As Balas do Juízo Final

Eu estava distraído no sinal quando notei um vulto surgir do meu lado. Assustei-me, já imaginando tratar-se do clássico assalto. Mas o sujeito já tinha sumido. Foi quando notei um saquinho de balas pendurado no retrovisor. Agora fala sério. Lendo ali, você acha que tem quanto de chance do tal Luis Henrique, vendedor de balas, …

Leia maisAs Balas do Juízo Final

Esculpindo o primeiro zumbi

Bom, conforme combinei que faria, aqui estão as fotos do passo-a-passo do Zumbi C. Tudo começa com a escolha do material. Para estruturar a massa, eu uso uma base de madeira de mdf comprada em loja de artesanato. Nela eu faço dois furos, por onde passarei um arame de alumínio. O arame que eu uso …

Leia maisEsculpindo o primeiro zumbi

E o zumbi escolhido foi…

E o zumbi escolhido para ser o próximo boneco e (se tudo der certo) o cabeça da linha de bonecos colecionáveis do Mundo Gump foi: ZUMBI C O zumbi C ganhou de lavada dos outros dois. No primeiro dia ele já teve o dobro de votos do A e B juntos. Não era o meu …

Leia maisE o zumbi escolhido foi…

Arroz à piamontese

O cara passou despercebido dos outros clientes quando adentrou o salão. Usava um pulôver vinho, calça jeans desbotada e o resto eu não sei porque não dava pra ver. Foi direto a mesa de sempre, mas estava ocupada.
Vi a cara lhe torcer gradualmente as fuças quando notou, já a uns 10 metros, o beijo apaixonado do casal.

O buquê de rosas no assento da cadeira lateral e ovinho barato esquentando nas taças.
Ele não disse nada, mas dava pra ver que não gostou. Aquela era a mesa dele, aquele era o dia dele, os garçons deviam saber. Era o mínimo que se esperava de um restaurante atencioso para com seus fregueses mais tradicionais.
Recolheu seu orgulho ferido e sentou-se em qualquer uma. “Qualquer merda serve” resmungou para o garçom.
Sentou-se e pediu um chopp escuro. Tão logo o garçom rabiscou no bloquinho, ali estava ele. Novamente só. E o restaurante parecia misteriosamente diferente. Assimétrico.
Estava incomodado. A nova mesa parecia destoar do dia-a-dia, parecia estar fora de lugar. Não estava mais no centro de seu espaço-tempo, as dimensões pareciam estranhas, não via mais a rua, não conseguia ouvir a musica, a mesa ficava numa passagem, e a cada três minutos um garçom estabanado passava chutando os pés da mesa, empurrando cadeira. E o cheiro? Ah, maldição! O cheiro era um problema. A cada minuto era cheiro de filé, de peixe, de camarão, de pizza, de macarronada. Aquilo o distraía, ele não podia se concentrar no aroma, no sabor.
Chegou o garçom com o chopp. Escuro, pingando, fez molhação na mesa. Sujou a toalha. Mas que diabos! Que merda de toalha? Veja você… Manchada, vermelha, suja. Um arroz derradeiro deitado, encurvado para cima, ressequido perto do paliteiro. Pobre arroz.
Ele sentiu pena daquele arroz. Pena e nojo.
Achava toalha suja em restaurante muito pior que lençol de motel reciclado.
“É só comida”, diriam. Pois no lençol de motel usado também é só uma comida. Não que fosse nojentinho ou coisa assim. Somente não era certo. Não estava direito.

Leia maisArroz à piamontese

Vem aí “O palhaço”

Galera, a Denise da Bananeira Filmes mandou uma dica bem legal. É o filme “O palhaço”, que foi escrito e dirigido pelo ator Selton Mello. Aliás, o próprio Selton atua no filme, que estreia amanhã (28). O Selton parece ter se empenhado pra caramba nesse filme. Pra ter uma ideia, é ele mesmo que atualiza …

Leia maisVem aí “O palhaço”

Mais novidades do filme 2

Conforme eu havia dito naquele post, aqui estão mais novidades do nosso curta de zumbi. Já ganhei a grana para comprar a câmera. Mas ainda não comprei, porque por sorte, minha mulher vai viajar em missão para Foz do Iguaçu ainda este mês e deve trazer uma do Paraguai pra mim bem mais em conta …

Leia maisMais novidades do filme 2