SCUM Manifesto onde encoraja a criação de uma sociedade dirigida pelas mulheres, livre do controle masculino, de onde vem essas ideias, consideradas vanguarda por mulheres com “probleminhas”.
14927731_129847719629

O mais engraçado é que apesar de os homens serem “aleijados emocionais”, são as mulheres que ganharam certas prerrogativas, veja:

Ônibus terão preferência total para mulheres, idosos, obesos e pessoas com deficiência

A medida, aprovada na Câmara, garante lugares preferenciais para mulheres, idosos, obesos e pessoas com deficiência em todos os assentos de coletivos

A Câmara Municipal de Fortaleza aprovou projeto de lei que destina todos os assentos de transportes coletivos preferencialmente para mulheres, idosos, obesos e pessoas com deficiência. Empresas de ônibus e vans da Capital terão trinta dias para se adequar a norma, afixando avisos que informem sobre os assentos preferenciais. Antes da nova medida, apenas uma pequena parcela dos assentos de coletivos eram destinados a grupos preferenciais. A lei antiga também não abrangia o benefício a pessoas obesas ou do sexo feminino, que passam agora a também contar com os espaços. Na justificativa da proposta, o vereador Carlos Dutra (Pros) argumenta que a ampliação do direito às mulheres vem no sentido de reduzir abusos ou assédios sexuais em ônibus. Segundo ele, a lei possui também “caráter educativo”, proporcionando “cultura de respeito e cortesia para com as mulheres e os demais passageiros”.

O projeto aprovado ontem, no entanto, não determina que tipo de sanção seria aplicada no caso de desrespeito à norma. fonte: Redação O POVO Online

Porra, lugar especial por “ser” mulher? Não demora farão um ônibus só para mulheres e os homens que se danem. Vão “a pé”!

Certamente que deve ter alguém feminista que deve ter se indignado com isso, embora ao meu ver, tenha muito pouco barulho nesse sentido.

Também me lembrei daquele dia em que eu entrei distraído no metrô e sofri violência porque eu era homem e o vagão era só para quem tem vulva e ovários.
Não vejo muito as ativistas querendo o fim do vagão feminino. Me parece que para elas está bom ter um vagão segregador, porque é mais fácil esconder o problema do assédio com subterfúgios do que lutar diretamente contra ele.

“Ah, mas não dá”.

Dá! Coloca um monte de policial disfarçada no vagão. O taradinho da mão boba apareceu? Prende ele! Faz isso um mês direto pra ver se não acaba ou reduz logo a palhaçada?

Mas isso não convém, dá muito trabalho.

Acho curiosas essas leis que sob o discurso de “proteger a mulher” colocam-na como um ser peremptoriamente frágil, em desigualdade com o indivíduo masculino. Curiosamente, não vi ainda nenhuma entidade feminista se rebelando contra esse “direito” que vai contra a igualdade de direitos e deveres aos dois gêneros, algo que deveria ser uma bandeira do feminismo. E aí me pergunto se o movimento feminista iria criar caso se a sociedade ocidental fosse invertida e as mulheres ganhassem mais que os homens. Eu gostaria que sim, não porque sou homem, mas porque acho meio idiota a ideia de que um pau deva afetar o salário de um profissional (claro que isso não se refere ao ator pornô, onde sua habilidade com o pau afeta diretamente no salário, hehehe).

Não sei quanto a você, mas eu estou de saco cheio dessa patrulha que surgiu, onde tudo, absolutamente tudo, é interpretado como “machismo”. Pior ainda é quando surgem umas feministas de linha mais combativa, se autointitulando “ativistas” e aparecendo em eventos como o famigerado xereca satanik, e dali descarregam um truculento discurso marcado pelo sentimento de vingança e revanchismo barato para com os homens.
Prefiro as bandinhas, como o (não famoso) Putinhas aborteiras, que parece fazer um som anarco-punk, anarco-rap, e anarco-porra-toda, inclusive anarco-bom-gosto:

Eu não sei. Não curto muito essa discussão de machistas X feministas. Há quem adore isso, e tem gente inclusive que só fala nisso. Não estou dizendo que não seja importante, fundamental para uma sociedade melhor e mais justa. Acho graça dessas que exageram, caem no ridículo e resvalam no comportamento patético.
Essas irão certamente me atacar, dizer que sou “homem branco hétero da classe média” (como se isso fosse algo ruim) e que não tenho direito de dizer o que quer que seja sobre igualdade de todos e sugerir um feminismo nos moldes da “guerra do sexo”. Irão dizer que o feminismo é uma luta das mulheres (que não vivem seus privilégios de homem branco e que inclusive tenta desconstruí-los). Dirão que sou um opressor e que enquanto o mundo for assim, o feminismo ativista será necessário para empoderar as mulheres e igualar a sociedade.

É o que dirão. Me acusarão de tudo, a começar de machista, porque para elas, todos os que falam o que elas não gostam de ouvir só podem ser machistas-jurubeba.
Humildemente pedirei perdão, o perdão ao que todos os “aleijados emocionais” merecem.

Related Post

35 comentários em “A pessoa mais inteligentemente burra da face da Terra”

  1. Quase sempre esses movimentos só tem baranga, algumas calçando sapato 44 bico largo, eheheheh…

    Cuidado com o “Xereca Satanik”, elas são da UFF e se lerem seu texto, vão protestar na pracinha do Rink contra você.

  2. É só mais uma feminista padrão.

    Nessa página, por exemplo:
    http://lucianoayan.com/2014/06/29/prepare-se-para-ficar-indignado-evidencias-desmascaram-as-acoes-fascistas-de-maria-clara-bubna/
    Pode-se observar uma outra feminista padrão dizendo o seguinte:

    “Pode cortar pica de macho otário sim, certamente.”

    Nesse outro vídeo, comentando um vídeo que foi exibido na TV dos EUA, mostra várias mulheres GARGALHANDO por que
    uma criminosa cortou o pênis do marido e jogou ele no triturador de alimentos:

    http://www.youtube.com/watch?v=iOYFAj4fRhw

    Feministas adoram gargalhar de homens mutilados.
    Para uma análise sobre essa psicopatia, o feminismo, e vários casos, é só ler essa página, sobre uma médica que mandou castrar o ex-noivo:

    http://lucianoayan.com/2014/04/04/as-feministas-e-a-cultura-da-castracao/

    Se um homem rir de uma mulher que teve o clitóris mutilado todos execrarão ele.
    Se uma mulher rir de um homem que teve seu pênis arrancado e triturado todos fingem que nada aconteceu.

    E assim caminha nossa sociedade feminista que prega o mais puro ódio e desprezo aos homens.

    Mas de forma mais geral isso tudo é resultado da psicopatia esquerdista.

    Por isso que quando um ladrão é amarrado num poste e toma uns socos isso vira notícia nacional.
    Sendo que o ladrão não teve NENHUMA parte do seu corpo arrancada, e, bem, era um LADRÃO!
    Já o caso de uma MÉDICA, que manda CORTAR FORA o pênis do ex-noivo e triturar no liquidificador… Isso não dá IBOPE.

    No paraíso esquerdista é assim:

    Criminoso espancado? Comoção nacional e muitos debates.
    Homem mutilado à mando de ex-noiva que é MÉDICA? Nada demais, próxima notícia!

  3. Essa pessoa pode até se identificar como feminista, mas nesse print só vejo misandria.
    Pra mim, feminismo é luta pelos direitos iguais. No meu feminismo, esse tipo de pensamento não tem lugar.
    E sobre a questão de ônibus/vagões/etc. especiais para mulheres, conheço muitas feministas que são contra (eu inclusive). Como você falou, é mais fácil criar o tal vagão e dizer que fez alguma coisa do que realmente combater o problema.

    • Luma, cite um, apenas UM, direito que os homens tem que as mulheres não tem.

      Para adiantar já vou citar uma OBRIGAÇÃO que os homens tem, que as mulheres não tem:
      Servir às forças armadas ao 18 anos.

      • Cara, você não fez isso… bom, você quer direitos que homens tem e mulheres não tem? Lá vai:

        1 – Mulher nãot em direito de usar roupa curta ou “tá pedindo pra ser estuprada”. Homem pode sair até sem camisa se quiser.

        2 – Mulher não pode transar com quantos homens/quem quiser se não é ‘vadia”, “piranha”, “merece ser estuprada”. Homem não só pode pegar quem quiser quando é elogiado quando faz isso, é chamado de ‘garanhão’, e não é xingo, é elogio.

        3 – Homem tem o direito de sair na rua a hora que quiser. Esse for assaltado, espancado, ou coisa assim ele estava certo, o bandido é que estar errado. Mulher, se sair na rua à noite e for assaltada, espancada e quase certamente estuprada, “estava pedindo”.

        4 – Homens sem filhos tem direito de fazer vasectomia se tiverem mais de 25 anos-é até elogiado por não dar oportunidade pras “vadias” darem “golpe da barriga”. Mulher sem filhos não consegue fazer laqueadura, mesmo que já tenha mais de 25 anos (a LEI diz q pessoas com plena capacidade civil que tenham mais de 25 anos OU 2 filhos vivos podem fazer a esterilização voluntária)-ou seja, não tem direito de não querer parir. Tá bom pra você ou quer mais? Me diz, você é um daqueles perdedores da Metendo a Real? Porque o seu papo é igualzinho ao deles… ah cara, você devia investir no humor em vez de odiar todo mundo, me mato de rir com as palhaçadas de vocês.

        E Phillip, essa lei é uma droga. Tem mulher a torto e a direito reclamando disso, muitas feministas e muitas que não se identificam como feministas, porque isso aí é só o bom e velho “embromation”, vamos fazer qualquer coisa aí e fingir que estamos trabalhando pra ganhar nossos salários milionários. Quanto a esta criatura que fez comentário tão ignóbil, ela não devia esquecer que precisou de um pai pra nascer e ser capaz de defecar pelos dedos na internet assim. Essas imbecis são como a versão feminina da Real, ponte que o partiu…. pare o mundo que eu quero descer…

        • Sra. Cris, peço perdão, porém, é impossível ler seu comentário e não retrucar.
          1. Homens não podem andar onde querem sem camisa, afinal existem convenções sociais para que a maioria ao menos se porte de forma decente. Isso vale para os dois sexos. Todavia é muito mais fácil encontrar mulheres usando roupas inadequadas ao local em que estão do que homens e, algumas usando roupas que são tão curtas que serviriam a uma criança, o que fecha não significa que sirva.
          2. Mulher pode transar com quem e com quantos quiser. Se vão classificá-la de vagabunda ou não, não importa. Essa estorinha de homem pode transar com muitas e acharem bonito é coisa do século retrasado e só deve ocorrer em seu círculo social, no meu isso não vale.
          3. Homem pode sair na rua no horário que quiser e, se for assaltado, tem força suficiente para se defender, ainda que assalto seja errado em qualquer situação e, de novo, só no seu circulo social as pessoas acham que as mulheres tem de ser assaltadas. Na maioria dos lugares é tão errado e absurdo quanto aos homens, aliás nem um ou outro deve dar sorte ao azar e deve-se evitar circular em locais de risco.
          4. Homens para fazer vasectomia tem de ter no mínimo 2 filhos, vivos, com mais de 6 meses e sem problemas genéticos, caso contrário o médico que realizar a cirurgia pode ter o registro cassado. Passei por inúmeras palestras obrigatórias, acompanhamento com psicólogos e assistentes sociais para o procedimento ser autorizado. Portanto vc não está devidamente informada sobre o tema.
          6. O fator de serviço militar descrito pelo Pedro é relevante sim, em Israel as mulheres também servem ao exército, portanto é uma obrigação dos homens brasileiros e não das mulheres.
          7. quer mais? eu mando. Mulheres se aposentam com 5 anos a menos de trabalho.
          8. Mulheres tem 5 meses de licença maternidade e homens só 5 dias, por motivos óbvios, claro, mas é uma diferença.

          Não leva a mal, mas não se pode sair escrevendo um monte de coisas sem que se reflita ao menos um pouquinho.

          • Inclusive, em países europeus, o pai tem direito a licença paternidade compatível com o da mulher. Minha cunhada alemã ficou assustada de ver como é aqui. É como se o filho fosse só da mulher e o pai um mero “observador”.

        • 1-Direito de usar roupa curta não está em nenhuma lei que prevê direitos e deveres para as pessoas no ocidente. O que eu mais vejo na rua são mulheres de roupas curtas e coladas ao corpo, presumo que se ninguém está sendo preso, não deve ser contra a lei. Ninguém proíbe mulheres de usar roupas curtas. Se um estuprador quiser cometer um crime, ele vai, não importa que roupa você use, exitem casos de estupros até contra idosas. Homem pode sair sem camisa, mas em lojas, mercados, shoppings e tantos outros lugares, normalmente é vetado frequentar o lugar sem camisa, mas eu nunca vi mulher nenhuma de ser proibida de entrar em um shopping por estar usando um short e mostrar as pernas.

          2-Eu vejo muitos mais mulheres transando com vários parceiros do que homens com várias parceiras. Um homem garanhão é elogiado porque é difícil ser um garanhão, eu já vi mulheres feias com vidas sexuais invejáveis e homens feios que chegaram aos 30 anos virgens porque nunca conseguiram uma parceira. O que não pode ser negado é que as pessoas tem direito a escolhas. Se um homem não quer se relacionar com uma mulher que já transou com a cidade inteira, ele pode, assim como uma mulher que não quer se relacionar com um homem garanhão porque é “galinha”, também merece ter ser direito respeitado, ninguém é obrigado a aceitar a se relacionar com ninguém, e não, não é preconceito, é direito de escolher.

          3-Tanto homens quanto mulheres tem direito de sair na rua. Eu nunca vi polícia proibindo as mulheres a circular na rua. Qualquer um dos sexos se sofrer violência é vítima, é a lei, não sei onde você vive em que homens são vítimas da sociedade quando sofrem violência e mulheres “merecem”, pelo contrário, eu vejo muita comoção e atenção com a violência contra as mulheres. No Brasil temos 50 mil homicídios por ano, a maioria de homens, porque não cita isso?

          4-Um homem mesmo depois de fazer vasectomia pode engravidar uma mulher. Muitas vezes as pessoas se arrependem de suas decisões da juventude, o homem caso queira voltar atrás, ainda tem a opção de usar espermatozoides guardados em um banco de sêmen. Uma mulher que faz laqueadura? Pode engravidar? Se com 30 anos ela quiser ser mãe, não vai poder, a decisão precisa ser melhor pensada e sim diferenciada. Se podemos apontar alguma perdedora aqui, é você.

          • Cara acredite se puder, tenho uma vizinha que depois de dois filhos resolveu tirar as trompas. Daí uns anos depois ela engravidou! O caso dela é um caso raro de regeneração da trompa, véio! Nasceu uma menina linda.

        • 1 – na absurda maioria dos casos a roupa feminina é mais sensual. Ridículo argumento.
          2 – em que mundo vive? Não estranhou que digitaste isso num outro equipamento, não numa máquina de escrever? Ridículo argumento.
          3 – bandido é folgado e escolhe vítima pela facilidade. Geralmente o homem tem mais força física que a mulher, mas isso que você narrou é um crime, não um direito. Ridículo argumento.
          4 – se a lei é a teu favor, entre com uma ação e exerça seu direito. No seu caso, com tanta ideia deturpada na cabeça, pode até ser um favor. Abandone esse preconceito que não te leva a nada.

          • Caro Everton, não é na dimensão da lei que homens e mulheres são desiguais, é na dimensão social. Tem Maria da Penha, mas as famílias ainda botam panos quentes e a sociedade ainda acha normal (em briga de marido e mulher não se mete a colher, mulher “má” merece apanhar, ainda tem muita piada de mulher agredida sendo contada nas ruas, um comportamento que naturaliza a violência). Não há nada na lei contra roupas curtas, mas mulheres que gostam de usá-las ainda são chamadas de periguetes, vadias, e se uma mulher for estuprada a primeira coisa que perguntam é que roupa estava usando, e se a roupa não for “decente”, serve pra justificar o estupro. Se um ex vaza um vídeo de sexo como vingança, a mulher ainda é xingada de vadia, piranha, e assediada por nojentos que se acham no direito de julgá-la. Você e seu colegas aí em cima estão falando de leis mas a diferença e a injustiça entre os sexos ocorre é na sociedade, na prática, no cotidiano, não na Constituição. A constituição é falha, ultrapassada e o que está escrito nela não funciona na prática, além de que assinar uma lei não muda o modo de pensar do povo. É só ver quanta gente desaprovou quando o Romário propôs uma lei que punisse especificamente postar fotos e vídeos íntimos sem autorização, e o argumento principal foi que a mulher “tem que se dar ao respeito” pra não sofrer as consequências (culpar o vagabundo que cometeu um crime e violou o acordo de confiança do casal nada, né?). A lei mudou a cabeça do povo? Não. Quando esse tipo de coisa acontece a culpada ainda é a mulher, convenientemente ninguém se lembra que ela não transou sozinha e ninguém joga pedras no homem. Essa história de que a lei prova que a desigualdade acabou não é verdade. É só ouvir uma conversa de bar numa roda masculina.

    • Luma, vinha falar exatamente isso que você falou. Existem diversas vertentes do feminismo (algumas que talvez nem deveriam se chamar feminismo), e não se pode generalizar e dizer que há uma “feminista padrão”. Acho uma pena que haja pessoas radicais e violentas, porque em muito pouco (ou nada?) isso ajuda a causa. Leva apenas homens a lerem essas merdas e pensarem “pqp, esse negócio de feminismo é uma furada”. O meu feminismo (e talvez o de Luma) é um que busca igualdade de direitos, de oportunidades, sem discriminação de gênero. E sim, já vi feministas discursando contra o serviço militar obrigatório para homens (eu mesma sou contra ele, bem como defendo o direito dos homens expressarem suas emoções nem precisarem ser “garanhões” para serem masculinos).
      Enfim, é uma coisa sem fim mesmo XD Quem tem paciência vai atrás; quem não tem, respeita, e quem sabe as coisas não melhoram?

      • A questão dos gêneros e direitos iguais é uma das discussões mais importantes num país, seja ele qual for. Aqui as coisas evoluem devagar demais e quase sempre aos trancos e barrancos. Ainda temos uma mentalidade excessivamente paternalista e muito opressora. Não quanto a do Islã, claro, mas em alguns lugares a mulher ainda é tratada pior que bicho por aqui.
        Agora recentemente passou a lei que institui o vagão feminino nos trens de SP. Parece que vai virar regra. Tudo isso representa uma clara tendência. Até que ponto essas soluções paliativas tem efeito educativo, com vagões segregacionistas eu não sei. De fato tenho dificuldade de imaginar um menino que cresce sabendo que há o vagão só de homens e um vagão só de mulheres. Quando ele será ensinado a respeitar a menina? Não vejo onde que a educação entra nessa equação que os políticos arrumaram, talvez para conseguir votos do publico feminino, uma parcela expressiva do universo de eleitores.

        Quanto as extremistas, basta dar uma olhada na biografia da dona louca que escreveu aquele manifesto que originou a postagem da retardada mental que vemos que a dona era surtadinha do juízo, porque sofreu abuso infantil por toda a infância. Ela tinha GRAVES problemas psicológicos, e chegou a ser internada em sanatório.

      • Só gostaria de ver esse feminismo lindo que quer a igualdade entre os gêneros e tal e bla bla bla em ação. Nao sei pq as radicais misândricas tem muito mais competência (talvez coragem) para ir a rua e pagar mico mostrando os peitos, costurando as vaginas, enfiando imagens sacras nos orifícios corporais dos mais diversos, se vitimizando a torto e a direito e as “justas”, “moderadas”, pacíficas,”certas” pertencentes do “verdadeiro” feminismo não FAZEM ABSOLUTAMENTE NADA. Nem uma cartinha humilde falando que o movimento feminista não é isso que se foi/é mostrado TODOS OS DIAS por aí. Não… o movimento “lindo e maravilhoso” fica em completo silêncio e ainda me vem dizer que o feminismo de fato, o feminismo q FAZ ACONTECER, não é esse que vemos todos os dias? Me poupem, por favor.

  4. Eu gosto muito desse blog, mas esse post está impreciso. Sobre a lei em questão as feministas já estão se manifestando contra! Inclusive a lei é de autoria de um vereador, um homem. No blog escreva lola escreva você pode encontrar o posicionamento do coletivo de feministas de fortaleza que está contra a lei! Nos comentários a maioria das feministas também estão se manifestando contra!

    Há diversas vertentes do feminismo e a corrente minoritária das radfem é que pregam o ódio aos homens. O feminismo como um todo não é um movimento contra os homens. Eu sou feminista, conheço centenas de feministas, e nem eu nem minhas colegas odiamos homens, pelo contrário! O fim do sexismo é algo que beneficiará também os homens!

    • Certamente que deve ter muita mulher que ficou indignada com esse “benefício” que as coloca como “seres especiais”. Eu ficaria se fosse mulher. Mas confesso que -como eu disse no texto – vi poucas manifestações contra esse tipo de coisa. Pode ser que tenha ocorrido e acabou sendo obliterado pela Copa. A copa engolfou a porra toda mesmo.

      • Eu sou uma das indignadas! Não quero privilégios e não preciso de uma lei imbecil para me proteger. Já sofri assédio no transporte público mais de uma vez, já fui ameaçada com uma faca inclusive, mas sei que não é me separando dos homens – como acontece no Rio – ou me dando o benefício da prioridade em assentos que isso vai acabar. Punição para os abusadores e educação para aprenderem que mulheres não são objetos, é disso que precisamos e é isso que a maioria das feministas quer.

        Sobre as manifestações feministas contra essa lei – geralmente há muita pouca divulgação sobre as ações feministas sérias. O que aparece muito na mídia são as moças do Femen que protestam com os seios de fora, por exemplo, ou a Marcha das Vadias, ou mensagens de feministas radicais. Isso é complicado, passa uma imagem negativa do feminismo.

  5. O bom deste “ativismo feminista” é que ele delega muito da incompetência pessoal das participantes a uma causa extrínseca. Pessoas mal sucedidas profissional e emocionalmente, lésbicas que não se aceitam mais do que supostamente a sociedade não as aceita, pessoas com distúrbios mentais severos e esquizofrênicas com complexo de perseguição sentem um conforto imenso para “militar” contra o ser humano do gênero masculino, pois é muito mais fácil achar um culpado pelas próprias mazelas do que lutar para resolver os problemas (individuais) da vida.
    Conheço uma pá de mulheres bem sucedidas (profissional, pessoal e emocionalmente) e, veja-se, nenhuma delas se auto-intitula feminista, misandrista ou qualquer outra forma de sexismo barato, pois simplesmente têm consciência de que a mudança parte do sucesso individual, do fazer acontecer, do buscar as próprias convicções, e não do discurso barato, desarrazoado, revanchista, de recalque – valendo-se do efeito manada. Talvez por isso mesmo sejam estas mulheres que conheço bem sucedidas, por não levar o gênero em consideração em suas batalhas por melhores e ideais condições para o total desenvolvimento de sua capacidade.
    A partir do momento que você precisa se levantar pelas muletas da diferença de gênero frente à sociedade (ou de qualquer outra expressão de minoria – em verdadeiro ato de tolerância repressiva marcusiana), você invariavelmente confessa o fracasso pessoal, individual, de igualdade de condições para obtenção do sucesso. Você se assume o deficiente, e é exatamente isto que a acéfala da imagem faz.
    E vou ser franco: desejaria a este ser uma bela trissomia do vinte e um, para lhe dar um cromossomo a mais e satisfazer sua lógica para ser um ente biológico mais completo, já que eventualmente ela assistiu aulas de biologia na Escolinha do Professor Raimundo. Só pode.

  6. Cara, já parou pra pensar que o tal post que vc catou no facebook pode ser só mais um dos muitos posts feitos para derrubar a ideologia através de um espantalho?

    O Facebook é terra fértil deste tipo de prática, e como o que está na rede não é questionado, apenas compartilhado as pessoas simplesmente devoram esses extremismos e os aceitam como sendo a regra.

  7. extremistas, de ambos os lados, em todas as maiorias ou minorias, colocam todas as suas fustrações, falhas e incompetência como culpa do seu objeto de ódio… Como no caso acima. Problemas datados e em muito superados são ainda usado como bandeira justamente por esse motivo, é mais fácil culpar o resto do que fazer uma reflexão das próprias falhas. Trabalho em uma grande empresa, e não é a primeira, onde realmente não vejo discriminação pelo sexo… Existe uma paridade em cargos de gerência/diretoria, salários iguais etc… Já fui chefiado por mulheres e homens… Sou casado, cozinho lavo e passo…acho q mais q minha mulher…Enfim… Chances iguais em um
    mundo moderno… Como estão a maioria das grandes empresas e dos relacionamentos… Aí a fulana n é competente… N para no emprego e nunca é promovida.. A culpa é do mundo machista branco opressor… Ou então a fulana se junta com um imprestável qquer, da tudo errado com ela ai ela baliza todos os homens com infeliz q ela se juntou… Anyway… Podem postar todas as baboseiras que quiserem essas aí… I just don’t care…

  8. Philipe, aqui em SP não tem vagões especiais para mulheres. Aqui se algum espertinho fizer alguma coisa que ofenda alguma mulher e essa o denunciar, a segurança leva o meliante para a “sala da justiça”. Já vi muitos sendo levados.
    Acontece o contrário também, já conteceu comigo de uma fulana vir se encostando propositalmente em mim e, tive de me afastar para evitar que de repente a doida começasse a gritar e eu me ferrasse, não sei o que a doida queria.

    Uma diferença gritante ocorre ao inverso com a tal lei Maria da Penha, tem havido um aumento bastante significativo de homens que sofrem agressão e não têm a quem recorrer, afinal, se vc vai a uma delegacia e diz que apanhou da mulher o delegado manda te dar outra surra para aprender a virar homem. Porém, na constituição está escrito que não se pode agredir ninguém seja homem ou mulher.

    Muitas vezes minha esposa brinca que se pudesse matava a infeliz que resolveu sair queimando soutien por aí, e que provavelmente era uma baranga que não arrumava nada decente. É no mínimo engraçado.

    Abs.

    Luiz

    • Uma vez tb fiquei bolado num ônibus quando uma mulher começou a se esfregar em mim, e pra piorar o ônibus tava meia bomba, nem tava muito cheio. Vivendo no Rio, a primeira coisa que pensei foi: “Furto”, dei um jeito e saí fora.

    • Ei, isso é tenso mesmo 😛 Nada impede que essa mulher grite e finja que você a atacava, e não o contrário… E quem iria acreditar na sua palavra? Já pensou você voltando cansado do trabalho e vir uma doida dessa se aproveitando de você? Mesmo que ela não te “denuncie” é assédio do mesmo jeito!
      Por outro lado, é comum uma mulher denunciar e ninguém a levar a sério; o tratamento das vítimas nas delegacias não costuma ser bom… Complicado, complicado, não sei a resposta pra isso…

  9. Lendo o comentário do facebook primeiro e depois lendo todo o SCUM Manifesto (1967), fiquei bastante pensativo e não posso deixar de concordar com inúmeras partes do que ela fala.
    Penso que também, não é de todo errado que o macho seja uma fêmea que não vingou.

    Faz sentido e, MUITO sentido, se pensando em comparações com mitose, meiose, divisão celular, zigotos, desenvolvimento de fetos etc etc etc etc.

    Não quero aqui falar sobre esse homem macho atual, o qual pensa e tem emoções, e sim falar sobre evolução da vida como um todo.

    Mas…… não posso deixar de pensar também que a natureza teve inúmeras chances de eliminar por completo com machos.
    Porque não eliminou?

    Eu falei como se a Natuerza fosse um maestro que comandasse tudo, mas sabemos que não é assim, e a Natureza é apenas a Natureza, nomenclatura dada para todo o ecossistema e meio ambiente onde todas as espécies juntamente com toda a física, química, matemática e as probabilidades vão ocorrendo imperfeições atrás de imperfeições e isso gera como consequencia novas formas de adaptação ao meio e tudo isso somado ao tempo faz o mundo que vivemos hj o que também é apenas parte do processo que esta imperfeito e que vai gerar alguma mudança futura.

    Mas a pergunta que fica é: porque então o macho não saiu de toda essa matemática que é o mundo?

  10. Que horror, Mal gosto total. Se é pra só tocar uma nota, sem nem tentar fazer uma linha melódica, para que colocar aquele baixo lá? E as letras? Mais pobres impossível.

  11. Acho que o aspecto mais interessante disso, é que as pessoas vivem tentando achar igualdades nas diferenças.
    É claro que um homem vai ganhar mais que uma mulher, numa função onde não faz diferença o sexo. Quando ganharem igual, por culpa de uma hipocrisia deslavada, será como se a mulher ganhasse mais. É simples capitalismo. Simples gestão básica. Para uma empresa, o ser humano é um ativo, que deve ser trabalhado, treinado, ensinado e melhorado visando o maior lucro. Muitos consideram a equipe de trabalho o ativo mais valioso de uma empresa, e olhe que isso os coloca acima dos clientes!!
    O que isso tem a ver como salário? Acontece que uma empresa investe tempo e muito dinheiro em treinamento e cursos. Muitas patrocinam graduações, doutorados. E o fato da mulher ter o privilégio de gerir a vida, faz com que o risco assumido pela empresa aumente. Não é razoável ou legal, exigir que a pessoa continue trabalhando após o nascimento do filho; não há certezas nessa hora. Enquanto o pai vai trabalhar mais, para pagar a despesa extra, geralmente a mulher que pode escolher, opta por ficar com a criança até essa ter muito mais do prazo que a lei assegura de estabilidade para a mãe. E quando e se ela voltar, vai precisar de readaptação. Só que a empresa não parou de funcionar, então ela tem de treinar outro pra mesma função, começar do zero. Se o risco é maior, a remuneração é menor. E não há dúvida nisso. No dia que a remuneração for igual, com risco maior, então as mulheres estarão em vantagem, não em igualdade, e isso é fato, simples de entender.
    Já existem estudos mostrando que em algumas funções a mulher tem uma capacidade superior, e aí já ganham mais, merecidamente, que os homens. E tem de ser assim. De acordo com o rendimento, e o risco. Elas ganhariam mais ainda se não houvesse o risco de interromperem a carreira para gestar uma criança.
    É que não é dever de uma empresa garantir a sobrevivência da espécie. É dever nosso, e nós que arcamos com esse custo. Têm que ser assumido com gosto, como quem paga uma conta sozinho, em vez de dividir com a namorada, porque sabe que ela gastou muito mais que ele, para estar ali.
    Esse privilégio de gerar uma vida não tem preço, e não há como os homens igualarem as mulheres nisso. Vou ficar estressado com isso? Claro que não. Dou valor a minha mulher pelo filho que me proporcionou. Procuro ajudar no que consigo. E entendo que coisas diferentes não devem ser iguais. A riqueza está na diferença, não na igualdade.

  12. Não apenas tudo está sendo interpretado como ‘machismo’, como também tudo está sendo interpretado como preconceito aos homossexuais. Isso tá demais.

  13. Apesar de concordar com alguns pontos indicados no texto, você não deveria desconsiderar as mais adversas situações a quais mulheres são submetidas todos os dias.
    Entendo as medidas que você destacou como absurdas (as quais eu considero inviáveis à luta do feminismo real) como tentativas do Estado em intervir na inegável violência sofrida pela maioria das mulheres. Com violência, não quero dizer apenas física, afinal, apesar de presente (e em grande quantidade), essa não é a mais atenuante em nossa sociedade.
    No mais, realmente é impossível para você, “homem branco hétero da classe média” (não que isso seja algo bom ou ruim, pois somos todos iguais perante a constituição), entender o medo que uma mulher sente de andar na rua porque tantas vezes já foi seguida, ou ‘cantada’ de maneira ofensiva ou até mesmo teve seu braço puxado na rua sendo forçada a ficar cara a cara com um indivíduo que justamente por ser “homem branco hétero da classe média” se acha melhor do que a maioria das outras pessoas.
    Que bom que você não se sente dessa maneira, já que evidencia sua preferência pela IGUALDADE.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares