Fantasmas da II Guerra mundial?

Alguns anos atrás, pessoas independentes realizando escavações arqueológicas nos locais das batalhas da Segunda Guerra Mundial (chamados de black archeologists) à procura de troféus de guerra preciosos, estavam em franca expansão na Russia. Porém, durante a busca, um grupo de black archeologists se deparou com o lado mais gumpesco da caça por despojos de humanos que pereceram no horror da Guerra.

Fantasmas da II Guerra mundial?Em 1997, um grupo de seis pessoas foi para Luban na região Leningradsky, onde ficavam as ruínas de um mosteiro de Makaryevsky, destruído durante a guerra. Tão logo se aproximaram das ruínas, os membros do grupo perceberam as chamas de uma fogueira. Eles ficaram chocados ao descobrir que a fogueira estava levitando no ar. À medida em que se aproximaram das ruínas, a estranha fogueira desapareceu de forma tão misteriosa quanto surgiu.

Os black arqueólogos fixaram um acampamento nas ruínas. Durante a noite, eles foram acordados por horríveis gritos humanos. Ao saírem das tendas, eles perceberam que os gritos provinham da escuridão da floresta. Nenhum deles teve coragem de correr para ajudar.

Foi uma longa noite. Na manhã seguinte, um dos arqueólogos foi até a floresta e se perdeu. Os amigos fizeram uma pequena busca por ele, gritando seu nome, mas não houve resposta. Subitamente, após três horas depois de sumir, com a sua roupa suja e um olhar maníaco ele retornou. O jovem nunca disse aos seus amigos o que aconteceu com ele.

Uma das mais famosas zonas anômalas relacionadas à Segunda Guerra Mundial é um vale pantanoso chamado Myasnoy Bor, localizado a 30 quilômetros de Novgorod. Muitos soldados do segundo batalhão de ataque do Exército soviético, bem como das divisões da Wehrmacht alemã, e a “Divisão Azul” espanhola, além de outros soldados morreram nesta área durante a ofensiva Lyuban, numa operação de combate realizada em 1942. Muitos corpos foram largados nos campos, sofrendo a ação natural da decomposição ao relento.

Galina Pavlova, chefe do grupo de busca da cidade de Engels na região de Saratov falou sobre um incidente que aconteceu com ela em 1997: “O bosque de Bor Myasnoy é um lugar assustador e sobrenatural. Logo que você fica lá sozinho, a mata começar a emitir estranhos sons. Você pode ouvir claramente alguém gritar “Hooray”, como se as almas inquietas dos soldados que ali pereceram ainda estivessem a realizar um ataque.

No dia em que encontrei as minas, fui atrás dos caras em uma trilha. Eu parei em um local que foi escavado muitas vezes antes. De repente, vi que as árvores estavam inclinadas para o mesmo local, embora não houvesse vento. Chamei meus companheiros e encontramos uma caixa de madeira em decomposição e algumas minas antigas. ”
Alexei, um black arqueólogo que costumava escavar na floresta perto da frente russa de Bryansk, numa área datada entre 1942-1943, contou uma história interessante.

“Nós removemos os corpos de seis soldados russos e 11 alemães, quatro dos quais eram soldados da Wehrmacht em uma trincheira cavada nas bordas do pântano. Cortamos uma camada de detrito e raízes e descobrimos botas alemãs em decomposição, ainda com ossos saindo para fora. Então começamos uma escavação mais cuidadosa, e encontramos os ossos pélvicos, uma espinha e costelas. Pouco a pouco, nós cavamos os vestígios de quatro pessoas.
Estava ficando escuro. Deixamos os esqueletos na trincheira e acampamos em um prado cerca de 200 metros de distância. Foi aí que as coisas começaram a ficar esquisitas.

À noite, algo aconteceu. Fomos acordados por Valera, um dos rapazes de plantão. Valera disse que algo estranho estava acontecendo. Nós levantamos e começamos a ouvir atentamente. Podíamos ouvir as vozes em alemão, canções, risos e barulhos altos de motores, como os de um tanque. Foi muito assustador.

Na manhã seguinte fomos para a trincheira. Parecia do mesmo jeito de quando a deixamos. Mas quando nós andamos um pouco mais, descobrimos marcas frescas das lagartas usadas pelos tanques de guerra da época.”

Ao que parece, existe uma zona anômala em Zheltoyar, mais conhecida como zona Novokhopersk, na parte leste da região de Voronezh, perto da cidade de Novokhopersk.

Membros da comissão de Voronezhe para estudos de fenômenos anômalos foram ao local para estudar aqueles fenômenos. Eles eram liderados pelo um famoso pesquisador Genrikh Silanov. Os membros da comissão realizaram diversos experimentos, e em algumas fotos surgiram imagens de pessoas vestidas em uniformes de soldados em frente a tendas. Um “avião fantasma” apareceu em uma das fotos. Os investigadores acreditam que estes elementos eram da II Guerra Mundial. Uma das fotos mostrava uma silhueta de um soldado Checo. Mais tarde, os pesquisadores descobriram os restos mortais de uma divisão tcheca que era uma parte do exército soviético localizado nessa área.

Silanov acredita que as fotos eram típicas “miragens chronal” criadas pelos chamados “campos de memória” ligado a acontecimentos dramáticos que ocorreram no passado. fonte

Esta não é a primeira vez que vejo casos assim.
Eu tenho um livro que narra um fato inusitado ocorrido na Normandia.

Fantasmas da II Guerra mundial?Ao amanhecer do dia 19 de agosto de 1942, tropas aliadas Canadenses e inglesas atacaram o porto de Dieppe, na Normandia que era uma área ocupada pelos Alemães. O combate foi um ensaio para o Dia D, que ensinou muito aos aliados. Mas custou caro. As baixas dos aliados contabilizaram 3623 corpos. Nove anos depois, no dia 4 de agosto de 1951, minutos antes de romper o dia, duas inglesas que passavam as férias nas proximidades foram acordados com o som ensurdecedor da artilharia. Durante cerca de três horas, elas puderam ouvir a repetição exata dos sangrentos acontecimentos ocorridos nove anos antes.
Era como se a batalha estivesse presa no tempo. O relato das testemunhas foi registrado por militares.
As duas mulheres que eram cunhadas contaram que encontravam-se em Puys, uma cidade à beira-mar próximo a Dieppe. Elas disseram que às 4 horas da manhã ouviram os primeiros gritos de soldados, como que sobrepondo-se a uma tempestade. Foi possível identificar os sons de artilharias e bombardeamentos que gradualmente iam aumentando, como em ondas.
Às 4:50, houve um silêncio súbito. às 5:07 elas escutaram um intenso ruído de ondas se quebrando, seguidas de bombas e alguns gritos débeis ao fundo. Quando foi 5:40, houve um novo silêncio. E apenas dez minutos depois o som da um grande número de aviões com ruídos de fundo de menor intensidade.
às 6:00 da manhã o ruído parou. Ele recomeçou às 6:25 com muitos gritos. Os gritos foram gradualmente enfraquecendo até sumirem. Não houve nenhum outro som estranho no ambiente após isso.

Fantasmas da II Guerra mundial?

O caso era particularmente interessante, porque as testemunhas não tinham o menor conhecimento dos fatos históricos que se deram no local cerca de uma década antes. Ao comparar o depoimento das duas com os dados reportados nos diários de combate, havia uma impressionante similaridade em termos de tempo com o que acontecera. A Sociedade Britânica de pesquisas psíquicas estudou o caso e comparou os dados militares aos depoimentos. Eles descobriram que às 3:47 os barcos aliados se aproximaram da costa. Os alemães tentaram repelir a abordagem usando artilharia. Às 4:50 era considerada a Hora 0 para a ofensiva aliada. Porém, ocorreu um atraso de 17 minutos nos planos, o que provocou um período breve em que o tiroteio cessou. Quando deu 5:07 as barcaças com as tropas se aproximaram da praia de Puys sob forte tiroteio. Os contratorpedeiros bombardearam Dieppe com granadas, enquanto a aviação atacava edifícios do litoral.
Às 5:40 O bombardeio é interrompido. 5:50 chegam reforços aéreos aliados, que travaram combate com a aviação alemã. Quando foi 8:30 o ataque é repelido, com terríveis perdas para os aliados. Os poucos sobreviventes rendem-se.

Quando comparamos os dados das testemunhas e a sequencia de fatos ocorridos no dia do combate, é impressionante a similaridade. Ninguém até o momento foi capaz de explicar com provas definitivas o que realmente ocorreu. Seriam as duas mulheres golpistas em busca da fama instantânea? Seriam médiuns que conseguiram captar uma espécie de “instantâneo” preso no espaço-tempo?
Talvez nunca saberemos.

Related Post

19 comentários em “Fantasmas da II Guerra mundial?”

  1. Philipe,
    Excelente post! Volto a colocar o meu Mato Grosso do Sul na parada(lembra-se das suásticas no cemitério de Corumbá?). Como sabes, a maior parte do MS foi palco da Guerra do Paraguai. Um dos primeiros bastiões de defesa a sucumbir a invasão do exército paraguaio foi uma região hoje denominada Cidade de Antonio João. Homenagem ao tenente de mesmo nome que comandava uma pequena guarnição de fronteira e que recusou-se a render-se a um inimigo mais numeroso (segundo registros oficiais) morrendo então no ataque paraguaio. Nesta região entre as cidades de Bela Vista e Caracol é possível chegar facilmente a um antigo acampamento militar paraguaio, Não há nenhuma ruína de qualquer edificação mas sim uma área plana e semi-desmatada tal qual um campo de futebol mal-conservado. Pois é ninguém gosta muito de passar por ali, escuta-se as vezes ao longe o burburinho de gente e barulho de metais de arreamento de cavalos, como se uma grande tropa estivesse se preparando para sair.
    O Problema é que MS é cheio de lugares assim. Em toda a região fronteiriça há histórias de urnas de barro com moedas inglesas(patacão de 180 g de prata) enterradas pelos habitantes em fuga do exército paraguaio, e que muitas vezes não mais retornaram por terem sido alcançados e mortos pelos paraguaios, então passam a assombrar o local do tesouro.
    Ali tem histórias muitas!
    Abraços

  2. Seria o blogueiro um golpista em busca da fama instantânea? Seria um contador de historias que conseguiu captar uma espécie de “inocentes” presos no blog-fantasia?
    Talvez nunca saberemos.

    • Será?

      Será que todos estes anos nós fomos enganados e tudo não passou de alguém querendo ter um blog bastante visitado???

      Não pode ser! Isso deve ser a mais pura teoria da conspiração!

    • Blogueiro em busca de fama instantânea? Então sou muito mal sucedido, já que o blog existe desde 2006 e eu ainda não obtive a tal fama. O que eu tenho é uma audiência grande, formada por pessoas de todas as idades e diversas classes sociais. Contador de histórias, sim, é um bom elogio e aceito de bom grado. Sobre prender pessoas, eu não prendo ninguém, amigo. As pessoas entram aqui porque querem, porque gostam. Eu só faço o meu trabalho. Se eles gostam, que bom.

  3. Seria Pedro Lopes um leitor perdido no tempo-espaço virtual que não sabe distinguir notícias com conteúdo real de contos e histórias de fatos sobrenaturais, que exigem mente aberta e/ou muito estudo para serem compreendidos?
    Talvez nunca saberemos. :raisebrow:

  4. Primeiramente grato ao Philipe pelo blog e todo o trabalho que tem para relatar seus contos e estorinhas. Tenho muito em comum, alias, acho que muitas pessoas tem, com o conteudo!
    Sobre coisas do alem, o sobrenatural, coisas paranormais, ocultismo em geral, por mais que tenha procurado saber sobre o tema, infelizmente não obtive exito em ver ou obter uma prova da existencia, e tudo ficou ainda mais complicado quando o Senhor James Randi disponibilizou um milhão de dolares para quem aceitasse o desafio de realizar um feito sobrenatural e depois de dez longos anos…nada!
    site do desafio: http://www.randi.org
    Mais uma vez, agradeço pelo espaço e o conteudo, vlw.
    []´s

  5. Muito bom!
    Gosto muito desse tipo de história, sejam verídicas ou não, e o mundo está cheia delas, basta garimpar! E você, como um bom garimpeiro, sempre nos premia com esses tesouros(ficou meio gay?).

  6. Seria o tal Pedro uma salsinha do Senhor? Ou uma salsinha cética? Ou pior, uma mala que não sabe comentar e tem que somente criticar?
    Vou te contar, essas malas são umas… malas sem alça e pesadas, hauaauhauuahahhau!!!

    Philipe, temos um caso também, de um lugar, aqui em Nikity, que é assombrado por mortes do passado, e muita gente já viu coisas e já passou mal lá, e que hoje em dia está fechado à visitação!
    A Boca do Lobo na Fortaleza de Santa Cruz… vale um post!

  7. Me ocorreu que a extrema tensão nervosa em que os soldados estavam (e bota tensão nisso) possa de alguma forma ter influenciado os átomos da matéria ao redor deles – afinal, tudo no universo é feito praticamente do mesmo carbono – e ficado gravado nas pedras, nas árvores ao redor da mesma forma que um magneto grava uma fita cassete. Aí as pessoas quando chegam no local e começam a relaxar passam a captar esses registros que ficaram gravados “naturalmente” por alí, sendo nada mais do que os soldados viram e ouviram na ocasião.

  8. Muito bom o blog! Leiam o livro de DR KURT BUDBERG, “A chave dos Mistérios” e Universo Paralelo a Dimensão desconhecida” explica claramente o universo paralelo em que vivemos, há muitas coisas que não entendemos e que não aceitamos, porém existem e não são notáveis! São mistérios que só estudiosos do assunto podem compreender e explicar de maneira clara a quem tem interesse de aprender.
    Sou um colecionador da WWII, e olha, tem coisas impressionantes, tais como rituais que faziam e etc.
    Parabéns, continue escrevendo!

  9. Me lembrei do caso que o “sargento instrutor” comentava, quando no quartel recebia instruções sobre deslocamento de tropas, na mata em campo aberto. Para ilustrar e fazer com que os soldados ficassem “ligados” ele mencionava a”PATRULHA FANTASMA”: Quando estava acampados proximo ao deserto os soldados avistavam uma patrulha se deslocando à grande distancia e para lá rumavam na esperança de interceptá-la, mas para suas surpresa não encontravan ninguém e nem vestígio algum. Descobriu-se, então, algum tempo depois e dpois também de algum estudo, que se tratava, nada mais, mada menos do que o reflexo na poeira do deserto de alguma patrulha que realmente estava se deslocando a muitos quilômetros dali. Fato tambem confundido com “MIRAGE”!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares