Coma

COMA

1988. Enquanto José Sarney aparece na televisão com seu bordão inesquecível: “Brasileiras e Brasileiros…” a inflação brasileira atinge picos iacreditáveis de 415%.
O Brasil inaugura uma nova constituição federal. Ayrton vence seu primeiro campeonato mundial de Fórmula 1. O laboratório LNCC do Brasil consegue pela primeira vez um acesso a uma rede telefônica remota através de uma conexão de 9600 bps com a universidade americana de Maryland. Nesta data ninguém sequer imagina, mas nos anos que se seguirão, uma série de conexões de rede serão criadas e em seguida, a rede mundial de computadores, chamada INTERNET começará a existir. Isso mudará de forma dramática o mundo em que vivemos.
É em 1988, na Polônia, que o operário Jan Grzebski, um funcionário de uma companhia ferroviária enfrentará seu destino.
O dia amanheceu frio como sempre. Jan sai de casa quando ainda está escuro. Ele beija sua esposa Gertruda e pega o ônibus para o trabalho.
No caminho, ele lê as notícias do jornal. Algo sobre a União Soviética, o presidente Ronald Reagan e as armas nucelares. Os jornais da polônia são marcados pelo comunismo. O líder comunista da polônia, Wojciech Jaruzelski dominava a maioria do noticiário político.
O dia transcorre sem grandes problemas.
Jan está inspecionando uma linha desativada, ao lado de outra em operação. Num momento de distração, um acidente com um trem o acerta, jogando-o no chão. Ao cair, Jan mete a cabeça no trilho. Ele tenta se mover. Meio confuso, nota que seus colegas correm para socorrê-lo. As coisas se embaralham e… tudo se apaga.
Gertruda está lavando pratos quando o telefone toca. Ao atender ela sente o chão abrir-se sob seus pés. O marido estava internado em estado grave.
Gertruda corre para o hospital e as notícias que recebe não são as melhores. No hospital o médico que acompanha o caso conta a Gertruda que Jan Grzebski havia sido atingido por um trem e que estava em coma. Nas condições dele, os médicos estimavam em apenas três meses a expectativa de vida de Jan.
Gertruda desesperou-se. Sem saber o que fazer, ela solicita ao hospital que possa levar Jan para sua casa. Os médicos concordam e Gertruda leva o marido.
Nos primeiros meses, Gertruda apenas sofre. Ela chora todos os dias. reza para Deus em busca de um milagre para seu marido. Mas nada acontece.
O tempo começa a passar e lentamente o sofrimento de Gertruda dá lugar ao trabalho. Ela começa a se conformar. Após um ano de coma, Gertruda acredita ser uma vontade de Deus que seu marido não tenha morrido conforme os médicos predisseram.
Outro ano passa. E mais outro. E outro. Os filhos de Gertruda e Jan crescem.
Nas festas de natal, eles ajudam a mãe a vestir uma roupa chique no pai e o colocam deitado no sofá da sala.
A presença de Jan é sempre constante. Quieto. Imóvel como se estivesse dormindo.
Muitos anos mais se passam.

É o início de uma tarde de verão na Polônia. Gertruda está sentada ao lado de Jan. Ela havia passado a manhã toda fazendo seu torturante trabalho de mover as pernas de e exercitá-lo, mudando-o de posição a cada hora para prevenir que o tempo na mesma posição provoque problemas em Jan quando percebe algo estranho.
Jan segura a mão dela. Num susto, Gertruda quase dá um grito e sente que vai desmaiar quando vê que Jan está falando com ela. 19 anos de coma e ele finalmente acordou.

Jan não tem noção do que aconteceu. Ele não sentiu o tempo passar. Para ele, a Polônia ainda é um país socialista. Assustado, Jan descobre ter uma penca de netos. E impressiona-se com a internet, os telefones celulares, os carros. É um mundo completamente novo. A Polônia agora faz parte da União Européia. Há uma nova moeda, capitalismo e prosperidade. Seus filhos viaram adultos e estão casados.
Jan olha ao seu redor e agradece mais uma vez a sua esposa, que cuidou dele por 19 anos para que ele pudesse finalmente acordar.

FIM

- Isto não é um conto. É uma história real, que eu li na BBC e romantizei. Leia mais aqui.
Pessoal, eu acreditei no texto da BBC, mas parece que eles foram enganados por um jornalista sensacionalista polonês. O Coma não passou de 4 anos. Nos comentários há um link para o desmentido.

4 Comentários

  1. Anonymous 8 de junho de 2007
  2. negentropia 8 de junho de 2007
  3. Philipe 8 de junho de 2007
  4. Kitty 19 de maio de 2008


Deixe seu comnetário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *