O barco fantasma – desaparecimentos

Ainda é um mistério o paradeiro dos tripulantes que desapareceram deliberadamente de um iate caríssimo, que foi encontrado na costa da Austrália.
Veja a notícia:

Guarda costeira encontra ‘iate fantasma’ na Austrália

Foto de: AP
%name O barco fantasma   desaparecimentos
Motor estava ligado, a mesa posta, mas não havia ninguém a bordo

Serviços de emergência na Austrália iniciaram uma operação de busca por três tripulantes de um iate encontrado abandonado na costa de North Queensland.

O motor do barco estava ligado, a mesa posta para o jantar, mas não havia ninguém a bordo.

A operação de busca por mar e ar deve refazer a viagem do iate e definir a área de investigação.

A polícia acredita que o barco partiu com os três tripulantes de Airlie Beach com destino a Townsville no domingo.

O catamarã de 12 metros foi visto de um helicóptero da guarda costeira na quarta-feira, mas uma equipe de resgate só chegou ao barco na sexta-feira, e confirmou que não havia ninguém na embarcação.

Equipes de resgate dizem que estão intrigadas com o desaparecimento misterioso da tripulação.

‘Motor ligado’

Todas as velas do barco estavam içadas, embora uma estava muito rasgada, e os coletes salva-vidas ainda estavam na embarcação.

Equipes de resgate recuperaram o aparelho do sistema de posicionamento global (GPS, em inglês) do barco, que pode dar a eles mais indicações do paradeiro da tripulação.

Doze aeronaves buscam o barco que, de acordo com o correspondente da BBC em Sydney, Nick Bryant, já está sendo chamado de “o iate fantasma”.

 

Fonte: BBC Brasil

Estranho, né? A comida posta… Os coletes salva-vidas nos seus lugares, o motor ligado… E ninguém a bordo. O que poderia ter acontecido?
É muito improvável que todos os tripulantes tenham caído no mar. Não é a primeira vez que pessoas somem sem absoluutamente nenhuma explicação assim. Vamos ver alguns casos de desaparecimento que nem mesmo os pesquisadores da Scotland Yard souberam encontrar.

A vila que desapareceu

Um dos mais bizarros e inexplicáveis desaparecimentos de seres humanos se deu nas margens do lago Anjikuni, no ano de 1930. Uma vila inteira desapareceu sem deixar vestígios. Até hoje pesquisadores autônomos e oficiais vasculham a região em busca de pistas dos desaparecidos, sem sucesso. As autoridades canadenses ainda estão com o caso em aberto aguardando qualquer informação que ajude a esclarecer o fato.
É como se a tribo jamais houvesse existido.
O mistério da tribo que sumiu começa em novembro de 1930, quando um caçador de peles valiosas de nome Joe Labell entrou, caminhando pela neve, na familiar vila de barracas que costumava passar. Para espanto de Joe, a vila estava vazia. Completamente deserta.
Exatamente em duas semanas antes, o próprio Joe Labelle esteve na vila, e ela estava como de costume. Um assentamento de índios, uma vila cheia de vida com crianças correndo e fazendo algazarra. Velhas carregando roupas e homens carregando madeira e conversando nos alpendres.

Mas agora aquela vila estava vazia. Era um silêncio sobrenatural, onde nem os animais eram ouvidos. Apenas o ruído do vento e das janelas de madeira que eventualmente batiam.
Sem encontrar ninguém para recepcioná-lo como de costume, Joe começou a procurar pelo povo. Ele correu até o lago e viu que os caiaques dos esquimós ainda estavam nos sues lugares. Intactos.
As casas estavam abertas como de costume e no interior delas os tapetes, rifles e mantimentos estavam guardados. “Os esquimós não saem para caçar todos ao mesmo tempo”, pensou Labelle. Ainda mais sem os rifles.
Lbelle vviu que nas fogueiras do acampamento, a essa altura apagadas, os potes de carne de caribus – um tipo de cervo do Canadá – estavam congeladas em seus lugares.
Tudo estava em perfeita ordem e não havia sinais de incêndio, enchente ou vendaval que espantasse os esquimós. Tudo estava no lugar certo, com exceção das pessoas. Era como se a comunidade inteira de duas mil pessoas tivesse deixado subitamente as suas casas no meio de um dia normal.
Labelle começou a ficar intrigado com aquilo tudo. Ele correu para as cercanias da vila e viu que não havia nenhum rastro de que os moradores tivessem passado por ali. Caçador experiente que era Labelle sabia seguir trilhas e rastrear pegadas na neve. Mas as únicas pegadas eram as dele próprio.
Labelle foi tomado por um estranho e mórbido sentimento. (também conhecido como “cagaço supremo”) O caçador saiu dali direto para o escritório telegráfico do distrito mais próximo e alertou a polícia montada do Canadá.
Os soldados ficaram atônitos. Eles nunca tinham ouvido história parecida.
Uma expedição foi imediatamente organizada a fim de investigar a vila, sendo também empreendida uma busca ao longo das margens do lago Anjikuni.
Não foi possível localizar a tribo perdida e a expedição só serviu para agravar o mistério. Ao chegar no acampamento deserto, os mounties canadenses encontraram duas gélidas provas que insinuavam definitivamente a possibilidade de que houvesse ocorrido um evento sobrenatural. Em primeiro lugar, descobriram que os esquimós não levaram os seus trenós puxados por cachorros. Além disso, as carcaças dos huskies foram encontradas cobertas de neve acumulada pelo vento nas cercanias do acampamento. Eles morreram de inanição. Em segundo lugar, e em alguns aspectos o mais inacreditável, foi a descoberta de que as sepulturas dos ancestrais da tribo haviam sido profanadas e os restos mortais, removidos.
Ou seja apenas os humanos, incluindo os mortos foram retirados da tribo. Por quem e por quê, ninguém sabe.
Esses dois fatos deixaram as autoridades perplexas. Os esquimós não poderiam de maneira alguma ter viajado sem um dos seus meios de transporte típicos, os trenós ou os caiaques. E jamais deixariam seus fiéis servos caninos morrerem de uma forma tão lenta e dolorosa. Ainda assim, eles partiram, e os cachorros foram deixados ?
O segundo enigma, as sepulturas abertas, era o bastante para os etnólogos familiarizados com o comportamento da tribo, uma vez que a profanação de tumbas era desconhecida entre os esquimós. Além disso, o solo estava tão congelado que parecia petrificado e seria impossível escavá-lo. Como afirmou um oficial mounty na ocasião: “Esse acontecimento é, de um modo geral, fisicamente improvável.”
Mais de meio século depois, esse veredito ainda é verdadeiro.

Os homens do farol

Três guardas ingleses responsáveis por manter aceso o farol da ilha de Flannan, sumiram sem deixar vestígios.
Os homens se revezavam a cada 14 dias no farol. Uma equipe de 4 saía e outra chegava por navio.
A ilha é minúscula e está no meio do oceano. Não há terra nas proximidades nem onde se esconder. Além disso o acesso à ilha é dificílimo em função das rochas e encostas pontiagudas.
Como três homens desaparecem da única construção nesta ilha distante? As roupas estavam em seus lugares, os pratos e a mesa postos.

Em 7 dezembro, 1900, James Ducat, o zelador do farol chegou na ilha para recomeçar seu trabalho. Seu primeiro assistente, William Ross, tinha passado mal e um homem local, Donald Macarthur, acabou assumindo seu lugar. Macarthur era um zelador ocasional, que trabalhava lá somente quando os membros regulares do grupo tinham algum problema. Thomas Marshall, o segundo assistente completava o trio.

Na embarcação que os levava para a ilha, estava também Robert Muirhead, o superintendente dos faróis. As inspeções rotineiras eram uma parte de seu cargo e Muirhead costava de manter um controle rígido dos homens sob sua supervisão. O superintendente ficou algum tempo no farol, verificando que tudo estava em perfeita ordem. Teve uma discussão breve com o zelador principal a respeito das melhorias na monitoração do farol. Ele então encerrou o relatório de campo. Cumprimentou cada homem e partiu. O superintendente foi a última pessoa que os viu.

Durante a semana seguinte, como era a prática padrão, o farol foi mantido sob a observação periódica da terra. Um telescópio era apontado da costa para a ilha de Flannan em intervalos regulares. Em caso da emergência, os zeladores do farol poderiam içar uma bandeira apropriada e o auxílio seria imediatamente enviado a eles via barrco. Durante os dias que se seguiram, o farol foi obscurecido frequentemente pela névoa. Era este problema que o superintendente e Muirhead tentaram resolver na última visita dele ao farol em 7 dezembro.

Durante as duas semanas depois, uma névoa pesada envolveu o farol. O farol não seria visível outra vez da base da marinha na costa até o dia 29 dezembro. Em geral quando acontecia isso era mais fácil ver de noite, porque a luz do farol auxiliava. A lâmpada estava visível no 7 dezembro, mas foi obscurecida pelo mau tempo nas seguintes quatro noites. Ela foi vista outra vez no 12 dezembro. Após aquele dia, não se viu mais nada.

No 15 dezembro, o navio SS Archtor estava na vizinhança do farol. Perto da meia-noite, o capitão Holman olhou para fora da plataforma do steamer, esperando travar um flash que fosse da luz do farol da ilha de Flannan, como era usual. Holman estava próximo bastante ao farol e dispunha de tempo suficientemente para certificar-se de vê-lo. Mas nenhuma luz era visível. A embarcação de auxílio de Breasclete não conseguiu chegar ao farol em 21 dezembro. O mau tempo impediu que o navio se aproximasse dos penhascos de rocha. As ondas e o vento estavam muito fortes. Isso impediu a chegada da equipe de resgate ao faro até cinco dias depois.

Como era de praxe protocolar, o grupo de funcionários do farol deveria recepcionar o navio em um pequeno bote para ajudar aos homens que os substituiriam. Uma bandeira era erguida para mostrar ao grupo do encarregado que os homens do farol davam as boas-vindas aos seus substitutos. Isso acontecia costumeiramente, mas naquele dia não havia homens, nem bote, muito menos a bandeira. O capitão Harvie, no barco Hesperus, deu ordens para soar a sirene. Mas não havia nenhuma resposta.
Sem resposta eles viram que teriam que entrar na ilha sem ajuda. Isso tornou muito mais difícil o trabalho deles, pois era uma área de maré agitada.

Os homens escalaram uma parte da rocha até chegar na corda que era usada para auxiliar na subida pela encosta da ilha. Os homens se arriscaram e chegaram ao farol.

A porta exterior do farol estava trancada. Por sorte, Moore tinha consigo uma cópia do jogo de chaves. Ele destravou o edifício entrou. O lugar estava deserto. Não havia nenhum sinal do Ducat, do Marshall ou do Macarthur. O relógio na parede interna tinha parado. Não havia nenhum fogo na lareira e todas as camas estavam vazias e arrumadinhas. Uma refeição tinha sido preparada mas, mas estava sob a mesa, intacta.

Moore apressou-se correu de volta até a área de desembarque. Ofegante, explicou a McCormack que o grupo havia sumido no ar como mágica. O segundo ajudante juntou-se a eles em terra e juntos os dois homens montaram uma busca completa na ilha do farol. Nem sinal dos homens. Tinham desaparecido.
Moore e McCormack voltaram ao barco e deram ao capitão Harvie a má notícia. Este, instruiu o terceiro assistente retornar ao farol com os três outros, para que tomassem conta da manutenção provisória do farol antes que acontecesse alguma tragédia.
Enquanto isso, o Hesperus retornaria a Breasclete para informar as autoridades o ocorrido.

Um telegrama foi emitido por Harvie à secretária dos comissários do norte do farol mais tarde que o mesmo dia, informando o desaparecimento dos funcionários.
Na ilha Flannan, Joseph Moore e seu parceiro fizeram uma busca ainda mais rigorosa pelo farol e um retrato dos eventos começou logo a emergir. Ao que puderam observar, tudo correu bem no farol até a tarde de 15 de dezembro. O diário de bordo do faroleiro era fundamental para a investigação. O diário estava intacto, com dados detalhadas dos procedimentos e relatórios de cada dia até o dia 13. O chefe da zeladoria do farol havia também esboçado parte do relatório dos dias 14 e 15 em uma folha solta. Pelos registros, houve uma tempestade no dia 14, mas que na manhã seguinte já havia perdido a força. Não havia nenhuma indicação de nenhum problema adicional.
Até hoje inúmeras teorias de ondas gigantes a loucura suicida coletiva e monstros marinhos são as possibilidades para justificar o misterioso desaparecimento.

Desaparecimentos em Bennington.

Entre 1920 e 1950, Bennington, Vermont foi o local de vários desaparecimentos completamente inexplicáveis. os seguintes são alguns exemplos dests desaparecimentos misteriosos até hoje não resolvidos:

Em 1o. de dezembro de 1949, Mr. Tetford desapareceu de um onibus cheio. Tetford estava indo para casa em Bennington de uma viagem a St. Albans, Vermont.

Tetford, um ex-soldado que vivia na Casa do Soldado em Bennington, estava sentado no onibus com outros quatorze passageiros.
Todos eles tesetmunharam o ter visto Mr. Tetford dormindo em seu assento. Mas quando
o ônibus chegou ao seu destino, Tetford tinha desaparecido, embora seus pertences estivessem ainda no bagageiro e e uma tabela de ônibus estivese aberta no assento vazio.
O estranho senhor Tetford nunca voltou ou foi encontrado.

Em 1o. de dezembro de 1946, uma estudante de dezoito anos chamada Paula Welden desapareceu enquanto caminhava. Welden estava caminhando ao longo de Long Trail para Glastenbury Mountain. Ela foi vista por um casal de meia idade que vinha a umas 100 jardas atrás dela. Eles a perderam de vista quando ela seguiu a trilha ao redor de uma área rochosa, mas quando eles finalmente passaram por lá, ela não estava em lugar algum que pudesse ser vista. Nunca mais se soube dela.

O menino da fazenda
Em meados de 1950, um menino de 8 anos, Paul Jepson, desapareceu de uma fazenda. A mãe dele, que ganhava a vida como cuidadora de animais, deixou seu pequeno filho brincando alegremente perto do chiqueiro enquanto ela cuidava dos animais. Um pouco tempo depois, ela voltou e ele havia desaparecido. Uma extensa busca na área foi infrutífera.

O doente desaparecido
Owen Parfitt tinha sido paralisado por um derrame maciço. Em junho de 1763 em Shepton Mallet, Inglaterra, Parfitt sentou-se do lado de fora da casa de sua irmã, como era seu hábito nas tardes quentes. Vitualmente incapaz de se mover, o homem de 60 anos
ficava sentado quieto e em seu casaco dobrado. Através da estrada tinha uma fazenda onde os trabalhadores estavam terminando as tarefas diárias em cortar o feno. Por volta das 7 p.m., a irmã de Parfitt, Susannah, veio lá fora com um vizinho para lhe ajudar a trazer Parfitt para dentro de casa, porque uma tempestade se aproximava. Ao chegarem lá, e ele não foi encontrado.
Somente o casaco dobrado estava onde ele estivera sentado como se para mostrar que ele havia estado lá. As investigações deste caso continuaram até 1933 mas nenhuma pista ou traço do destino dele foi descoberto.

O Diplomata Desaparecido
O diplomata britânico Benjamin Bathurst desapareceu no ar em 1809. Bathurst estava voltando de Hamburgo com um companheiro depois de uma missão na corte austríaca. No caminho, eles pararam para jantar em um restaurante na cidade de Perelberg. Depois de acabarem a refeição, eles voltaram a sua carruagem com cavalos. O
companheiro de Bathurst viu quando o diplomata parou na frente da carruagem para examinar os cavalos e implesmente desapareceu sem deixar vestígios.

Um túnel para o além
Em1975, um homem chamado Jackson Wright estava dirigindo
com sua esposa de New Jersey para a cidade de New York. Isto exigia que eles passasem pelo Lincoln Tunnel. Segundo Wright, que estava dirigindo, uma vez já dentro do túnel, ele freou o carro para fazer os limpadores de para brisas limparem a condensação. Sua esposa Martha voluntariamente limpou a janela de trás para que pudessem mais prontamente continuar a
viagem. Quando Wright olhou ao redor, sua esposa tinha desaparecido.
Ele nem viu ou ouviu algo incomum e uma investigação subsequente nenhuma evidência pode encontrar . Martha Wright tinha desaparecido e nunca mais foi vista novamente.

Nuvem misteriosa rapta um batalhão.
Três soldados afirmaram terem testemunhado o bizarro desaparecimento de um batalhão inteiro em 1915.
Eles finalmente contaram a estranha história 50 anos depois da infame campanha de Gallipoli da primeira guerra mundial. Os três membros de uma companhia de campo neo zelandesa disseram que observavam com clara vantagem quando um batalhão do Regimento Real de Norfolk marchava colina acima em Suvla Bay, Turquia. A montanha estava envolta em uma nuvem baixa para a qual marchavam diretamente e sem hesitação os soldados.
Eles nunca sairam de lá. Depois do último membro do batalhão ter entrado na nuvem, ela vagarosamente se elevou até as outras nuvens no céu.
Quando a guerra estava terminada, pensando que o batalhão havia sido capturado ou feito prisioneiro, o governo britânico exigiu que a Turquia os devolvese. Os turcos contudo insitiam que nunca haviam capturado ou feito contato com estes soldados ingleses.
Foi um ataque que nunca existiu!

A lenda de David Lang
Este caso famoso alegadamente aconteceu em 1880 em uma fazenda perto de Gallatin, Tennessee a vista de várias testemunhas. As duas crianças de Lang, George e Sarah, estavam
brincando no pátio da frente da casa da família. Seus pais, David e Emma, vieram a porta da frente, e David se dirigiu a um pasto na direção de seus cavalos. Naquele tempo, um carro que levava um amigo da família, o juiz August Peck, estava se aproximando. David se virou para voltar para casa, viu o carro e acenou para o juiz enquanto andava atravessando o campo. Uns poucos segundos depois, David Lang – na frente de sua esposa, das crianças e do juiz, desapareceu subitamente. Emma gritou e todas as testemunhas correram para o lugar onde David estva, pensando que talvez ele houvesse caido em um buraco de algum tipo. Não havia
nenhum buraco. Uma busca completa realizada pela família, amigos e vizinhos nada revelou. Uns poucos meses depois do desaparecimento inexplicável, as crianças Lang perceberam que a grama no lugar onde o pai delas tinha desaparecido tinha ficado amarela e em um círculo que
media uns 15 pés de diâmetro. Uma das crianças gritou e todos eles ficaram chocados ao ouvir que ele respondia a elas. A voz de David foi claramente ouvida por várias horas antes que se apagasse para sempre. A familia erigiu um memorial no lugar onde David Lang tinha sido visto pela última vez.

Os desaparecimentos de Stonehenge
As misteriosas pedras em pé de Stonehenge na Inglaterra foram o local de um surpreendente
desaparecimento em agosto de 1971 que tem recebido pouca, se alguma, publicidade. Neste tempo Stonehenge não estava protegida do público, e nesta noite em particular, um grupo de ”hippies” decidiu armar tendas no centro do círculo e passar a noite. Segundo os últimos relatos. o grupo de ”hippies” fez uma fogueira, sentou ao redor para fumar e cantar. Seu acampamento foi abruptamente interrompido por volta das 2 a.m. por uma severa tempestade com trovões que rapidamente sopravam sobre Salisbury Plain. Relâmpagos brilhantes atingiram a área, suas
árvores, e até mesmo as próprias pedras em pé. Duas testemunhas do evento, um fazendeiro e um policial, disseram que quando os poderosos raios de relâmpago atingiram as pedras do antigo monumento, as pedras se iluminaram com uma esquisita luz azul que era tão intensa que eles
tinham que desviar os olhos, embora estivessem a uma boa distância do círculo de pedra. As duas testemunhas mais tarde relataram que logo depois do ataque dos relâmpagos eles ouviram gritos dos acampados.
Imediatamente, as duas testemunhas correram ao local para prestar assistência aos feridos. Mas não encontraram ninguém ferido ou mesmo mortos. De fato, não encontraram ninguém no acampamento que tivera um bom número de indivíduos. Tudo o que restava dentro do círculo eram as váris tendas e os restos da fogueira. Os hippies tinham sumido sem deixar um só traço e nunca foram vistos novamente.

Brasão e o cigarro
O meu pai tinha um amigo em Juiz de Fora cujo apelido era “Brasão”.
Brasão era muito amigo do meu pai, e eles costumavam tomar umas cervejas juntos e tal.
Um dia, quando era aniversário da filha dele, o Brasão saiu pra comprar cigarro. Não voltou até hoje.
O lado estranho da história do Brasão, pelo menos pra mim e pro meu pai é que eles eram muito amigos e o Brasão teria confessado ao meu pai se tivesse outra família. Meu pai por sua vez teria percebido alguma coisa se o Brasão estivesse passando por alguma dificuldade de dívidas e coisas assim. Mas nada. O cara estava num bom momento com a esposa, e o dia do aniversário da filha não é o típico dia para um homem covarde fugir assim, certo?
Inicialmente pensou-se que o Brasão havia sido confundido com algum guerrilheiro ou infiltrado comunista e os caras do DOPS pegaram ele e mataram. Até hoje esta é ainda a melhor hipótese, mas segundo o que contam essa possibilidade começou a se mostrar meio duvidosa.

O cara aparentemente nem chegou até a padaria, em baixo da casa deles. Sumiu no ar.
A mulher passou um enorme aperto, porque ela não trabalhava e com o desaparecimento do marido, ficou caracterizado abandono de emprego e de lar. Ela sabia que algo havia acontecido. Passou difculdades para se sustentar. Nem a polícia nem ninguém conseguiu descobrir o que houve com o Brasão. Ele nunca mais voltou.

Casos de desaparecimento são muito mais comuns do que se imagina.
Agora vou parar este post e vou ali comprar cigarro… Já volto.

 

Comments

comments

14 comentários em “O barco fantasma – desaparecimentos”

  1. Nuvem misteriosa rapta um batalhão. Esse foi descoberto, os próprios turcos cercaram o batalhão e foram todos mortos, foram encontrados acho que 50 anos depois os corpos.. Abraços

  2. Axton, cê tem algum site que eu possa linkar para fazer a correção referente a este caso lá?
    Valeu a força aí. È sempre bom esclarecer este tipo de ocorrência, para que apenas as realmente inexplicáveis mereçam o destaque.
    Valeu.

  3. Kling, o desaparecimento da vila, até hoje é ainda o mais inexplicável, e vc omitiu, talvez sem querer alguns detalhes…

    Os cães se mataram antes de morrer, devido a fome, e uma das hipóteses, na época levantadas para o sumisso da vila seria a fome. Inclusive a profanação dos túmulos serem um trabalho dos cães.
    A resposta foi que os esquimós, daquela região, soltariam os cachorros, para não ve-los se materem como foi feito, pois estavam eles todos presos à suas coleiras, e nenhum foi solto, ou conseguiu se soltar. Mais um detalhe, foi que o alimento dado aos cachorros, estava devidamente separado e pronto em diversas casas, mas nenhum foi entregue!
    Quanto ao farol, já é quase comprovado, que eles em um momento de calmaria, saíram do farol para aproveitar os segundos que tinham de Sol… e foram pegos por uma onda! Pois já experimentavam, os sintomas da confinaçam, algo que tentam simular no BBB!

  4. O da Vila é foda mesmo…
    Acho difícil os cães profanarem os túmulos estando amarrados. E em seguida, depois de comerem todos os ossos, lutarem uns com os outros até morrerem de fome.
    Pelos relatos sobre o caso, não havia nenhum sinal dos defuntos. A menos que os cães fossem mágicos, eu duvido muito que eles tenham participação nisso.

    O caso do farol é também bastante estranho. Imagino que se eles tivessem visto o sol e resolvessem pegar um bronze do lado de fora do farol naquele lugar que é sempre coberto de névoa num frio do cacete, iriam fazer isso depois de tomar o café. Quando o desaparecimento foi descoberto, as pessoas que entraram lá notaram que além do relógio estar parado, havia uma refeição preparada e não comida.
    Os sintomas da confinação não coincidem com os descritos. Não havia se passado tempo suficiente para gerar uma crise psicótica nos homens do farol. Temos que lembrar que ao contrário do Big Brother, os homens eram profissionais daquele tipo de serviço, e estavam habituados ao trabalho que faziam havia muitos anos.
    A história é estranha e eu acho que é muito forçada esta idéia de que eles foram todos capturados por uma onda-gigante-surpresa, mas até agora é o melhor que temos, embora nestes anos todos desde o incidente, até hoje não houve nenhum relato de ondulação similar capaz de varrer a superfície da ilha Fannan e puxar pessoas para o Atlântico.
    Na minha opinião, uma coisa altamente curiosa neste caso é o relógio. Uma vez que o zelador anota tudo no diário do farol, não havia menção ao relógio ter parado, suponho que este fato esteja íntimamente ligado ao desaparecimento. Não posso ser leviano de dizer que eles foram abduzidos, mas isso é uma possibilidade tão forte quanto a da onda tresloucada-úica-na-natureza que pegou três melucos que estavam tomando banho de sol naquele lugar que só faz sol umas duas vezes no ano.
    Em vários caosso de abdução, o cidadão abduzido não se recorda do que passou. MAs ele acaba percebendo que entre sua última lembrança e sua situação atual existem varias horas (tempo variável) que não sabe dizer o que aconteceu.
    Chamamos isso de missing time. Também acontece com pacientes anestesiados.
    Existe mais de uma centena de casos em que os relógios ficam parados na hora em que a pessoa foi abduzida. Sejam eles os relógios das vítimas ou relógios de parece e de veículos, os relógios muitas vezes param sem razão aparente.
    Mas isso não quer dizer que seja um caso de abduções. Embora muita coisa seja, nem tudo que é estranho é culpa de Ets.

  5. Esse batalhão foi capturado pelos turcos e todos foram executados e enterrados namontanha mesmo.
    Veja no YOUTUBE: Dificil de Creer 1 Parte 3

  6. O caso do Davi Lang foi desvendado, na verdade foi uma mentira inevntada por um cara de uma revista, uma coisa assim, lembro que fiquei desapontada, pessoas inventam essas coisas, não sabemos em quem acreditar.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.