Dois videos que ampliam nossa visão sobre a Terra

No Youtube há dois videos que nos dão uma visão bastante interessante sobre nossos efeitos sobre o planeta Terra.
O primeiro, chama-se “Bem vindo ao Antropoceno”. Trata-se de uma animação 3d que mostra o impacto humano no planeta Terra e sua escala de impacto em diferentes níveis desde o advento da revolução industrial até os dias de hoje.
O video começa com as grandes transformações que o homem produziu no planeta quando o petróleo permitiu seu desenvolvimento industrial. Doenças foram exterminadas, a taxa de mortalidade regrediu tremendamente e a população global explodiu em taxas nunca vistas antes na História da Terra. Isso resultou em inúmeras alterações, de solo, de ar, no clima e nas outras espécies que habitam o mesmo planeta que nós.

É interessante a ideia do video de que estamos numa nova era planetária, chamada Antropoceno.

Enquanto o video acima dá um panorama geral do impacto humano no planeta, este outro video abaixo mostra algo chocante. No video, há um beep para cada explosão nuclear realizada no mundo. Ele pega um período de 1945 a 1998. Observe a escala de explosões nucleares atingindo o clímax durante o período da Guerra Fria.

Obviamente esses dois videos não estão diretamente relacionados, mas pense por um momento como seria a estupefação de uma inteligência superior observando de fora nosso crescimento e desenvolvimento bélico. Eu teria apostado minhas fichas na aniquilação da raça humana por ela mesma. Até agora isso não ocorreu, mas a julgar pelas infos do primeiro video, talvez estejamos como os sapos, relaxando na água panela quente, pensando em como somos fodões… Até que seja tarde demais.

Related Post

8 comentários em “Dois videos que ampliam nossa visão sobre a Terra”

  1. Ainda bem que até hoje Afegãos e alguns rebeldes do oriente médio não possuíram o poderio bélico para aniquilação total. Senão, ao invés de explodirem ônibus e aviões, explodiriam países inteiros em nome de Alá e Maomé.

    Penso que talvez uma raça alienígena superior nos observa assim como observamos o percurso da natureza selvagem na África. Ou seja, lamentam e se impressionam, mas não interferem às ações praticadas pelo homem em seu progresso.

  2. Ontem foi no Jô Soares um Professor e Doutor da USP em Climatologia, e falou justamente sobre a “farsa” do aquecimento global e seus derivados como “sustentabilidade” e justamente do “antropoceno”.
    Achei muitíssimo interessante a entrevista do Dr. Ricardo Felicio, que teve 2 blocos com direito a “Ahhhh” no final :), e fui pesquisar melhor sobre o trabalho de conscientização que ele faz divulgando as falácias do “Movimento Verde”.
    Achei essa palestra que ele fez no RS em 2011, e apesar de longo, o video é muito interessante e informativo.
    http://www.youtube.com/watch?v=oJTNJBZxX6E

    Agora as vésperas da Rio+20, é o momento certo para entender melhor esse cenário.
    Abs! 

  3. Minha nossa! Foi essa a minha reação quando vi o vídeo da timeline das explosões nucleares. E eu achando que tinha havido “algumas” detonações para testes…

    • Mas é dito que as bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki foram as duas únicas usadas em guerras. Todas essas parecem testes nos próprios territórios ou em colônias.

      • Não vamos confundir: As bombas de Hiroshima e Nagasaki foram as únicas bombas jogadas por um país no outro. Mas o número de bombas explodidas desde o início do projeto Manhattan é gigantesco. Felizmente, a quase totalidade delas teve finalidade de estudos e aperfeiçoamento. Mas como foram explodidas, entram nesta contabilidade das explosões atômicas no planeta.

  4. E estes americanos e russos malucos, realizaram todas estas explosões dentro do seu proprio território. Olha só os dos americanos, todas na califórnia. E eu via aqueles filmes de gente deformada no deserto e achava que era ficção. Olhando o vídeo, não sei como toda a população da califórnaia não virou mutante. Olha a quantidade de radiação que eles produziam. E na região central da russia também. Que gente louca!!!!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares