Sobre Philipe Kling David

Designer, blogueiro, escritor e escultor. Seu passatempo preferido é procurar coisas interessantes e curiosas para colocar neste espaço aqui. Tem uma grande atração por assuntos que envolvam mistérios, desconhecido e tecnologia. Gosta de conversar sobre qualquer coisa e sempre tem um caso bizarro e engraçado para contar.
Saiba mais...

  • http://www.google.com Thiago Chipset

    Otimo post, eu adoro essas lendas. Cresci ouvindo estorias sobre cobras gigantes e outros de meus pais que moraram na roça a muito tempo, quando ainda existiam matas-virgem.

  • Jackie

    é Phipile, a respeito do cobrão eu acho sim, totalmente plausível a hipótese de que algué tenha de fato visto a cobra gigante. E como voce bem disse, o celecanto é prova viva disto. Agora com relação ao carro fantasma, estas aparições são muito comuns nas cidades do Vale Paraíba, não só na dutra. Eu não vi, mas conheço vários relatos de pessoas da minha família que viram. Mas me parece que existe também muitas visões de carros fantasmas e luzes misteriosas na estrada Lorena X Itajubá, e nas marginais que são chamadas de estradas velhas RioXSão Paulo.

    • http://www.mundogump.com.br Philipe

      Foi justamente na estrada velha Rio X São Paulo que um dos motoristas viu o carro fantasma. Ele contou todo arrepiado, hahaha.

  • http://www.pixeltechno.com/ Pedro Gafanhoto

    Interessante é o fato de Ovnis desde o descobrimento do Brasil, o que pode significar que já a 500 anos (ou mais), os “Aliens”,tinham uma evolução absurda já concluída.

    • http://www.mundogump.com.br Philipe

      Pedrão, quando se fala de Ovnis, o tempo é uma característica relativa à beça. Tipo, a cronologia de tempo que usamos só serve pra nós e pra mais ninguém. Um caso emblemático que trata diretamente desta característica de anomalias temporais é o caso da abdução do caso de Armando Valdez.
      Ele era um cabo do exército chileno que foi abduzido bem em frente aos seus colegas durante um patrulhamento de rotina. Valdez desapareceu após ser atingido pela luz forte proveniente de um ovni que passou sobre seu esquadrão e depois de poucos minutos, foi literalmente jogado do aparelho a poucos metros de onde os homens estavam. O fato estranho é que Valdez estava diferente, com barba de dez dias, seu relógio marcava uma data CINCO dias à frente. Ele estava aparentemente em choque, os olhos estatelados, falando coisas disconexas que envolviam a repetição de uma frase emblemática: “Vocês não sabem quem somos”. Valdez estava tendo espasmos musculares, e chorava, agarrando-se aos soldados.
      A questão é: Se a barba de Valdez, (soldado não usa barba) cresce numa proporção fisiológica, a única maneira de fazer com que ela pareça ter mais de cinco dias é decorrendo este período. Mas como seria possível isso se para todas as testemunhas, ele sumiu por breves minutos?
      A única explicação possível reside na propriedade da relatividade do tempo, proposta por Einstein.

      • Patola

        A única explicação possível reside na propriedade da relatividade do tempo, proposta por Einstein.

        Obviamente a energia necessária para gerar diferenças perceptíveis de passagem do tempo, as conseqüências em tempos de aparecimento de mini-buracos-negros e os dejetos e radiações resultantes do processamento da matéria-prima para gerar essa energia não são problemas que façam a hipótese de “farsa” ou “relato exagerado/distorcido” parecem menos convincentes, né? Tsc.

        • http://www.mundogump.com.br Philipe

          Só faltou colocar o adendo em seu comentário: Isso baseando-se pelo conhecimento científico e tecnológico que NÓS temos hoje.

          Nós não sabemos ainda como dobrar o espaço, mas o fato de não conseguirmos e não sabermos como fazer não significa que seja impossível.
          O macaco não consegue fabricar o raio laser. Pro macaco, o laser pode ser uma “farsa” ou um “exagero/distorção”.
          Já para o ser humano, é algo corriqueiro, embora 99,9999999% dos seres humanos não tenham a mínima ideia de como é possível fazê-lo.

          Sobre o caso Valdez, a hipótese farsa eu acho extremamente improvável, na medida em que o Ufo visto pelos soldados foi testemunhado por varias pessoas. O caso foi amplamente pesquisado, e o cabo Valdez está proibido de dar entrevistas pelo exército do Chile até hoje. Obviamente que podem haver outras explicações para o caso, como a abdução ter afetado seu processo de geração celular de forma incomum como efeito colateral do processo e o relógio dele já estar errado antes de se dar a experiência sem que ele se desse conta, ou ainda, o relógio ter sido deliberadamente mexido pelas criaturas que visavam compreender aquele item.
          Mas como nós não estávamos lá e não vimos, só temos as informações que foram publicadas nos jornais de todo o mundo. Logo, há de se ter sempre o pé atrás com os relatos e notícias envolvendo a casuística ufológica, é verdade.

  • edward

    essa e grande porra
    x_x x_x

  • Patola

    Seja como for, seria estranho se com tamanha vastidão mítica acerca delas, as cobras gigantes não existissem.

    Isso é ridículo. Uma grande quantidade de evidências ruins não faz delas uma evidência boa. Continuam sendo ruins!

    Existe um grande problema que vem da ecologia com a hipótese de criaturas grandes. Além de necessitar de território grande, o que lhes daria grande visibilidade, criaturas assim necessitam também de uma população pra continuar sua espécie, quer dizer, não teriam jeito de ficar “escondidas” dada a combinação de espaço + tamanho + número de indivíduos. Mesmo que houvesse bastante endogamia (cruzamentos entre membros próximos de uma família), a espécie não sobreviveria muito tempo com uma variedade genética reduzida e população diminuta.

    Portanto, se fosse pra gente ver cobras gigantescas, teríamos que ver muitas e em várias partes. Não uma só zanzando por aí. Afinal, ela teria que ter progenitores que fossem igualmente grandes e uma população que a precedesse.

    • http://www.mundogump.com.br Philipe

      Você não interpretou corretamente a minha frase.
      Eu não estou usando a questão mítica para alegar que as serpentes gigantes existam. Estou usando a questão mítica para supor que possivelmente o mito se origina na criatura que -está provado cientificamente por método empírico cartesiano – já existiu.
      Mas também pode ser uma mera coincidência.
      Sobre os relatos atuais de pessoas vendo a criatura, isso eu não sei explicar e posto aqui para que o leitor tire suas conclusões. É como disco voador. Eu nunca vi, mas não é por isso que vou dizer que quem diz que já viu está mentindo.
      Até porque temos uma vestidão de relatos (alguns com fotos) de criaturas surgindo em lagos por todo o mundo. Embora não se tenha uma prova contundente de que os tais “monstros” existam, o assunto é curioso. Do ponto de vista ecológico eu concordo totalmente com você. Mas o celacanto era considerado extinto até aparecer na costa da África.
      Sobre sua frase:
      “Portanto, se fosse pra gente ver cobras gigantescas, teríamos que ver muitas e em várias partes.”
      Não concordo. Existem ecossistemas limitantes e criaturas tão adaptadas a eles que só existem em pequenas áreas.
      Além disso, cobras enormes existem: As sucuris, que são (eu acho) descendentes desses animais.
      Pelo período em que ela existiu, e pela região que habitou, bem no equador, poderia ter escapado da era do gelo.
      E se essa cobra ainda existisse, em áreas selvagens de florestas? Por que nunca vemos um cadáver deste bicho? Porque raramente dá pra ver um cadáver em rio da Amazônia. As piranhas não deixam.
      E em última análise, vemos casos em que alterações genéticas e doenças de ordem hormonal provocam crescimento anormal em seres humanos. O famoso gigantismo. Será que é impossível um erro genético ocorrer numa sucuri gerando uma sucuri gigante? Eu acho que é improvável, mas não é impossível. Por que isso pode acontecer com um mamífero e não com um reptil?

  • Roger

    Obviamente, quem diz que uma ou várias cobras gigantes não poderia existir em algum recanto escondido da selva amazônica não conhece a região.Espaço e local para se esconder não faltam,assim como fonte de alimentação, a maioria ainda não tocada pelo homem. Portanto a combinação “espaço + tamanho + número de indivíduos” requerida é perfeitamente comportada pela floresta. Poderiam não ser muitas, mas que poderiam existir, poderiam.
    Sei disso por conhecer o território “in loco”, e por ter encontrado, num igarapé, numa pequena área, uma população de várias sucuris vivendo perfeitamente bem, a maioria com mais de 4 metros.
    É apena questão de aumentar a escala.

    • http://www.mundogump.com.br Philipe

      Pois é. Estamos falando numa cobra de 13 metros, minha gente. Não de trinta metros. A maior sucuri encontrada se não me falha a memória tinha dez metros.
      Porra, se tem uma cobra de dez metros, qual é a dificuldade de existir uma de treze?

      • Fernandoreis-pa

        claro q existem sucuris maiores q 13 metros, um amigo meu e outros colegas do mesmo, em 1979, encontraram uma de 14 metros, quando pescavam no alto rio solimões. Como testemunha a 5 pessoas, todas confiáveis q testemunharam o fato.

  • Ana

    Verdadeiras ou não, já dizia o poeta: “Há mais mistérios entre o céu e a Terra do que supõe a nossa vã filosofia”. O_o

  • Daniela

    Cresci ouvindo lendas como essas, adorei o post. Essas histórias não podem morrer em nossas memórias, temos que passar a diante.

  • Joel

    A Amazônia tá virando pasto.Celacanto não vive em areas habitadas por pessoas, não é um animal gigante e as piranhas não são tão eficientes assim para sumir com corpos(que digam os garimpeiros).

  • Hélio

    Me chamo Hélio Santos e moro em Belém no estado do Pará. Como todos sabem Belém faz parte da Amazônia ; queria dizer que já tive uma expêriencia incrível em minha juventude, com essa cobra que muitos acham que e Lenda. Se não me engano eu tinha 16 a 17 anos de idade quando que num Domingo meu pai me levou a um porto a beira do rio Guamá onde no qual ele fazia Serviço, como de costume ele me levava sempre pra mim pescar à linha de mão, enquanto que no local só estava eu um vigia do porto em que no local, mas ou menos as 10:30 da manhã, presenciamos essa cobra a uns 100 metros de nós, boiar e afundar em segundos e ao mesmo tempo provocando um som muito alto na aguá e uma pequena onda. Quando vimos aquilo nós afastemos da beira do rio e ficamos com muito medo com que presenciava, e não parecia que ela tinha menos que 20 metros. Sem exagero essa cobra que eu vi era muito grande mesmo. É podem acreditar em mim essa cobra ronda sempre de madrugada por essas areas, e quem conhece esse parecer são os ex-funcionários antigos de uma metalurgica ( Copala )que ate hoje ainda existe.

  • Bruna agbrielly

    adoreiiiiiiiiiiii

  • mikaela

    nor sera que essa cobra e grande mermo.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • http://[email protected] jadilson

    Eu aqreditu em cobra jigati

  • Sebastião Garcia de Souza

    Meus amigos internautas, fui para a amazônia em 1976. Vive por 13 anos as margens do rio Madeira. Pesquei com amigos nascidos e criados nas florestas. Os amazônidas têm muito medo das cobras sucuris. Também os índios temem essa cobra gigantesca. Contaram-me que quando essas cobras ficam velhas, muito grandes, não mais podem caçar. Passam a viver em águas paradas, foz de grandes igarapés. Disseram que podem atingir 15 metros.