Goblins estão aterrorizando o Zimbábue.

Aproveitando esse clima de Halloween, aqui esta uma notícia que tornará este post  bizarro:

ESTUDANTES SÃO ATACADOS POR GOBLINS

%name Goblins estão aterrorizando o Zimbábue.

Quatro escolas primárias da província de Matabeleland Sul, Zimbábue, foram fechadas por terem sido atacadas por criaturas assustadoras.

De acordo com os sobas, a aparição das criaturas não identificadas se deve às práticas de bruxaria existentes na região.

Os primeiros ataques de goblins foram cometidos em agosto de 2013. Durante aqueles ataques, segundo testemunhas, as crianças ficaram em pânico, e tornou-se impossível continuar as aulas.

Muitos pais, que acreditam em seres sobrenaturais, recusaram-se a levar seus filhos à escola.

Tornou-se de conhecimento público que o diretor de uma das escolas havia relatado o incidente ao Ministério da Educação. Os professores consultam os anciãos para decidir como proceder. fonte

 

Gente, fala sério! Como que alguém pode acreditar em Goblin em pleno ano de 2013?

Mas o lance é que lá a galera leva a sério mesmo o negócio da existência de Goblins. Os ataques de Goblins vem se tornando (eu disse que este post era bizarro!) cada vez mais comuns na África, e a galera lá jura de “pé junto” que eles não só existem como são agressivos.

O site Before it´s News conta que uma clínica hospitalar da cidade de Irisvale Halt, no Zimbábue, ficou fechada por um tempão, quando quatro enfermeiras fugiram com pânico do que eles alegaram eram ataques dos goblins,  O caso também foi publicado no jornal local, Newsday em janeiro.

“Os duendes têm sido um problema desde o ano passado”, disse Mhelethi Moyo, um morador local.

Recentemente, surgiu outra notícia dizendo que um Goblin teria explodido a casa de um feiticeiro!

Aqui está a notícia

A história é escalafobética.

Oficiais da polícia disseram aos jornais que a explosão matou cinco pessoas. O feiticeiro, estava fazendo negócios com um cliente que queria melhorar suas finanças. Testemunhas da explosão contaram que os dois estavam entre os mortos.Especialistas antibomba do Exército foram ao local e  não encontraram restos de uma bomba, gasolina ou recipientes de gás.

O Zimbábue é um país com muitas superstições. Eles acreditam piamente em  feiticeiros que podem usar relâmpagos para erradicar os seus inimigos. Vizinhos da explosão disseram aos jornalistas que temiam que um “processo de produção de um relâmpago” estivesse sendo realizado. Posteriormente, o “caso real” veio à tona. Um dos feitceiros que participaram da cerimônia deu os detalhes à imprensa:  Não era o relâmpago, mas algo BEM MAIS DOIDO:

O feiticeiro estava tentando decapitar um goblin!

HAhahaha. É isso mesmo que você leu.  Acontece que o cara, era um empresario rico da área de transportes, que comprou o tal goblin na esperança de usar a criatura para ficar mais rico do que já era. Ele torrou uma fábula na compra do estranho ser.

O problema é que o “Goblin de estimação” se tornou insuportável! O Goblin começou a fazer “exigências extremas”. Ninguém sabe o que ele de fato exigiu, mas deve ter sido algo bem cabuloso para o dono do goblin querer se livrar dele do jeito mais rápido possível. O empresario contratou o curandeiro/feiticeiro para mandar o Goblin para a “Terra do pé junto”.

Mandere, um dos feiticeiros,  disse ter montado uma equipe de curandeiros tradicionais, incluindo Ms Banda, para auxiliar na condução da cerimônia, que não ficou nada barata.

Sekuru Shumba o feiticeiro líder  decapitou o goblin. Uma vez que o ser foi morto, o empresário disse à sua esposa para ir até o carro e coletar os 15.000 dólares. O carro dele estava estacionado do lado de fora.

“Foi quando Sekuru gritou que o duende estava vivo e lutando.Tudo que eu lembro é de um som alto vindo do quarto. As paredes da casa desmoronaram. Virginia e eu lutávamos  para sair dos escombros.” -Disse ele.

A misteriosa explosão matou cinco pessoas, incluindo Sekuru Shumba, o empresário e uma criança de sete meses de idade que estava na casa. Os investigadores ainda estão tentando determinar a causa da explosão, que também danificou outras 12 casas.

Louco esse lance né? A coisa ta sinistra! Tem gente até fugindo de casa com medo deles.

Em agosto de 2012, um homem de 53 anos de Zhombe e sua família teriam fugido de sua casa depois de goblins que eles compraram na África do Sul para obter dinheiro, saírem do controle, exigindo seu sangue.

O chefe Tichaona Mazonyanya confirmou o incidente, dizendo que a família abandonou a casa de oito cômodos na vila, na semana passada.

“É verdade que o homem e toda a sua família partiram abruptamente.

“A suspeita é que foi por causa de goblins que exigiam seu sangue. Nós não estamos cientes para onde eles foram “, disse o chefe, que se recusou a comentar mais.

Há também os casos de estupro feito pelos goblins:

De acordo com a My Zimbabwe , uma menina de 22 anos de idade, de Buhera teria sido estuprada por goblins localmente conhecidos como zvikwambo. Ela diz que foi estuprada repetidamente por duendes, nos últimos 13 anos.

“Quando este assédio sexual está prestes a acontecer, minhas pernas começam a tremer. Elas começam a ir para cima e para baixo, então eu começo a sentir tonturas. Eu sinto que estou sendo assediada sexualmente e imediatamente minhas “intimidades” se molham “, diz Martha Gwedu (22), enquanto ela relata seu calvário. Ela vem de Magamba, em Zangama, área sob comando do chefe Nyashanu de Buhera.

Marta, relata que ela foi vítima de uma experiência de bruxaria, que está em ação por um longo tempo. Os goblins já abusaram sexualmente dela até durante o dia, em um dado momento. Desde então, ela mudou-se com seus pais e agora está residindo com a avó materna em Buhera.

Os Goblins da África são conhecidos também como Tokoloshi, Zvikwambo ou Gilikango.
Dizem as lendas que eles preferem viver sozinhos pelo rio, embora, por vezes, compartilham um buraco ou toca com um grande lagarto.
Alguns feiticeiros afirmam manter Tokoloshi como escravos domésticos. Os pequenos duendes não pode sair até ter uma peça de roupa. Há diversas histórias sobre mulheres fazendo sexo oral nos goblins por dinheiro, ou até mesmo casando-se com as criaturas hediondas.

Muitas escolas estão contratando feiticeiros para exorcizar os goblins ano após ano.

Por sua vez, empresários estão dispostos a pagar um preço alto para se apossar de uma das criaturas. Os Tokoloshi são conhecidos por se alimentar de sangue humano, e as pessoas que mantêm os monstrinhos estão dispostos a perder um membro da família a cada ano para aplacar o apetite do goblin.

A bruxaria na África é tão importante que as equipes de futebol gastaram milhões garantir a vitória, ao contratar feiticeiros e ocultistas. Eles também fazem praticas misticas, como urinar em todo campo do adversário antes do jogo, ou até mesmo enterrar partes humanas e animais sob a grama do campo!

É comum ver um amuleto Juju pendurado nos pescoços das estrelas de futebol.

Seja como for, imaginação, histeria ou má interpretação de fatos, o problema do medo dos goblins permanece. Não faz muito tempo, circulou na rede uma estranha história sobre caçadores da Namíbia que surpreenderam um goblin e após seguirem-no até chegar ao ninho onde havia outros iguais a ele. Os caçadores os mataram.

%name Goblins estão aterrorizando o Zimbábue.

leia a história da criatura aqui

Segundo a Wikipedia, Goblins são criaturas geralmente verdes que se assemelham a duendes. Fazem parte do folclore nórdico, nas lendas eles vivem fazendo brincadeiras de mau gosto. Podem ser equiparadas aos trasgos e tardos do folclore português. O termo goblin origina-se do francês antigo “gobelin”, evoluído do latim medieval “gobelinus”, que parece estar relacionado a “cobalus”, do grego (kóbalos): “enganador” ou “desonesto”.

Estranhamente, apesar se serem considerados quase sempre como criaturas eminentemente folclóricas, os Goblins são relatados em quase todo o mundo.

%name Goblins estão aterrorizando o Zimbábue.
As criaturas de Hopkinsville

Há pelo menos um caso ufológico célebre que retrata o que também poderia ser considerado um “ataque” de goblins. Trata-se do caso Kelly, ocorrido em Hopkinsville, nos EUA. Se você tiver saco, aqui está ele. Clique para ler:

O caso Kelly

O caso Kelly

Texto de Reinaldo Stabolito publicado origialmente no site do  INFA

Na ampla casuística ufológica, não é incomum encontrar contatos onde as testemunhas reajam de forma violenta, sem que realmente exista uma agressão prévia. O cinema do gênero está repleto de situações de confronto com seres extraterrestres evidenciando nossa xenofobia ao desconhecido. Normalmente, para o ser humano, o que não pode ser assimilado e compreendido deve ser destruído. Sendo assim, chega a ser compreensível encontrar situações onde a reação das testemunhas acaba sendo drástica e violenta. Um bom exemplo disso é o Caso Kelly, ocorrido na madrugada entre os dias 21 e 22 de agosto de 1965, em Kelly, um pequeno vilarejo próximo a Hopkinsville, estado de Kentucky (EUA). Todos os protagonistas desse caso fazem parte da família Sutton.

Aproximadamente às 07:00 horas do dia 21 de agosto, Billy Ray Taylor saiu da casa para ir pegar água no quintal, onde havia um poço. Enquanto estava recolhendo a água, um objeto prateado, que emitia várias cores luminosas por toda a sua fuselagem, passou por cima da casa e parou na altura de uma depressão do terreno, próximo das cercas da fazenda. O objeto começou a descer lentamente e Billy, em pânico, retornou correndo para a casa gritando que um “disco voador” tinha pousado próximo dali. Ninguém da família deu qualquer credibilidade ao relato de Billy. Ao invés de irem até o suposto local do pouso, todos simplesmente zombaram dele.

Por volta de uma hora depois, a família Sutton repara que o cachorro, que se encontrava do lado de fora da casa, estava latindo violentamente. Intrigados com tal comportamento, Lucky Sutton e Billy Ray Taylor olharam pela janela para ver o que estava acontecendo. O cão estava aparentemente aterrorizado e se escondia debaixo da casa com o rabo entre as pernas. Lucky e Taylor resolveram ir até a porta dos fundos da casa armados com um fuzil, de calibre 20, e uma carabina de caça, calibre 22, para verificar se alguém ou algum bicho havia assustado o cachorro.

%name Goblins estão aterrorizando o Zimbábue.

Já era noite e, quando abriram a porta dos fundos, Lucky e Taylor se depararam com uma cena insólita: uma criatura completamente incomum estava se aproximando. O ser tinha cerca de um 1,05 metro de altura, uma enorme cabeça redonda e desproporcional com orelhas pontudas enormes. Seus braços também eram grandes e chegavam até o chão. Suas mãos, também bastante grandes, possuíam longas unhas, parecendo garras. Os olhos, bem maiores que os dos seres humanos, possuíam fluorescência amarela e estavam bastante separados um do outro – quase nas laterais da cabeça. A criatura trajava uma vestimenta que parecia ser de metal e emitia uma luminosidade em torno de seus corpos. Ela estava indo à direção deles com os braços levantados como se estivesse sendo assaltada.

Quando o ser ficou a uma distancia de apenas seis metros de Lucky e Taylor, eles não hesitaram: os dois abriram fogo contra a criatura. Não havia a menor chance dos dois errarem os tiros e eles puderam ouvir um som semelhante a atirar contra uma estrutura metálica, que julgaram ser resultantes das balas ao atingir a criatura. O alienígena deveria estar usando algum tipo de blindagem em sua roupa, pois não conseguiram causar qualquer dano aparente no ser, apesar dos disparos “à queima-roupa”. O alienígena apenas pulou para trás, começou a flutuar e virou-se em sentido oposto dos dois atiradores, desaparecendo no meio da escuridão. Logo após isso, os dois entraram na casa e fecharam a porta dos fundos.

Mas aquela fatídica noite apenas estava começando. Subitamente, surgiu uma outra criatura em uma das janelas da casa. E novamente não hesitaram: abriram fogo contra a janela, quebrando o vidro e causando várias avarias na janela. Um deles praticamente encostou a arma na janela enquanto atirava. Imediatamente, Lucky e Taylor decidiram sair da casa para conferirem se haviam matado a criatura da janela.

Taylor atravessou a porta em primeiro lugar e, subitamente, uma grande garra desce da borda do telhado, justamente em cima de sua cabeça. A garra chegou a tocar nos cabelos de Taylor. Era uma das criaturas que estava sobre o telhado e tentava, aparentemente, agarrar Taylor. Assustados, ambos voltaram a disparar freneticamente contra a criatura. O ser, ao ser atingido pelos disparos, acabou sendo lançado por cima da casa.

Ainda, os dois atiradores perceberam que havia uma outra criatura sobre um galho de uma árvore próxima deles. Tal como fizeram com as situações anteriores, descarregaram as armas sobre a criatura. Apesar da certeza de terem acertado vários projéteis de grosso calibre no ser, a criatura simplesmente flutuou até o chão e se refugiou na escuridão no meio da mata.

As mulheres começaram a gritar implorando que os dois voltassem para dentro da casa. Vendo que não conseguiam causar quaisquer danos aparentes naqueles seres, Lucky e Taylor resolveram atender os pedidos e voltaram a entrar na casa. Todas as portas e janelas foram trancadas e a família Sutton, somando mais de dez pessoas contando com as mulheres e as crianças, se refugiaram na sala. E os Sutton viveram uma noite de terror, pois diversas vezes durante aquela noite os seres apareciam diante da janela olhando para dentro da casa. Depois de quase três horas, os Sutton estavam em extremo estado de pânico e, não agüentando mais aquela situação, foram até a garagem e se espremeram dentro do automóvel da família. Logo em seguida, abriram a porta da garagem e saíram com o carro em alta velocidade para a delegacia policial de Hopkinsville, a cerca de onze quilômetros da fazenda.%name Goblins estão aterrorizando o Zimbábue.

O chefe da policia Russel Greenwell não acreditou na história absurda que toda a família Sutton havia contado, mas, em função do claro estado de histeria que todos eles apresentavam, achou melhor ir até a fazenda para verificar o que estaria acontecendo junto de outros policiais. “Os Suttons estavam aterrorizados e só poderia ser por causa de algo incomum”.

E antes de chegar na fazenda, começaram a surgir dados que poderiam reforçar a história contada pela família Sutton: um comunicado de um policial estadual avisando que meteoros estranhos, com barulho parecido com de artilharia, sobrevoavam a região. Pela descrição fornecida no rádio, os UFOs estavam indo à direção oposta das testemunhas, para o norte. Ou seja: justamente para Kelly.

Ao chegarem na fazenda, os policiais não encontraram nenhuma criatura estranha e quaisquer sinais de um disco voador pousado perto das cercanias da propriedade. Porém, havia todos os sinais de tiroteios descritos pelos Sutton. O caso ganhou manchetes por todo os Estados Unidos e, em poucos dias, a cidade foi invadida por inúmeros repórteres de toda parte do país para entrevistar as testemunhas. Oficiais da Força Aérea, ufólogos civis e, até mesmo, o projeto de investigação ufológica oficial Blue Book já estavam envolvidos na investigação deste caso. Na época os próprios oficiais do Blue Book, que sempre mantiveram uma postura cética com relação ao fenômeno UFO, admitiram que a família Sutton não parecia estar mentindo. Segundo eles, o que quer que fosse que tivesse invadido a propriedade dos Sutton, era algo completamente diferente e incomum.

%name Goblins estão aterrorizando o Zimbábue.

Posteriores descrições dos Sutton davam detalhes das criaturas. O corpo daqueles assombrosos visitantes era uniformemente fluorescente na escuridão da noite, mas a luminosidade tinha um estranho aspecto metálico de cor mate. A luminosidade que emitiam de seus corpos aumentava no momento em que as testemunhas disparavam ou gritavam para eles. Não tinham pêlo, odor e características sexuais evidentes. O rasgo, que parecia ser a boca, era somente uma linha horizontal que atravessava o rosto e, ainda, em momento algum se mexeram. Os Sutton admitiram que não houve uma real atitude hostil dos seres, pois eles praticamente se limitaram a olhar pelas janelas. O único contato mais direto foi quando um deles, que estava no telhado, tentou agarrar a cabeça de Taylor.

O fato concreto é que apesar de todos os relatos, histórias e lendas sobre os Goblins, ninguém conseguiu ainda capturar um. Se essas criaturas estranhas e medonhas realmente existem ou não deixo ao seu critério para descobrir.

Este post foi uma ideia do meu amigo Robert Christian.

fonte fonte fonte fontefonte fonte

Artigos relacionados

Comments

comments

43 comentários em “Goblins estão aterrorizando o Zimbábue.”

  1. Nossa essa aí foi do nível Além da Imaginação,caramba tem alguma coisa acontecendo..claro que não é goblins.
    Tem alguma teoria do que esteja acontecendo Philipe? porque eu não creio que seja histeria coletiva.

  2. Já repararam que esses “seres fantásticos”, bem ao estilo “ET de Varginha” somente aparecem em comunidades isoladas, ou em locais atrasados, remotos e de difícil acesso? Coincidência? Ignorância coletiva, em vez de histeria? Má-fé mesmo de alguns malandros, para chamar a atenção e atrair curiosos?
    Por que será que essas criaturas não escolhem “badalar” e dar o “ar da graça” no centro de uma grande cidade, onde serão vistos e admirados por um sem-número de pessoas?
    Será timidez… ou enganação da grossa?

      • Foi ironia. Eu pretendi dizer que são locais pequenos em relação aos grandes centros, capitais, por exemplo. Agora, quanto ao fato de haver “testemunhas oculares”, isso de nada valida o que foi “observado. Existe uma série da National Geographic Channel, denominada “teste seu cérebro”, onde eles apresentam inúmeras situações em que nosso cérebro pode ser enganado, desde cenas de “roubo” nas ruas, onde as pessoas descrevem o “ladrão” errado, até mesmo conversas em mesa de restaurante, onde toda a decoração é trocada, debaixo do nariz da pessoa testada, e ela não percebe nada. O cérebro humano não consegue focar em mais de uma coisa de cada vez, e o que falta, ele acaba completando, criando assim uma percepção de realidade bem diferente do que a que realmente aconteceu.
        Não é porquê muitos “juram de pés juntos” ter presenciado este ou aquele “fenômeno”, que ele seja aquilo que eles descrevem.
        Somos mais suscetíveis aos enganos do que percebemos, no dia-a-dia. Nossa percepção do que é real e o que não é muda de pessoa para pessoa. Logo, confiar em quem para uma descrição fiel e real de alguma coisa?

        • Eu concordo com vc sobre testemunhos não validarem nada cientificamete. Só disse que varginha não era um bom exemplo, pq os aparecimentos dos goblins são em lugarejos bem mais remotos.

  3. “Recentemente, surgiu outra notícia dizendo que um Goblin teria explodido a casa de um feiticeiro!”….
    AuhUHaUHAuhAUHAuhauhaUhauha …..cara, chorei!!!
    AuhauhauhauhauhaUHAuhauhauha

    • Lelek, se você gosta mesmo de acreditar, pode adicione à lista: coelho da páscoa, saci, mula-sem-cabeça, pastor honesto, político trabalhador… a lista é imensa!

  4. Eu acho que são ets…
    Brincadeira.
    Já pensaram que como isso se refere a um lugar lá no cu-do-mundo isso tudo pode simplesmente ser uma invenção? Imagine o seguinte: você é um repórter de uma agência de notícias e é escalado para ir para o Zimbábue. Lá não acontece nada de diferente, nem de interessante, mas as pessoas são tremendamente supersticiosas. Aí com uma dose de cretinice xenofóbica, você pega uma ou outra lenda urbana local e piora um pouco, publicando como se houvesse apurado “os fatos”.
    Pensem bem, todo mundo está pensando aqui que as pessoas no Zimbábue podem ser “ignorantes, crédulas, mistificadas”, quando na verdade tudo isso pode ser puro ato de má fé na origem da notícia. Não tem como o Philipe, ou eu, ou qualquer pessoa ir lá ver se isso é verdade, a fonte tem todo domínio da história, que pode perfeitamente ser fictícia. O que explica o comentário do Doe, que disse que isso só acontece em comunidades isoladas.

    • Entendeu perfeitamente. Tais acontecimentos ocorrem em locais com poucos recursos, para serem testados e comprovados. A credulidade do povo local acaba dando ares de “autenticidade” ao “fato”. É como a maioria das filmagens de OVNIs: mesmo que o fenômeno ocorra por dias seguidos, não tem um “filho de deus” que monte uma câmera decente, num tripé e faça uma imagem não tremida, em foco e enquadrada do “objeto”.

      • É aquela história: “Olha lá um ovni! Chama a vovó para filmar com a pior câmera da casa”
        hehehe
        E agora com essa história dos documentários fake fica tudo mais confuso, eu peguei aquele “mockumentario” da ssereias começado e achei que era verdade. Nhé pra mim…

          • O que chama a atenção são canais tido como sérios, como o Discovery Channel embarcarem numa furada dessas e noticiarem a coisa como verdadeira. Devem estar com algum problema de audiência, ou então a credibilidade foi para o lixo!

  5. o pior não é os caixões da Femma,é o Obama querer prender pessoas “suspeitas” e que poderão futuramente “cometer crimes”,sério..ta saindo uma lei para isso.

    • É o de sempre, Lucas: filmagem mal feita, tremida, escura, desfocada e granulada. De péssima qualidade. E o “duende” (ou mesmo duente) bem poderia ser uma pessoa com uma fantasia. A baixa qualidade não permite distinguir bem. Acredita quem quer, né…

  6. “Alguns feiticeiros afirmam manter Tokoloshi como escravos domésticos. Os pequenos duendes não pode sair até ter uma peça de roupa.” Lembrei imediatamente do Dobby e dos elfos domésticos, “o senhor deu uma meia para Dobby, Dobby é um elfo livre!”

  7. É um caso até certo ponto bizarro, mas muito curioso em relação a veracidade dos fatos. Precisa de uma investigação mais a fundo para descobrir o que realmente está acontecendo. Em relação a história de Kelly achei muito interessante!!

  8. Philipe, se liga nisso:

    http://g1.globo.com/planeta-bizarro/noticia/2014/06/turista-flagra-criatura-misteriosa-ao-sair-para-urinar-em-camping-na-china.html

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.