Isto é incrível

“Isto é incrível” era o nome de um programa do SBT que eu adorava quando era moleque. Sempre rolava uma coisa bizarra ou casos estranhos, assombrosos. Na mesma linha deste programa haviam também o Fronteiras do desconhecido, apresentado pelo autor e diretor Valter Avancini. Isso sem falar no Acredite se quiser.
A soma destes programas sensacionais que reuniam bizarrices e coisas de arrepiar os cabelinhos mais íntimos, deve ser a semente inconsciente que me levou a fazer o Mundo Gump.
Bom, hoje recebi um email do Fabio, leitor aqui do blog com um link para um site que pode-se dizer, faz jus ao título deste post.
Claro que tem coisas ali que são uma boa viagem na maionese, embora com tantas provas que chega a ser difícil resistir à idéias estapafúrdias como a existência da Arca de Noé e a vinda do Anticristo com o 666 e a Nova Ordem Mundial.
Mas a parte que eu mais gostei foi a que menciona a possibilidade da existência dos dinossauros nos dias atuais.
Sim, é isso mesmo que você leu e eu não estou maluco não.
Eu também abri um sorriso amarelo quando comecei a ler sobre as possibilidades de que animais pré-históricos sobreviventes da extinção em massa habitem nosso planeta nos dias atuais da internet, super condutores e levitação eletromagnética. Mas pensando bem, por que não? Por que isso seria impossível? Varias espécies de lagartos sobreviveram, gerando os animais que conhecemos bem, como as tartarugas, o dragão de Komodo, lagaritos genéricos, iguanas, crocodilos e etc.
Então por que razão no fundo do oceano, longe do olhar do homem não possa haver criaturas perdidas? Acreditava-se que o celacanto, um peixe pré-histórico estava extinto até um ser capturado vivinho da Silva, na costa da África. Desde então, os celacantos tem sido registrados em alta profundidade, o que comprova que algumas espécies pré-históricas podem estar por aí.
O primeiro link do link original nos leva por uma viagem que visa mostrar que os dinossauros podem não ter sido completamente extintos como se imagina – ou se quer fazer acreditar.
O texto cheio de idéias conspiratórias defende que grupos humanos tiveram contato direto com dinossauros no passado. Esculturas de barro datadas pelo teste do Carbono 14, que resultou nas datas de 1640 AC, 4530 AC e 1110 AC mostram humanos lutando – sendo comidos – e até praticando atos sexuais com criaturas que são perfeitas réplicas de dinossauros.
Isso é bastante intrigante.
Mas não são apenas esculturas. Veja por exemplo, esta fotografia originalmente obtida durante o período da Guerra Civil americana, obtida quando os confederados mataram um grande “pássaro”.

Não precisa ser especialista para ver que eles mataram um pterodáctilo. Mas existem ainda outras fotos obtidas em épocas e lugares diferentes de criaturas similares mortas. Veja só:


De fato, existem inúmeros rumores sobre animais que são réplicas claras dos pterodáctilos jurássicos sendo relatados em varias culturas. Algumas tribos africanas distantes cultuam os pterodáctilos como se fossem deuses.
Por outro lado, existem também indícios da existência de uma criatura que se assemelha ao Diplodoco vivendo em meio a selva úmida na divisa do Brasil com a Bolívia.
Isso sem falar nos animais lacustres bizarros como o Monstro de Loch Ness
Foto obtida com um avançado sonar em uma busca pelo monstro.
Foto subaquática obtida com o auxílio de câmeras especiais. Me parece uma nadadeira.
Estranho bicho fotografado num lago no México.
Há ainda o Champ, o monstro do lago Champlain (veja também o post sobre o monstro de Loch Ness)
Esta é uma fotografia obtida por uma família em férias que testemunhou o monstro Champ por dez minutos em 1977. O bicho voltou a aparecer dessa vez para 58 testemunhas atônitas acompanhando um barco em que estavam, sempre mantendo uma distância de 60 metros , nadando junto ao barco por mais de 5 minutos.

E o que dizer dos gigantes? Existem relatos em todas as culturas do planeta sobre gigantes que habitaram a Terra muito antes da humanidade começar a se desenvolver. Como grande parte dos mitos costumam ter uma fonte histórica como origem, só podemos observar e ficar pasmos com os achados arqueológicos que impressionam qualquer um. Veja só:
Este fêmur humano foi encontrado em uma escavação arqueológica nos finais dos anos 50 durante a construção de uma estrada no sudeste da Turquia. O osso de tamanho inacreditável revelou que o seu dono tinha nada menos que quatro metros de altura. E isso é algo preciso de se obter devido a relação de proporção óssea humana, usando em pesquisas forenses. O gigante calçava 52.
Em 1911, mineiros descobriram várias múmias de cabelos ruivos com altura que varia de 2 a 2,4 metros junto com artefatos em uma caverna em Lovelock, no estado de Nevada. Observe a arcada dentária de um desses gigantes com uma arada dentária de um adulto humano normal.

Os gigantes eram descritos pelos índios como tendo cabelos ruivos e todos eles foram exterminados pelos índios Paiutes alguns séculos antes da colonização americana.

Bem, é isso aí. Vale muito a pena dar uma olhada neste link, que gera ótimas idéias para um número enorme de roteiros.

9 Comentários

  1. Grimm 15 de fevereiro de 2007
  2. Anonymous 15 de fevereiro de 2007
  3. Zé Bedeu 16 de fevereiro de 2007
  4. Philipe 16 de fevereiro de 2007
  5. aRTHUR 19 de agosto de 2008
  6. malui 27 de agosto de 2008
  7. Ale 7 de outubro de 2008
  8. Anônimo 22 de abril de 2009
  9. Pepe 22 de julho de 2009


Deixe seu comnetário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *