6 Comentários

  1. Carla Erhardt

    onde eu morava, tinha um tomateiro do tipo tomate-cereja. meu pai tinha trazido um punhado desses tomatinhos do sítio de um tio, e o que não foi aproveitado em saladas foi jogado num canto do quintal pra virar adubo. os tomates secaram, apodreceram e sumiram. mas no ano seguinte, na época certa, cresceu um pé de tomate, e assim, ano após ano, o tomateiro nascia, dava frutos por umas semanas, secava e morria completamente. Na infância, eu achava aquilo incrível, o pézinho de tomate nascer no nada e dar um monte de pelotinhas vermelhas

    Responder
    1. BEZALEL

      Os que nascem nos meus canteiros também segues esse mesmo processo. Porque eu renovo meus canteiros jogando terra nova com Húmus que consigo de outro pequeno canteiro onde jogo os restos orgânicos, inclusive os tomatinhos que racham, caem apodrecem ou apresentam mal aspecto. Com isso sempre nascem mudinhas novos dessa terra. Assim, de umas sementinhas iniciais, há anos venho obtendo novas plantação todo ano., tanto nascem que tenho que arrancar muitas mudinhas toda vez..

      Responder
  2. BEZALEL

    Impressionante, hein? Esse eu ainda não conhecia. A pouco tempo atrás consegui cultivar em meus canteiros um pé de tomate de quase dois metros de altura e com várias ramificações, e já fiquei admirado com esse feito. Só que este era da variedade “tomatinhos”, esses que chamam “caipira”, dessa feita colhi desse pé , o que já é uma quantidade considerável, mais de 4 litros das frutinhas. Até postei uma foto dele no facebook.

    Responder
  3. Roberto Q

    Mas existe uma qualidade de tomateiro que dá em arvore sim, é o tomate japones, e a arvore é robusta, com tronco forte pra crescer, tinha um desses no quintal do avô de uma ex-namorada.

    O tomate japones é um pouco mais doce que o comum, e alongada e pontudo, mas ainda assim é tomate

    To lendo aqui na wikipedia e diz que tomate -japones é o nome q ele recebe no paraná, mas tb é conhecido como tomate-de-arvore… especie seria a Solanum betaceum

    Responder
  4. Ricardo Cunha

    Artigo muito interessante, é de avanços assim que precisamos no meio agrícola

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *