Os dez maiores objetos do espaço sideral

Ontem postei uma foto interessante no facebook:

Essa imagem nos dá uma dimensão acachapante do que é a minúscula porção do universo que somos capazes de varrer com ondas de radio e espectros luminosos. Desse montante fabuloso de galáxias, que corrobora o bizarro exercício de cálculos matemáticos que apontam para a existência de mais estrelas no espaço do que grãos de areia em todas as praias do planeta Terra, fica a certeza de que tem coisas escabrosamente incríveis la no espaço que nem sequer conseguimos imaginar. Só a pontinha do iceberg já nos mostra isso, e nesse post mostrarei a você alguns dos maiores e mais monstruosamente gumps objetos espaciais.

Os maiores objetos do universo

Não precisa ser gênio pra prever que o título de “o maior objeto do universo” passa de um achado a outro quase anualmente. Alguns objetos abertos são tão enormes que eles causam espanto por sua existência, deixando boquiabertos  até mesmo os melhores cientistas do nosso planeta. Saca só:

Supervoid

Os dez maiores objetos do espaço sideral

Mais recentemente, os cientistas descobriram o maior ponto frio do universo (pelo menos conhecido pela Astronomia). Está localizado na parte sul da constelação Eridan. Com o seu comprimento de 1,8 bilhões de anos-luz, essa mancha coloca os cientistas em um beco sem saída, porque nem sequer podiam imaginar que tal objeto pudesse existir.

Apesar da presença da palavra “super” no nome (do inglês “void” significa “vazio”) o espaço aqui não está completamente vazio. Nesta região do cosmos, há cerca de 30% menos clusters de galáxias do que no espaço circundante. Segundo os cientistas, os vazios representam 50% do volume do universo, e essa porcentagem, em sua opinião, continuará a crescer devido à alguma coisa com gravidade super forte, que atrai toda a matéria envolvente. Duas coisas são interessantes desta forma: seu tamanho inimaginável e sua relação com o misterioso ponto de relíquia fria do WMAP.

Curiosamente, o super-vazio recém-descoberto é agora percebido pelos cientistas como a melhor explicação de um fenômeno desse tipo como manchas frias ou regiões do espaço exterior, preenchidas com radiação cósmica de fundo de microondas (fundo). Os cientistas defendem há muito tempo o que são realmente esses pontos frios.

Uma das teorias propostas, por exemplo, sugere que manchas frias são as impressões de buracos negros de universos paralelos causados ??pelo emaranhamento quântico entre os universos.

No entanto, muitos estudiosos modernos estão mais inclinados a acreditar que o surgimento desses pontos frios pode ser provocado por super-tipos. Isso é explicado pelo fato de que quando os prótons passam pelo vazio, eles perdem energia e enfraquecem.

No entanto, existe a possibilidade de que a localização do super vazio relativamente perto da localização de pontos frios pode ser uma mera coincidência. Os cientistas terão que realizar muitos mais estudos sobre este assunto e, no final, descobrir se os vazios são a causa da origem dos misteriosos pontos frios ou sua fonte é outra coisa.

A Super-bolha

10 maiores objetos no universo

Em 2006, o título do maior objeto do universo foi descoberto misterioso “bolha” cósmica (ou blob, como são comumente chamados de cientistas). É verdade que ele manteve o título por um curto período de tempo. Esta bolha, com 200 milhões de anos-luz de comprimento, é um gigantesco conjunto de gás, poeira e galáxias. Com algumas reservas, esse objeto é como uma água-viva verde gigante. O objeto foi descoberto pelos astrônomos japoneses quando estudaram uma das regiões do espaço conhecida pela presença de um enorme volume de gás cósmico. Encontrar o blob foi possível graças ao uso de um filtro de telescópio especial, que inesperadamente indicou a presença desta bolha.

Cada um dos três “tentáculos” desta bolha contém galáxias, que são quatro vezes mais densas do que as outras no universo. O acúmulo de galáxias e bolas de gás dentro desta bolha é chamado de bolhas Liman-Alpha. Acredita-se que esses objetos se formaram cerca de 2 bilhões de anos após o Big Bang e são relíquias reais do universo antigo. Os cientistas sugerem que a própria bolha se formou quando as estrelas maciças que existiam nos primeiros dias do cosmos de repente se tornaram supernovas e liberaram um enorme volume de gás. O objeto é tão maciço que cientistas acreditam que, em geral, é um dos primeiros objetos espaciais formados no universo. De acordo com teorias, com o tempo, mais e mais novas galáxias se formarão a partir do gás acumulado.

Shackley Supercluster

Os dez maiores objetos do espaço sideral

Durante muitos anos, os cientistas acreditam que nossa galáxia da Via Láctea com uma velocidade de 2,2 milhões de quilômetros por hora é atraída pelo Universo para a constelação Centauri. Os astrônomos teorizam que a razão para isso é o “Grande Atrator”, um objeto com uma força gravitacional, o que é suficiente para atrair galáxias inteiras. No entanto, para descobrir que tipo de objeto, os cientistas há muito tempo não conseguiam, porque o objeto que está localizado atrás da chamada “zona de evasão» (OSA), o céu em torno da região do plano da Via Láctea, onde a absorção de luz por poeira interestelar é tão grande que é impossível discernir tudo que estiver por trás disso.

No entanto, ao longo do tempo, a astronomia de raios-X se desenvolveu bastante, o que permitiu que se olhasse para além da área ZOA e descobrisse o que é a causa de um forte grupo gravitacional. Tudo o que os cientistas viram foi um conjunto comum de galáxias, que colocou os cientistas em um beco sem saída ainda pior. Essas galáxias não poderiam ser um grande atrator e ter gravidade suficiente para atrair nossa Via Láctea. Este valor é apenas 44 % dos necessários. No entanto, assim que os cientistas decidiram se aprofundar no espaço, logo descobriram que o “grande imã cósmico” é um objeto muito maior do que se pensava anteriormente. Este objeto é o super cluster Shapley.

O supercluster Shapley, que é um conjunto supermassivo de galáxias, está localizado atrás do Grande Atractor. É tão grande e tem uma atração tão poderosa que atrai o Attractor e a nossa própria galáxia duma vez só. Há um supercluster de mais de 8.000 galáxias com uma massa de mais de 10 milhões de Sóis. Cada galáxia em nossa região do cosmos é atualmente atraída por este super cluster, e um dia, isso tudo vai dar uma porrada bonita.

Great Wall CfA2

Os dez maiores objetos do espaço sideral

Como a maioria dos objetos desta lista, a Grande Muralha (também conhecida como a Grande Muralha de CfA2) também se vangloriou do título do maior objeto cósmico conhecido no universo. Foi descoberta pela astrofísica americana Margaret Joan Geller e John Peter Huchra durante o estudo do efeito redshift para o Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics. Segundo os cientistas, o seu comprimento é de 500 milhões de anos-luz, e a largura é de 16 milhões de anos-luz. Na sua forma, lembra a Grande Muralha da China. Daí o apelido que ele recebeu.

As dimensões exatas da Grande Muralha ainda são um mistério para os cientistas. Pode ser muito maior do que é considerado, e tem um comprimento de 750 milhões de anos-luz. O problema na determinação das dimensões exatas está em sua localização. Como no caso do super cluster da Shapley, a Grande Muralha é parcialmente coberta pela “zona de evitação”.

Em geral, esta “zona de evitação” não nos permite discernir cerca de 20% do universo observado (acessível para as tecnologias atuais), porque as densas acumulações de gás e poeira (bem como uma alta concentração de estrelas) dentro da Via Láctea distorcem muito os comprimentos de onda ópticos. Para olhar através da “zona de evasão”, os astrônomos têm que usar outros tipos de ondas, como, por exemplo, infravermelho, que permitem aprofundar mais 10%  na “zona de evitação”. Uma vez que as ondas infravermelhas não podem romper essa barreira, as ondas de rádio atravessam, bem como as ondas de raio-X e frequências próximas. No entanto, a falta de oportunidade para ver uma grande região do espaço é um pouco frustrante para os cientistas.  Essa “Zona de bloqueio” pode conter informações que podem preencher lacunas importantes em nosso conhecimento do cosmos.

Superconglomerados

As galáxias Laniakea , em regra, são agrupadas. Esses grupos são chamados de clusters. Regiões do cosmos, onde esses clusters estão mais densamente localizados entre si, são chamados de superaglomerados. Anteriormente, os astrônomos estavam mapeando esses objetos determinando sua localização física no universo, mas recentemente uma nova maneira de mapear o espaço local foi inventada, derrubando dados de astronomia desconhecidos anteriormente.

Os dez maiores objetos do espaço sideral

Os dez maiores objetos do espaço sideral

O novo princípio do mapeamento do espaço local e das galáxias nele baseia-se tanto no cálculo da localização física do objeto como na medida do efeito gravitacional que ele exerce. Graças ao novo método, a localização das galáxias é determinada e, com base nisso, é compilado um mapa da distribuição da gravidade no universo. Comparado com o antigo, o novo método é mais avançado, porque permite aos astrônomos não apenas marcar novos objetos no universo visíveis para nós, mas também encontrar novos objetos em lugares onde não havia oportunidade de olhar. Uma vez que o método se baseia na medição do nível de impacto de certas galáxias, e não na observação dessas galáxias, graças a ela podemos encontrar até os objetos que não podemos ver diretamente.

Os primeiros resultados de um estudo de nossas galáxias locais usando um novo método de pesquisa já foram obtidos. Os cientistas, com base nos limites do fluxo gravitacional, marcam um novo supergrupo. A importância deste estudo é que nos permitirá compreender melhor onde está o nosso lugar no universo. Anteriormente, acreditava-se que a Via Láctea está dentro do supercluster de Virgem, mas um novo método de pesquisa mostra que esta região é apenas uma perninha magra de um Laniakea supernormal ainda maior – que como você já pode supor, é “um dos maiores objetos do universo”. Ele se estende por 520 milhões de anos-luz, e estamos aqui, morando em algum lugar dentro dele.

A Grande Muralha de Sloane

Os dez maiores objetos do espaço sideral

A Grande Muralha Sloane foi descoberta em 2003 no âmbito do projeto Sloan Digital Sky Survey – um mapeamento científico de centenas de milhões de galáxias, para determinar a presença dos maiores objetos do Universo. A Grande Muralha de Sloane é um filamento galáctico gigante composto por vários superclusters distribuídos ao longo do Universo como os tentáculos de um polvo gigante. Devido aos seus 1.4 bilhões de anos-luz de comprimento, o “muro” já foi considerado o maior objeto do universo.

A Grande Muralha de Sloan não é tão bem entendida como o superaglomerado que está dentro dela. Alguns desses superaglomerados são interessantes em si mesmos e merecem uma menção separada. Um, por exemplo, possui um núcleo de galáxias, que parecem antenas gigantes. Outro supercluster tem um nível muito alto de interação de galáxias, muitas das quais estão passando por um período de confluência.

A presença de um “muro” e qualquer outro objeto maior cria novas questões sobre os enigmas do universo. A sua existência contradiz o princípio cosmológico, que teoricamente limita o tamanho dos objetos no universo. De acordo com este princípio, as leis do universo não permitem a existência de objetos maiores que 1,2 bilhões de anos-luz. No entanto, objetos como a Grande Muralha de Sloane contradizem completamente essa visão, e nos lembram da famosa de de Clarke que diz que quando um velho cientista diz que algo é impossível, ele está provavelmente, errado.

Grupo de Quasares Huge-LQG7

Os dez maiores objetos do espaço sideral

Os quasares são objetos astronômicos de alta energia localizados no centro das galáxias. Acredita-se que o centro dos quasares são buracos negros supermassivos, que se esticam em torno da matéria circundante. Isso leva a uma enorme radiação, cujo poder é 1000 vezes maior do que todas as estrelas dentro da galáxia. No momento, o terceiro maior objeto do universo é o grupo de quasars Huge-LQG, composto por 73 quasares, espalhados por mais de 4 bilhões de anos-luz. Os cientistas acreditam que este grupo maciço de quasares, bem como aqueles semelhantes a ele, são um dos principais predecessores e fontes dos maiores objetos do universo, como, por exemplo, a Grande Muralha de Sloane.

Um grupo de quasares Huge-LQG foi descoberto depois de analisar os mesmos dados, graças ao qual a Grande Muralha de Sloane foi descoberta. Os cientistas determinaram sua presença após mapear uma das regiões do espaço usando um algoritmo especial que mede a densidade da localização dos quasares em uma determinada área.

Deve-se notar que a própria existência de Huge-LQG ainda é uma questão de controvérsia. Enquanto alguns cientistas acreditam que esta região do espaço realmente representa um grupo de quasares, outros cientistas estão convencidos de que os quasares dentro desta região espacial estão localizados aleatoriamente e não fazem parte de um grupo.

Anel Gama Gigante

Os dez maiores objetos do espaço sideral

Pensa só nesse bagulho doido se estendendo por nada menos que 5 bilhões de anos-luz! Trata-se do “anel GRB gigante”, que é um dos maiores objetos do universo conhecido. Além do seu tamanho incrível, este objeto atrai a atenção devido à sua forma incomum. Os astrônomos que estudam explosões de raios gama (grandes explosões de energia, que são formados como resultado da morte de estrelas massivas), descobriram uma série de nove explosões, quase simultâneas. Essas explosões formaram um anel no céu, que se fosse visivel da Terra teria 70 vezes o diâmetro da lua cheia.

Dado que as suas próprias explosões de raios gama são muito raras, ver essa paradinha acontecer é tipo o astrônomo ganhar na loteria, já que  a chance de que eles vão formar uma forma semelhante no céu, é de 1 em 20 000!

Isto permitiu que os cientistas a acreditar que eles testemunharam a formação de um dos maiores objetos do Universo.

O “anel” em si é apenas um termo que descreve a representação visual desse fenômeno quando visto da Terra. Existem teorias de que um anel de raios gama gigante pode ser uma projeção de uma esfera em torno da qual todas as rajadas de gama ocorreu em um período relativamente curto de cerca de 250 milhões de anos. No entanto, aqui surge a questão de qual tipo de esfera pode criar essa fonte. Uma explicação gira em torno da possibilidade de as galáxias se reunirem em grupos em torno de uma enorme concentração de matéria escura. No entanto, isso é apenas uma teoria. Os cientistas ainda não sabem como essas estruturas são formadas.

A Grande Muralha de Hércules – Coroa Norte

Os dez maiores objetos do espaço sideral

Os dez maiores objetos do espaço sideral

O maior objeto do universo também foi descoberto pelos astrônomos no âmbito do monitoramento da radiação gama. Este objeto, chamado de Grande Muralha de Hércules – a Coroa Norte, se estende por 10 bilhões de anos-luz, o que o torna duas vezes maior do que o Anel de Gama Galáctica Gigante.  Uma vez que são as mais brilhantes explosões de raios gama que produzem estrelas maiores, geralmente localizadas na área do espaço, que contém mais matéria, cada vez que os astrônomos consideram metaforicamente cada explosão como uma expansão do objeto. Quando os cientistas descobriram que no campo de espaço na direção das constelações Hercules e corona Borealis estavam rolando explosões de raios gama com muita freqüência, eles determinaram que há um objeto celeste sendo formado ali , que é susceptível de receber a categoria de trozoba espacial épica.

Obviamente o nome trozoba espacial não cai muito bem, de modo que o nome “A Grande Muralha de Hércules – Coroa Norte” foi inventado por um adolescente filipino, que o escreveu na “Wikipedia” por diversão. O cara foi rápido, pois fez isso logo após a notícia de que os astrônomos descobriram uma enorme estrutura no céu cósmico. Apesar do fato de o nome inventado não descrever com precisão esse objeto (a parede cobre várias constelações ao mesmo tempo, e não apenas duas), mas e daí? Daí que o mundo da Internet rapidamente se acostumou e o nome “pegou”. Talvez esta seja a primeira vez que a Wikipedia tenha dado um nome a um objeto que foi descoberto e interessante de um ponto de vista científico.

Uma vez que a própria existência deste “muro” também contradiz o princípio cosmológico, os cientistas devem revisar algumas de suas teorias sobre como o universo realmente se formou.

Web espacial

Os dez maiores objetos do espaço sideral

Os cientistas acreditam que a expansão do universo não é um processo aleatório. Existem teorias segundo as quais todas as galáxias do cosmos estão organizadas em uma estrutura de tamanho incrível, reminiscente de conexões filamentosas que reúnem áreas densas. Esses tópicos estão espalhados entre vazios menos densos. Esta estrutura é chamada de “teia de aranha cósmica”.

Segundo os cientistas, a teia foi formada em estágios muito iniciais da história do universo. O estágio inicial da formação da teia foi instável e heterogênea, o que mais tarde ajudou a formar tudo o que agora está disponível no universo. Acredita-se que os “tópicos” desta teia tenham desempenhado um papel importante na evolução do universo, graças ao qual essa evolução se acelerou. As galáxias dentro desses filamentos têm um índice de formação de estrelas significativamente maior. Além disso, essas vertentes são uma espécie de ponte para a interação gravitacional entre galáxias. Depois de serem formados nesses fios, as galáxias são direcionadas para cachos galácticos, onde eventualmente elas morrem.

Somente recentemente os cientistas começaram a entender o que realmente é essa Web Cósmica. Além disso, eles até descobriram sua presença na radiação de um quasar distante que estão havia sido estudando. Quasares são conhecidos por serem os objetos mais brilhantes do universo. A luz de um deles foi direto para um dos fios, o que aqueceu os gases e os fez brilhar. Com base nessas observações, cientistas estimaram outros filamentos entre galáxias, formando assim uma imagem do “esqueleto do cosmos”.

fonte

Related Post

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares