• http://www.hugedomains.com/domain_profile.cfm?d=planeta3d&e=com Renato

    Sem comentários, seu pai é genial!
    Vamos divulgar amplamente.
    Além de todas as vantagens propostas tem o lance do preço que sairia praticamente a metade se consideramos a construção de um projeto similar com as atuais tecnolgias empregadas.
    Parabéns

  • Bruno

    Aposto que vai ser mais caro que andar de avião =X

  • http://www.mundogump.com.br Philipe

    [quote comment=""]Aposto que vai ser mais caro que andar de avião =X[/quote]

    Bruno, isso é relativo. O preço poderia ser igual, mas considerando que o avião é mais rápido você poderia pensar então que de fato o avião é mais barato. Porém o avião é mais poluente, e no avião você não pode trabalhar. Como mais de 50% dos passageiros da ponte aérea estão a trabalho, o maglev permite que seja criado verdadeiros escritórios com computadores, fax, copiadoras, cafezinho, sala de reunião, etc.
    Sem falar que ele não vibra, não balança, etc.
    Quanto custa para uma empresa um alto executivo limitado, praticamente ilhado por 50 minutos de avião (considerando que não tenha caos aéreo e depois mais sabe-se lá quantas horas de engarrafamentos na saída do aeroporto?
    No fim das contas, o que parece caro pode ser bem mais barato.
    Com o lance de não ser poluente, é possível negociar subsídios de créditos de carbono, que poderiam reduzir o preço por pessoa. Aí, o maglev poderia ficar bem mais barato que a passagem de avião.

  • http://cenasdacidade.wordpress.com/ Danilo

    Cara, na boa – poderia ser Rio – SP no início, mas isso merecia ir de norte a sul, ia revolucionar o transporte no Brasil (e infelizmente ou felizmente acabar com o transporte aereo)

  • Carlos Resende

    [quote comment=""]Cara, na boa – poderia ser Rio – SP no início, mas isso merecia ir de norte a sul, ia revolucionar o transporte no Brasil (e infelizmente ou felizmente acabar com o transporte aereo)[/quote]

    Eu acho que um dos grandes problemas do Brasil, o que nos impede de um maior desenvolvimento, é a restrição de transporte, o que faz que tenhamos uma região industrial extremamente saturada, sudeste (e parte da sul e nordeste)e o resto do país, com grande potencial de mão-de-obra e matéria prima totalmente abandonado.

    Com o desenvolvimento de uma rede de transporte nacional que possa integrar todas as regiões do país, o Brasil cresceria de forma mais homogêneo. A grande herança inglesa na Índia, China (Hong Kong), Austrália e outros países de colonização angla é a malha ferroviária que permite transporte de pessoas e bens.

    Imagine um país tão imenso como o nosso, que precisa de milhões de caminhões para transportar todos os bens e igualmente um sem fim de ônibus, extremamente poluentes, perigosos (a tempo: nosso trânsito é o que mais mata no mundo) e com rodovias terríveis (é claro, que governo consegue bancar um fluxo tão grande de veículos?!?).

    Enquanto não houver uma preocupação séria com transporte, esse país não crescerá, pois não temos tecnologia nem para transportar pessoas ou bens, numa possível invasão estrangeira (Chaves e Morales são lobos na pele de cordeiros).

    O discurso do alto custo é uma estupidez (ou resquício do xenofobismo idiota nacionalista)! Tenho certeza que muitos grupos estrangeiros privados teriam o maior interesse em investir por meio de uma Parceria Público Privada que garanta isenção de tributos por um período determinado (o próprio serviço pagaria o investimento).

    O sucateamento da nossa rede ferroviária e fluvial foi uma imposição imperialista dos anos 40/60, quando as grandes montadoras de automóveis se instalaram no Brasil, bem como os grupos petroleiros.

    Já estamos em desvantagem frente a outros emergentes (nesse ponto até agradeço, pois o custo da China e Índia crescerem a índices superiores a 10% é que tais Estados não são Democráticos e nem de Direito e o trabalho escravo é a regra). No entanto, nossos favoráveis recursos naturais devem ser somados a um sistema de logística que possa ser competitivo, coisa que está longe de ser.

    O autor desse projeto PDF é um visionário que me orgulha em ser brasileiro. São pessoas assim que deveriam estar na mídia e serem reverenciadas como exemplos, não artistas ou desportistas que não contribuem substancialmente para que o mundo seja um lugar melhor.

    Embora meu discurso pareça marxista, sou capitalista e acredito nesse sistema. Só acho que o Brasil precisa de pensadores, críticos, pessoas que façam a diferença. O pai deste rapaz fez, quem dera eu pudesse fazer também.

  • Drucila

    Realmente São Paulo e Rio está precisando de uma ponte-aérea, a cobra voadora ou uma centopéia papa-léguas.

    O projeto deve ter algo acima do nível da terra, de forma que não prejudique as rodovias, anéis-viários ou o tráfego aéreo, senão vira merda!

    Um trem desse seria tuuuuuudo!

  • celios

    Tudo e muito bonito, mas nao devemos nos esquecer que esse país e o Brasil. Se nem os trens convencionais que nao prestam e o governo nao tem interesse algum em sequer manter a malha que existe, vai gastar absurdo pra ter trem que levita? Fala sério! Se bem que aqui tudo e possível…gastança, superfaturamento, propina,arrogância e por ai vai, Nós devíamos devolver o Brasil para os índios e pedir desculpa!

  • Cantor Onival

    Na música “Milho aos Pombos” Interpretada por Zé Geraldo, há um trecho que diz:…
    Eu já nem sei o que mata mais
    Se o trânsito, a fome ou a guerra
    Se chega alguém querendo consertar
    vem logo a ordem de cima
    Pega esse idiota e enterra
    +

    • Rafael

      Todo mundo dando milho aos pombos? 😛
      O difícil é fazer aplicarem dinheiro nisso. Pra min não sai nem tão cedo! 😆

      • http://www.mundogump.com.br Philipe

        Pelo menos a gente tenta, né?

  • andre

    Vai faltar coragem para fazer, sob o pretesto de falta de verbasde ser muito caro, obra faraonica etc. Ha muito tempo nossos goverantes nao tem tido coragem de fazer uma obra de porte, se dependessemos deles, hoje estariamos no escuro, com ainda menos infraestrutura que temos, nao haveria itaipu, estradas, pontes, redes de transmissao nada.

  • http://www.mundogump.com.br Philipe

    Sabe o que é o mais triste disso tudo? A supercondutividade é o futuro da tecnologia. Ela é usada em sensores, em hds em tomografos e o caramba a 4. Os próximos anos serão anos da revolução dos materiais. A nanotecnologia começa a mostrar que revolucionará tudo que conhecemos. Esta tecnologia que o maglev cobra propõe afetará de forma dramática tudo que envolva supercondutividade por magnetismo.
    O Brasil contém uma das maiores jazidas das terras raras necessárias para fabricar os ímãs que propiciam isso.
    Mas como não há ainda um parque de consumo para tais componentes, nós extraímos este minério tão precioso é JOGAMOS FORA por considerarmos ele como “impureza” da extração mineral.
    Com este mole nosso, a China está “fazendo a festa”, vendendo os ímãs de terras raras que NÓS devíamos estar vendendo. Enquanto isso, a gente enterra dinheiro.

  • Drucila Bafão

    Celios, pedir desculpa aos ìndios e devoler o Brsil foi óóóóótimo!
    Mas que Índios?
    Ir pra onde, deserto do Saara?
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Alfredo

    Philipe, há uma lei que vai ser dura de quebrar, que diz “tudo se regula por baixo”. Tal lei se refere ao fato do que é ruim tende a se instalar com facilidade, enquanto as melhores soluções necessitam de pessoas incansáveis que as defenda. Vivemos (não é de hoje) no Brasil uma inversão de valores, onde o um projeto melhor, mais barato, mais eficiente é olhado com desconfiança. É que, acostumados com o noticiário das propinas e das obras onerosas, tendemos a desacreditar em soluções reais que possam nos tirar do atoleiro do atraso tecnológico. Graças a Deus existem pessoas que se recusam a permanecer na zona de conforto que é o deixa como está. São imprescindíveis em uma sociedade. Seu pai está entre elas. Parabéns.

  • Alfredo

    Para melhor compreensão do que representa esta tecnologia (de levitação magnética) no mundo, vejam a notícia que saiu hoje mesmo sobre a construção de uma linha maglev que ligaria a Disney e Las Vegas. Acorda Brasil.

  • Alfredo

    Desculpe, esqueci de citar o site (rimou). Lá vai: http://www.dailytech.com/US+Maglev+System+One+Step+Closer/article12020.htm

  • jefferson

    Philipe, acho que vc não apresentou seu pai… Seu nome é Eduardo, engenheiro elétrico formado pela UFRJ, com doutorado na alemanha, homem com muita desenvoltura no falar, de raciocínio rápido e muita, mas muita persistência e vontade de somar para o bem estar da sociedade. Sou estudante de física e quando ouvi seu pai falar em um seminário na física do tal projeto não perdi tempo.. começo a estudar com ele terça-feira(16/09). Essa tecnologia brasileira, assim como muitas outras pouco famosas, é a mais avançada no ramo maglev, só pra enteder: a tecnologia alemã e japonesa trabalha com temperaturas -240C , enquanto a brasileira trabalha em torno de -160C que é uma diferença considerável e uma economia de N liquido(substancia que baixa temperatura do supercondutor e que o faz ter “poderes mágico”.) O meu medo é que seu pai se revolte com a ignorância do povo e das autoridades, e vá implantar seu projeto em algum país que esteja com pelo menos um olho aberto.

  • http://www.mundogump.com.br Philipe

    OI Jefferson. Meu pai é engenheiro civil, pós graduado em economia, tem mais de 30 anos de experiência em ferrovia e é mestre e doutor em engenharia de transportes. Está com o Phd sendo finalizado na Alemanha. Ele é pesquisador convidado do Lasup na UFRJ.
    Ele é persistente pra caramba e não vai desistir enquanto não implantar pelo menos um modelo 1:1 no Brasil.

  • Limp Dick

    Besteira.
    Esse MagLev Cobra pretende ser um trem de baixa-média velocidade e não um trem de alta velocidade.
    Um MagLev de alta velocidade sairia caríssimo, a ponto de ser proibitivo até mesmo para países como Alemanha e Japão.

  • http://www.orkut.com.br/Main#Profile.aspx?uid=15243778966886486240 Fernando Henrique

    Cara, seu pai é muito show, eu to cursando engenharia elétrica e to loco pra poder chegar no eletromagnetismo, seu pai está de parabens a UFRJ também, cara seu pai invento um negocio melhor do que os do orientais, ele é o kra!!!

  • Eduardo

    [quote comment="56351"]Cara, seu pai é muito show, eu to cursando engenharia elétrica e to loco pra poder chegar no eletromagnetismo, seu pai está de parabens a UFRJ também, cara seu pai invento um negocio melhor do que os do orientais, ele é o kra!!![/quote]

    Com certeza!

    é um homem que justamente pode ser citado junto de outros cientistas que revolucionaram a historia munidal. como por exemplo santos dumont. [quote comment="48318"]Besteira.
    Esse MagLev Cobra pretende ser um trem de baixa-média velocidade e não um trem de alta velocidade.
    Um MagLev de alta velocidade sairia caríssimo, a ponto de ser proibitivo até mesmo para países como Alemanha e Japão.[/quote]

    bem ja que pensa assim troque um iphone por um nokia 3010… o lance da velocidade é uma coisa que vai evoluir , tanto que até tambem me questionei: é um maglev cobra ou uma maria fumaça cobra?… estão tirando ele do forno agora… e tenha mais patriotismo um projeto desse merece todo respeito.

    :]

  • http://www.mundogump.com.br Philipe

    [quote comment="48318"]Besteira.
    Esse MagLev Cobra pretende ser um trem de baixa-média velocidade e não um trem de alta velocidade.
    Um MagLev de alta velocidade sairia caríssimo, a ponto de ser proibitivo até mesmo para países como Alemanha e Japão.[/quote]

    Quem será Limp Dick para afirmar isso com tanta propriedade? Cadê seu PHD em levitação magnética? Tem?
    Cadê seu estudo de impacto econômico para dizer que é iviável economicamente? Tem?

    Não, né. Pois é. Meu pai tem tudo isso e é por isso que ele sabe que inventar um trem de alta velocidade inter estadual é perfeitamente plausível, porém não tão útil quanto um de baixa-média velocidade urbano. Por que? Porque trem não é carro esporte para se exibir por potência. A idéia é solucionar um problema. E o problema está nas cidades. É urbano. O problema do transporte urbano não se resume a questão da velocidade e sim a ligações intermodais. Na verdade o que precisávamos é de mais metrô. Só que metrô é caríssimo (10X mais que o maglev) e o lobby das empresas de ônibus (que patrocina campanhas políticas) é bem grande e não tem interesse nisso.

    O projeto merece respeito, como disse o Eduardo, mas o respeito deve ser por suas características técnicas e não por uma questão de mero patriotismo ou xebofobia.
    O fato é que a tecnologia brasileira disponível hoje foi aclamada pelos especialistas do setor em recente congresso internacional da área lá nos EUA como a mais avançada e com maior potencial do mundo. Ela não está pronta. A cada mês a tecnologia maglev cobra está sendo aperfeiçoada. Muita coisa já aconteceu desde o último post. Coisas que eu não divulguei aqui. O maglev cobra já recebeu aporte financeiro da Faperj e está começando a sair do papel. Estamos começando a construção do protótipo funcional em escala 1:1.

    Já não é mais sonho. Já saiu do mundo das idéias. Se vai emplacar ou não, eu não sei. Mas o que posso dizer é: Sair do papel, já está saindo.

  • http://brasilestrategiaefuturo.blogspot.com/http:// Mauro Francisco Santayana

    Caro Philipe,

    O que sugiro ao seu pai é que ele marque uma entrevista com o addio comercial da embaixada da China em Brasília, e apresente o estudo feito sopbre o trem-bala, para o estabelecimento de uma alinça estratégica com a China para a participação daquele país na construção do Trem-Bala Rio-São Paulo. Do ponto de vista financeiro, devido à disponibilidade de capital (q

  • Anônimo

    :shocked:

  • Eduardo tmb =p

    *_* além de ser ótima ideia, esta a poucos passos da realidade, pelo menos isso que a imprensa diz. Seu pai esta de parabéns. como ja havia dito um homem que pode ser citado junto a santos Dumont e outras figuras importantíssimas na Ciência.

    ah, fala pra ele que tem muitos fãs por esse Brasil hein!

  • ibi zavani

    olha eu acho o maximo este projeto, mas talves daria mais para implantá-lo nas grandes cidades como Rio, Sao Paulo ou BH, onde nao se precisaria de tanta velocidade. Mas, para o transporte interurbano entre Rio e Sao Paulo acho que só seria viavel com velocidades acima de 300km/h o que faria dele um otimo concorrente do aviao ate por ser totalmente ecologico. tratando dos politicos eu nao entendo, se eles ja roubam, entao esta aí mais uma obra que encheria os seus bolsos e beneficiaria a populaçao(nao sou a favor da corrupçao acho a coisa abominavel mas temos que pensar infelizmente na realidade) eu gostaria de lhe perguntar, tambem, porque seu pai nao procura o setor privado

    • http://www.mundogump.com.br Philipe

      O sistema do Maglev Cobra que levita com nitrogênio é projetado para capilarizar as vias urbanas. Para ligações interurbanas, como RJ-SP, o sistema maglev se aplica também, mas neste caso não é o de supercondutores de alta temperatura crítica, e sim os de levitação eletromagnética. Esses alcançam facil os 550km/h

  • ibi zavani

    me desculpem, mas, nao consegui ler direito o PDF mas imagino que o custo do maglev cobra para as cidades seja muito parecido com o dos “bondes” das ruas de Paris, Melbourne, Barcelona e muitas outras. o que seria interessante seria se ele pudesse andar nas ruas junto com os carros como acontece nessas cidades, alem de pistas exclusivas em grandes avenidas. perguntinha: Será que tem algum video explicativo sobre o maglev cobra? ficaria agradecido se me respondessem.

    • http://www.mundogump.com.br Philipe

      Sobre a questão do custo, os estudos apontam que a aplicação do Maglev Cobra, comparando todo o investimento necessário com os TAVs existentes, na verdade é bem menor. Na verdade, bondes são uma tecnologia antiga que ganhou apenas uma roupagem de modernidade, mas na prática, são a mesma coisa do que eram há quase 100 anos atrás. Veículos que são vendidos como soluções de transporte urbano mas que usam a via pavimentada normal de carros e ônibus não são muito inteligentes. O Maglev usa uma via própria, elevada, de baixo custo, permitindo que as vias já existentes continuem a operar normalmente. Se ele ocupasse uma dessas vias, como ocorre com os bondes modernos, nós estaríamos apenas trocando seis por meia dúzia.
      Pelo fato de sua via elevada ser exclusiva, ele pode vencer distâncias mais rapidamente, pois não há cruzamentos, nem sinais, nem nada que impeça sua passagem.
      Há uma série de videos que falam sobre a tecnologia do Maglev no site do maglev cobra: http://www.maglevcobra.com.br

  • Theruki

    Olá Philipe.
    Comecei a ler o trabalho que você está divulgando. Parabéns. Conhecia a respeito do MAGLEV LINEAR do JP, e que tinha um grupo de pesquisadores de MAGLEV no Unicamp. Fico contente de saber que existem diversidades tecnológicas e acredito sim que daqui a 50 anos o mundo inteiro começará a se mobilizar pesadamente para se interligarem com o MAGLEV.

    Um grande Abraço,
    Theruki

  • leonardo

    Philipe, faço engenharia civil na UFG(Universidade Federal de Goiás), gostaria de conhecer mais sobre o assunto. Sei q as críticas serão inevitáveis, “Ah, o Brasil é um país em desenvolvimento”, basta pararmos pra pensar o quanto será gasto com a copa e as olimpíadas e veremos que o país tem sim condição econômica, pode ainda não demonstrar interesse, mas q logo,logo veremos.
    Aproveitando, estou concluindo um trabalho sobre supercondutores, e citei o Maglev, se puder mande mais sobre este ao meu email.
    Parabéns, o projeto do seu pai extraordinário.

  • Marcelofs1

    Felipe, o PDF não está mais disponível para download. Poderia, por gentileza disponibilizar o arquivo?
    Obrigado

    • Philipe3d

      quer que eu mande pro seu email?

  • Chrisqcs

    reposta de novo, por favor, ou manda por email (você pode vê-lo, nao pode?)

  • Vauban baptista de araujo

    Caro e nobre Felipe,não tive a felicidade de conhece-los,mas posso afirmar que sou tão entusiasta quanto.Desde o primeiro contato com informação MAGLEVCOBRA não houve um dia se quer sem pensar no assunto,numa visita a seu blog fiz um comentario e entendo sua dificuldade em considerar a ideia de um utopista: a SOLUÇÃO POLITICA, está na composição da captação da captalização popular via orientação Coppe/ufrj, e quem mais interessar possa: a PETROBRAS captou recursos em Praça Publica, e tenho a certeza que esta forma simpática de abordagem de capital advindo do povo para tão maravilhoso empreendimento,repito não havera um politico que não quira participar desta intenção.Grato Vaubanaraujo20102011@hotmail .com”É POSSIVEL” “PODEMOS FAZER ISTO.

    • Philipe3d

      Vauban, tudo que posso dizer é que eu concordo com você. Teremos novidades impactantes neste assunto muito em breve. Segura o coração, pois vai ser bombastic!