31 Comentários

  1. Aline Carneiro

    Queria ver ele pedir decidido pra ir pro cemitério se ainda fosse noite…
    🙂
    Deu um medo DO CARALHO. Esse conto dava um filme de terror de primeira, e melhor, com poucos recursos, porque o medo que ele provoca não depende de efeitos especiais. Tá de parabéns, Phelipe

    Responder
  2. Dhiego

    Wagner, pensei exatamente a mesma coisa! Hahahaha. Acho que um dia descobriremos que todos os contos estão interligados…bem gump mesmo…rs.

    Responder
    1. Hermínio

      Se for na Inglaterra ou em NY os taxistas indianos são quase um clichê…rs

      Responder
      1. Aline Carneiro

        A teoria da pixar é meio forçada, as relações entre personagens dos filmes do tarantino são mais legais (na minha opinião)

        Responder
  3. Rogério Calsavara

    Mas esse cara tem um sangue frio, hein? Ele vê um corpo sem cabeça andando e ainda quer agarrar a coisa?

    Philipe, você já pensou em usar cinemagrafia nesses seus contos de terror? Como os desse post aqui: http://www.mundogump.com.br/cinemagraph/

    Eu já fico um pouco assustado quando aquele Jack Nicholsson dá aquela risada…

    Agora se aquela menina cadavérica virasse a cabeça e olhasse diretamente pra mim ia ser terrivelmente assustador!

    Responder
  4. Yassushi

    Como sempre, um ótimo conto! Aguardando o próximo capítulo.

    Falando sobre A Caixa, eu gostaria de ver uma escultura do Mungo… Rola não, Philipe?

    Responder
  5. Mme. Danica

    Essa parte deu muito medo! Nem consegui olhar direito para as fotos. Cruzes!

    Philipe, só algumas pequenas correções:

    “Rogério teve certeza DE que a pessoa que acabara de ver não era uma camareira, pois elas vestiam avental branco.”

    “Concentrou-se EM um velho chapéu que havia conseguido comprar de um membro da família.”

    “O homem era magro, calvo, e tentava pegar o chapéu sobre a cadeira. Parecia não ter consciência DE que estava morto.”

    Agora estou até com medo de esperar pela próxima parte, já que não sei o que vem por aí! rs

    Responder
  6. Aline Carneiro

    Phelipe, alguma coisa sobre a origem da foto da mulher decapitada? Ela é real?

    Responder

  7. Na foto da “decaptada” percebe-se que o pescoço do “corpo” não é normal, parecendo ser um manequim, com um encaixe para a cabeça. Ademais, para alguém recém decaptado deveria haver sangue que não acaba mais… Parece que não é de hoje que gostam de adulterar fotografias, para mostrarem algo além da realidade. Se existisse photoshop já naquela época…
    Na foto da menina, os olhos estão expressivos demais… ela não parece morta. Me lembrou uma notícia que lí há algum tempo, informando que antigamente havia fotógrafos especializados em fazer fotos, e até mesmo máscaras de cera de pessoas recém falecidas. Seja por morbidez, seja para guardar uma recordação do “de cujus”, é algo que se encaixa no conceito “bizarro”.

    Responder
  8. Aline Carneiro

    Eu perguntei, Doe, porque achei que podia ser uma pessoa decapitada depois de morta por suspeita de bruxaria ou vampirismo, prática que foi comum até mesmo nos EUA até o século XIX.
    Em alguns lugares do leste europeu eles realmente acreditam em vampiros, e até hoje nos confins da albânia tem lugares em que, se suspeitarem que o morto pode vir a virar vampiro, eles cortam a cabeça do cadáver e enterram separado.

    Responder

  9. Entendi. Mas meu comentário não visou sua pergunta, não. Foi mesmo em relação ao tema da postagem. Até onde eu sei, e já pude ler, pessoas tidas como vampiras, zumbis e outras “cositas” que, mesmo depois de mortas, poderiam voltar a atormentar os vivos deveriam ser esquecidas. Razão pela qual não registravam nem o lugar onde o corpo seria sepultado, com medo de que o encontrassem e o trouxessem de volta à vida (parceiros ou “escravos dos mortos). Muito menos fariam fotos ou ilustrações delas.
    Para mim, pareceu um tipo de montagem, mesmo. Posso ter me enganado, mas foi a primeira impressão.

    Responder
    1. John Doe

      Aline, pela explicação do Philipe, logo acima, eu acertei: foi montagem, mesmo… =D…

      Responder
  10. Willian Dias

    Cara, tá demais este conto. Sempre que posso leio a noite pra dar um clima mais tenso. Mas não consigo resistir quando vejos publicado um novo capítulo, então paro qualquer coisa que estiver fazendo para ler… rsrs
    Estou ansiosamente esperando pelo próximo capítulo 😀 . Ótimo trabalho.

    Responder
  11. David Sá

    Pow, Philipe, que suspense, hein! Muito legal esse conto… Vê se não demora a escrever outra parte,por favor.

    Responder
  12. Juliana Vetromille

    Oi Philipe, lembrei de vc hoje de manhã, estava no blog verdades especiais e vi uma nota de treco chamado “A Caixa da Loucura”, acho que vc vai gostar muito, vou colocar os links abaixo pra vc dar uma olha, não perca, é muito GUMP!!!
    O Primeiro é do blog que vi a nota e o segundo é de onde estão as fotos da caixa e seu conteúdo:
    http://verdadesespeciais.blogspot.com.br/2013/11/noticias-04102013.html
    http://imgur.com/a/uCSg1

    Bjos,
    Juju

    Responder

    1. Nâo, eu vou continuar. Só tô numa semana de entrega de trabalhos aqui e to com pouco tempo pra sentar e escrever, ate pq eu nunca sei se vou escrever dois dez minutos ou durante 4 horas…

      Responder
  13. Irineo

    Uma curiosidade que já me atormenta desde A Caixa, você mesmo criou todas as imagens dos contos, como você faz?

    Responder

    1. Algumas me dão um trabalho enorme. Eu faço montagens com fotos no photoshop. As que eu mais gosto são as da Busca de Kuran

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.