19 Comentários

  1. Rafael

    Muito interessante! Espero que isso chegue algum dia no Brasil, e sem 2000% de impostos por cima

    Responder

  2. Muito interessante mesmo.
    Isso me lembrou de outra coisa. Uns tempos atrás um amigo me falou que na faculdade eles desenvolveram um repelente pra mosquitos inofensivo para o ser humano (ou pelo menos, supostamente inofensivo) baseado em ultrassom ou algo do gênero. Bastava ligar na tomada e adeus insetos, sem a necessidade de veneno. Enquanto o aparelho funcionasse, nada de insetos. E pelo que ele falou esse projeto nem foi inédito, já tendo sido desenvolvido em várias universidades pelo mundo, mas nenhuma empresa até hoje chegou a comercializar esse negócio.

    Responder

    1. Enviei antes de terminar o que queria dizer…
      Eu estava falando que nenhuma empresa chegou a comercializar, já que um aparelho desses acabaria com um negócio muito grande que existe em torno dos repelentes.
      Mas é isso ae. Valeu Philipe pelos textos sempre muito interessantes no seu blog. Abraço

      Responder
      1. Erick

        Isso tem pra vender sim…
        Pelo menos aqui no Japão eu vejo bastante nas lojas…
        E no Brasil eu acho que já cheguei a ver pra vender…

        Responder
      2. Mario

        Cara, vai lá no Deal Extreme e encomenda um, 7 dólares e frete grátis. Eu tenho dois aqui em casa e depois de uns 3 meses ligado direto os mosquitos sumiram. O consumo é quase zero e pra funcionar legal tem que ficar ligado permanentemente. Nota 10.

        Responder

    2. Cara eu vi um bagulhinho desse vendendo aqui no mercadinho perto de casa. Já se isso funciona mesmo são outros 500.

      Responder

      1. Erick, Mario e Philipe, valeu pela informação. Eu realmente não sabia que vendiam esse negócio, já que sempre compro o repelente de insetos “tradicional” no mercado, onde não vendem nada parecido com esse aparelho. Legal saber que vendem isso em algum lugar.

        Responder
    3. Wesley

      ultrason? é um aparelho? se for acho que o motivo de não ter sido comercializado não é o de acabar com a industria de repelentes, mas porque não é pratico e consequentemente não é rentavel. Acho que ninguém vai querer andar por ai com um aparelho que produz ultrason, imagina por exemplo o efeito que isso tem sobre os cachorros que tem a capacidade de ouvir ultrason? e microfones, e celulares?

      Responder

      1. Então Wesley, eu fiz essa pergunta ao meu amigo na época e a resposta foi que eles testaram diversas freqüências e cada inseto era afetado por uma determinada freqüência, que era diferente das freqüências que afetavam os animais. Ele até falou que dava pra fazer o aparelho que afastava apenas um tipo de inseto ou para vários tipos.
        Mas você tem razão. Para comercializar um negócio desses deve ser complicado pra caramba, com autorizações necessárias de tudo quanto é órgão por conta do possível impacto nos celulares, ondas de rádio, televisão, etc. Em todo caso, como falaram acima, esse negócio é vendido em alguns lugares.
        Acho que eu estava errado em pensar que a indústria de inseticidas tinha boicotado de alguma forma esse negócio.

        Responder

    4. O repelente para mosquitos eu não sei se funciona. Mas o repelente eletrônico para morcegos funciona sem problemas. É um aparelinho com a caixinha azul.

      ————————————————————
      http://neoageinfo.blogspot.com
      Posts sobre informática, dicas, hardware, software, empregos e muito mais.
      ————————————————————
      Apps para Android – http://goo.gl/kNNrv
      ————————————————————
      Sincronização e backup de arquivos através da nuvem é com o Dropbox – http://goo.gl/nEIj
      ————————————————————
      Compras na china, com frete grátis para o Brasil – Dealextreme – http://goo.gl/dNp3X

      Responder
  3. Wesley

    Olha pode até funcionar, mas por pouco tempo. as bacterias tem uma incrivel capacidade de “evoluir” por assim dizer, e ganhar resistencia a substancias. É só ver o exemplo dos antibioticos, antigamente matavam tudo quanto era bacteria, mas como eles começaram a ser tomados como agua as bacterias acabaram ganhando resistencia a maioria deles com o passar do tempo. E tbm tem o problema da substancia poder matar bacterias beneficas do sitema digestivo, que poderia causar problemas posteriores.

    Acho que criar uma defesa do proprio sistema imunologico é mais eficiente porque ele é mais eficaz do que substancias bactericidas.

    Responder
  4. Sérgio

    Philipe, só uma correção…a Unilever não é proprietária da Colgate, mas sim concorrente. De resto, além da excelente matéria, creio que muito mais gente já pensava algum tempo como você. Eu pelo menos sempre achei que algum dia alguém iria desenvolver uma solução nesse sentido, mas pra mim seria algum produto da nanotecnologia que tornaria o dente tão “liso” que não teria como a cárie se fixar no dente. Abs!

    Responder
  5. Pedro Lelis

    cara, ja existe o papacarie, eh um gel brasileiro, vem do mamão. ja vi isso a muitos anos e nao eh divulgado, mas se eu soubesse disso antes tinha evitado o tanto de carie que eu tenho

    Responder
  6. Evandro Fonseca

    Esse texto tem meu apoio completo e total. Pessoas que atualmente trabalham em escala atomica dos nanometros não são capazes de eliminar uma droga de bacteria ?

    Responder
  7. mary

    Cara, gosto do seu estilo de escrita e mais ainda de conspirações >.<
    espero mesmo que isso já tenha sido lançado cárie é o que mais odeio

    Responder
  8. Natalia Santos

    Oh meu Deus, eu achei uma cabeca identica a minha….hahahahahaha.

    Responder
  9. Edilson Rodrigues Palhares

    Muito legal. Me lembrou um colega de república lá nos anos 80, o Odilon Serrão. Ele disse que quando era menino reparou que seu pai fazia a barba duas vezes, isto é, passava a gilete a primeira vez, e depois de um enxague, passava de novo para deixar a pele bem lisa. Então ele teria dito para o pai: “por que não inventam um aparelho que vem com duas giletes?” Depois do pai olhar para ele com aquela cara de “onde foi que eu errei”, o pobre do Odilon nunca mais tocou no assunto. E eis que depois de algum tempo surge no mercado Prestobarba com duas láminas paralelas. Será que o pai dele era um espião industrial?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *