2 Comentários

  1. Matheus

    Por um lado, é digno que escritores sejam reconhecidos por um período de tempo muito maior do que jogadores de futebol. Escrever é uma arte atemporal, histórica, de registro, e portanto é compreensível que bons artistas, mesmo estando mortos, sejam bem vendidos (Machado do Assis, Clarice Lispector e afins). Por outro lado, o mercado literário mais recente, em especial com a literatura fantástica e policial em crescimento, tornou-se uma indústria milionária e concentrada e, como apontado no artigo, de pouco espaço para novos escritores. Críticas de lado, escrever hoje é muito menos sobre expressão pessoal, reflexões, críticas sociais e inteligentes e mais sobre histórias que atraiam o público jovem. São os últimos que cada vez mais ocupam as prateleiras. É uma pena que a arte esteja cada vez mais elitizada em alguns nomes e polarizada em alguns gêneros.

    Responder
  2. Thiago chipset

    Dean Koontz criou os melhores vilões assassinos que eu já li na vida. Li muitos livros dele. Alguns difíceis de descer com finais patéticos, mas a grande maioria fluida e com personagens muito, muito bons, principalmente os vilões.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.