O dia em que encontrei meu eu futuro

Carlos Alberto estava tomando um chopp num bar perto da Universidade quando notou um cara sentado numa mesa ao lado. O cara estava sozinho, olhando as bolhinhas que subiam numa tulipa cheia de chopp. A tulipa estava intocada e o estranho sujeito, impassível, apenas olhava, como quem não faz a menor idéia de onde está.

Carlos já estava no terceiro chopp enquanto esperava dois amigos para discutir um trabalho da faculdade.

Os amigos não vinham. Carlos pediu mais um.

Enquanto esperava o garçom trazer, ele continuou a observar o sujeito. O homem tinha cerca de trinta anos, estava bem vestido e não parecia nem um pouco incomodado em estar ali, apenas olhando fixamente para o chopp no copo.

Carlos Alberto começou a especular mentalmente o que aquele tipo de figura fazia ali, parado numa chopperia, namorando uma tulipa de chopp quente.

Teria brigado com a namorada? Teria sido demitido? Estaria esperando alguém?

O chopp de Carlos chegou e nada do Nelsinho nem do Berê. Carlos Alberto não conseguia parar de pensar no que poderia levar um sujeito a comprar uma tulipa de chopp apenas para olhar. Decidiu que estava na hora de enturmar o esquisito.

-Opa.

-Hã?-Levantou os olhos o homem do chopp.

-Desculpa incomodar. É que eu notei que teu chopp está esquentando cara. Está passando mal? Posso ajudar em alguma coisa?

-… – O sujeito não respondeu. Apenas ficou ali, olhando para Carlos Alberto com aqueles olhos penetrantes. Isso incomodou Carlos profundamente.

-Foi mal. Eu não quis…

-Não, não. Tudo bem. Desculpa. É estranho mesmo. -Riu meio sem graça. E continuou: – É que… Bem. Eu estou pensando na vida. Acabei esquecendo de beber o Chopp.

-Porra cara, talvez você queira se abrir com alguém. Bater um papo. Mas numa boa. -Disse Carlos Alberto, tentando falar de um modo que não parecesse uma cantada de viado.

-É… Acho que sim. O foda é que ninguém acredita em mim, porra. -Disse o maluco pegando um palito de dentes e quebrando no meio.

-Se incomoda de eu sentar aí? É que eu tô esperando uns amigos e os viadinhos vão me dar um bolo. Mas ninguém ligou para desmarcar, então eu tô aqui. Já tem mais de uma hora que eu tô esperando e nada. Nesse meio tempo a gente vai trocando uma idéia. -Disse Carlos Alberto já levantando.

-Tá certo. Senta aí.-Disse o estranho, puxando a cadeira.

-Valeu. Assim a gente ainda libera uma mesa para aquele pessoal ali.

-Pois é. Bela gata aquela ruiva. – Riu o estranho do chopp quente.

-A propósito, meu nome é Carlos Alberto Mioshi. Prazer

-Prazer. Ricardo Piza Pimentel. Então, Carlos Alberto. Faz o que da vida?

-Último período de relações Internacionais.

-Porra maneiro.

-E você, Ricardo?

-Eu sou supervisor de vendas de uma multinacional. A XS Corp. Conhece?

-Acho que já ouvi falar.

-Pois é.

-Mas diga, Ricardo. Você havia dito que ninguém acredita em você. Como assim?

-Ah, cara. Deixa quieto. Vamos beber.

-Pô, numa boa, cara. A gente acabou de se conhecer. Ainda somos meio estranhos. Pode falar, cara. Numa boa. Não tem nada que você vá dizer que possa me chocar. Já vi de tudo, hehehe.

-Bom… Carlos Alberto. O que eu estava pensando ali, é sobre as coisas que aconteceram comigo na última semana.

-Perdeu a mulher? – Arriscou Carlos Alberto.

-É mais ou menos por aí. -Respondeu Ricardo, tomando uma golada no chopp quente e fazendo uma careta horrível. – Porra esta merda tá um purgante.

-Zé? Zé! Trás mais um aqui pro cara. O dele esquentou!- Gritou Carlos Alberto para o garçom careca nos fundos.

– O que eu vou contar aqui, certamente causará espanto e descrédito. Eu estou acostumado. Nenhum dos meus amigos, nem aqueles amigos de infância com os quais a gente cresce e amadurece junto, acreditaram. Eu não espero que você acredite. Só peço que escute com atenção. – Disse Ricardo.

-Caralho… Fala maluco!- Exclamou Carlos Alberto, já morrendo de curiosidade.

-Deixa eu começar do princípio. Tudo começou quando eu fui transferido por uns dias para Buenos Aires, para preparar a fase de expansão de um novo setor da XS.

Durante a maior parte do tempo em que passei na capital argentina, eu apenas trabalhei feito um cão. Mas um dia, cansado e esgotado de tanto verificar dados, planilhas e preparar memorandos para a nossa sede na Holanda, eu resolvi descansar a cabeça. Saí para dar uma volta.

Era tarde. Andei meio sem destino pelas ruas da cidade. Havia anoitecido rapidamente naquele dia, e uma neblina fria tomou conta de tudo.  Eu caminhei por umas ruas desertas té encontrar um lugar que me pareceu interessante. Lá dentro, num lugar chamado Conventillo, a música estava comendo solta. Eu já estava com fome e resolvi entrar para comer.

Entrei. O local estava cheio de turistas. Era um tipo de restaurante com palco. Tão logo encontrei uma mesa, a luz ambiente escureceu e o palco se iluminou. Os estridentes acordes de um violino soaram na sala. As pessoas fizeram silêncio e eu vi, pela primeira vez na minha vida, um show de tango.

Uma bela mulher morena, que no alto de saltos altos devia medir um metro de oitenta, entrou pela lateral da cochia. Ela estava enfiada num vestido ultra-justo, com uma obscena fenda lateral, que acentuava cada curva de seu corpo perfeito.Na frente do vestido havia um magnífico e ousado decote, pelo qual eu quase podia ver os seios, igualmente perfeitos. Nem muito grandes, nem muito pequenos.

O cabelo dela era preto, amarado com gel preso por trás com um tipo de… Sei lá o nome daquela porra que as mulheres usam para prender os cabelos. Mas tinham umas flores vermelhas. Quase tão vermelhas quanto o batom que coloria a boca dela. O batom formava um maravilhoso contraste com a brancura da pele daquela mulher, acentuada pela luz.  Ela usava jóias brilhantes que reluziam à luz dos holofotes. Ela entrou sozinha, com passos lentos e cadenciados. Parou no centro do palco.

De onde eu estava sentado, podia ver que ela estava com os olhos fechados.

Seu rosto era perfeito. Sua respiração, ofegante.

Eu podia sentir o jorro de adrenalina que corria naquelas veias. Era como um puro sangue pronto para correr.

A musica tocava uma introdução, marcada a piano. E então, fez-se uma pausa. Outro facho de luz iluminou o canto do palco e eu vi entrar um homem. Era um homem de meia idade, não deu para ver o rosto.Me pareceu ter uns cinqüenta anos.

Ele usava um chapéu. Um terno bem cortado com colete. Aquele tipo de roupa era antiquada, mas que naquele ambiente, caía muito bem.

A musica voltou a tocar com força e a mulher abriu os olhos. Os dois se olharam. O homem avançou na direção da mulher que então lhe deu às costas. Ela andou para frente com a languidez de uma pantera. A musica deu uma nova parada e ela se remexeu, balançando o vestido preto e permitindo a todos entrever o par de maravilhosas pernas que aquela mulher possuía.

-Puta que pariu… Era gostosa mesmo?

-Gostosíssima.

-Como quem? Que tipo de mulher?

-Porra ela botava a Angelina Jolie no chinelo. Imagine só a mulher mais bonita que você já viu na sua vida. Então… É ela.

-Cacilda. Continua.

-A mulher fez aquele passo, exibindo as pernas. O homem não se fez de rogado. Ele avançou sobre ela. Agarrou a mão da moça e num giro de corpo, de modo cadenciado ele virou a moça de uma só vez.

Seus rostos quase se tocaram. Estavam a poucos centímetros um do outro. A musica continuava, e ao som dos violinos eles bailaram. O homem conduzia a mulher, em passos lentos, jogando suas pernas entre as pernas dela, avançando devagar. Ela esticava os passos para trás em cadência perfeita. Os dois giraram uma duas, três vezes e pararam subitamente. O homem inclinou a mulher para trás e ela se dobrou de um modo como eu nunca imaginei que fosse possível. As estonteantes pernas delas enganchadas nas pernas dele.

Voltaram a bailar. O homem a segurou por trás. Ela rodopiou para um lado, para o outro, jogou as pernas de um lado, de outro, para frente e para trás. Tudo muito rapidamente. De um modo altamente sensual.

Eles giravam e rodopiavam juntos, jogando as pernas de um modo incrível. Ora para um lado, ora para outro. Sincronia perfeita. Estava claro para mim e para todos naquele lugar que aquilo se tratava de um casal real. Não meros parceiros de dança. O sexo e o desejo exalavam em cada passo. Em cada movimento.

Quando a música finalmente parou, os dois estavam se beijando de modo dramático. A platéia foi ao delírio. As pessoas aplaudiram ferozmente. Os dois tomaram usas posições e agradeceram com um gesto lento.

A luz clareou um pouco mais e então eu vi.

-Viu o que?-Perguntou Carlos Alberto.

-Vi que aquele homem. O homem que dançou tango com aquela mulher maravilhosa…

…Aquele homem era eu.

-Hã? – Quase engasgou Carlos Alberto. – Como assim porra?

-Era eu. Não sei explicar. Nem tão-pouco espero que você entenda. Mas era eu. Eu estava mais velho. Eu tinha ali uns cinqüenta anos. Talvez menos, talvez mais, mas parecia isso. Por aí uns cinqüenta anos.

-Caralho. Agora entendo porque nenhum dos seus amigos acreditou em você…

-E então, eu olhei pra mim.

-Olhou?

-Olhei. Olhei pra mim, lá de cima do palco e sorri. Eu disse alguma coisa pra mim mesmo, mas não consegui entender naquele momento, pois as pessoas aplaudiam vigorosamente e abafaram o ruído.

Foi quando eu senti um movimento vindo de trás de mim. Olhei para trás e uma mulher gritou. Eu custei a entender o que se passava. Só sei que havia um homem, segurando um revólver preto. O homem gritou assim:

“Ricardo, desgraciado!”

E então disparou dois tiros. Foi uma confusão. Eu pulei no chão também. Escondi-me sob a mesa. As pessoas gritavam e houve uma correria. O homem msaiu correndo por entre as mesas do salão. Copos e pratos caíam em profusão. Quando tomei coragem para me erguer, eu vi que o homem que jazia morto naquele palco era mesmo eu.

-Mas… Mas… Tipo… – Carlos Alberto Balbuciava sem entender.

-A mulher morena estava debruçada sobre ele. Segurava seu corpo ensangüentado e chorava. Ela chorava aquele choro de quem perde o sentido de viver. O homem, eu estava morto. A cabeça pendia para trás, enquanto a mulher abraçava e sacudia me pedindo, que dizer, pedindo a ele, para que falasse com ela.

Foi uma das cenas mais tristes que eu vi na minha vida. Literalmente.

Eu não sei explicar como aquilo se deu. Seria alguém parecido comigo? Um sósia?

Eu pensei um monte de coisas. As luzes enfim se acenderam. As pessoas corriam para fora do restaurante e a polícia chegava. Eu corri até a beira do palco. Não falei com ninguém. Apenas me aproximei o suficiente para ver que incontestavelmente, sem nenhuma sombra de dúvida, acredite você ou não, aquele homem morto aos pés da mulher, era eu.

Fiquei perturbado com aquela cena. Saí correndo também do ambiente. Quando dobrei a esquina, vi passar os carros da polícia com as sirenes ligadas.

Corri sem destino por umas vielas, passei em uns becos escuros e cheguei a uma praça. Tudo estava deserto e já era tarde. Ouvi o relógio da igreja bater a meia noite.

Sentei-me num banco da praça e contemplei o céu cheio de nuvens. A luz da lua que aparecia por umas brechas era coberta com o halo azul causado pela neblina. Aquilo tudo não fazia o menor sentido.

Tentei organizar os meus pensamentos. Se realmente eu tivesse visto o meu eu futuro, se aquele dia foi o dia em que eu encontrei o meu eu futuro, eu encontrei a mim mesmo. E se eu me encontrei, e eu morri naquela situação, era para o eu do futuro saber que em algum ponto do passado dele, ele teria se visto morrer, o que implica em conhecer a sua, digo, a minha própria morte. E se eu conhecia a minha própria morte, como e por que estranha razão eu iria me apresentar num show de tango, que eu não sei dançar, para morrer?

-Cara dá pra repetir? Eu acho que estou doidão. – Disse Carlos Alberto.

Encarei os fatos. Eu vou morrer daquele jeito. Com um tiro, num palco de casa noturna de Buenos Aires.

– Calma lá. Vamos dizer que você está certo e que isso, por mais estranho que pareça é real. Se você se viu morrer, sabe disso, logo, pode evitar. Ou melhor, você pode evitar tudo isso e encontrar você mesmo jovem! Preciso de outro Chopp… Zé, o copo furou, porra!

-Mais um pora mim também, seu Zé!

Então, é mais ou menos isso que eu penso. Mas então eu reflito sobre a situação: Se eu sabia que podia impedir, por que escroto motivo eu não o fiz? E por que eu não me encontrei antes?

-Nossa. É mesmo!

-Se eu não impedi, se eu não me encontrei antes é porque eu estava ciente de que isso ia acontecer, de que eu estaria lá. Aliás, eu sabia que eu jovem estava lá, porque eu falei comigo. Só não sei o que…

-Então… Vendo por este ângulo, isso poderia ser um suicídio.

-Ou não. E se realmente o seu eu futuro viajou no tempo aqui para o passado e tentando se comunicar com você ele foi morto? Não dá pra saber ao certo se você foi para o futuro ou se o seu eu veio para o passado.

-Deveras, meu caro Carlos Alberto.

-Mas fala. Isso é mentira né? É só uma ficção, certo?

-Não cara. Eu disse. Ninguém acredita em mim.

-Mas você há de convir que é foda, porra. Olha a história cabulosa que você conta!

-Eu sei. Eu sei. Veja por outro lado. Se eu quisesse enganar alguem eu inventaria algo tão inverossímil?

-Bem… Faz sentido. A menos…

-A menos o que?

-A menos que você saiba que todo mundo pensaria isso e assim inventaria uma coisa sem sentido para dizer que a história é verdade pelo fato de que seria improdutivo contar uma coisa sem sentido como sendo verdade.

-É como eu disse. Ninguém acredita. Nem eu.

Por conta disso, Carlos Alberto, eu passei meses estudando e tentando entender o que realmente aconteceu.

-Estudando? E você chegou a qual conclusão? Que pirou? – Disse Carlos rindo.

-Eu comecei a perceber que ao longo do tempo, milhares de pessoas desaparecem sem deixar vestígios. Que muitos navios e aviões sumiram e nunca mais apareceram depois de entrarem em nuvens e neblinas.

Os casos mais comuns aconteceram no famosos triângulo das Bermudas. Saca?

-Tô ligado. Tô ligado. Continua….Calmaí.  Zé? Traz uma porção de salaminho aqui pra nós? Valeu. Pronto. Vai, fala.

– Eu comecei a pesquisar e fui por aí. Pelos casos de desaparecimento. Eu não sei. É só uma hipótese… Acho que o espaço-tempo amarrotou.

-Amarrotou? Tipo pano?

-É. Tipo pano. Imagina o seguinte: Imagina que o pano aqui da toalha da mesa é o espaço-tempo. – Ricardo começa a dobrar o tecido da mesa.

-Aham. Tô ligado.

-se por alguma razão, que ninguém sabe ainda, esse pano amarrotar. Este palito aqui que estava num confortável quadradinho passa para outro quadradinho. Se ele passar do quadradinho branco para o quadradinho vermelho, o palito que continuou no quadradinho branco vai pensar o que?

-Que o palito sumiu.

-Isso. Agora imagina que o palito branco sai do quadradinho branco, que é o universo conhecido pelo palito do quadradinho branco e ele pula  para o mesmo quadradinho branco, só que em outro ponto da mesa.

-Sei lá. Agora você fodeu com minha cabeça.

-O que vai acontecer é que para o palito, tá tudo igual, porém… Não está. Ele está em outro ponto, outro ponto do tempo, porque o espaço é parte do quadrado. Sacou?

-Então calma aí. Você quer dizer que quadra quadradinho aqui é um universo. É isso?

-É cara. Isso mesmo. E cada universo coexiste em harmonia com os demais, mas quem está num quadradinho não sabe do outro.

-E quantos deles existem?

-Não sei. Infinitos talvez.

-Mas isso quer dizer que… Se o palito estava num quadradinho, todos os quadradinhos podem ter palitos.

-Sim, e em diferentes estágios do desenvolvimento do palito. Tudo ficaria normal se… Sei lá quem não tivesse amarrotado o pano aqui na mesa. É isso que eu acho que aconteceu comigo.E digo mais… Eu penso que com infinitas variações de realidade, o que nós pensamos ser o “aqui e agora” é na verdade nossa consciência percorrendo infinitos quadradinhos, em uma resolução de tempo igualmente infinita.

-Porra, agora eu boiei.

-Pensa no seguinte, Carlos Alberto. Imagina se em cada quadradinho desses, que são uma porrada com pê maiúsculo, infinitos mesmo, existem infinitas variações de possibilidades para este palito. Num ele tá inteiro, no outro ele ta quebrado, no outro ele está torcido… Mas como existem mais chances dele estar inteiro, a consciência do palito percorre apenas uma série de realidades ou quadradinhos paralelos que faz com que o palito acredite que tudo está em perfeita ordem. O palito está em permanente ilusão de que só o quadradinho que ele conhece – E que ele pensa que é único – existe e nada mais. Só que sem ele saber, bilhões, trilhões de quadradinhos por segundo estão passando e sendo atravessados pela consciência dele.

Sacou? Nós somos como palitos. Eu estou falando com você aqui. Em outra realidade paralela eu posso estar em casa, eu posso estar dormindo, eu posso estar viajando eu posso nem existir. Se essas realidades se misturam de algum modo, eu posso pensar que fiquei maluco. Ou mesmo que viajei no tempo.

-Você falou da neblina. Seria isso? Seria alguma reação adversa ao amarrotar do pano da mesa? Quer dizer, o amarotar do… Que nome dou pra essa porra?

-Sei lá. Tem gente que poderia chamar de “Deus”. De “Tudo”. De “sagrado”… Chame do que preferir.

-Caceta. Esse foi o chopp mais bizarro que eu já tomei. Agora me diz uma coisa, você não voltou lá para ver o desfecho?

-Não. Eu tive medo. Eu não sabia o que fazer. Nem como lidar com aquilo. Eu apenas voltei para casa, tomei uns comprimidos e apaguei. Desde então, tenho vivido como um zumbi, pensando nisso o dia todo. Eu só durmo à base de calmantes.

-Cara isso faz mal.

-Eu sei. Eu resolvi que iria tentar mudar isso. Estava pensando nisso quando você falou comigo…

Surgem na porta do bar dois caras. Carlos Alberto levanta o braço pra eles.

-Olha lá. Olha a hora que os viadinhos aparecem.

-Bom, eu não vou tomar mais o seu tempo. Foi um grande prazer falar com você.  Vou deixar a grana aqui, ok? – Disse ele estendendo uma nota de cinqüenta.

-Opa. Não precisa… Deixa que eu pago.

-Não, não. Eu faço questão. Obrigado por me ouvir. Um grande abraço.

Os dois homens se cumprimentam e Ricardo sai.

Chegam Nelsinho e Berê.

-Porra foi mal pelo atraso aí. O pneu do carro do Berê furou, cara. E não tinha estepe, Tiramos naquele dia da festa da Jana, pra colocar e engradado e esquecemos lá no corredor. -Diz Nelsinho.

-Culpa do Nelsinho… É culpa do Nelsinho! – Diz Berê olhando o cardápio.

-Caras, vocês perderam. O meu papo com aquele cara lá… Puta que pariu…

-Puta que pariu? Como assim?

-Porra cara. Um mentiroso mais cascateiro do universo. Tinha que ver a figura. Sem noção. O cara contou a maior cascata da história. Não dá pra barrar. Supremo, foi o caô supremo.

-Conta aí pra gente, pô.

-Ah, cara. Nem sei contar. O maluco é muito cascateiro. O maior Forrest Gump do mundo. Nem aquele maluco lá daquele blog do amigo do Berê inventa uma porra dessa.

-Mas fala mais ou menos, ué.

-Meu, acredita que que ele falou que ele viu a própria morte? Tipo o cara viu o eu futuro dele… Morrendo.

-Ai! Essa doeu.

-Hahahaha. Não fode.

-Isso mesmo. E o pior é que ele explica a parada até ela fazer sentido. Sei lá. O cara é doido.

-Pô cara, onde você descobre essas figuras?

-Sei lá. Ele tava aqui, olhando para o chopp e não tomava o chopp… Um cara estranho. Daí vocês não vinham, eu tava de bobeira e começamos a papear.

Os três amigos ficam rindo na chopperia. Do lado de fora, na rua, Ricardo caminha com passos lentos. Vai andando e pensando na conversa, em tudo que aconteceu até ali. Naquele desconhecido que acreditou em sua história. Será?

Ricardo anda até a esquina quando um papel é estendido pra ele.

Ricardo levanta os olhos e ali, na frente dele está a mulher morena. Ela está vinte anos mais jovem. Tem cerca de dezesseis anos. É alta, magra, esguia. Linda. Seus olhos se cruzam em um flash. Ricardo olha para o papel:

“Curso de Tango Argentino”, ” O legítimo”.

FIM

Este é o conto da promoção “você inventa o título, eu invento a história”. O ganhador foi o Gustavo, que vai abiscoitar o livro do Mundo Gump (assim que sair) e uma camiseta exclusiva. Desculpa só postar agora. Só hoje tive um tempinho para escrever. Espero que tenham gostado.

Artigos relacionados

Comments

comments

85 comentários em “O dia em que encontrei meu eu futuro”

  1. CARAAAAAAALHO!!
    Philipe, vc é o cara!!
    Pqp, q conto foda, velho!!
    Curti a explicação do contínuo espaço-tempo do Ricardo e o desfecho, que foi fantástico!

    Você vai escrever mais contos com os outros títulos sugeridos pela galera, né??

    Abração

  2. Fantástico esse conto! Adoro histórias que envolvem viagem no tempo/universos paralelos e esta foi uma das melhores que já li. Realmente daria um belo curta, pois envolve diálogo e não efeitos. NERD até o OSSO!! rsrsrs…Coloquei um conto lá no OKTOPODI também, se chama CONVITE. Passa lá depois pra dar uma lida. Abraço!

  3. esse conto me fez lembrar uma história que eu li esses dias num blog aí, sobre um cara que disse que hipnotizou o amigo dele…

    hehe, zuera tah, mto doido esse conto, eu gosto dos detalhes que tu põe na historia, nos faz mergulhar num filme, mto bom msm, parabens!

    ahh, tem previsão do livro?

  4. PQP(3)!!! Nem sei o que falar Philipe- fantástico!
    É um típico episódio do “Além da imaginação” (que eu tanto amava), já imaginei o cara no bar, tendo um Flashback de uma experiência que ainda está para acontecer em 20 anos… Concordo com o que o Júnior disse aí em cima, os detalhes prendem a atenção como em um filme- muito bom.
    “Nem aquele maluco lá daquele blog do amigo do Berê inventa uma porra dessa” eheheh…

  5. Cara tô sem palavras realmente. Realmente mesmo. ._.

    E quando seu livro sair tenta “exportar” ele aqui pra Pernambuco que eu vou comprar, com certeza!

  6. Uma mistura de Os 12 macacos, Lost e De volta para o futuro, entre outros ai.
    Mas ficou bem interessante!
    Sinto estar mal informado, mass… Seu livro vai ser sobre o que? Histórias que nem as daqui do blog?

    • Sim, serão as histórias, aventuras (algumas inéditas) aqui do blog mesmo.
      A idéia do livro é que muita gente não tem saco para ler no computador. Aí é mais jogo ler com o mesmo nas mãos. Também serve para dar de presente e coisa e tal.

      • Bem legal então! Já li todas as suas histórias aqui no blog. Aliás, encontrei ele quando pesquisava sobre isso. Porque o que acontece é o seguinte: Também tenho histórias incríveis sobre minha vida que sempre que eu conto para meus amigos, a maioria nem acredita por achar incrível de mais! Alguns até falam “Parece coisa do Forrest Gump”.
        Pesquisando então sobre histórias, achei o seu blog e dai lendo as, percebi que você também viveu coisas incríveis! Aliás, acho que todos no mundo já devem ter vivido. Aquela coisa de que todos tem algo incrível para contar!
        Entretanto, o que acho que nós teriamos de diferente em comparação aos outros pelo que eu percebi é a boa memória! Porém, no meu caso, lembro de muitas situações sejam interessantes como banais, mas só coisas muito antigas de quando eu era pequeno. Coisas atuais, dificilmente lembro. Como o que comi hoje no almoço hahahaha 🙂

  7. Cara,tô começando a me convencer de que o Kling,usa seus poderes de hipnose e macumbas gerais pra nos envolver a não sair nunca mais desse blog! hahah
    Mais uma mto boa PARABÉNS Philipe! ;]

    • O problema do livro se chama: Correção. Eu escrevo cheio de erros. tento escrever rápido e como letras, uma merda. Depois é selecionar o volume de material que vai entrar no livro. A primeira seleção previa deu um livro de 1500 paginas!
      Depois tem a questão dos posts inéditos, que tem que ter. Aí por fim entra a questão financeira, grafica, logística, lançamento, etc. Considerando que eu tenho que manter este blog vivo, mais um outro aí que eu estou fazendo, mais o trabalho no maglev e outros serviços diversos da minha empresa… É bem enrolado de dar conta de tudo.

  8. Mas tipo Philipe sobre seu livro quanto vc acha que custará? E como disse você vai disponibilizar por editoras? Seria bom por que chega aqui em Pernambuco facinho.

    • O contrato social da minha empresa me permite publicar livros. Eu devo fazer um contrato com uma distribuidora de âmbito nacional para colocar o livro no mercado. Mas tudo depende de grana, então… É difícil mensurar valor a esta altura.

  9. Esse blog já foi melhor.
    Parece que ele não é mais a menina dos olhos do Philipe.

    Parece que está meio largado.
    Não tem 1.000.000 de posts diários como tinha antigamente.

    Não tem mais assuntos inéditos (que poucos sites tinham). Tudo o que leio aqui, eu já vi antes no G1 (Planeta Bizarro) ou no 2Leep.

    Não tem mais o famoso passo-a-passo dos bonequinhos do Philipe.

    Dei um tempo na visitação e agora que eu voltei só os contos são novidade…

    Triste.

      • Você não devia ficar nervoso por causa de um comentário que seu blog estava meio fraco…

        Se é para nós que você escreve, acredito que nossa opnião deva contar. Correto?
        Ou você escreve para você mesmo e nós que somos xeretas?

        Do contrário, por que você fez uma pesquisa (que eu fiz muito gosto em responder) para saber o que devia mudar no blog?

        Só elogios são bem aceitos?

        Se somos (sou) fãs (fã) do site e achamos (achei) que ele deu uma caída, qual o mal em pronunciar isso?

        Se o difícil é mesmo ser você, bom, aí eu não sei.
        Meu comentário foi sobre o blog e não se sua vida era um inferno ou não.

        Mas vamos parar com isso pq está parecendo novela.

        Abs!

        • Acho que você me interpretou mal, cara.
          Eu não fiquei bravo não, meu. Todo mundo tem direito a uma opinião.
          O engraçado foi você reclamar que o blog tem pouco post no dia que bati o recorde de postagens.
          Minha vida não é um inferno. Ela é -pelo contrário- muito boa. Mas o excesso de atividades eventualmente atrapalha manter o blog com as metas de qualidade que eu mesmo resolvi adotar. Inclusive, se olhar uns três ou quatro posts atrás, eu falo justamente sobre isso.
          Sobre escrever para os leitores ou pra mim, é uma boa pergunta.
          Eu acho que escrevo em parte para mim, mas em parte para o leitor. Não considero os leitores xeretas, se considerasse, eu cagaria para a opinião alheia e nem mesmo perderia tempo respondendo comentários, como boa parte dos blogs com mais de 3 anos costumam fazer.
          No geral, eu considero que o leitor é como um amigo. A gente eventualmente se zoa. Eu sou zoado pra caramba aqui.
          Eventualmente os amigos sugerem posts, dão toques e comentam o que gostam e o que não gostam.

  10. muito maneira a sua história…
    mas ela me faz lembrar um filme do jet li, em que ele enfrenta ele mesmo… só nao lembro o raio do nome do filme…

    parabens!

  11. Vangelis- o nome do filme é “O confronto”, ou “The One”: É sobre um cara (o Jet Li) que viaja pelas dimensões assassinando seus “EUs” alternativos, com o objetivo de se tornar o único, mas com poderes de uma divindade. Justamente quando vem para nossa dimensão é que ele encontra a sua versão mais foderosa. Daí em diante é só porradaria (uma pena pq a idéia do filme é boa).

  12. [email protected] que pariu… Pense num cara que escreve bem pacas… Parabéns, figura. Muito bom este conto. Um cidadão reclamou anteriormente sobre o excesso de detalhes, tudo bem que demora pro protagonista contar o que realmente lhe afligia, mas os detalhes é que prendem a atenção e transformam o conto numa história mais verossímil. No papel, isso é fantástico. No computador algumas pessoas acham meio xarope muita escrita, questão de gosto ou adaptação, sei lá. O fato é que pequenos contos como este criam um grande livro. Um grande abraço e que nunca lhe falte essa criatividade.

  13. velho, esse negócio de pano de mesa amarrotado faz sentido até. se não fosse pelo fato de que, se o tal “pano” fosse amarrotado não seria só um palito que sairia do lugar, né. mas, eu geralmente teria preguiça de ler isso tudo. só q nem deu pra parar ao meio. ficou realmente bom ;D

  14. Philipe, entrei no seu blog por intermédio do twitter do Dark_Jedi_Roms… e qdo li esse conto achei fodástico!!! Cara, vc tá de parabéns!!! Não tenho o hábito de ler blogs e tals, mas o seu já está add no meu “Favoritos”! Mais uma vez, parabéns!!! T+! Tô indo ler os outros… ;D

  15. Muito bom, adorei, sinceramente, a historia me tocou muito, e veio na minha imaginação a mulher, o homem, a cara que ele fez, muito linda a história!

  16. Caralho, tu ta parecendo eu com 11 anos (tenho 14 e 1/2 hoje), eu fazia muita historia doida ( e eram boas, mas eu fiz o favor de perder na mudança).
    O teu blog eh fodástico, achei no google pesquisando sei lá oq, e gostei pra caramba, akabei de favoritar.

  17. Oiii passando por aki pra dzr q tô adorando tuas histórias. Sou “nova por aki” e encontrei o blog por acaso procurando por algo na net… A primeira história q li foi “O dia em que encontrei meu eu futuro”, nossah, me apaixonei
    (pelo blog!) na hr, adoro historias/contos assim. Agr sou leitora assidua e este é meu primeiro, de muitos comentarios – rs. Enfim com certeza vc está de parabéns… Bjuh bye 🙂

    • OI Liah, fico feliz que goste. O blog se divide em: Posts de esculturas de bonecos, posts de histórias reais – ainda que nem eu acredite totalmente- da minha vida e contos. Além disso tem coisas estranhas, animais extraordinários, curiosidades do mundo todo. Tem mais de 3000 posts.

  18. Opa….delirei com o conto…como uma legítima fã de Fringe, física quantica, e outros mistérios…esse conto me cativou…escreve um livro maluco…vai fazer muito sucesso!!! Vc tem ritmo e ótima escrita!!! parabéns…

  19. Muito bom mesmo! Mas segundo já li sobre teorias sobre viagem no tempo explicadas por cientistas renomados, se vc encontrar o seu “eu” no passado e tocar em você, ambos explodiriam numa reação semelhante a de uma bomba atômica.

  20. uau você tem muinta noção do que e uma viagem no tempo uau ate fiquei com frio na barriga você me fez lembra tempo de sonhos, ideias ,e curiosidade me fez adora a leitura muinto tempo que não lia algo verdadeiro e bem sonhador ^^ to ate agora maravilhado com os detalhes ^^ proximo da realidade muinto proximo

  21. Quando ele se perguntou o pq do outro eu ir de encontro ao destino mesmo sabendo o que iria acontecer eu já sabia que era por conta da morena hhahahahahah

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.