Os shows de hologramas podem ser moda no futuro próximo

O recente sucesso do extraordinário show que trouxe de volta aos palcos o rapper Tupac Shakour, morto em 1996, pode nos dar uma ideia de algo que não parece muito longe de acontecer. Criado pela Digital Domain, empresa que faz efeitos especiais de Hollywood, o rapper morto fez uma participação com projeção holográfica durante o show do Dr. Dre e Snoop Dogg.
Impressiona o absurdo o grau de realismo:

Segundo o site TecMundo, o custo do projeto, idealizado pelo rapper Dr. Dre e desenvolvido pela AV Concepts, teria custado entre 100 e 400.000 dólares. Barato para o impacto que causou.
Imagina só que com esta tecnologia, seria possível participar de shows de pessoas que já morreram, como Tim maia, Raul Seixas e aquele antológico show do Queen! Sem falar em Beatles, Hendrix, The Doors, Elis Regina…
– Ah, mas não é a mesma coisa do cara vivo!
– Ah, vá! É memo?
Claro que um show holográfico com alguém que já morreu não é igual aos caras ao vivo, é idiotice dizer isso, uma vez que é o óbvio. Mas é o máximo em que a tecnologia atual pode nos levar, e mesmo sabendo que nunca será a mesma coisa, o fã se sentirá feliz ao ver ao menos o holograma de seu ídolo ali, na frente dele, quase real. É uma puta homenagem.
Creio que isso tem tudo para dar certo, até porque a industria fonográfica está com dificuldades para trazer novos sons de qualidade para o mercado. Nesse ambiente de mediocridade musical que grassa nas rádios, não duvido que trazer os gênios dos mortos seja um mal negócio. Já posso até visualizar grandes festivais com artistas mortos. Imagina, um Rock In Rio com um dia só de defuntos! Ia bombar!

Related Post

19 comentários em “Os shows de hologramas podem ser moda no futuro próximo”

  1. Muito legal! Eu queria ver o Elvis Presley : )

    Fico imaginando se as visões de espiritos e extraterrestres não são imagens holograficas (feitas por outras civilizações, claro).

      • Fiz algumas associações com ideias que aparecem no cinema:

        Em “Contato” (Karl Sagan), os seres se mostram pra cientista na forma do pai (morto) dela.

         “A.I. – Inteligência artificial”, os seres criam pra criança- androide
        uma projeção da mãe, a partir das proprias memorias dele.

        No “Vingador do Futuro” (Philip Dick) experiências virtuais são vividas  como reais.

        E “Até o fim do mundo” cientistas conseguem filmar os sonhos.

        E esse holograma eu vi em algum lugar, talvez tenha sido até aqui no MG:

        http://www.youtube.com/watch?v=anANEPt_a4E

        • Aqui não foi. Mas eu não sei se podemos chamar isso de holograma, é uma daquelas projeções de video numa parede de água. Os caras faziam isso no Museu Imperial de Petrópolis tb. Acho que ainda fazem.
          O lance de holograma mais maneiro que eu vi ate agora foi um coelhinho, feito por uma universidade do japão. Eles usam vapor e três projetores que “montam” o coelho 3d no ar.

    • Não era BEM isso que eu tinha pensado…

      http://ofuxico.terra.com.br/noticias-sobre-famosos/tecnologia-justin-bieber-pode-cantar-com-elvis-presley/2012/04/30-138400.html

  2. Eu queria saber se esse holograma é chapado (ou seja, independente do ponto de vista do observador, será sempre a mesma imagem exibida) ou volumétrico (cada pessoa tem uma visualização diferente da imagem, de acordo com o ponto de vista, chegando ao caso de uma pessoa que estivesse atrás pudesse ver as “costas” do 2Pac)

    Eu imagino que seja apenas uma projeção chapada, onde o trabalho mesmo tenha sido recriar digitalmente o sujeito.

    Eu vou ficar realmente impressionado o dia que fizerem holografias 3D com movimento. Se eu não me engano já rola alguma coisa assim, mas ainda naquele esquema monocromático /StarWars .

    • Sim, rola mesmo. Ago que vc viu isso por aqui mesmo, né? Volumétrico não deve ser, mas achei bem avançada a projeção, nem da pra perceber muito como ela é. Tem umas outras soluções, essas sim parecem um fantasma, que são feitas com vários projetores numa tubulação de vapor. Infelizmente, devido a irregularidade do vapor, o resultado parece mais um holograma de Sci-Fi, instável demais para simular com perfeição um ser humano. Mas eu estava falando com meu amigo Rafa como seria maneiro isar isso para fazer Jesus ao vivo e à cores visitar nossa igreja da nerdice suprema.

      • Como eu imaginava, nem holograma era:
        http://www.gizmodo.com.br/conteudo/enfim-a-explicacao-sobre-o-holograma-que-nao-era-um-holograma-de-tupac-no-coachella/

        O holograma (mesmo bidimensional) permite que você veja a imagem sempre perpendicular, como se você estivesse na frente do objeto. Essa técnica de vidro a 45º que eles usaram não dá esse efeito, portanto quem estivesse nas laterais do palco veria um 2Pac meio que em “folha de papel”.

        Essa história toda me fez lembrar do Arcade da SEGA que usava projeção holográfica:
        http://www.youtube.com/watch?v=omoAWvDm2_E

        Eu lembro da primeira vez que vi isso no BarraShopping, fiquei de queixo caído! Na filmagem não dá a sensação de que os personagens estavam flutuando no espaço, mas ao vivo era muito sinistro! Pena que o jogo era uma bosta! A SEGA deveria investir novamente num jogo com essa tecnologia, usando o poder de renderização 3D que temos hoje, poderia ser algo muito maneiro!

        • Falou tudo! Acho que quem inventou essa projeção com vidro em 45 graus foi o Walt Disney. Me lembro de ter lido qualquer coisa assim num antigo livro de efeitos especiais de cinema na faculdade. Antes era para filmes, mas ai eles viram que funcionava tão bem que usaram no parque. Se não me engano, até hoje, o Baile dos fantasmas é feito dessa forma, com grande impacto visual.

  3. Philipe, junte isso a capacidade de hoje em dia podermos ter modelos 3D super realistas e a invenção magica da Microsoft, o Kinect!

    Dava pra simular um defunto desses no palco! Ficaria bacana! Apesar de, claro, se preciso ter uma “render farm” cheia de pcs parrudos atrás do palco.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares