• Marcos
  • Rafael Martini

    Elisa Lam entraria nessa lista por morrer supostamente após investigar sobre um armamento secreto no Canadá?

  • Douglas José de Paula

    Lendo esses textos me fizeram lembrar dos primórdios da internet quando obtive uma cópia dos documentos do MAJIC 12, tudo em inglês, e eu não entendia patavina da língua, mas munido de um dicionário fui traduzindo todos os documentos e criei uma página no geocities, a ˜Doug UFO Homepage” onde disponibilizei os documentos traduzidos p/ o português e outros assuntos e “viagens” próprias. Lembro das histórias do Bob Lazar, e Milton William Cooper, o saldo positivo é que com isso acabei me interessando e aprendendo a língua inglesa. Esse seu posto me fez lembrar de uma época muito boa. Obrigado.

  • Diego

    Cuidado hein Philipe. kkkk

  • BEZALEL

    Não é de admirar que justamente as mentes mais expectantes e dedicadas sobre determinados assuntos sejam elas justamente “siucidados” bem quando estavam no auge de suas investigações? Você, por exemplo, se estivesse desenvolvendo um projeto adorável e interessante, por que diabos iria se matar, sem motivo aparente?
    Outra coisa a se considerar, é que essas pessoas investigadoras, tenham “mirado em um veado e acertado outro”. Quer dizer, descobriram sem querer alguma ou outra coisa que era pra estar defitivamente fora da mídia, que não necessariamente sobre os assuntos (ufos e ovnis), no decorrer de suas investigações!

  • Mass Hysteria

    Pelo jeito o cara atirou no que viu e acertou no que não viu. E deu no que deu…

  • Alarico Caiser Soze

    Cara, você escreve bem demais. A história por si só é fantástica mas o texto a valoriza exponencialmente. Tenho certeza de que há alguma coisa em curso em se tratando de conspiração, é muita grana, muita grana mesmo e todos sabemos que manter as coisas como estão no planeta é interessante para alguns grupos. Ainda bem que sempre haverá os “pistoleiros solitários” em todos os níveis.

    “teorias da conspiração são coisas para debiloides com bronzeados
    excessivos, dentes ultra-brancos e cabelo bizarro usando pins de
    aviãozinho Asteca na lapela” – Ei! Conheço esse cara! Rs.

  • Rafael Rangel de Andrade

    Phillipe, acaba de me ocorrer uma coisa. É meio doido, mas…já parou pra pensar se essas pessoas não são mortas por próprios ufólogos? Existem pessoas com aquela síndrome que não sei o nome, mas que “adora” estar no mundo fantasiado por ela – no caso, o mundo das teorias da conspiração. Aquele mundo onde o governo conspira contra todos, e a pessoa é um “salvador da humanidade”, sendo incumbida da inteligência superior de fazer parte de um seleto grupo dos que “o governo não engana”.
    As vezes, a queda desse “mundo” pra pessoa é algo inimaginável, do qual ela perderia seu “status quo” e retornaria ao posto de “cidadão comum”. Tão inimaginável que ela faria qualquer coisa pra manter esse mundo de pé – inclusive assassinar pessoas que “cheguem perto da verdade”…sendo que essa “verdade” não passa da verdade que todos conhecemos.
    Ao assassinar essas pessoas, mata-se 2 coelhos com uma só cajadada – não só a pessoa que está próxima de derrubar esse mundo de fantasia sai da jogada, como a morte dela pode ser interpretada como “aviso”.
    Já parou pra pensar nisso?