Estranha colheita: Mutilações humanas que intrigam qualquer um

Acabei de ler o livro do meu querido amigo Carlos Alberto Machado. Sem duvida um dos livros que mais me intrigou nos últimos anos. Como você sabe, tenho uma quedinha (quase beirando o patológico) por assuntos misteriosos e insólitos, daquele tipo que a gente deita na cama e fica pensando: …E se? E daí não dorme.
Abdução, combustão humana espontânea, desaparecimentos, sons misteriosos, espíritos, dimensões paralelas, reencarnação, criptozoologia, milagres, coincidências tão espetaculares que desafiam nossa credulidade, enfim. O mundo está RE-PLE-TO de situações que desafiam a lógica. Se tem um negócio que eu tenho que concordar é com o dramaturgo William Shakespeare, que num momento de inspiração pura, cunhou a lapidar (hoje batida) frase:

Há mais coisas entre o céu e a terra do que pode imaginar nossa vã filosofia.

Se tem um livro que pode mostrar como esse dramaturgo inglês estava feliz em sua observação é o do Carlos Alberto Machado. Machado começou suas pesquisas investigando nos anos 90 o curioso “surto” de eventos atribuídos popularmente ao Chupacabras. Hoje apenas o termo “Chupacabras” é capaz de produzir o mesmo risinho amarelo que “et de Varginha” na maioria das pessoas, alheias ao ofício ingrato de “entrar na lama” e ir olhar essas merdas mais de perto.
Mas o fato é que seja la que merda fosse o que acontecia no final dos anos 90, estava aparecendo bicho morto para tudo quanto é lado aqui no Brasil, e muitas vezes com certos requintes misteriosos como “deposição dos cadáveres sem sangue em linha reta, organizados por sexo e espécie”. Machado foi a fundo na pesquisa e isso gerou seu primeiro livro: “olhos de dragão”.

À medida em que o tempo passou, a investigação do insólito foi levando o Machado para mais longe do que imaginava. Das “colheitas animais” gradualmente começou a perceber que havia material suficiente para reunir num novo livro; esse marcado por estranhos e macabros episódios do que poderia vir a ser uma “colheita humana”, daí o nome do livro.

Nesse livro estão casos aos quais tenho grande interesse, porque não vou negar que os episódios de “violência extraterrestre” sempre me atraíram terrivelmente na casuística ufológica. Casos como as mortes de dois especialistas em eletrônica aqui na minha cidade (Niterói) no famoso Caso das Máscaras de chumbo sempre me intrigaram, desde que eu era moleque. Outros casos também são de arrepiar, como o caso dos montanhistas russos assassinados no Passo Dyatlov.

Mas talvez, de todos os casos do livro, um dos mais estranhos seja

O tenebroso caso da mulher que teve o rosto roubado!

Nesse caso, chamado Caso Santa Isabel, descobrimos uma família, composta da esposa, marido, filha pequena (10) anos e uma idosa mãe do dono da casa, que já estava bem debilitada, bastante doente, prestes a morrer. A idosa passou mal e a esposa do homem disse a ele que a sogra estava em estado bastante preocupante. Ele então resolveu levar a mãe no hospital no dia seguinte, quando fecharia sua banca de jornal mais cedo e iria com a mãe no médico. Mas não houve tempo. Naquela madrugada ela faleceu, e quando a nora foi levar o café da manhã no dia seguinte, ela estava morta. Estava “gelada” conforme contou em depoimento a nora.
A nora da idosa pegou a filha e saiu de casa, trancando tudo. Foi até um comercio perto telefonar do orelhão para o marido para informar da trágica notícia, que infelizmente, já era esperada. Cerca de 40 minutos depois, o marido chegou na venda, e foram até a casa para tratar do andamento natural da ocorrência. Tudo conforme testemunhado pelo dono da venda.
Eis que quando o marido entrou no quarto, deu um grito. A esposa que vinha logo atrás quase desmaiou ao ver que ali no quarto, dentro da casa trancada, estava a idosa na cama… Sem o rosto!

%name Estranha colheita: Mutilações humanas que intrigam qualquer um

Alguém ou alguma coisa tinha entrado na casa trancada e em cerca de 40 minutos havia cortado com bisturi o rosto da idosa, removendo o tecido, os olhos a língua e parte da faringe dessa senhora, sem derramar absolutamente NENHUMA gota de sangue. A pele havia sido removida com tamanha precisão cirúrgica que impressionou todos os legistas, e inclusive o delegado que chegou para ver o caso. Ainda mais misterioso foi perceber que o corpo estava morno, em contraste com o gelado que a nora havia encontrado na hora do café da manhã. A parada ficou ainda mais bizarra quando na autopsia a analise cadavérica indicou que a hora da morte foi por volta de 1:30 da madrugada, hora em que os cachorros da região entraram todos “em surto” latindo feito loucos. No dia seguinte, na vizinhança, um dos cachorros foi descoberto com a cabeça decepada, como que sido guilhotinada!

Não foram encontrados acessos para dentro do quarto, tudo estava trancado sem sinal de arrombamento, não havia marcas de sangue nem de violência no corpo, os cortes pareciam ter sido feitos com bisturi profissional, por alguém com habilidades inacreditáveis, uma vez que a morta usava roupas brancas e não havia sangue algum, além de que a pele foi removida tão completamente que nem no crânio havia restos de tecido. Não acharam língua, olhos, nariz nem uma das orelhas em parte alguma da casa. Quem cortou, levou. Pra onde? Ninguém sabe. Isso levou o caso a ser considerado o “arquivo X da cidade”.
Se tem uma história escabrosa no Brasil, é essa! Obviamente que eu resumi ao resumo do resumo. Para saber em detalhes, (com direito a fotos macabras) e conversas ao pé do ouvido com o legista, você vai achar na pagina 245.

O mais incômodo de tudo é pensar que este não é o único caso. Tem gente carbonizada, gente que teve os olhos roubados, gente que derreteu… rosto roubado só nesse livro são três! Enfim, recomendo fortemente o livro do Machado, mas não sei se é uma boa ideia como livro de cabeceira, kkkk.

%name Estranha colheita: Mutilações humanas que intrigam qualquer um

Artigos relacionados

Comments

comments

4 comentários em “Estranha colheita: Mutilações humanas que intrigam qualquer um”

  1. mto interessante o assunto. gosto desses temas, mas o que mais me tira o sono, com certeza é o tema extraterreste. lembro com clareza de ter perdido o sono umas 3 noites depois de ler sua matéria sobre os alpinistas (inclusive essa imagem da capa do livro é uma fotografia real do caso dyatlov, não?). me causa um pavor, uma sensação real de estar sendo observada. passei a última semana assistindo casos de relatos diversos entre aparições, lobisomens e ufos no youtube. o que me gelou a espinha é de um cara no rio grande que mora em uma fazenda mais retirada por trabalhar com genética bovina (olha só…) relatou luzes ao redor da casa, barulhos na cozinha, alarme da casa desarmado com senha por ninguém, o filho dele de 10 anos aparecendo em cima de uma arvore as 6 da manhã sem saber como foi parar lá… até que presenciaram a criatura dentro de casa, vasculhando, procurando alguma coisa.
    pode ser fanfic, obvio. e das boas, pq eu me arrepio só de lembrar da história toda. masd como vc mesmo diz… e se?

  2. Li sobre esse caso há muitos anos atrás e nunca me esqueci. De vez em quando procurava por ele na internet, mas nada de achar. Valeu pelo texto, já encomendei o meu exemplar!

  3. Esse caso não sai da minha cabeça… queria mais informações… explicação lógica seria a mulher do cara ter feito isso… mas por que? Algum doido entrou pulo muro da casa entrou lá recortou a véia e pulo muro de volta em 40 minutos?

    Questão de não ter caído sangue talvez seja mais fácil de explicar dado que o coração tá parado… mas mesmo assim ainda é complicado fazer algo tão “perfeito” e tão rápido… tenso.

  4. Mutilações em seres humanos são muito mais comuns do que você pensa…

    Existe uma divisão, ultrassecreta, da Otan só especializada em encobrir e investigar esses casos.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.