43 Comentários

  1. Michelle Kristini

    Nossa essa aí foi do nível Além da Imaginação,caramba tem alguma coisa acontecendo..claro que não é goblins.
    Tem alguma teoria do que esteja acontecendo Philipe? porque eu não creio que seja histeria coletiva.

    Responder
  2. Rodolfo

    deve ser coisa dos americanos,experimentos,sei lah…nao tem como saber mesmo

    Responder
  3. John Doe

    Já repararam que esses “seres fantásticos”, bem ao estilo “ET de Varginha” somente aparecem em comunidades isoladas, ou em locais atrasados, remotos e de difícil acesso? Coincidência? Ignorância coletiva, em vez de histeria? Má-fé mesmo de alguns malandros, para chamar a atenção e atrair curiosos?
    Por que será que essas criaturas não escolhem “badalar” e dar o “ar da graça” no centro de uma grande cidade, onde serão vistos e admirados por um sem-número de pessoas?
    Será timidez… ou enganação da grossa?

    Responder

    1. Ah, Varginha é bem grande, cara. A lista de testemunhas dos bichos de varginha (eram vários) é enorme.

      Responder
      1. John Doe

        Foi ironia. Eu pretendi dizer que são locais pequenos em relação aos grandes centros, capitais, por exemplo. Agora, quanto ao fato de haver “testemunhas oculares”, isso de nada valida o que foi “observado. Existe uma série da National Geographic Channel, denominada “teste seu cérebro”, onde eles apresentam inúmeras situações em que nosso cérebro pode ser enganado, desde cenas de “roubo” nas ruas, onde as pessoas descrevem o “ladrão” errado, até mesmo conversas em mesa de restaurante, onde toda a decoração é trocada, debaixo do nariz da pessoa testada, e ela não percebe nada. O cérebro humano não consegue focar em mais de uma coisa de cada vez, e o que falta, ele acaba completando, criando assim uma percepção de realidade bem diferente do que a que realmente aconteceu.
        Não é porquê muitos “juram de pés juntos” ter presenciado este ou aquele “fenômeno”, que ele seja aquilo que eles descrevem.
        Somos mais suscetíveis aos enganos do que percebemos, no dia-a-dia. Nossa percepção do que é real e o que não é muda de pessoa para pessoa. Logo, confiar em quem para uma descrição fiel e real de alguma coisa?

        Responder

        1. Eu concordo com vc sobre testemunhos não validarem nada cientificamete. Só disse que varginha não era um bom exemplo, pq os aparecimentos dos goblins são em lugarejos bem mais remotos.

          Responder
      2. John Doe

        Philipe, dei um “reply” neste comentário, mas ele não está aparecendo. Estará indo para o lixo, “dinovo”???

        Responder
          1. John Doe

            Deve ser “delay” no sistema… sabe como é: muito acesso, muito comentário, deve ter “travado”…

  4. Rafael Martini

    “Recentemente, surgiu outra notícia dizendo que um Goblin teria explodido a casa de um feiticeiro!”….
    AuhUHaUHAuhAUHAuhauhaUhauha …..cara, chorei!!!
    AuhauhauhauhauhaUHAuhauhauha

    Responder
  5. Paulo

    Tão crédulos quanto aqueles que acreditam nos pastores e padres brasileiros.

    Responder

    1. Não é à toa que as igrejas daqui estão mirando e se expandindo violentamente do lado de lá do Atlântico.

      Responder
  6. lelek

    o pior e que eu acredito o pessoal ai parece que vai fundo na bruxaria so pode dar em m… mesmo.

    Responder
    1. John Doe

      Lelek, se você gosta mesmo de acreditar, pode adicione à lista: coelho da páscoa, saci, mula-sem-cabeça, pastor honesto, político trabalhador… a lista é imensa!

      Responder
  7. Aline Carneiro

    Eu acho que são ets…
    Brincadeira.
    Já pensaram que como isso se refere a um lugar lá no cu-do-mundo isso tudo pode simplesmente ser uma invenção? Imagine o seguinte: você é um repórter de uma agência de notícias e é escalado para ir para o Zimbábue. Lá não acontece nada de diferente, nem de interessante, mas as pessoas são tremendamente supersticiosas. Aí com uma dose de cretinice xenofóbica, você pega uma ou outra lenda urbana local e piora um pouco, publicando como se houvesse apurado “os fatos”.
    Pensem bem, todo mundo está pensando aqui que as pessoas no Zimbábue podem ser “ignorantes, crédulas, mistificadas”, quando na verdade tudo isso pode ser puro ato de má fé na origem da notícia. Não tem como o Philipe, ou eu, ou qualquer pessoa ir lá ver se isso é verdade, a fonte tem todo domínio da história, que pode perfeitamente ser fictícia. O que explica o comentário do Doe, que disse que isso só acontece em comunidades isoladas.

    Responder
    1. John Doe

      Entendeu perfeitamente. Tais acontecimentos ocorrem em locais com poucos recursos, para serem testados e comprovados. A credulidade do povo local acaba dando ares de “autenticidade” ao “fato”. É como a maioria das filmagens de OVNIs: mesmo que o fenômeno ocorra por dias seguidos, não tem um “filho de deus” que monte uma câmera decente, num tripé e faça uma imagem não tremida, em foco e enquadrada do “objeto”.

      Responder
      1. John Doe

        Em tempo: pelo menos eu não vi nenhuma filmagem, foto ou documentário nesses moldes. Se alguém souber de algum, me diga onde pesquisar a respeito.

        Responder
      2. Aline Carneiro

        É aquela história: “Olha lá um ovni! Chama a vovó para filmar com a pior câmera da casa”
        hehehe
        E agora com essa história dos documentários fake fica tudo mais confuso, eu peguei aquele “mockumentario” da ssereias começado e achei que era verdade. Nhé pra mim…

        Responder
          1. John Doe

            O que chama a atenção são canais tido como sérios, como o Discovery Channel embarcarem numa furada dessas e noticiarem a coisa como verdadeira. Devem estar com algum problema de audiência, ou então a credibilidade foi para o lixo!

  8. Fábio Fuzari

    PQP! Não são goblins… São Gremlins! (“eles vivem fazendo brincadeiras de mau gosto”)

    Responder
  9. Ro

    Acho tão triste a foto do bebe com anencefalia ser explorada dessa forma. A montagem é grotesca.

    Responder
  10. Rodolfo

    a montagem foi feita no paint do windowns 9 5(nao que tenha mudado muita coisa de lá para cá)

    Responder
  11. Paulo

    Ei Philipe, faça um post atualizado sobre a FEMA, os caixões os ônibus prisões, os casmpos de concentração no EUA. O que vai acontecer?

    Responder
  12. Rogério Calsavara

    Mesmo com a postura de Arquivo X, “I want to believe”, esses ataques de Goblins é muita viagem na maionese para mim…

    Responder
  13. Rodolfo

    o pior não é os caixões da Femma,é o Obama querer prender pessoas “suspeitas” e que poderão futuramente “cometer crimes”,sério..ta saindo uma lei para isso.

    Responder
    1. John Doe

      “A vida imita a arte, e vice-versa”. Será que os americanos estão tentando trazer o enredo do filme “Minority Report” para a realidade? Tenso…

      Responder
    1. John Doe

      É o de sempre, Lucas: filmagem mal feita, tremida, escura, desfocada e granulada. De péssima qualidade. E o “duende” (ou mesmo duente) bem poderia ser uma pessoa com uma fantasia. A baixa qualidade não permite distinguir bem. Acredita quem quer, né…

      Responder
  14. Leh

    “Alguns feiticeiros afirmam manter Tokoloshi como escravos domésticos. Os pequenos duendes não pode sair até ter uma peça de roupa.” Lembrei imediatamente do Dobby e dos elfos domésticos, “o senhor deu uma meia para Dobby, Dobby é um elfo livre!”

    Responder
    1. Leandro263

      Se eles têm esse trabalho todo só com goblins imagina quando começarem a encontrar os Marlboros…

      Responder

  15. É um caso até certo ponto bizarro, mas muito curioso em relação a veracidade dos fatos. Precisa de uma investigação mais a fundo para descobrir o que realmente está acontecendo. Em relação a história de Kelly achei muito interessante!!

    Responder
  16. Filipe

    Não sei se já foi dito aqui… mas essa história de Goblin escravo só ser libertado com roupa é EXATAMENTE o mesmo do Harry Potter. (Sim, Harry Potter).

    Responder

    1. Na verdade, a J.K. R. é que usou personagens mitologicos que tem sua propria estrutura mítica vindo de fábrica no harry potter.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.