• Sinatra

    “Isso parece bastante lógico quando pensamos em aparelhos eletrônicos, carros e produtos imateriais, finitos em si mesmos. O erro dessa ideia é achar que um ser humano pode ser avaliado desta maneira numa relação.”

    Parabéns!

  • Raquel Liparizi

    faltou ressaltar só que a versao masculina do aplicativo ja existe…e para quem possa interessar, chama tubby

    • Dan

      Ah, é? Mande-me links :)

  • Will

    Calcinha com enchimento? Graças ao céus nunca conheci essa… Pelamor…

  • Cris

    Esses aplicativos pra avaliar os outros são besteira sim… pura perda de tempo… mas a polêmica no lulu foi por que os machinhos não gostaram nada da ideia de serem avaliados. Sabe aquela frase, os homens tem medo de serem tratados como eles tratam as mulheres? Pois é. Só com o Lulu esses babacas perceberam o quanto é CHATO ficarem falando mal de você pelas costas, nas redes sociais e sem dar oportunidade de defesa-coisa que sempre fizeram com as mulheres. Talvez agora eles entendam a forma humilhante como muitas mulheres são tratadas no dia a dia e se manquem.

    • http://www.philipekling.com Philipe

      Vejo muitas mulheres reclamando sempre disso, e coisa e tal… Mas juro que eu nunca (never) vi nenhum amigo meu falando de mulher assim, pelas costas e tal. Talvez eu tenha os amigos certos. Talvez seja porque eu casei muito cedo e pulei esta etapa aí. Já to com quase 20 anos de casado.

      • Cris

        Eu acredito, Phillipe. Eu creio que a maioria dos homens não faz isso e nem trata as mulheres dessa forma, eu mesma nunca sofri assédios pesados, só alguns “engraçadinhos” na rua… mas já ouvi cada coisa de outras mulheres, cara. Uma mulher uma vez contou que um velho do nada meteu a mão nas partes dela na frente de um monte de gente no ônibus, e ela sem conseguir reagir, só chorando, e o povo no busu não fez NADA pra ajudar. E isso nem é o pior…

        • Leandro263

          Isso era um velho tarado. Até os filhos da puta envelhecem, Cris. E o que é pior, com essas coisas de estatutos de idoso, etc, muitos desses canalhas acham que têm costas quentes pra aprontar o que quiserem, que se alguém discordar deles eles podem denunciar a pessoa por maus-tratos. Enfim, você está usando um caso revoltante pra enquadrar 50% da humanidade na mesma categoria. Não é muito melhor do que o cara que é assaltado por um negro e no dia seguinte decide que todos os negros são bandidos. Quanto ao negócio de ninguém fazer nada: por acaso todo mundo no ônibus era homem? Não tinha nenhuma mulher no meio, também? Covardia e descaso podem vir dos dois lados… Principalmente num ônibus, onde muita gente já entra decidida a ignorar os problemas dos outros, mesmo que estejam acontecendo no assento ao lado. Pode apostar que se uma mulher estivesse socando um velho pra roubar a carteira dele, aconteceria o mesmo.
          E outra, que história é essa que é exclusividade de homem falar mal pelas costas, em rede social, sem oportunidade de defesa? De julgar doentiamente os outros? Na maioria das histórias desse tipo que costumo escutar, quem faz isso com uma mulher invariavelmente é outra mulher – isso quando não é a melhor “amiga”, mesmo.

          • Cris

            Leandro, não estou enquadrando 50% da humanidade. Até comentei ali em cima que a MAIORIA dos homens não age assim, que é coisa de uns poucos babacas mesmo. É só ler ali no comentário todo. O que eu quis dizer foi que os homens em geral não querem ser tratados como eles tratam as mulheres porque eles sabem que o tratamento que dão às mulheres não é nada agradável. Veja-se o comercial da gilette ‘quero ver raspar’, como os homens se revoltaram por serem julgados e terem seus corpos desvalorizados por causa de pelos. Mas se eles fazem isso com as mulheres todo dia. Se você não faz isso, não vista uma carapuça que não lhe serve.

    • everson

      Oi Cris. Eu acho que você tem razão. Macho trata mal mulher mesmo, e vemos exemplos disso diariamente. Para se livrar disso, as mulheres deveriam recusar esse tipo de tratamento, e somente se relacionar com homens.

      • Marlon Ruttmann

        auihduiashd

        Ri alto aqui! 😛

      • Cris

        huahuahua eu também ri Everson. Mas é isso mesmo: ter genital masculino não faz de alguém um homem, faz de alguém macho mas não necessariamente homem. O que faz alguém um homem é a dignidade, a maturidade, a consciência e o respeito aos outros. Por isso, eu apoio sua declaração.

  • Fonseca

    Quanta babaquice!
    pq não tem um aplicativo pra avaliar a nivel de qualidade dos hospitais?
    quem usa esse app deve ser um inútil de marca maior! babaca, tosco.
    é vergonhoso ler este post aqui.
    vc se rebaixou Philip.

    • http://www.philipekling.com Philipe

      VC leu o texto?

    • bielchico

      cara babaca, nem leu o texto.
      só leu o titulo e já tirou a conclusão.
      Cada nego idiota viu.

    • Rafael Martini

      Que trouxa mano…
      Puta texto Dahora.
      Achei muito filosófico sua explanação sobre as relações entre homens e mulheres enquanto animais com instintos naturais…
      Achei curioso imaginar nossa sociedade hoje cujos instintos fossem bem aceitos por ambas as partes.
      Os homens procriando o máximo possível e as mulheres selecionando o máximo possível.
      Mas acho que o equilíbrio disso no final das contas dá no mesmo do que temos hoje; homens no geral casando-se com somente uma mulher, pois as mulheres não o selecionarão caso queiram se casar com várias.
      No geral é assim… Então, sem o uso da violência, as mulheres é quem mandam. Rsrs.

      • http://www.philipekling.com Philipe

        Sempre mandaram. Sempre mandarão.

    • C. L. Santos

      Caro Fonseca, primeiro leia um post INTEIRO (só o título não vale).
      Depois você faz a sua crítica amigo.
      E outra coisa: não jogue o autor do texto como alvo – critique a ideia, o texto, e não o autor. Separe as coisas.
      ‘-‘

    • Ulisses

      Moirmão, para de falar merda e lê o texto todo.

  • Aline Carneiro

    Na verdade, é meio assustador que a pessoa pode ter seus dados acessados por um aplicativo qualquer externo ao facebook sem seu conhecimento, e dizem que o Lulu passa as “avaliações” para um banco de dados que é acessado por “parceiros comerciais” e aí alem das notas dos camaradinhas estarão também as preferencias das moças. Ou seja: como todo aplicativo grátis, o produto em questão é você.
    Fora isso, tem a questão da coisificação do ser humano, que o Philipe tão bem explicou no texto. Eu vi gente falando que os homens reclamavam porque não gostam de serem avaliados pelas mulheres como eles avaliam as mesmas, mas isso, para mim, é o uso indevido de um argumento pseudofeminista para justificar o uso leviano do aplicativo. Não quero um aplicativo me colocando num muralzinho para avaliação, e acho que os homens também tem direito de não querer.

    • Cris

      Aline fui eu que falei isso, e acho que essa história de objetificar as pessoas é uma droga. Tanto o Lulu como qualquer outro aplicativo do tipo é infantilidade, babaquice. Mas o fato é que as mulheres são objetificadas todo dia e, quando alguém reclama disso, é chamada de feia, invejosa, mal-amada, mal-comida e outros nomezinhos simpáticos. Mas, quando o mesmo acontece com um homem, ele se revolta e quer meter processo. Veja-se o caso da campanha da gilette; foi só insinuarem que homem peludo não é legal que todos os homens se revoltaram e fizeram campanha contra. Mas esses mesmos caras não veem nenhum problema em chamar de nojenta uma mulher que não se depila. Ou seja: dois pesos, duas medidas. Se ofende, julga ou desqualifica a mulher pode, mas se for com homem não pode? Isso não é nem feminismo, é só constatação da realidade.

      • Maria

        Cris, nesse caso, os homens estão certos, e as mulheres deviam agir mais. Não devemos tolerar falta de respeito. É a mesma história de “um negro ofendido denuncia, e os brancos não”. Preconceito e desrespeito existe para todos. As mulheres deviam ir contra as propagandas de cerveja, também.

  • Alexandre

    Só eu que estava morando em baixo de uma pedra rachando o aluguel com o patrick e não sabia da existência desse clube da lulu? ‘-‘
    mas em fim, esse é um motivo de eu não ter um Face…Na verdade tenho mas foi só por pressão de amigos e entrei só pra ativar a conta mesmo, porém isso não vem ao caso (sim senhores, eu não uso face!-musiquinha dramática seguida por um esquilo se virando!-)

  • Rodrigo Vieira

    A esse aplicativo e a outros quaisquer q venham a existir para avaliar o que seja futuramente só tem uma descrição: COISAS BABACAS PARA PESSOAS IGUALMENTE BABACAS E FÚTEIS!

    é por isso q aquele outro post sobre a IDIOTIZACAO DA SOCIEDADE é e vai ser por muito tempo algo que vamos ler e ainda assim será contemporâneo.. e parece que ao inves de se melhorar, piora cada vez mais

  • http://dadosaleatorios.blogspot.com.br/ Evandro

    Ah, o tão polêmico aplicativo. E quando sair a versão masculina?

  • felippe

    um texto muito muito bom, quase chará~~
    só uma coisa, a mulher que queria ser a angelina, fui procurar mais sobre, pq a do justin eu já tinha visto, e o link que eu entrei é do g17, então…

    http://www.g17.com.br/noticia/celebridades/fa-faz-plastica-facil-para-ficar-com-o-rosto-igual-ao-da-angelina-jolie.html

  • Zacca

    Pra mim, a coisa que mais me estarrece é saber que, em 10 dias, já tem gente que bolou um jeito e está vendendo pacotes de aumento de moral para o Lulu.

    Fazendo uma reflexão, não sei como me sinto a respeito da velocidade imposta ao mundo hoje, no que tange ao senso de oportunidade necessário para ser um pioneiro em qualquer área.

    A velocidade é tanta que, em regra, as coisas tem que ser executadas primeiro e depois analisadas (se é que existe isso).

    Ou seja, o mundo hoje não é para os pensadores, planejadores e observadores, mas está totalmente direcionado apenas para os executores…
    Isso me preocupa.

  • Marcelo

    O melhor mesmo é nem usar essa porcaria de facebook. Já basta o Obama fuçando meus e-mails.

  • Sinatra

    Só de imaginar ficar fazendo fofocas sobre ex-namoradas na internet, expondo-a para todos em sua intimidade, me dá um misto de enjoo e repulsa.
    Maioria dos meus amigos são boas pessoas, dos quais nunca ouvi sequer uma palavra de desrespeito em relação a seus antigos pares em relacionamentos anteriores, pois pessoas direitas prezam antes de tudo pelo respeito ao próximo, especialmente quanto a fidúcia concedida na constância de um relacionamento quanto ao teor da intimidade que o casal passa a compartilhar.
    Expor isso ao público é um ato nojento de maucaratismo enrustido sobre o pretexto de “expressão livre”. Ora, à expressão livre se veda o anonimato em nossa própria Constituição Federal. Não é mera expressão, mas um jogo de vaidades e atos atentatórios contra a dignidade alheia.
    Quanto ao perfil avaliativo das mulheres, já não é segredo nenhum que estas trocam entre si informações sobre homens de seu interesse da mesma forma que homens trocam entre si informações sobre mulheres que lhes interessem. Mas isso fica ENTRE QUATRO PAREDES, no âmbito das confidenciais de um grupo de amigos e não ESCANCARADOS PARA O MUNDO. É aquela velha história: existe uma diferença astronômica entre você pensar mal de alguém para consigo mesmo e alguns asseclas e expressar isso pintando em letras garrafais seu desprezo no muro da casa da pessoa. Expor isso na internet é situação análoga à do muro, pois expõe a público da mesma forma.
    Ademais, acho o extremo da vergonha que algumas feminazis ainda tenham a pachorra de defender que isto é uma situação justa pois “o contrário também acontece”: primeiro que as fofocas, até a era pré-lulu, não expunham a intimidade alheia ao público (e se expusessem, a resposta era a ação de danos morais, casos estes vastos e prolíficos nos tribunais pátrios), segundo que alguém que qualifica a objetificação da classe alheia como uma atitude legítima não goza de qualquer moral para repudiar a objetificação da própria classe.
    Se isto (feminismo) fosse um movimento por igualdade de direitos, sua reação seria a de repúdio, e não de apoio. Não passa de mera vingança crua e ilegítima, fomentando uma guerra coletiva em que os resultados só se demonstram de forma individual, para cada um dos afetados pela indiscrição e estupidez alheios.
    Temos uma das mais incríveis ferramentas de interação na atualidade chamada internet, mas insistimos em utilizá-la, na maioria das vezes, para objetivos de bosta.

    • Maria

      Sinatra, o verdadeiro feminismo repudia isso. Tem muitas falsas feministas (iguais ao Femen), principalmente entre bons movimentos.

      • Sinatra

        Maria,
        Fico feliz em ler isso. Sou contrário à desigualdade de gênero mas a esmagadora maioria dos movimentos intitulados “feministas” que observo se prestam justamente às práticas que descrevi.

  • John Doe

    Respeitando as opiniões de todos, e correndo – sério – risco de ser chamado de “atrasado, coroa, quadrado” (se eu tiver sorte, fica só nisso), não vejo nada de interessante no tal “lulu”. Tampouco me interesso pelos “feicibuqui” (sic), “orkut” e outros tantos da vida. Prezo minha privacidade, e acredito que nem tudo que é pessoal deva ser compartilhado.
    Interessante é que muita gente adepta dessas “coisas” muitas vezes reclamam justamente de falta de privacidade, ou mesmo “invasão” dela, no melhor estilo “big brother” (me refiro ao “grande irmão” americano, não aquela babaquice da rede “bobo” (sic)), mas escancaram suas vidas nas “redes sociais”…
    Philipe, elogios pelo trabalho de pesquisa, mas nesse tema, eu “passo”…
    Que venha o próximo artigo “bizarro/curioso.

  • Tyerry

    Cara, meus parabéns pelo texto, foi de longe uma das coisas mais inteligentes que eu já li nos últimos meses, sua noção de psicologia faz justiça à sua formação, suas ideias e opiniões são muito interessantes e você escreve muito bem! Mesmo sendo um texto longo foi de fácil leitura e muito agradável, cada parágrafo me instigou ao próximo e estou feliz em tomar conhecimento do seu blog, vou explorá-lo e divulgá-lo.

    • http://www.philipekling.com Philipe

      Que bom, fico feliz que tenha gostado. E obrigado por me ajudar a divulgar. Efetivamente teve gente que não curtiu e nem olhou por causa do título. Este título é quase que uma pegadinha.

  • Leandro263

    Agora que não entro no Bacefook, mesmo. Me lembro sem saudade das meninas da oitava série cochichando e dando risadinhas enquanto olhavam pra mim, hahaha!
    Mas até que gostaria de ver a pontuação, não minha, mas desses caras que insistem em contar pra gente quantas mulheres já comeram, aqueles que instalam som ensurdecedor no carro pra ficar tocando músicas sobre como é bom molestar garotas em coma alcoólico, os Paul Walkers de periferia que acham bonito tirar racha bêbado…
    Não.
    Pensando melhor, não.
    Vai que elas acham MESMO que isso é o máximo… Eu perderia minhas esperanças.
    P.S.: Tem coisa mais de virgem querendo parecer entendido essa bosta de “beijar bem”? Isso é papo de comediazinha romântica dos anos 90! Inventaram pra preencher pauta de revista NOVA, pelamordedeus!

  • Rodolfo

    Doe…as vezes descordo completamente de voce…mas quando concordo aplaudo de pé.Era exatamente o que eu sempre tive em mente,antes de mais nada,para que ter facebook? sério que usam isso ainda.
    Me relaciono com a pessoas pessoalmente,acha que é meu amigo? então bate aqui em casa que tomamos uma ceva e jogamos conversa fora.Agora este tipo de relação pasteurizada e falsa,sim por que acredito que só tem gente fazendo propaganda enganosa de si mesmo nisso aí,e sei lá,pelo menos a mim não me atrai,sempre acreditei que iria ser uma moda passageira o tal do face,infelizmente tem gente viciada nisso aí que reclama de privacidade mas todo dia posta 800 fotos do dia e de tudo.Muito boa a tua explanada phil,falou tudo.Mas prefiro os posts longos e interessantes que me tornaram um viciado no blog.Assunto irrelevante pra mim esse do lulu.

    • John Doe

      Bom saber que concordamos em algum assunto. Isso é o importante: cada um defender suas idéias, aceitando as dos demais. É exatamente nas divergências que nos entenderemos. Nas concordâncias, não há mais o que falar. E vamos em frente!

  • Soc

    Boa noite, li seu texto… existe uma frase no seu texto que diz: “É igual ao traveco que foi pego com o Ronaldo no motel. Hoje ninguém mais fala disso.” Ao invés de usar a palavra traveco, use travesti. É o mesmo de eu chamar uma garota de programa de puta, ou um negro de macaco, e por aí vai. São palavras pejorativas que podem ser abolidas se todo mundo for um pouco mais educado e pelo menos nao usar certas palavras. Nao custa nada, e todo mundo fica feliz. 😉 Um abraço e boa noite!!!

    • http://www.philipekling.com Philipe

      Creio que você esteja equivocado. Traveco é um SINÔNIMO de travesti. http://www.dicionarioinformal.com.br/traveco/ Não uma referência Pejorativa e muito menos uma afirmativa preconceituosa. Do mesmo modo que puta é sinônimo de garota de programa que também é sinônimo de prostituta. Você está misturando coisas.

    • Jeter

      Philipe, corre que a patrulha do politicamente correto chegou com cassetetes de ferro…

      soc essa foi forçada.

      • http://www.philipekling.com Philipe

        Eu cago e sempre caguei para a patrulha politicamente correta.

  • Thiago J.

    [moderei] – Seu comentario violou as regras de uso

  • felipe

    gostei do seu texto. sou homem e nao tenho medo desse app. eu tenho um transtorno conhecido como ninfomania ou satiríase, sim sou viciado em sexo e tive que fazer terapia pra me aceitar como sou. minhas avaliacoes estao boas la. a maioria das mulheres q saio diz q sou ótimo amante entao por que eu me encomodaria se uma de vingaça disser que nao? tenho conversado muito sobre esse app. eu nao gosto de modinha mas achei interessante, queria sua visao sobre meu comentario caro escritor

  • Erika

    Desistiu de vez do “As Crianças da Noite”?

    • http://www.philipekling.com Philipe

      Não é um problema de absoluta falta de tempo mesmo. Meu trabalho acumulou. De vez em quando isso acontece e me enrolo todo para dar conta dos trabalhos mais o blog. Tb tenho trabalhado aqui no blog na parte invisível (ti) e isso ta consumindo o tempo que eu teria para o post. Mas eu não largo conto aberto.

  • Maria

    Acho o Lulu extremamente ofensivo e de mal gosto, faz parte da cultura do desrespeito que cultuamos hoje. Quem acha que é feminista não entende muito de opressão e luta. O feminismo prega respeito e igualdade. Não é importar o pior de atitudes machistas ou errôneas que se permitia ao homem (por exemplo, falar das mulheres pelas costas).
    Mas hoje em dia o superficial e a falta de respeito somam pontos para as pessoas.

  • Guilherme D.

    Eu ri na parte das Coreanas serem pagas pra avaliarem bem AUEHAUEAHEUAHEUAHU. Eu fiquei sabendo que sou avaliado nisso aí e minha nota é próxima de 10. Uma amiga me falou…e eu pensei primeiramente que “mas que bosta, quem foi que autorizou isso? Os dados são meus e o facebook usa do jeito que achar bom, ok, mas isso não significa que um aplicativo, quanto mais uma outra pessoa possa fazer isso…” Aí depois eu pensei como você, Phelipe: “basicamente, foda-se isso”.

    O que eu quero dizer é justamente o que minha namorada falou -e que você disse também em outras palavras- foi que o que você faz fora da rede, também reflete nela. Se você se dedica a construir boas relações, você também tem boa pontuação. Como eu não ligo pra isso, to nem aí se minha nota for 0.

    Agora que isso aí pode “destruir” reputações, isso pode mesmo. Porque uma amiga minha disse que ia avaliar da pior forma possível só de pirraça.

    Agora²: Aplicativo pra homem avaliar mulher é o cúmulo da viadagem, fala sério.

  • Carlos Dente

    ‘(…) Por que as pessoas não querem ser avaliadas? Há muitas explicações racionais que podemos sacar diante desta simples pergunta. Acho a mais completa: Porque a avaliação pode ser falsa. / Imagine uma ex-namorada do tipo maníaca, na linha “vou te destruir! Se não for meu não será de ninguém”. Todo mundo conhece um caso assim, né gente? (…)’

    Um dos fatores mais complicados nestes casos, na minha opinião, é que redes sociais estão sendo cada vez mais usados como partes de processos seletivos profissionais. Basicamente, imagine um cara que foi “destruído” pela ex-namorada ou por aquela mulher qu’ele se recusou a “pegar” no Lulu e, ao fazer uma entrevista de emprego para uma loja de artigos femininos, tem seu perfil pesquisado no Lulu para avaliarem seu potencial trato com as clientes, no futuro?

    • http://www.philipekling.com Philipe

      Bem observado. Uma simples brincadeira pode ferrar com as chances de um cara conseguir emprego.

  • http://www.boxixo.com.br Gabera

    Não vi ninguém comentando sobre o Tubby aqui, então lá vai:

    http://www.naosalvo.com.br/concluido-desafio-aceito-23-tubby-o-app-proibido-que-nunca-existiu/

    Pelo visto, tudo não passou de mais uma trollagem do Cid.

    Quanto ao restante do texto, perfeito.

  • chicobento

    a vantagem em ser feio e que nao preciso de avaliacao para saber que nao pego ninguem.

    • Alberto Costa

      Parabéns meu amigo. Eu sei como você se sente.

  • Alberto Costa

    Estou lendo tardiamente o post (obrigado Vivo), mas acho que é um dos melhores textos do blog. Muito esclarecedor. Parabéns.

    • http://www.philipekling.com Philipe

      Valeu!