O experimento Carlson – Parte 9

O experimento Carlson - Parte 9

Morten Carlson tentava se agarrar da forma que podia, mas foi inútil. Seu corpo deslizou com as rochas soltas até a beira do precipício. Ele sabia que uma queda de pelo menos cem metros de altura o aguardava.

O experimento Carlson – Parte 8

O experimento Carlson - Parte 8

Quando o dia amanheceu, Carlson estava com os braços dormentes. A posição ingrata em que dormira estava cobrando um preço alto. Seus dedos formigavam. As juntas pareciam ranger.
O desejo de um banho havia crescido de tal maneira que Morten passava mais tempo relembrando de como era feliz e não sabia no tempo em que podia tomar um banho quente, do que pensando em para onde estava indo no pedregoso caminho.

O experimento Carlson – Parte 6

O experimento Carlson - Parte 6

Morten Carlson acordou com um estrondo. Arregalou os olhos e saltou do melhor jeito que deu, para fora da fenda. A montanha estava desabando. Areia e pedras caíam em profusão sobre ele. Não se via nada, pois ainda estava escuro e havia uma nuvem densa de poeira no ar que mesmo que fosse o meio dia não permitiria ver nada.

O experimento Carlson – Parte 5

O experimento Carlson - Parte 5

Morten Carlson correu pelo meio das bolotas ate chegar no local onde estava o globo branco brilhante. Era mesmo um corpo.  Estava emborcado, de bruços. Havia um emaranhado de raízes cobrindo boa parte do corpo repleto de bolotas de todos os tamanhos crescendo sobre ele. O restante estava severamente empoeirado pela areia do deserto. A sujeira certamente teria coberto o capacete se não fosse a forma e o polimento da parte metálica posterior.

O experimento Carlson – Parte 4

O experimento Carlson - Parte 4

Levou mais tempo do que Morten esperava para chegar no ponto de pegar uma nova carona com os baratões. Quando chegou mais ou menos na reta de onde as enormes criaturas passariam, ele estava exausto, não aguentava dar mais um passo. A fome tinha chegado com força.