O mistério dos goblins do Kentucky

Compartilhe

Os goblins estão de volta! Dessa vez apareceram no Kentucky!

Tá aí um assunto que me fascina. O que são essas criaturas que vem aparecendo em diversos lugares do mundo e assombrando as pessoas? Fantasmas? seres criptozoológicos? Seres de outra dimensão? Aliens? Demônios? Criaturas Goéticas? Ninguém sabe ao certo, mas o fato é que o numero de observações e pânico só aumenta.

Não deixe de ler meu outro post sobre os goblins.

Este caso aqui foi publicado originalmente no portal Weekinweird. O link esta no final do post. Todas as imagens e videos são do artigo original que eu traduzi.

Por volta do mês de junho de 2012, um morador do Kentucky afirmou que um grupo de pequenas criaturas de três dedos haviam emergido de uma mina abandonada e passaram a aterrorizar sua casa numa área rural do Kentucky. Não obstante aos relatos, o homem conseguiu fotografar os seres! Mas os monstrinhos eram tão aterrorizantes que o homem fugiu de sua propriedade.

O mais estranho nesse caso é a inacreditável semelhança nas descrições dos seres com os misteriosos seres de um caso considerado ufológico, ocorrido em 1955, chamado caso Hopkinsville.
No caso Hopkinsville, uma fazenda foi cercada por seres estranhos e pequenos com aparência de goblins, causando pânico nos ocupantes da casa, que atiraram nos seres e chamaram a polícia. O caso de 1955 pertence a era de ouro da ufologia, e foi bastante documentado.

O Retorno dos Goblins

Após os casos de observação e registros dos supostos goblins no Kentucky, os investigadores locais foram enviados a uma localização de GPS específica, passada por alguns amigos ufólogos. Essas coordenadas levavam a uma caverna escondida na base de uma montanha com uma fama relativa de história de abdução alienígena, luzes misteriosas, e o desaparecimento de uma pequena “múmia alienígena”. Ou seja, um lugar “quente”.

Entre outros fatores, aquela localização parecia potencialmente estratégica, em função de diversos emails que os pesquisadores vinham recebendo de pessoas da região. Aqui está um exemplo:

EMAIL 1: O RETORNO DOS GOBLINS NO KENTUCKY

Olá, meu nome é David. Recebi suas informações de contato através de um conhecimento mútuo que me garante que você está bem equipado para investigar problemas peculiares. Além disso, eu acredito que você pode ter interesse por estes eventos além de qualquer compensação que estou preparado para entregar a fim de ter estas questões investigadas.

Durante os últimos 6 meses eu moro em uma casa rural localizada na divisa de West Virginia e Kentucky, onde minha família vem sendo agredida por visitantes noturnos que eu creio que sejam de origem extraterrestre. Estes seres parecem ser do tamanho e estatura de uma criança pequena, desprovida de quaisquer características faciais notáveis que não sejam grandes olhos brilhantes e bocas sem lábios. Eles assustam meus filhos aparecendo de surpresa nas janelas do quarto, e sussurram um para o outro. Eles ativamente tentaram entrar na minha casa no meio da noite. No mês passado, eles levaram embora o meu cão. A polícia se recusar a fornecer qualquer assistência adicional, atribuindo os problemas a “animais selvagens” e encaminhar minhas queixas à uma Comissão Estadual.

Eu acredito que eles são provenientes de uma mina abandonada localizada na borda da minha propriedade. Embora eu esteja bem armado, eu estou com medo. Eu tenho muito medo de entrar na mina sozinho e não consegui convencer nenhum amigo a acompanhar-me, embora eu não posso culpá-los. Estou convencido de que a única resposta é a entrar e explodir aquela mina!

Eu acredito que nós podemos ser mutuamente benéficos. Se você estiver preparado para me ajudar neste assunto, eu posso oferecer-lhe permissão para gravar e documentar esses eventos sob a condição de anonimato. Posso garantir-lhe provas destas criaturas que garanto que essas coisas não são “animais selvagens”.

Por favor, responda o mais rápido possível. Obrigado.

Apenas dois dias depois do primeiro email, David do Kentucky retornou e parecia mais aflito:

Obrigado pela resposta rápida. Eu não culpo você por ser cético em relação a minha história. Eu aprecio você manter uma mente aberta sobre a minha situação e eu estou mais do que feliz em fornecê-lo tanta informação quanto eu puder.

Eu consegui suas informações de contato através de um homem com o nome de Terry Wriste. Quando esses distúrbios começaram a ocorrer, eu só havia confiado num amigo que tinha interesses em coisas estranhas. Ele se ofereceu para compartilhar minhas preocupações com um homem que tinha lidado com as experiências um tanto semelhantes em anos anteriores. Eu aceitei a oferta. Dentro de uma semana fui informado de que este senhor havia se aposentado deste tipo de perseguição. Mas felizmente, ele estava disposta a fornecer-me contatos que poderiam estar dispostos a ajudar. Foi assim que eu achei seu contato.

Estou localizado em Pike County, nos arredores da cidade de [XXXX] (o editor apagou o nome da cidade em função das pesquisas ainda estarem em curso), Kentucky. [XXXX] fica a cerca de 30 a 60 minutos a partir das fronteiras da Virginia e West Virginia, respectivamente. A maioria de Pike County é composta de pequenas cidades e comunidades rurais; não é incomum eu passar dias sem ver os meus vizinhos mais próximos. Eu me mudei para esta área justamente pela paz e tranquilidade. Paz que não sei mais o que é.

Eu vivo nesta área há apenas sete meses e nesse tempo a maioria do assédio ocorreu nos últimos três meses. Eu não tomei conhecimento de qualquer estranheza até início de dezembro, apesar de que é somente quando eu comecei a manter um registro desses eventos. No início, era apenas faixas estranhas na neve ao redor da minha casa. Eu tinha inicialmente imaginado que eram de algum tipo de animal, embora se assemelhava muito a pegada humana, com exceção do calcanhar. Naquela época, eu tinha a impressão de que era simplesmente uma única criatura. Mudei de ideia semanas mais tarde, quando comecei a suspeitar que eu estava lidando com uma série “deles”. Nessa fase eu ainda pensava que pudessem ser pessoas tentando uma “pegadinha”.

Nesse ponto, eu era incapaz de manter o meu cão ao ar livre durante a noite. Qualquer tentativa de deixá-la na coleira resultaria em seu latido desesperado de forma crescente até que eu perdia a linha e mandava ela entrar. Nas semanas que antecederam a esta noite em particular eu tinha acordado para encontrar as portas de casa abertas, e elas apareciam abertas em várias ocasiões, muitos dos brinquedos dos meus filhos estavam faltando ou eram colocados em outros lugares. Meu jardim estavam todo bagunçado. Eu já tinha dado um depoimento para a polícia, mas eles logo acharam que eu era um desses malucos chatos, e foram tornando-se cada vez mais francos que eles não estavam interessados ??no meu caso.

Na segunda semana de janeiro eu estava tomando café da manhã com a minha família quando a minha filha de cinco anos começou a falar sobre as “crianças sem cabelo”. Quando minha mulher perguntou sobre essas crianças, ela nos informou que ela tinha passado a noite anterior vendo-as brincar pelo quintal. Como você pode imaginar, esta hora foi de alguma preocupação para nós, adultos. Perguntei a minha filha como que essas crianças pareciam, ela me disse que elas “estavam careca como o avô e não estavam usando nenhuma roupa”. No mesmo dia encontrei um brinquedo das crianças de pelúcia enfiado dentro da nossa caixa de correio. Fui à Cidade e comprei e instalei um conjunto de refletores ativados por movimento. Instalei o sistema no jardim e, por um tempo, os problemas cessaram. Mas o sossego só durou até o final de fevereiro, quando a nossa filha nos informou que as “crianças carecas” tinham retornado.

Acordei desesperado com o som dos gritos da minha filha. A encontrei de pé no meio do corredor. Quando minha esposa e eu finalmente a acalmamos o suficiente para falar, ela disse-nos que as crianças estavam tentando olhar pela janela do quarto dela. A coisa ficou pior quando as “crianças” tocaram nela. Ela não dormiu em seu próprio quarto desde então. Foi nessa manhã que eu liguei para a polícia novamente em busca de ajuda. Finalmente, mandaram um oficial para a nossa residência. Informei-o do problema, como eu agora era incapaz de deixar o meu cão ao ar livre após o anoitecer, e das “crianças carecas”. Quando encontraram o terreno bagunçado apenas sob janela do quarto da minha filha, o oficial informou-me, com naturalidade, que estávamos lidando com um animal e eu seria melhor entrar em contato com a comissão de caça a do que desperdiçar seus recursos do departamento de polícia.

Quase todos os dias da semana seguinte, eu encontrei alguma evidência de que algo ou alguém tinha perambulado na minha propriedade na noite anterior. Manchas nas janelas não eram incomuns, pedras da passarela de entrada arrastadas para o outro lado do gramado, e eu tinha encontrado gotas na porta de tela.

Na quarta-feira 07 de março eu finalmente testemunhei as “crianças sem cabelo”!

O cachorro me acordou em torno de 1:30 AM, arranhando a porta de trás e choramingando desesperado para ser solto. Notei que o holofote de movimento estava ligado, e corri para a janela da cozinha para verificar se as portas galpão ainda estavam fechadas. Foi quando eu percebi que eu podia ver a sombra de um indivíduo em meu gramado. Do ângulo que eu estava posicionado na janela, eu não poderia realmente ver a fonte da sombra ou os holofotes. O cão estava andando em círculos junto à porta de trás e eu podia ouvir alguém vasculhando uma caixa na varanda. Com mais raiva do que senso comum, a única reação que eu poderia reunir foi bater com força na janela e gritar, momento em que ouvi a porta de tela no balanço da varanda aberta e bater contra a casa. Eu ouvi o que só posso descrever como “um barulhinho bizarro” neste momento. Parecia muito como um gambá, só que mais gutural. Eu, então, percebi que havia mais de duas pessoas na minha propriedade, e a figura da sombra, tinha reagido como se ele não soubesse qual caminho a percorrer, logo, foi rapidamente acompanhado por outro. Por um momento eu assisti como as sombras pareciam conversar um com o outro quando notei uma figura com o canto do meu olho.

De pé no canteiro de flores, apenas para o canto inferior esquerdo da minha janela estava uma figura pequena, humanóide, com a pele doentiamente pálida, completamente sem pêlos, que estava olhando na direção das sombras, e tinha claramente vindo do lado esquerdo da casa em frente a varanda e não tinha me notado, ao que pareceu. Seu rosto era desprovido de detalhes, pude ver os grandes olhos redondos, lembrando muito em forma e cor do olho de um pássaro. Ele não tinha nariz, e apenas uma pequena fenda para uma boca. Ele não pareceu mover sua boca quando ele cantarolou aquele estranho ruído, soando mais como se os ruídos fossem originados a partir da garganta. Ele certamente não era um “animal selvagem” e ainda mais certamente não tinha como ser uma criança. Eu estava aterrorizado demais para me mover, e vi como a criatura pulou para junto dos outros, e juntos eles saíram para a floresta no lado direito da minha propriedade. Era evidente que existiam pelo menos cinco deles naquele grupo.

Eu não tive coragem de mencionar esse incidente particular para minha esposa. A única outra pessoa que eu falei sobre estas criaturas são você e o Mr. Wriste. Eu preferiria manter as coisas dessa maneira, e de abordar este problema o mais discretamente possível. Desde aquela noite, meu cão desapareceu da varanda. Eu só posso imaginar que o seu desaparecimento tem a ver com essas criaturas. Eu tenho ido procurá-lo durante o dia, apenas para descobrir muitos dos meus pertences perdidos estavam espalhados na entrada de uma mina abandonada na borda mais distante da minha propriedade. Eu não me atrevo a ir lá para dentro.

Meu amigo me convenceu de que minha experiência é semelhante ao de outras experiências de “visitação alien”, proporcionando-me algum material e as referências que justificam suas reivindicações. Estou ciente da natureza bizarra do que eu disse a você, mas eu tenho medo que eu não tenho outra explicação para o que eu vi, pelo menos neste momento. Eu posso ver nenhuma outra opção do que para selar a entrada da mina. Eu não posso conseguir isso sozinho, e estou com muito medo de tentar. Não me atrevo a compartilhar essas informações com outras pessoas por medo de arruinar minha carreira e a reputação da minha família. Estou preparado para compensar suas despesas de viagem e oferecer-lhe acesso irrestrito com qualquer equipamento de gravação que você deseja, mas somente sob a condição de anonimato completo. Além disso, não tenho outro desejo além de me livrar definitivamente deste problema.

Por favor, me informe sobre o que você gostaria de fotografias e para onde enviá-las.

Obrigado mais uma vez.

O tal Sr. Wristle era um mistério adicional naquele caso. O Investigador não sabia quem era aquele homem muito menos como ele poderia ter passado o seu contato para o tal David do Kentucky. Assim, parecia logico começar a investigação tentando descobrir quem seria essa pessoa.

Após um mergulho no google, apareceu somente uma fonte para o nome Terry R. Wriste: Era um pseudônimo usado por um ocultista ex-militar entrevistado em dois livros bastante obscuros, impressas em meados dos anos noventa. A obra era intitulada ” O segredo Cipher dos Ufonautas e os rituais secretos dos homens de preto”

secretcipheroftheufonauts 1024x630 O mistério dos goblins do Kentucky

Pouco antes do índice de cada livro, autor Allen Greenfield conduz uma entrevista com Terry, que voluntariamente admite que o seu nome não é real. Nessas entrevistas, Wriste fala de um grupo guerrilheiro de veteranos do Vietnã formada no início dos anos 70, cujas diretivas incluíram a infiltração e destruição de bases alienígenas subterrâneas e em torno do sul dos EUA. Depois de explicar como a equipe era formada e onde muitas dessas entradas de cavernas eram localizadas, ele passa a descrever a missão fracassada que o levou a se aposentar de chutar a bunda de aliens invasores.

“… Nós estávamos em uma espécie de caverna, somente, eu diria que, artificialmente escavada e iluminada por um brilho esverdeado, que não parecia vir de um único ponto de energia. De qualquer forma, toda a área se assemelhava descrições de histórias subterrâneas menos exóticas de Shaver, e, em termos mais recentes, algumas das histórias de bases alienígenas modernos. Fomos confrontados com estes pequenos seres humanóides, acinzentadas. Um dos nossos caras disseram “Dero!” E começou a atirar. Ele tinha um rifle M-1 e, se bem me lembro. Um tiro, e [o pequeno ser cinza] foi iluminado em azul, e sumiu. Em seguida, houve um som, e eu senti a minha própria arma, um M-16, ficando insuportavelmente quente. Eu o deixei cair, virei-me para correr, e fui confrontado por dois desses caras de pele cinza. Seja qual deles tinha me convencido que meu fuzil estava quente, aparentemente, esqueceu de fazer isso com minha pistola, uma Luger vintage, e um dos dois pequenos recebeu a última surpresa de sua vida.
O carinha explodiu, e o outro caiu no chão e correu, até a encosta, e eu fui em sua perseguição. Quando chegamos para além da área iluminada, porém, ele desapareceu. Ouvi arma fogo e explosões atrás de mim, e assustado eu continuei, com a pistola na mão, olhando ao redor descontroladamente, para voltar da maneira que eu vim. Apenas três de nós nunca conseguiuram voltar à superfície. Um deles morreu um ano ou mais tarde, de leucemia, eu acho. Ele tinha apenas cerca de 24-25, então talvez haja uma conexão. “

Wriste também falava de um encontro com um grupo de refugiados extraterrestres liderados por ninguém menos que Indrid Cold. Sim, que Indrid Cold.

Neste ponto, o mistério estava se aprofundando e o investigador queria ver logo as tais fotos de David do Kentucky. Mas levou várias semanas até ele receber uma resposta.

PEGADAS As minhas desculpas pelo tempo que me levou a responder ao seu e-mail anterior. A situação na minha casa tinha se tornado insuportável e optamos por ficar com a família da minha esposa fora do estado até que uma solução adequada pudesse ser alcançada. Estou no meu juízo final.

Esta tarde, o meu cunhado e eu viajamos de volta para casa pela primeira vez em mais de um mês, já que eu precisava verificar a segurança de minha propriedade e recolher alguns pertences. A casa parecia relativamente intocada, levando-me a crer que os motivos das criaturas aparecerem lá se relacionavam com a presença da minha família. Como você pediu, eu trouxe uma câmera de volta para a propriedade com a finalidade de obter provas fotográficas.

Enquanto minha casa estava livre de adulteração, eu era capaz de encontrar uma trilha de pegadas que correspondem em tamanho e forma dos anteriormente deixado pelas criaturas na minha propriedade. As trilha deles leva para a floresta atrás da minha casa, na sequência passa num riacho que corre perto da mina. Meu cunhado, um ávido esportista, não conseguiu identificar as pegadas apesar de seu ceticismo. Talvez você sabe de alguém mais adequado para identificar essas impressões.

Planejo passar as próximas duas noites em minha casa e vou enviar mais imagens se a oportunidade se apresentar. Aguardo suas observações.

kygoblinfootprint3 O mistério dos goblins do Kentucky

firstkygoblinfootprint O mistério dos goblins do Kentucky

EMAIL 4: A correspondência FINAL As criaturas saíram do bosque tarde na noite passada. Anexei fotografias tiradas com o melhor de minha capacidade, dada a situação. Eu também tenho fechado fotografias de pegadas da criatura ao lado de uma vara de medição. Meu cunhado não está mais tão cético como ele estava quando chegamos e vamos sair antes de escurecer esta noite. Estou ansioso para falar com você.

secondkygoblinfootprint O mistério dos goblins do Kentucky Kentucky Goblin Pegada por Régua

goblinfootprint4 O mistério dos goblins do Kentuckysecondkygoblinfootprint O mistério dos goblins do Kentucky 2º Kentucky Goblin Pegada por Régua

goblinfootprint5 O mistério dos goblins do Kentucky Medição Kentucky Goblin Pegada Gait

Também anexado ao e-mail estavam, de acordo com David, várias fotos dos “duendes”. No início, eles não pareciam muito mais do que alguns borrões na escuridão, mas depois de um tratamento no Photoshop para iluminar o contraste e clarear a imagem, algumas figuras estranhas começaram a aparecer.

kygoblinsphoto2012 O mistério dos goblins do Kentucky Retorno dos Goblins Kentucky 2012 imagem melhorada supostamente mostra Kentucky Goblin escalada passado uma árvore (2012) kygoblinsphoto2 O mistério dos goblins do Kentucky

Retorno dos Goblins Kentucky 2012 Foto 2 imagem melhorada supostamente mostra o perfil esquerdo da face de Kentucky Goblin (2012)

A primeira coisa que o investigador pôde notar sobre a história de David foram as semelhanças surpreendentes com o caso famoso de 1955. Os principais eventos eram todos iguais: uma propriedade rural sitiada por várias pequenas criaturas com características semelhantes, uma família com medo que fugiu no meio da noite, e a crença que esses “goblins” eram extraterrestre. Se isso também estava acontecendo em Kentucky era o fato a ser apurado.

As peças que chamaram a atenção do novo caso dos goblins do Kentucky: As fotografias que David tinha fornecido. Não é difícil ver que as pegadas são estranhas. Mas eles eram estranhos porque eles eram falsas? Ou eram estranho, porque eles eram de uma criatura anteriormente desconhecida? O investigador reuniu as fotos e as publicou em seu portal para ver se algum leitor indicava um caminho.

Logo surgiriam teorias que iam de porcos selvagens a ursos Sasquatch com três dedos, e um homem sobre pés de pau com dedos na ponta. Um leitor enviou as fotos para o Fish and Wildlife Department no Kentucky, onde os especialistas não puderam identificar a impressão, mas não declararam que era falsa. Apenas não sabiam o que era aquilo. Os caçadores do pé-grande foram rápidos em apontar que as faixas estranhas apareceram para mostrar sulcos dérmicos, o equivalente às impressões digitais num pé. Durante anos, os pesquisadores de pé grande/sasquatch têm usado a presença de cristas dérmicas separar o que eles acreditam ser verdadeiras pegadas daqueles que são fake.

kentuckygoblinanalysis1 824x1024 O mistério dos goblins do Kentucky

Análise das imagens dos Goblins

As imagens dos goblins deixou muito a desejar, mas isso não impediu os pesquisadores de analisá-los. A melhor observação foi de Robyn Montella, que foi capaz de definir os ombros estreitos, pernas, e para baixo-esquerdo da face cabeça do que parecia ser uma criatura humanóide subir passado numa árvore.

Por outro lado, muitos leitores apontou que o sexo do cão de David mudou no meio da história. Esse foi um detalhe estranho que comprometeu a credibilidade do caso.

A polícia local “CONFIRM” 2012 APARÊNCIA os duendes ‘ goblin notes O mistério dos goblins do Kentucky Desenho baseado na Análise da foto do Goblin

Enquanto o pesquisador ainda tinha recebido um endereço exato de David, sua equipe reuniram-se, e obtiveram alguns imagens de satélite da cidade dele. Eles partiram para identificar onde sua casa poderia estar. Uma rápida pesquisa de registros do governo mostraram dezenas de minas abandonadas dentro de um raio de 10 milhas da cidade, e os mapas mostravam um punhado de ribeirões que fluíam através de um número grande de propriedades. Os detalhes se encaixam, mesmo não podendo saber identificar precisamente qual era a casa.

O fato de que ele mencionou a polícia em seus e-mails significa que deveria haver um registro da chamada. A cidade era pequena o suficiente para não ter a sua própria delegacia, portanto, é provável que o chamado tivesse caído no departamento de polícia do estado mais próximo. Depois de alguns telefonemas, os investigadores foram informados de que eles poderiam confirmar que tinham sim recebido e investigado um caso muito parecido com este, mas eles não poderiam dar quaisquer detalhes.

Aquilo foi uma boa confirmação do caso.

A natureza rural da cidade deixava difícil encontrar outra informação. A polícia não queria ajudar, praticamente nenhuma informação sobre a comunidade fora dos registros de mineração existia on-line e os dados da comunidade eram tão sofríveis que não havia sequer dados do censo disponíveis.

David nunca mais entrou em contato e somando-se ao fato de que a base dos investigadores era no Canadá, eles estavam muito longe do campo. A pesquisa parecia ter ficado estagnada. Um dos misterios era por que David sumiu. Se foi porque a informação do contato com a polícia de alguma forma se chegou até ele, ele se cansou de perpetrar uma fraude, ou ele foi silenciado por alguém (ou alguma coisa ), David desapareceu e todos ficaram num beco sem saída.

Então surgiu uma mensagem estranha de ninguém menos que o misterioso Terry Wriste.

Em 04 de fevereiro de 2013, quase um ano depois do último contato de David, um e-mail chegou de um T. Wriste. Ele consistia de duas frases.

Por que você parou quando você estava tão perto?

Eu tenho algo para você. Uma semana.

Minha resposta foi simplesmente “Quem é você?”, Mas a pergunta ficou sem resposta. Exatamente uma semana mais tarde, um segundo e-mail chegou.

[nome da cidade apagado] era apenas um sintoma. A tinta e em preto ainda estão isolados e 3ª mia fim

Tenha em mente que para cada porta fechada uma janela deve ser aberta. A porta esta fechada. A janela está aberta. usar o número de s.

A mensagem parecia cifrada. Esta mensagem, no entanto, teve um anexo. O arquivo era uma imagem do que parecia ser um velho pedaço de papel com uma série de dezesseis números rabiscados sobre ele. A escrita era a lápis, e que tudo parecia velho. Também estava presente uma espessa negra “31”, os personagens sluf ou 5LUf , e que parece ser K?5 . Em outras palavras, o jargão completa.

TerryWristeNumbers O mistério dos goblins do Kentucky

Os números misteriosos de Terry Wriste

Como o pesquisador tinha feito com o resto das evidências, compartilhou a atualização no Facebook com as mesmas pessoas que nos ajudaram no caso de David. Eles fizeram dezenas de elocubrações mentais, e correlacionaram a mensagem cifrada a outros casos antigos.

Foi quando Robyn apontou que os números poderiam muito bem ser coordenadas GPS. Eles dividiram a sequência de linha reta no meio e ligou-ass no Google Earth. Quando o globo girando deu o zoom em seu alvo, o susto: As coordenadas levaram a possível base-caverna alienígena.

AS LUZES Brown Mountain

yo8dyrzzeqas6frnrf0o O mistério dos goblins do Kentucky A primeira foto conhecida das luzes de Brown Mountain

Na época em que eles iniciaram a investigação do retorno dos Goblins do Kentucky, a equipe de investigação estava trabalhando na pré-produção de uma série de documentários para a web. Como parte do projeto, eles iriam para uma vigília naquele local “quente”. Você vai entender como isso se relaciona com os goblins do Kentucky mais para a frente.

Brown Mountain, fica na Carolina do Norte, e era relativamente perto da rota que já tinha sido traçada para as outras filmagens dos documentarios.

Desde antes dos homens Brancos aparecerem n a América do Norte, o local já era temido pelos índios. Os nativos americanos contaram histórias de luzes misteriosas da montanha. Quando os céus eram claros, eles assistiam a evolução de orbs subindo da montanha e dançaram pelas copas das árvores. Os nativos americanos acreditavam que as luzes eram as almas dos guerreiros reverenciados que viviam na montanha; e até mesmo os primeiros colonos brancos atribuíram às observações insólitas do lugar a aparições de fantasmas assombrando a floresta. Tudo isso mudou depois de 1947 com o acidente da nave de Roswell. Logo, não demorou muito para que os estranhos brilhos na floresta passassem a ser associado com objetos voadores não identificados, em vez de fantasmas.

Hoje, as pessoas ainda são tão mistificado pelas luzes como nunca. Em qualquer noite, você pode caminhar até o mirante de Wiseman e encontrar diversos grupos de pessoas à espera para de ver UFOs a aparecer, algumas delas contando sobre quando as luzes ficou pouco acima deles ou os estranhos “homens do governo” que às vezes aparecem e questioná-los sobre suas experiências. O caso mais maluco de todos envolvendo este lugar surgiu em 1961 a partir de um vendedor de móveis local, que afirmou que uma raça de criaturas minúsculas, e extraterrestres fizeram a sua casa na montanha.

Tinha o alien para mostrar!

Ralph Lael era um homem normal com uma história bizarra. Ele não só afirmou ter provas de que Brown Mountain abrigava uma base secreta, mas que ele tinha estado dentro dela!

Depois de seguir as misteriosas luzes Brown pela montanha através da floresta durante uma noite, Lael afirmou ter tropeçado em uma entrada camuflada no lado da montanha. Quando ele entrou na abertura, ele de de cara com duas criaturas de outro planeta. Sua família e amigos observaram que, por vezes, Lael desaparecia por semanas e ressurgia do nada. Em um momento em que ele explorou o intrincado labirinto dentro da montanha em 1965, ele escreveu um livro raro preenchido com detalhes bizarros relacionados a sua descoberta. Mas ele não apenas retornou com uma louca história para contar. O maluco voltou com o corpo de uma destas criaturas!

Por um tempo, Lael manteve o corpo preservado em uma caixa de vidro que ele guardou no quarto dos fundos de sua Brown Mountain Rock Shop. A pequena múmia tinha um comprimento de cerca de três pés, (pouco mais de um metro) não tinha qualquer cabelo, além de possuir longos membros magros. Quando Ralph Lael morreu, sua loja foi misteriosamente demolida e a “múmia alienígena” desapareceu.

Hoje em dia, apenas uma foto conhecida do corpo da criatura existe.

Apenas só existe uma foto conhecida de “Mumia Alien” de Ralph Lael (note a estranha semelhança com o et de varginha) alienmummy O mistério dos goblins do Kentucky

Enquanto a história de Lael poderia facilmente ser considerada um bizarro caso de ficção científica, os rumores de uma base secreta dentro de Brown Mountain continuaram a persistir. Na verdade, até hoje os habitantes locais tem casos envolvendo helicópteros negros e misteriosas “missões de treinamento militar” na floresta nas proximidades. Tudo isso estaria relacionado ao resultado de uma base secreta alien escondida na montanha.

A BASE e o alien da montanha Brown

Aqui é onde as coisas começam a ficar um pouco estranhas.

Depois que os investigadores do goblin do Kentucky resolveram que iriam se meter na Brown Mountain eles fizeram contato com o ufologo Micah Hanks, um pesquisador de UFOs nativo da Carolina do Norte que conhecia aquela área como a palma da sua mão. Não apenas Hanks era bom o suficiente para oferecer seus conhecimentos sobre o assunto, mas ele tinha um diferencial: ele sabia onde a entrada para esta base alien estava localizada! Ele queria ir lá, com câmeras e toda a traquitana de pesquisas.

Em outubro de 2012, eles chegaram em Brown Mountain.Localizaram a tal entrada da caverna e filmaram o local. Mas nada muito alienígena parecia estar ali. brownmountainaliencavebase O mistério dos goblins do Kentucky

entrance to the brown mountain alien cave base O mistério dos goblins do Kentucky

O grupo explorou o lugar até encontrar uma gigantesca laje de pedra que parecia estar bloqueando uma passagem. Eles concluíram que a laje de pedra não era natural e havia sido propositalmente posicionada ali. Sem poder avançar, o grupo retornou para o mirante e passaram a noite tentando registrar as luzes na montanha.

Mais tarde, enquanto o grupo trabalhava nos documentarios, um dos pesquisadores começou a traçar algum tipo de correspondência entre a Brown Mountain e a tal caverna apontada na mensagem cifrada do homem misterioso. Seria outra entrada para uma mesma base alienígena? Estariam os “goblins” do Kentucky ligados aos seres relatados por séculos na Brown Mountain?

Terry Wriste Nunca mais escreveu.

Novamente sem pistas de como retomar o caso, o grupo correu para a última ponta solta: Allen Greenfield.

Greenfield era o autor daquele livro obscuro e havia conduzido a entrevista sobre os alienígenas com uma base de caverna com Terry Wriste em seu livro de 1995 “Segredo Cipher dos UFOnauts”.

Eles então rastrearam um endereço de e-mail antigo até chegar a Greenfield. Após alguns contatos, vários dias depois, receberam finalmente uma resposta:

Terry era um amigo meu há muitos anos. Da mesma forma, eu não tenho notícias dele desde meados da década de 1990. “Terry” era um pseudônimo que ele usava e com o qual eu acho que ele não usa mais, AFAIK. Eu aconselho muito mais cautela ao entrar em avernas, minas de gases etc. Esses locais são para verdadeiros especialistas, e há maneiras mais seguras para fazer contato. Espero que o seu amigo fique fora da mina. Kentucky teve “homenzinhos” desde pelo menos a década de 1950. A melhor abordagem é a do desapego. Se o roubo está envolvido, trancar bem, mas deve-se cultivar o destemor – pois o medo intensifica seu “poder” – já a indiferença parece descapacitá-los. Ver o meu livro secreto Cifra dos UFOnauts, “Lei da Batalha de Conquista” capítulo.

Basta ficar de fora das minas e cavernas. É perigoso! – no local de investigação é mais confinada ao ser local de sepultamento. Trate o assunto como um caso de aparição ou um caso poltergeist – a sobreposição entre esses casos é maior do que a maioria dos ufólogos convencionais costumam pensar. Eles são de fato diferentes percepções da mesma coisa, quero dizer.

Se você tiver mais perguntas, escreva-me.

Cordialmente, Allen

Os pesquisadores aproximaram-se mais de Allen, e gradualmente começou a parecer-lhes que o tal Terry estava muito mais para um “homem de preto”.

A CONEXÃO HOPKINSVILLE

goblins4 O mistério dos goblins do Kentucky
AppleMark

Na noite de 21 de Agosto de 1955, moradores de uma quinta rural perto de Hopkinsville, Kentucky foram aterrorizados por um grupo de pequenas criaturas diferentes de tudo que o mundo tinha visto antes. Os moradores da fazenda, os Sutton e seus convidados de fora da cidade, os descreveram como sendo seres de meio a um metro de altura, sem pêlos, e com membros longos e finos que apareceram quase em estado de atrofia. Sua “pele” parecia ser uma cor brilhante, cinza, e seus grandes olhos brilhavam no escuro. Sua característica mais distinta, porém, foram as suas grandes “orelhas”. Os pequenos humanóides se moviam como se estivessem “flutuando através da água”, e em algumas ocasiões, parecia desafiar a gravidade completamente.

As criaturas saiu da floresta próxima e começou perscrutando suas janelas ou aparecendo em suas portas, deixando as crianças em histeria. Espingardas e rifles de caça aparentemente tiveram pouco efeito sobre os goblins, que só sacudiram como “latas” antes de fugir para a floresta ao redor. Uma vez que o cerco tinha chegado ao fim aparente, a família correu para os seus carros e foram direto para a delegacia de polícia local para pedido de ajuda. Observando como visivelmente todos ali estavam, o xerife e vinte agentes acompanhou a família de volta para casa, onde eles próprios testemunharam estranhas luzes, sons e sinais de um tiroteio, embora os goblins mesmo, nunca mais foram vistos.

original sketch of the hopkinsville goblins O mistério dos goblins do Kentucky
Um esboço original dos Goblins do caso Hopkinsville (1955)

Ao todo, onze pessoas estavam envolvidas no cerco na fazenda, com cerca de duas dezenas de policiais na cena, confirmando um tiroteio e uma série de anomalias estranhas. Desses onze pessoas, oito concordaram sobre a história para o resto de suas vidas. As três testemunhas restantes, agora idosos, recusam-se a falar sobre aquela noite.

LIGANDO OS PONTOS

Após três anos de pesquisas lentas, o grupo de pesquisas encontrou um livro intitulado “Alien Legacy”. O autor era Geraldine Sutton-Stith, filha de Lucky Sutton, um dos dois homens que realmente dispararam contra as criaturas, em 1955. Depois de Lucky falecer em 1995, Geraldine tinha tomado para si a missão de investigar a história do que aconteceu com ela e sua família naquela noite, esclarecer equívocos da cultura pop e fornecer detalhes muitas vezes ignorados sobre o caso. O livro era o resultado dessa missão.

Em 30 de setembro, eles conseguiram finalmente conversar com Geraldine. Funcionou. Enquanto ambos os casos (Kentucky e Hopkinsville) tinham semelhanças, foram as diferenças ímpares entre os encontros que chamaram a atenção.

A diferença mais óbvia entre os casos foram na descrição das próprias criaturas. Ambas as descrições incluídas um tamanho de 3-4 pés de altura, pele cinzenta sem pêlo, e uma face de traços característicos. Em 1955, porém, os seres tinha olhos que pareciam brilhar no escuro, e sua característica mais reconhecível (que passou a inspirar o design dos Gremlins no filme da década de 80) eram as suas grandes pontudos “orelhas”. A descrição de David não tinha orelhas, mas “olhos negros oleosos”.

hopkinsvillegoblinssizecomparison O mistério dos goblins do Kentucky
Ufólogo Ivan Sanderson mostra uma comparação do tamanho de um ser humano contra os goblins (via JohnKeel.com )

A família Sutton acreditava que as criaturas estranhas que encontraram vieram do céu, e a maioria dos crentes tendem a concordar.

Geraldine mencionou que há vários anos, um homem bateu na porta, a fim de compartilhar a confissão no leito de morte de seu pai. O pai do homem afirmou que na noite em que a fazenda Sutton foi cercada pelos goblins, ele fazia parte de uma equipe enviada da vizinha Fort Campbell para recuperar os destroços de um OVNI que caiu apenas três milhas abaixo da estrada, os detritos dos quais foi arrastado direto para a base aérea de Wright-Patterson.

David, por outro lado, acredita que as criaturas que ele encontrou estavam vindo do subsolo.

Os Goblins de Sutton moviam-se como se estivessem andando através da água, mesmo aparecendo para desafiar a gravidade e pairar acima do solo, sem deixar vestígios. Em 2012, os goblins pareciam “ágeis”, como eles se moviam, e deixaram pegadas de três dedos na lama e neve.

“Mas o que se as orelhas das criaturas não eram realmente ouvidos? E se fizessem parte de um capacete? Na verdade, talvez as criaturas estivessem em algum tipo de traje…

As peças estavam começando a se encaixar, mas a coisa ficou curiosa mesmo quando os pesquisadores citaram para Geraldine as coordenadas do Wriste à base caverna Brown Mountain. Geraldine mencionou que houve algumas histórias semelhantes emergindo do Leste Kentucky ao longo dos anos, os contos de uma montanha com base escondida, uma presença militar em segredo, e as luzes misteriosas no céu circundante.

“As pessoas que vivem lá vêem todos os tipos de coisas estranhas – criaturas, luzes – eles ainda falam sobre a sensação da montanha ‘zumbir’ às vezes”, ela me disse. “As pessoas vão sumir, para nunca mais serem vistas novamente lá em cima. É chamado de Black Mountain, mas eles costumavam chamá-la Lynch Mountain. ”

Assim, os pesquisadores descobriram que “Black Mountain” estava, literalmente, na mesma rua dos avistamentos goblins 2012″.

A conexão com Brown Mountain estava de repente muito mais clara, e não demorou muito para que a conversa se voltasse para Hopkinsville. Mas se o caso 1955 e de 2012 estivessem realmente relacionados, como poderia algo que foi visto em Hopkinsville desaparecer e aparecer centenas de milhas de distância, sessenta anos mais tarde?

Os pesquisadores etão se lembraram que Allen Greenfield havia mencionado durante seus avisos sobre investigações caverna anos atrás: Cuidado! As cavernas de Kentucky eram enormes.

united states cave systems O mistério dos goblins do Kentucky

De fato, fica no Kentucky o maior sistema de cavernas conhecido no mundo. Só uma delas tem cerca de 400 milhas subterrâneas e mal arranhamos a superfície ainda.

Com base em todas as investigações, mais as informações preciosas de Geraldine, os pesquisadores acreditam terem encontrado precisamente a casa de David.

potential site of 2012 kentucky goblin sighting O mistério dos goblins do Kentucky

O próximo passo dos investigadores é dar uma busca na área, talvez instrumentar o ambiente e tentar capturar mais algumas informações, além de jogar luz à pergunta: “Por que David Sumiu?”

Fonte

Artigos relacionados

20 comentários em “O mistério dos goblins do Kentucky”

  1. Muito boa a história, o que me impressiona porque acontece tanta coisa bizarra nos EUA? Essas coisas não parece acontecer em outros lugares, ou não são tão documentados com os americanos.

    • Até concordo, mas nesse caso, o site lá é de uns caras que pesquisam mesmo, são bem conhecidos na cena ufologica gringa, e tal. Não acho que seja invenção. Acho que realmente podem estar lidando com algum fake, alguem querendo desvalorizar terrenos (no melhor estilo scooby doo) naquela área, talvez.

  2. Cara, não duvido de nada, mas esse David é muito fake pra mim a começar pelo primeiro e-mail do cara:
    “…Estou convencido de que a única resposta é a entrar e explodir aquela mina!”
    Já joguei muito RPG pra ver o quão forçada esta frase fica no meio do relato do cara. Parece um NPC falando de uma guest para explodir uma caverna…. posso estar errado, a tradução pode me confundir, mas esses e-mails do David parecem tão explicativos… o cara me compra refletores mas não compra um sistema de monitoramento por câmeras? E aquela pegada parece ter sido feita com os nós dos dedos. Sem contar a foto da criatura… se eu fosse o autor da foto eu teria vergonha de mandar ela pra alguém!

    • Temos que lembrar que esse problema todo é de 2012, David pode realmente ser fake, mas a polícia confirmou o chamado, e o lugar realmente tem minas. Se ele acha que os bichos estão na mina, faz sentido querer explodir aquela merda. Mas a parada das câmeras foi justo o que eu pensei. Meteria camera naquela porra toda para conseguir videos FODAS. Passo seguinte, fazer armadilhas. Imagina quanto deve valer um ET! Mas talvez em 2012 as câmeras de segurança não fossem tão baratas ou populares quanto em 2016. O mais valido de tudo acho que são as pegadas, o departamento de vida selvagem deveria ter reconhecido a pegada, se não reconheceu é bem louco, porque nos Eua nego caça pra caralho, a caça lá é parte da cultura, e o que mais tem é especialista em pegadas. Sei que fui lendo e praticamente dá pra imaginar um belo filme de suspense com essa base do David! COm direito a entrar na minha em busca da filha no final e…

      • Então… Que eu me lembre, em 2012 as cameras já eram bem em conta, a qualidade não era essas coisas mas muito melhor que esses registros obtidos até então. Eu já teria dado um jeito de capturar um bicho desses ou ao menos filmar.

        De fato essa ausencia é muito estanha para uma história tão rica em detalhes.

  3. ja li algo sobre esses goblins serem uma especie de coruja que tem na regiao, que tem penachos protuberantes nos olhos tipo chifres, que sao confundidos com orelhas, elas tem o habito de caminhar pelo solo da floresta as vezes em busca de alimento e espantar ameacas arregalando os olhos e assanhando as penas ficando com uma aparencia bem similar do que seria um goblin no escuro.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.