A cadeira obscura- Parte 8

Compartilhe

Renato bateu a cabeça violentamente contra o chão de pedra da pracinha.

Tudo se apagou numa espécie de blecaute.

Quando recobrou os sentidos, Renato percebeu que estava de barriga para baixo. Seu corpo doía miseravelmente. Descolou a cara do chão frio. Abriu os olhos mas não viu nada. Não tinha som. Não tinha ninguém.

-Socorro!  – Ele gritou, apenas para perceber sua voz sumir, engolida pela escuridão opressora ao seu redor.

Pensou que talvez estivesse cego. Mas não estava.

Tateou pelo chão em busca de encontrar alguma coisa. Não havia absolutamente luz alguma ao seu redor. Precisou tocar o rosto para ter certeza que estava com os olhos abertos. Tornou a gritar por socorro, mas não teve sucesso.

-Que lugar é este? Que merda é essa? – Renato se perguntou.

Sem saber o que fazer, ficou parado. Não sentia vento, nem nada. Somente um cheiro estranho, de poeira, de coisa velha.

O chão frio lhe fez pensar que talvez estivesse preso num necrotério. Talvez quando bateu a cabeça, tivesse desfalecido e o povo, aquele bando de ignorantes, tivessem o levado para algum necrotério. Talvez fosse tarde da noite, não houvesse ninguém no necrotério. Pensou que poderia ter acordado e caído da maca…

Andou, com a mão abanando o ar, movendo de um lado para o outro, como as baratas movem suas antenas. Mas não havia maca. E nem parede. Fosse aquele lugar o que fosse, não havia parede alguma. Seu único contato era o chão.

Renato abaixou-se e sentiu o chão com as mãos. Era liso, frio. Metálico. Parecia coberto de uma camada de poeira fina, pois pôde sentí-la entre os dedos.

Sem ver nada, resolveu andar. Andou a esmo, sem saber para onde estava indo.

Foi o início de sua longa jornada. Renato andou na escuridão completa por um longo tempo. Inicialmente, o desconforto de andar sem enxergar lhe fez dar passos de bebê. Não conseguia se manter aprumado. Renato percebeu naquele breu sua completa dependência da visão. Mas ele prosseguiu. Sempre com os braços para frente, se agitando no ar.

Com o tempo, seus braços doíam horrivelmente e Renato começou a andar levantando os braços muito eventualmente. Horas depois, andava sem nenhum braço para frente. Andou até cansar. E quando cansou, sentou-se para pensar em sua bizarra condição.

-Mas que caralho… Isso é… Impossível.

Então, um tremelique subiu por sua coluna e Renato constatou algo horrível:

-Caralho! Eu morri!

Renato tocou o braço. Sentiu a jaqueta. Sentiu o couro. Sentiu a camiseta por baixo e a calça comprada na galeria no dia anterior. Nada parecia fazer sentido. Puxou o joelho da calça e encostou a testa nos joelhos. Sentiu o cheiro dela. O cheiro de Lílian. Onde ela estaria agora? Talvez estivesse no velório dele.

Um homem tão aventureiro, com tantas histórias, tantas situações, morrer assim, tão bestamente. E que bosta de inferno era aquele sem um fogo, sem uma labareda, sem um chifrudo? …A sensação era de estar num armário infinito. A angústia lhe consumiu todas as esperanças quando Renato resolveu gritar novamente.

Gritou até perder o fôlego e desesperado, começou a chorar.

Chorou até perder as forças. Quando finalmente se recompôs, sentiu algum alivio de que pelo menos ninguém tinha visto ele fazer aquele papelão. Onde já se viu? Coisa de maricas.

Renato levantou-se e continuou a andar.

Andou por mais um bom tempo, até que bateu de cara numa parede. Foi um choque e tanto. Renato meteu a fuça na parede de metal com tamanha vontade que perdeu o equilíbrio e caiu sentado.

-Caralho! – Gemeu com a dor na testa. Ao mesmo tempo, sentia-se eufórico. Havia achado a parede! Havia uma parede então. E se havia uma parede, era óbvio que havia também uma porta.

Renato tateou pela parede em busca da porta, mas a parede era enorme. Ele podia segui-la para a esquerda ou para a direita. Escolheu usando o método científico.

-Uni-duni-tê…Salamê-minguê-o-lado-escolhido-é-você!

Foi pela direita. Logo, após uma longa caminhada, percebeu que devia era ter ido pela esquerda, já que a parede da direita não mostrou porta alguma.

Andou novamente até se cansar e precisou sentar. Estava com fome e sede. Não sabia as horas, e apesar de ter um relógio no pulso, ele era antigo e Renato não conseguia ver os ponteiros.

Renato encostou-se na parede.

-Porra de lugar maldito. Porra! Filho da putaaaaaa! – Berrou até sentir os pulmões arderem. Renato odiava a sensação de estar preso.

Fechou os olhos, já que não fazia diferença mantê-los abertos.  Ficou pensando na vida. No que poderia estar fazendo se não estivesse ali, naquela porra de escuridão gélida.

Renato só realmente abriu os olhos quando ouviu um sussurro atrás dele.

-Ist da jemand ?

Renato saltou do chão, com um misto de cagaço e felicidade.

-Que? – Renato perguntou, afobado. Mas não houve resposta.
-Tem alguém aí? Quem falou? Quem falou? Quem está aí? Eu sei que tem alguém aí! Quem está aí? Quem é você?

Mas novamente, ele tornou a ficar na completa solidão. Estaria ficando louco? Estava surtando? Teria sido uma alucinação?

Não, não era. Renato ouviu um estrondo. Uma batida dura e pesada que fez tremer o chão. E em seguida ele sentiu um deslocamento de ar. Alguma coisa passou correndo perto dele. Ouviu o barulho. Era um “plã,plã,plã” interminável que passou por ele e foi se distanciando.
Diante daquele barulhão Renato emudeceu. Abaixou-se. Ficou encolhido. Tinha mais alguém ali com ele. E isso era assustador…

Quando o silêncio novamente se estabeleceu, Renato ouviu novamente a voz. Ela vinha de trás da parede e era bem baixa.

-Wer bist du? Du da drüben! Ich rede mit dir . Können Sie mich hören? Ich brauche Hilfe! Ich bin sehr weh. Die Sache … Die Sache kommt und geht. Sie wird mich bekommen . Hüten Sie sich vor der Sache! Wenn er kommt , so tun Sie schlafen !

-Ei… – Renato reconheceu aquela língua, mas o sujeito falava depressa demais. Ele não conseguia entender. Só compreendeu a última parte sobre “dormir ou fingir que dorme quando a coisa vier” Ele havia passadio muito tempo falando em alemão na loja de Munique, mas reconheceu pelo sotaque e velocidade que ali estava alguém do norte da Alemanha. Tentou arranhar alguma coisa:
-Hallo Kumpel. Mein Name ist Renato . Wo bin ich? Welcher Ort ist das?
O homem do outro lado ficou em silêncio por alguns segundos. Parecia surpreso e bem desesperado.
-Hilf mir! Hilf mir, Herr! Ich bin verletzt! Die Kreatur wird mich umbringen ! Die Kreatur ! Sein Kommen!
-Bitte Freund … Sagen Sie es langsam . Ich kann nicht undersatnd Sie . Ich bin kein Deutsch . Ich bin Brasilianer. Was ist das Wesen ?

O sujeito ficou em silêncio novamente. E então ele falou baixo, tão baixo que era quase impossível de ouvir.
– Shhhhh! Sein Kommen!
-Ach Was? Ach Was? Ich kann nicht verstehen! – Renato respondeu. Mas o sujeito emudeceu completamente. Renato insistiu.-Mein Herr? Wie heißt du , mein Herr?
-Shhhhh! Halt den Mund dieses Mund Arschloch!

Renato se emputeceu com aquilo. Estava tentando ajudar o desgraçado e era insultado.
Então ressurgiram, as batidas. Elas vinham aumentando, como se fossem pequenas explosões.
Renato sentiu o chão vibrar e então elas pararam subitamente.

Renato ficou mudo. Estava de pé, com os olhos fechados na escuridão. Ele ouvia o ruído quase inaudível de alguma coisa respirando. Ele sabia que não estava sozinho. Tremendo de medo, Renato esticou o braço para a frente e para seu horror, sua mão encostou numa coisa peluda.

CONTINUA

33 comentários em “A cadeira obscura- Parte 8”

  1. Parabéns Philipe, a história está ficando muito top!!! Estou dando f5 direto no site enquanto espero a próxima parte hahaha

    Só uma coisa que eu gostaria de comentar, como eu não entendo alemão, ter que ficar alternando entre o google translate e o site para traduzir as frases em alemão fez com que o conto perdesse um pouco o ritmo.

    No mais está excelente e estou ansioso para saber o que vai acontecer na próxima parte! 😀

    Abraços!

  2. Estou acompanhando o conto desde o dia em que a primeira parte foi publicada, não tinha comentado a ainda, mas agora tive que fazer:
    A Caixa está de volta!! O Mungo também, será? (Não lembro se o Mungo era peludo, rs, acho que vou ler a caixa de novo). E o Leonard? Tomara que sim, adoro o Leonard!
    Philipe, sei que vou chover no molhado dizendo isso, mas: suas histórias são sensacionais! Você tem o dom de envolver e prender o leitor, e uma imaginação incrível. Nem sei a quanto tempo acompanho o Mundo Gump, acho que o primeiro conto que acompanhei “ao vivo” foi o do Zumbi (aliás, ainda tenho esperança que uma hora o filme saia) ou o Cartão Negro, mas antes disso já estava por aqui, me divertindo com as suas histórias (reais) e também com os post de curiosidades e polêmicas.
    Enfim, sempre ansiosa por novos posts, vida longa ao Mundo Gump!

  3. Caramba! Por acaso eu descobri o seu conto da caixa após as primeiras partes deste da cadeira, li por curiosidade, você tem dom pra ser autor de novela em deixar o suspense no ar hein kkkk!!!
    Agora matamos a charada da ordem das caixas: Renato<<<Alemão<<<Alfredo<<<Anderson<<<Mara<<<Cabelinho hehe!

  4. Engraçado, aos poucos você está expandindo o “seu Universo”, Philipe. Várias de suas histórias tem esses “links” umas com as outras. Definitivamente, ler seus contos é saber bastante do que se passa nessa sua mente GUMP! E, claro, parabéns pelo conto, continua que tá bom o negócio!

    Tô morrendo de sono, não sei se me fiz claro kk

    Abraços.

  5. Philipe, eu acompanhei algumas de suas respostas a alguns leitores e pelo pouco que observei dá para saber que você tem uma vida muito corrida. Mas as últimas partes deste conto estão realmente pequenas. Renato acorda no escuro, anda, conversa com um cara e sente algo peludo. Não me leve a mal, curto de mais o MG, mas o conto pode melhorar não só em tamanho, mas também em acontecimentos.

    • Tb fico puto de ter um monte de ideias na cabeça e o tempo não me permitir escrevê-las direto. Isso me obriga a reduzir as partes para encaixar no tempo que eu tenho.

  6. Agora sim a história esquentou hahaha depois que você publicou esta parte, eu fui atras do livro da Caixa, estou na parte 16 ainda, mas então voltei aqui e li novamente essa parte da cadeira obscura, então tudo fez sentido! Parabéns Philipe! Agora o mungo vai pegar!

  7. Ah não meu véio, não consigo engolir a caixa nesse conto, tinha o satã, tinha uma muié gostosa, só podia ter a porra da caixa também. Não vou ficar com trauma de novo, vou ler de novo só lá na parte 10! hahahaha

    Mandou bem Philipe!

  8. De acordo com o comentário do Marcus, também estou achando que o Leonard não aparecerá. Se as caixas estão mesmo nessa ordem, A Cadeira Obscura deve se passar antes de A Caixa. Philipe, esse conto já estava foda, o aparecimento da Caixa só trouxe mais brilho pra esse conto (ou escuridão hehehehe). Nossa, sempre que lia A Caixa me dava uma agonia claustrofóbica, e lendo esse capítulo, me deu essa agonia de novo.

  9. Alerta de spoiler…

    Como o mungo morreu em A caixa esse conto se passa antes dela. Então se Roberto ta na caixa mesmo e não tem Leonard nessa história prevejo um final triste pro noso protagonista.
    Mas como o foco do conto é a cadeira acho que ele acorda rapido desse coma.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.